Ir para conteúdo

Miro

Membro
  • Total de itens

    30
  • Registro em

  • Última visita

2 Seguidores

Sobre Miro

  • Rank
    Pescador de Lobó
  • Data de Nascimento 07-12-1982

Informações de Perfil

  • Localização
    Fortaleza

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Caro Raimundo, os açudes ficam entre Fortaleza e Maracanaú, em uma propriedade particular. O local é voltado para a prática de mountain bike, paga-se uma taxa para andar nas trilhas. Para acessar ao açude funciona da mesma forma. -- -------- Pois é Eduardo, tive que passar um tempo dedicado aos estudo no curso de doutorado em economia. O negócio é "barra pesada" e ainda estou só no primeiro ano; e a pesca é uma das melhores formas de "desopilar". Abraço a todos e obrigado pelos comentários.
  2. Valeu pessoal. Pois é Fco Cavalcante, a pesca com equipamento de mosca proporciona bastante satisfação. Ainda preciso aprimorar bastante. Rafael já ouvi falar desse açude e que o DNOCS fez um peixamento recente. Quem sabe ainda pesco por ai. Abs.
  3. Depois de algumas semanas bastante dedicadas aos estudos, a vontade de dar alguns pinchos era enorme. Entrei em contato com o meu amigo Edu no sábado a noite e a pescaria já estava agendada para segunda-feira, dia 19 de março, feriado de São José. Às 6:30 da manhã já estávamos às margens de um açude nas proximidades da Região Metropolitana de Fortaleza realizando os primeiros arremessos. Logo vimos ações dos pequenos tucunarés. Foi então que resolvi “treinar” alguns arremessos com o meu equipamento de pesca com mosca. Já havia algum tempo (uns 2 anos, rs) que eu estava entusiasmado com o flyfishing, mas ainda não tinha realizado uma boa pescaria com equipamento e técnicas da pesca com mosca. Com poucos arremesso entrou essa pequena traíra. Pouco depois, mudei de ponto e veio o meu primeiro tucunaré fisgado com equipamento de mosca. Pouco depois, mais um... O parceiro também se divertiu. Em um local mais adiante, o Luiz Eduardo que pescava com equipamento de bait localizou um cardume e foi nesse momento que vivenciamos o auge da pescaria. Consegui fisgar uns 6 tucunarés seguidos em um intervalo de tempo de uns 20 minutos (nem todos fotografados, mas todos devolvidos a água, é claro!). http://i1227.photobucket.com/albums/ee440/Vitor_Miro/Pesca_19mar/SDC12809.jpg http://i1227.photobucket.com/albums/ee440/Vitor_Miro/Pesca_19mar/SDC12808.jpg Fomos obrigados a fazer uma pausa em função de uma forte chuva, que já era esperada para a data. Depois da chuva o cardume havia saído do local. O Edu ainda teve sucesso com dois belos exemplares. http://i1227.photobucket.com/albums/ee440/Vitor_Miro/Pesca_19mar/SDC12822.jpg http://i1227.photobucket.com/albums/ee440/Vitor_Miro/Pesca_19mar/SDC12826.jpg Tive ainda algumas ações pescando com equipamento de fly, mas sem conseguir fisgar o peixe. Também mudados de ponto, caminhando até outro açude próximo, mas sem muito sucesso, com apenas uma captura do Edu. Não foram grandes exemplares, mas uma pescaria muito prazerosa de se fazer. Usei um equipamento #6, composto por: - carretilha Sierra/Okuma, - vara Mohawk River/Martin - linha Cabelas Prestigé WF6F-saltwater, - iscas atadas pelo Katiúscio de Natal (FFB). Daqui a pouco o Edu aparece e tece mais alguns comentários. No mais, vamos esperar pelas próximas. Forte Abraço e boas pescaria a todos.
  4. Legal Henrique! Teve até mais sorte do que nós com uns "criados". Abs.
  5. Valeu Fernando. No Castanhão peixes na casa de 3-4 kg ainda são comuns em boas pescarias. Em ótimas pescarias (que infelizmente ainda não fiz) vejo fotos de peixes na casa de 6 kg. O meu equipamento principal para essa pescaria foi uma carretilha curado 200E com linha 30 lbs e uma vara Enzo de 17 lbs. As iscas mais usadas foram Borás 10, Inna 90, Biruta 90 e jigs. O Eduardo usou equipamento equivalente. Abs.
  6. Já havia algumas semanas estávamos tentando marcar uma pescaria. Difícil era fazer coincidir um final de semana que desse certo, mas foi possível agendar a tão esperada pescaria para o segundo fim de semana de janeiro (14 e 15). Nosso destino era o vistoso Açude do Castanhão, na cidade de Nova Jaguaribara, região do Sertão Central cearense. O Castanhão é formado pelo represamento das águas do Rio Jaguaribe. Trata-se de uma represa construída em uma parceria entre a Secretaria de Recursos Hídricos do Ceará - SRH-CE e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - DNOCS. O Castanhão possui capacidade de armazenamento de 6.700.000.000 m³, o que corresponde a 37% de toda a capacidade de armazenamento dos 8.000 reservatórios cearenses. A represa possui importância estratégica como reserva hídrica do estado do Ceará, alimentando inclusive o Canal da Integração, que abastece a população da Grande Fortaleza e o Complexo Portuário do Pecém. Descobri sobre o Castanhão lendo uma matéria do pescador paraibano Saulo Nazion na edição 175 da revista Pesca & Cia (julho de 