Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Wellington BSB

Série COMO PESCAR 1 - pescando curimba no anzol

Posts Recomendados

Irmãos do fórum :amigo: , aproveitando resposta que dei neste post http://www.turmadobigua.com.br/forum/vi ... 77&t=10614

gostaria de começar a compartilhar minhas experiências e aprendizados sobre técnicas de pescaria de diversos peixes.

joia:::

Começo com a técnica para pesca da corimba com anzol.

Aprendi esta técnica com um Grande Irmão, Meu Compadre, VALDIR PEREIRA, hoje Sargento da Reserva do Exército Brasileiro que vive em Campo Grande-MS e tem uma casa em Miranda-MS.

Com o tempo, vou contar histórias deste Grande Ser Humano que também é pescador, com quem aprendi muuuuiiiiiitttto.

Bem, começamos com a escolha do local da pescaria: deve ser um bom poço com água parada (nunca pesquei curimba em correnteza, nem que mínima) em local de preferência de praias, com fundo com barro (lembre-se que um dos nomes da curimba é "papa-terra"), mas também funciona em barrancos.

Antes de continuar, legal:: é importante para quem não está acostumado que esta é uma pescaria de muita paciência; assim, se for pescar curimba, reserve um dia todo; ou uma manhã ou uma tarde; faça um buraco no chão para o churrasco e o peixe assado (ou leve churrasqueira), coloque a caixa de isopor do lado (com cerveja ou refrigerante - não se esqueça do hidratante natural: água e água de coco), arrume um bom parceiro para a prosa e as sacaneadas e vamo-que-vamo.

A isca utilizada é "massinha" (teste vários tipos até achar o ideal - procure na internet). Faço basicamente com farinha de trigo. Massa firme; sem esfarinhar, de preferência.

Use uma vara de bambu grande com uma ponta PERFEITA e FINÍSSIMA, ainda com aquele lacinho branco na ponta. Ah, não se esqueça de amarrar a linha mais embaixo na vara de bambu, subir enrolando a linha até chegar à ponta e na argolinha. Também dá pra usar outras varas, como as telescópias, mas estas, ou outras, eu nunca usei.

Sem chumbada (o peso da massa irá levar a isca para o fundo).

Envolva o anzol totalmente com a massa, formando uma bolinha ou similar; importante esconder a ponta do anzol.

Procure um lugar para fixar as varas (de preferência faça uma ceva).

Normalmente, faço ceva pra curimba com farelo de milho. Chegando ao poço, misturo barro do fundo com farelo e jogo a cerca de 1 ou 2 metros da margem, até bem próximo à margem. Mas como esta mesma técnica de pesca e no mesmo local dá resultado com os bons peixes de escama do local (no pantanal, pegávamos junto com as curimbas piaus três pintas, "piauçus", piraputangas) . . . também pode-se, e deve-se, usar milho inteiro (pode ser previamente inchado - no molho - ou cozido ou, se não tiver jeito, milho que tiver).

Também faço bastante massinha e vou jogando durante a pescaria.

Fixe a vara no chão (NÃO SEGURE NA MÃO, não dá resultado - pelo menos não os melhores).

Se quiser caprichar, amarre na ponta da vara um pedaço de sacolinha de supermercado, ou outra coisa similar, para que se observe quando a ponta da vara abaixa (ajuda bastante, principalmente à noite - é, também pesca-se à noite).

Fique próximo da vara (normalmente, uso três, quatro varas uma ao lado da outra e, dependendo da disposição, uma linha em cada mão, uma no dedão do pé, outra na boca - eita . . .). Eu coloco meu físico LC (Lona de Circo rsrsrs...) num tamburete (AHÁ! Quem já ouviu este nome deve fazer muito tempo que não ouve, ou lê) tamanho MLC (maior que Lona de Circo) e passo o dia todo . . .

Observe ATENTAMENTE o movimento da ponta da vara (o movimento é realmente mínimo).

Assim que a ponta da vara abaixar um pouquinho (com o tempo vc pega o macete), dê um baita TAPA por baixo da vara: E PREPARE-SE, que a briga é bruta . . .

