Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Tassio Ferreira

Membro
  • Total de itens

    224
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Histórico de Reputação

  1. Upvote
    Tassio Ferreira deu reputação a Carlos Dini em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  2. Upvote
    Tassio Ferreira recebeu reputação de Eder Nascimento em VILA NOVA AMAZON – RIO SUCUNDURI/CAMAIU – SIMPLESMENTE A EXPERIÊNCIA MAIS ESPETACULAR DE NOSSAS VIDAS.   
    @Eder Nascimento
    A pescaria realmente foi muito boa, não só pelo local mas, também pelo grupo e operação/tripulação.
    Ano que vem se Deus quiser estaremos lá novamente.
    Um abraço e obrigado pela oportunidade de estar no grupo.
  3. Upvote
    Tassio Ferreira deu reputação a Gilbertinho em CUIDADOS ESPECIAIS NA PESCA EMBARCADA   
    Anderson, o que nos torna mais fortes e preparados são pequenas coisas como as que postei. Fico por demais feliz por suas palavras, e sempre que puder contribuir pra que gente como nós volte sempre são e salvo das aventuras que fazem parte de nossa vida, valerá demais a pena. Loguinho vou dar sequência ao post, como prometido. Há outros perigos na Amazônia que quero abordar para os colegas do Fórum.  
    Muito obrigado e um forte abraço.
    Gilbertinho da Amazônia 
  4. Upvote
    Tassio Ferreira recebeu reputação de João Neto em MAIS UM SONHO REALIZADA AMAZONAS 2016 - PARECIA PESQUE E PAGUE..   
    Parabéns!!!!
  5. Upvote
    Tassio Ferreira recebeu reputação de Ricardo A. em RELATO - Familia + Amazonia = realização de um sonho   
    Parabéns!
    Bela pescaria!
     
     
×
×
  • Criar Novo...