Ir para conteúdo

Seja muito bem vindo ao novo Fórum Turma do Biguá.

Como vc pode perceber, o fórum passou por mais uma atualização, além da busca constante por melhorias, a segurança do conteúdo postado por todos nós é levada a sério. 

Torcemos para que você goste do novo visual e, caso encontre algum erro no fórum, por gentileza nos comunique através do fbigua@gmail.com

Desculpe o transtorno e nos vemos em nossas salas.

Moderação do FTB.

Gilbertinho

Membro
  • Total de itens

    306
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    10

Gilbertinho venceu a última vez em Junho 11

Gilbertinho had the most liked content!

1 Seguidor

Sobre Gilbertinho

  • Rank
    Já consegue zarar
  • Data de Nascimento 27-07-1948

Profile Fields

  • Nome + Sobrenome (obrigatório)
    gilberto marcelino

Informações de Perfil

  • Localização
    Caracarai - RR
  1. Vício e doença mental ou é normal?

    Marcão, quando fala em escambo, vejo uma coincidência com a historieta que contei na postagem logo acima: "troco uma coisa que não preciso por outra que também não preciso..." . Todo o resto de sua fala é correto, embora discorde da justificativa de comprarmos tralhas como medida preventiva. Somos viciados e insaciáveis mesmo, é preciso reconhecer.
  2. Envelopar embarcação

    O Astra tem razão, o envelopamento tradicional vai cedo para o brejo, e o especial é por demais caro. A sugestão que ele deu em relação ao verniz automotivo é boa, e sua aderência pode ser bastante otimizada se você se dispuser a lixar a pintura original com lixa grão 2.000 para depois aplicar de 3 a 4 demãos de verniz PU, que é bem resistente e mantém as características de brilho do produto final. Abraços do Gilbertinho
  3. Vício e doença mental ou é normal?