A curimba é muito esportiva, bringando muuuuiiiiiiiittttttoooooo e até pulando . . . É um espetáculo . . .

Uso anzol 3/0 ou 4/0 sem encastoamento (que pode ser necessário). Usava qualquer anzol mesmo, sem me preocupar com marca (normalmente, comprava os mais baratos).

Nos idos antigos (bem antigos mesmo), meu Compadre usava uma garatéia com dois ou três anzóis no lugar do anzol (no Pantanal, damos nome de "lambada" à garateia); o resultado é bem melhor, mas não uso por ser proibido pela legislação.

Faz muito tempo que não pesco assim (muito mesmo negativo:: ), mas um dia volto pra lá (ah, Meu Coração Pantaneiro . . .).

Bem, é isso.

Depois não se esqueçam de contar as experiências.

Forte abraço,

Wellington . . .

PS: assim que for me lembrando de algo mais, atualizo o post.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estive lendo as explicações do Wellington e ouso complementar com algumas explicações.Sim "ouso" pois na verdade, particularmente não pesco este peixe, entretanto, tenho amigos, lá na Represa Capivari Cachoeira, que se dedicam á pesca do mesmo, com algumas diferenças, antes porem, quero mencionar algumas características deste peixe no local:

1a) Normalmente eles só aparecem a noite e a gente percebe nitidamente porque eles ficam rebojando na flôr da água;

2a) Creio que o que fáz com que eles só aparecem neste período, é que lá na represa, muitos costumam usar os refletores, então provavelmente a luz dos mesmos é que os atraem, pois na frente do pesqueiro Recanto do Sabiá, existe outro, a Pousada Capivari, se bem que a maioria, estão na verdade em busca das tilápias.

3a) Não tenho certeza, mais me disseram que a razão deles ficarem rebojando é para limpar as escamas, já que durante o dia, eles ficam enterrados no barro???

Isto posto, vamos as dicas:

1) Normalmente quem se dedica á pescá-los, usa varas telescópicas p/molinete ou carretilha, naturalmente leves e muitas unidades;

2) Antes de armá-las, cevam o pesqueiro com muito milho verde e é obvio que esta é a isca;

3) As linhas das varas são montadas, da mesma forma como a telescópica de mão, com um flutuador( pena) na profundidade do pesqueiro, acrescido nas mesmas, a luz química (star-lite), chumbo de peso proporcional ás penas, parando num girador e na outra extremidade do mesmo, outro pedaço de linha de uns 20cm, onde atam um anzol tamanho 12 marusseigo ou chinú.

4) No momento em que eles param de rebojar, é a indicação de que eles poderão atacar a isca e se o fizerem, a pena fáz um movimento sútil, então é a hora da fisgada.

5) Claro que se as varas estão com molinete ou carretilha, eles tomam linha na briga, chegando as vezes até próximo do outro pesqueiro, então, quem os pesca, irá proceder da forma adequada, cansá-lo e finalmente capturá-lo e para tanto, usam um passaguá de tamanho maior, pois normalmente eles pesam de 5 até 12 quilos.

6) Outro modo que usam, é preparar as varas telescópicas de mão, geralmente acima de 4,00metros, da maneira acima, com um detalhe:

Estas varas são preparadas igualmente para quem costuma pescar "taínha" ou seja:

a) A linha, geralmente de diâmetro de 50mm, deve passar por dentro das emendas,saindo na ponteira;

b) Na extremidade de dentro, eles amarram a linha num daqueles elásticos de soro( o mais grosso existente), sendo que este elástico tem por volta de uns 50cm. Para prender a outra extremidade do elástico, eles fazem um furo na tampa da vara e o prendem naqueles lacre de latinhas de alumínio(cerveja ou refrigerante) eles formam uma espécie de braçadeira;

c) Na extremidade da linha que passou nas emendas, eles amarram um girador e no outro lado, outra linha do mesmo ou de diâmetro menor (35 a 40mm), colocam um flutuador, depois um chumbo proporcional á pena, que corre solto nesta linha, depois amarram-na num outro girador, que tb na outra extremidade, amarram outro pedaço de linha de uns 20cm onde será amarrado o anzol.