2009). Havia completado pouco mais de 2 anos que eu estava em Fortaleza e ainda não tinha conhecimento dos Tucunarés que habitam o lago. Posteriormente, obtive maiores informações sobre a pesca no Castanhão em alguns relatos dos quais destaco o postado pelo Rodrigo Sgambatti em agosto de 2009, do pessoal do Tucunas Brasil Fishing, entre outros. Eu já havia pescado no Castanhão em 2009. Para o Luis Eduardo seria a primeira imersão naquele belo açude. Combinamos a pescaria com o amigo Herbet que seria o nosso guia durante o fim de semana. Saímos na sexta-feira (13) já tarde da noite. Ficaríamos hospedados na pousada Os Maias. Após descansarmos algumas horas, tomamos o café e saímos para o açude por volta de 5:30 da manhã. Durante o café alguns pescadores já nos informaram que os grandes tucunarés do Castanhão não estavam ativos e que estava ventando bastante. Logo nos primeiros arremessos tivemos várias ações. Pequenos pacas e amarelinhos. Encontrar os cardumes era uma constante; tivemos umas 60 ações nos dois dias de pesca. O conhecimento do Herbet sobre os pontos e estruturas do açude foi um diferencial para encontrarmos diversos cardumes ao longo da pescaria. Saída no sábado. Alguns peixes O Herbet é uma figura ímpar. Cara gente boa, profissional, atencioso, sempre dividindo seu conhecimento sobre pesca, o Castanhão e “algo mais”. Herbet. No final da tarde de sábado o Luis Eduardo foi premiado com o maior Tucunaré da pescaria. Foi legal de ver o peixe saltando e a vibração do pescador. Apesar do machucado (o peixe encharutou a isca), fizemos a nossa parte e devolvemos para a água, assim como fizemos com todos os outros peixes. O peixe da pescaria foi esse! http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00168.jpg http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00169.jpg Pesque e solte, sempre! http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00171.jpg No domingo tentamos chegar ao açude mais cedo. Nosso destino seria pescar para o lado da Serra da Micaela. Os locais eram lindos, com muitas estruturas. Impossível pensar que não haveriam vovôs (como são chamados os grandes Pinimas que normalmente são pescados por lá) por ali. Cada arremesso bem feito nas estruturas gerava uma expectativa. Mas apenas os pequenos Tucunas davam as caras. Encontramos diversas “creches”. Os dubles e triples (com dois peixes na mesma isca) ocorreram em diversos pontos. Estruturas. http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00206.jpg http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00205.jpg Em um dos locais vimos um peixe maior bater. Joguei uma Biruta 90 na “cara” da fera. Foi só a isca bater na água para o bicho pegar e correr para o pau. Ainda pude sentir um pouco da corrida do peixe e podemos vê-lo entre os ganhos imersos nas águas, onde ele enrolou minha linha e “limpou a boca” logo em seguida. As ações perduraram até o meio da tarde, quando decidimos partir de volta a Fortaleza. Mais alguns tucuninhas. http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00217.jpg http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00203.jpg http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00165.jpg Foram dois dias bastante agradáveis, com muitas ações (por mais que sejam de peixes pequenos), piadas e descontração. A próxima já está combinada, esperamos que em uma época em que os grandes tucunarés estejam mais ativos. http://i1120.photobucket.com/albums/l495/Luis_Eduardo/DSC00186.jpg
  7. Caramba Edu! Você é o "desbravador" aqui de Fortaleza. Estou aqui babando ... Parabéns pelos Tucunas!
  8. Caramba! Só Monstro. PARABÉNS pela pescaria. Salinas é top de robalos!
  9. Fala Edu!! Tá desbravando os pesqueiros de Fortaleza hein! Já almocei umas três vezes no restaurante ali do lado e nunca imaginei que tinha tucunas nessa lagoa. Valeu!!
  10. Caramba Edu! Já ouvi falar de baby tarpons no Cocó. Mas não achava que era tão produtivo. Atolar nessa lama ai deve ser f... né não? Abraços e parabéns pelo relato.
  11. Pessoal, obrigado pelos comentários!!!!! Caro Sgambatti, eu me associei na APEECE quando o Yuri estava assumindo. Realmente ele está fazendo um trabalho fabuloso a frente da APEECE. A associação está bastante ativa e tem projetado obter um espaço importante na preservação do nosso esporte no Ceará. O curso do Nelson foi uma iniciativa brilhante para alavancar a prática da pesca ESPORTIVA do robalo pelo grupo da APEECE ( e que se reflita aos demais pescadores do ceará). O Ceará tem um potencial enorme para a pesca esportiva em estuários e a estrutura para isso ainda é muito incipiente. Gabriel, vocês podem organizar um curso do Nelson Nakamura ai no RS. É preciso ter um grupo que tenha o interesse e entrar em contato com a Magic Fishing School by Nelson Nakamura: http://www.nelsonnakamura.com.br/mfs.aspx?cod=4 Caros Ricardo e Márcio, vou transmitir os cumprimentos aos amigos Yuri e Thomas. Abraços!
×
×
  • Criar Novo...