    O tema está pra lá de bem discutido. No meu pensar, fazendo uma auto-crítica sobre o que fiz em quase 50 anos (tenho 69 atualmente), conclui que reagimos até exageradamente em certos casos, segundo a atração exercida por alguma coisa, o que nos leva a ocultar os brinquedinhos que sorrateiramente compramos, quando dá, e quando não é possível recorremos à toda sorte de argumentos para justificar as aquisições, inclusive a nós mesmos, quando nos apercebemos que extrapolamos o limite do bom senso. Pessoalmente, já experimentei essa sensação de arrependimento, mas o que fazer, se num certo momento essa reação aflorou e acabei por comprar mais e mais do que já era suficiente? Alguém pensa que essa mania tem fim? De fato tem, é quando a gente morre, porque na verdade, substituímos uma coisa por outra no decorrer do tempo. Se de um lado coloquei num segundo plano as tralhas e quinquilharias da pesca, de outro me fixei em barcos, motores e veículos, tudo de uma forma exagerada, pois minhas necessidades apontam exatamente em sentido oposto, já que bastaria apenas uma unidade de cada um para atender minhas demandas. A meu ver, quem fez referência ao termo "acumulador", passou muito perto da resposta. Se isso for uma doença, sou mais um membro do clube, porque achar que isso é normal, no sentido lato do verbete, considero equivocado. Esse assunto me fez lembrar uma frase engraçada dita por um ancião alasquiano, dono de um ferro-velho (episódio da Grande Família do Alasca). Ele disse mais ou menos assim: "eu troco uma coisa que não preciso por outra que também não preciso, vendo outra coisa que não preciso para depois comprar outra que também não preciso". Acho que a gente meio que se enquadra nessa situação porque, ao menos no meu caso, já troquei iscas por iscas, comprei tantas outras que nunca usei, já tive inúmeros barcos ao longo do tempo e hoje tenho "apenas" quatro, quando só preciso de um, tenho cinco carros de uso pessoal, e se aparecer algum desses itens que me agrade...sei não! A cada besteira dessas que faço, minha filha (sou viúvo) indaga: outro? pra quê? E lá vou eu a dizer que é investimento, coisa e tal. Dileto amigo, não se preocupe, todos neste Fórum sofrem da mesma enfermidade, que aliás nos traz sempre muita alegria, chiadeira das briguentas à parte, sempre dá pra contornar, desde que atendamos também e bem todas as demandas delas e da filharada. Abraços do Gilbertinho
  4. Caro JC, Primeiro, quero registrar meu apreço por instituições sérias como o MPF, porém não vejo razão para me ver instado a mudar minha opinião. Uma coisa é reconhecer a relevância de sua atuação, num plano geral, outra é, por temor de possíveis consequências, renunciar ao direito de emitir opinião, num cenário em que evidencia um tratamento bastante distinto quando a pauta trata de interesses e demandas indígenas, que invariavelmente suprimem direitos e causam fortes impactos nas sociedades envolventes. Há muitos casos que corroboram essa assertiva, na medida em que, limitando-me a expor sobre a problemática indígena em Roraima, cito como exemplo a questão das linhas de transmissão de eletricidade no trecho Amazonas-Roraima, unidade federada que se vê ao longo dos anos dependente do fornecimento de energia elétrica pela Venezuela (Linhão de Guri), situando-nos como reféns de um país politicamente instável e sujeitando-nos a frequentes apagões. Veja que a decisão do STF sobre a Raposa do Sol estabelece que obras públicas não podem ser impedidas pelas populações indígenas, porém a realidade demonstra exatamente o contrário, sem que se verifique a preocupação do MPF quanto ao problema, que afeta indistintamente toda a população do estado. Tive oportunidade de tratar de assuntos relacionados à pesca esportiva em terras indígenas com a PGR, em Brasília e com procuradores federais em Manaus. Tratam-se de pessoas do mais alto gabarito, mas quando o assunto envolve populações indígenas, a balança pende para um único lado. Talvez isso decorra da preocupação com atos lesivos que venham a ser perpetrados por empresas e pessoas de má índole em suas relações com os povos indígenas, porém entendo que para eliminar os carrapatos não se faz necessário matar o boi, basta que o interesse na exploração do patrimônio material e/ou imaterial desses povos seja sempre balizado pelo MPF. mais: caro JC, nunca me furtei ao cumprimento da lei. No caso Jurubaxi, para ter uma ideia, em abril pessoalmente interpus pedido de audiência ao MPF/AM, onde compareceríamos acompanhados das lideranças locais. O objetivo era o de inteirar o procurador sobre o assunto e dele ouvir toda e qualquer instrução ou recomendação, de modo a nos alinharmos perfeitamente com as posições do MPF. Infelizmente, esse pleito não foi atendido. Quanto ao General Franklinberg, atual presidente da FUNAI, adianto que o conheci quando ainda dirigia a área de desenvolvimento socioambiental da Fundação. Na verdade, ele havia sido anteriormente indicado para ocupar a presidência da Fundação, notadamente diante de sua origem indígena. Isso não ocorreu em razão do veto de organizações indígenas, certamente incomodadas pelo seu histórico militar na Amazônia Ocidental. Com a exoneração do ex-presidente "Toninho", restabeleceu-se a condição necessária à sua assunção ao cargo que atualmente ocupa. Situo o General como pessoa de índole inatacável, preparado, muito experiente e conhecedor das sutilezas e dos multifacetados cenários que envolvem a Amazônia e as causas indígenas. E o melhor de tudo, é que se trata de pessoa de fácil acesso e sempre pronta ao diálogo. Quanto ao IBAMA, pouco tenho a dizer. A CF/1988 define sua competência em relação aos interesses de terceiros na realização de atividades econômicas em terras indígenas e, até onde sei e vejo, sua atuação não merece reparos, exceto pela crônica falta de recursos financeiros para fazer mais e melhor. Finalizando essa brevíssima manifestação, em meu pensar deveria ser criada uma representação que congregasse todas as associações de operadores de pesca da Amazônia, estabelecendo-se nisso um fortalecimento institucional capaz de rechaçar ameaças e dar curso a diretrizes amplas e planejadas, cuja execução resultaria na mudança dos atuais paradigmas, em todas as frentes, influenciando as políticas públicas do setor, a edição e aplicação das leis, a incorporação de atributos indispensáveis, como a responsabilidade social e um correto ordenamento pesqueiro, assegurando aos mercados a oferta de um produto turístico de primeira qualidade e uma política de preços acessíveis, focadas no crescimento quantitativo de pescadores que aspiram conhecer e pescar nas águas da nossa Amazônia. Venho há muito pregando essas ideias a um amontoado de surdos, o que me leva a concluir que estou a falar bobagens ou de algo meramente utópico. Cara, fica com Deus e tenha um bom final de semana. Abraços do Gilbertinho.