Porque utilizam este tipo de montagem?

Bem, já que a linha corre por dentro das emendas, a vara irá vergar sem perigo de quebrar. O elástico serve para cansar o peixe, sacou?

Apenas para complementar: Nós tilapeiros torcemos para que o corimba não venha atacar o milho de nosso anzol, nas nossas varinhas telescópicas normais, pois se o fizer, "babau" a vara quebra e infelizmente sempre acontece com freqüência, sacou?

Bem como sempre, meu objetivo é ajudar, falou?

Marcão.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa tarde Marcos, Meu nome e Hudson, gostei muito da explicação de como preparar as vara telescopicasm pra pescar curimbas . Desculpe minha ignorância, mas não entendi a parte da linha passando por dentro da vara nem da liga de soro, Teria como vc explicar melhor, se não for pedir demais quem sabe um video no you tube, acho que seria muito ultil para muita gem . Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Resposta ao Hudson. Não encontrei nenhum vídeo para orientá-lo, entretanto, se vc entrar em "IMAGENS" na Internet e procurar Varas Teçescópicas de mão para a pesca da tainha, irá encontrar uma vara com passadores, aquelas utilizadas para a pesca em praia, que corresponde a primeira parte de meu artigo, bem como, outra imagem de um lacre de latinha de cerveja e refrigerante que servira como braçadeira, onde se prenderá o elástico recomendado, mais vou tentar explicar o segundo sistema novamente:

1) Peque uma vara telescópica de mão, tanto fáz ser de emendas curtas, retirando a ponteira da mesma;

2) Para facilitar a passagem da linha de monofilamento no diâmetro indicado, desenrole uma certa quantidade da mesma do próprio carretel sem cortá-la e mantendo as emendas desta vara fechada, introduzindo a linha pela emenda mais fina, até chegar ao cabo da vara, onde obviamente a tampa foi rerirada;

3) Estique as emendas da vara e antes e é bom vc introduzir um pedacinho de uma pena de madeira no interior do elástico, que servirá de base para amarrar a linha indicada e na seqência, na outra extremidade, depois de fazer um furo na tampa da mesma vara, no diâmetro do elástico, passe o mesmo pelo furo e useo lacre como braçadeira;

4) Com as emendas da vara esticada, certamente o pedaço do elastico estará introduzido no interior da vara, bem como, a quantidade da linha necessária até chegar na ponteira da mesma. Então, vc deve ter o cuidado de l esticar a linha alguns centímetros, o suficiente para amarrar o girador na mesma, sendo que este naturalmente deve ser de um diâmetro um pouco maior que o da própria ponteira;

5) Ora, naturalmente como o elastico esticou um pouco, o pedaço de linha necessário para prender o girador deve ficar preso, senão, a linha voltará para o interior da vara, sacou?

6) Resolvida esta questão, com a linha devidamente amarrada no girador e evidente que na outra extremidade do mesmo, você irá amarrar outra quantidade de linha necessária para montar o restante do conjunto, ou seja: Colocar o flutuador de madeira, o chumbo de correr de peso proporcional ao flutuador, amarrar um novo girador, que na outra extremidade do mesmo o pedaço de linha necessário para amarrar o anzol.

Pô cvompanheiro, como é complicado colocar em palavras todo o processo, porisso se vc ainda não entendeu, me passe um e-mail com seu telefone, que eu ligo, explicando melhor ( marcãocapivari@ymail.com).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ê Wellington, pelo visto já frequentou muito o barranco do Arizona. rindo3::

Eu fiz incontáveis pescarias dessas com meu pai quando era moleque. Época boa! Devem fazer bem uns 20 anos que não pesco curimbatás.

Mas é uma pescaria sensacional! E não cuida pra ver se ela não sai arrebentando tudo.

Abração e boas pescarias.

PS: daquela época até hoje, se matam muitos, mas muitos peixes no Miranda. Infelizmente, já fiz parte dessa turma.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

×