  5. Caríssimo JC, permita que eu comente o seguinte: Quando diz “caso seja homologada a T.I. Jurubaxi-Téa” podemos tirar o cavalo da chuva. A homologação é irreversível e, pior que isso, segundo a postado na página da FOIRN (Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro, no todo são 4 terras indígenas em processo de regularização. Logo Santa Isabel do Rio Negro passará a ter o mesmo destino de Pacaraima, em Roraima, que é hoje uma cidade encravada na Terra Indígena Raposa do Sol. Não duvido que um dia Manaus caia na mira da gula indigenista, afinal, seu próprio nome deriva da etnia Manaó. É bom que a FUNAI não se aperceba disso. Prejuízos socioeconômicos? Ora, nosso governo não quer nem saber se a população de Santa Isabel irá perder terras, empregos e negócios, basta ver o histórico da região da Raposa, onde fazendas altamente produtivas foram expropriadas, deixando patrões e empregados a ver navios. A história se repetirá, tenha 100% de certeza. Relativamente à leitura que faz sobre a questão do turismo nas terras de Santa Isabel, a razão mais uma vez lhe assiste. Não necessariamente pelo fato de estrangeiros virem para cá, o cerne do problema está nos altíssimos custos que qualquer empresário do ramo da pesca terá de assumir para fechar contratos com a representação indígena. Esse fator coloca na estratosfera os preços dos pacotes de pesca, e não se pode estender a culpa ao operador. Parece que você escolheu o dia para acertar em tudo, pois as organizações indígenas são fortemente influenciadas por ong alimentada por recursos financeiros e diretrizes que não interessam ao País, o que me faz lembrar saudosamente dos tempos do governo militar, em seu lema “integrar para não entregar” sobre a Amazônia. Infelizmente, os governos que o sucederam fazem diametralmente o oposto, estão entregando nossa Amazônia aos interesses internacionais. Os discursos demagógicos sobre o suposto espírito humanitário são nada mais que uma cortina de fumaça capaz de enganar os tolos de plantão, especialmente afamados artistas nacionais que residem em países europeus e norte-americanos. O interessante é que o próprio Ministério Público Federal embarcou nessa também, na medida em que silencia sobre o problema e apoia as iniciativas dessas organizações. Ops, vejo-me na contingência de retirar a assertiva elogiosa que lhe atribui há pouco. Ao ler seu comentário subsequente, não vejo como lhe dar inteira razão, porque todas as instituições federais que você cita estão envolvidas até o pescoço nesse processo de expropriação e destinação de terras públicas visando a criação de terras indígenas. Pessoalmente estive na Procuradoria-Geral da República, no MPF no Amazonas e na sede da Funai, em reuniões de trabalho com decisores. Quanto ao Ibama, é bom que o amigo saiba que ele é quem faz os estudos de campo para a pesca esportiva e a análise das peças técnicas produzidas pelas empresas interessadas. Infelizmente, não devo citar nomes, mas bem que gostaria de dar nome aos bois. O amigo diz que “a festa parece que vai acabar...”, e versa sobre investigações, coletas de provas, etc., e conclui dizendo que “tomara Deus que a River Plate não tenha pago nada a técnicos do IBAMA porque saber que isso é crime”. Caríssimo Kruel, só Deus sabe o que a empresa já passou e ainda tem de passar para iniciar as atividades de pesca no Jurubaxi. Ademais, em minha condição de consultor, jamais daria suporte a decisões dessa natureza. Ou tudo é feito em conformidade com a lei ou nada é feito, e isso sempre foi respeitado. Olha, você escreveu bastante, e gostaria mesmo de comentar literalmente tudo o que disse, porém, pelo adiantado da hora, limito-me a concluir comentando seu último parágrafo, ratificando meu entendimento que não apenas os rios de terras indígenas, mas todos os que detenham potencial pesqueiro para a pesca esportiva sejam devidamente zoneados conforme sua extensão, admitindo-se duas ou mais zonas de pesca que seriam, em homenagem ao Princípios da Legalidade e da Transparência, devidamente licitadas. Nesse caso, a exclusividade estaria assegurada a todas as empresas vencedoras de certames, o regramento garantiria a perpetuidade das espécies da ictiofauna, os ribeirinhos receberiam uma justa paga pela cessão dos direitos preferenciais de uso, os governos receberiam os tributos cabíveis e os pescadores esportistas pagariam preços razoáveis para exercitar seu esporte favorito, depois de namorar as mulheres. Dileto Capita, permita que eu faça alguns esclarecimentos: 1 - A FOIRN assinou contrato com a Liga (River Plate) dia 12 deste mês. Dois dias depois, resolveu que o contrato teria de ser alterado, e a empresa concordou, estando agora no aguardo da elaboração de Termo Aditivo ou coisa que o valha para que, enfim, o assunto seja encerrado; 2 - O contrato estabelece que a Liga (River Plate) irá operar unicamente na temporada 2017/2018, tempo necessário à elaboração de estudos de campo (ambientais e socioeconômicos); 3 - A Liga (River Plate) se valeu de duas lacunas na IN 03/2015/FUNAI para postular a autorização de pesca na temporada 2017/2018. É que não havia sido editado e publicado documento orientativo de elaboração dos Planos de Visitação, e não havia sido concluído e publicado o Termo de Referência aplicável para o turismo de pesca, como prevê a norma. A Funai-sede acolheu os argumentos e estendeu o prazo para apresentação dos Planos de Visitação. 4 - Segundo informado, a agenda da FOIRN prevê a licitação do Jurubaxi entre 2018 e 2019 (pós e pré-temporada), onde uma única empresa será escolhida para firmar contrato de longo prazo, como se deu no Marié, (10 anos); 5 - Independentemente do que vier, está decidido que a empresa irá participar da licitação, que será precedida da publicação do respectivo Edital. Finalizo renovando abraços. Gilbertinho
  6. APOSENTADOS DEPOSITO DO 13 º SALARIO

    Shoji, Não é a primeira vez que você posta informações de interesse público. Logo passará a ser reconhecido como "Serviço de Utilidade Pública do FTB" Muito obrigado pela informação, vou registrá-la em minha agenda. Gilbertinho.
  7. Belíssima avaliação, Marcos Vinicius. De fato, o setor do turismo de pesca no país foi sempre desordenado, à falta de legislação que o regulamente, fazendo com que praticamente todo o empresariado envolvido na atividade receba a pecha de oportunistas e vigaristas, o que sempre testemunhei, inclusive de autoridades governamentais. Não por menos, vemos empresas disputando os mesmos espaços de pesca, como sempre se viu, cada qual objetivando oferecer o melhor produto a seus clientes e aumentar suas receitas, sua clientela e seu próprio status. Uma verdadeira batalha campal, mas o certo é que raras empresas buscam regularizar-se com foco no alcance de áreas preservadas que lhes assegurem maiores receitas e exclusividade em sua exploração. Vale tudo. A questão que envolve o Médio Rio Negro é bem mais ampla do que se imagina. Atualmente, são 4 terras indígenas em processo de regularização. Só a Jurubaxi-Téa reúne 4 rios de grande interesse da pesca esportiva, e não é nada fácil conseguir êxito em sua exploração. O problema central está em posições de difícil superação assumidas por organizações indígenas. Essas entidades entendem que as operadoras de turismo devam arcar com altos investimentos para ter acesso à atividade em terras indígenas. Para se ter uma vaga ideia do problema, veja que qualquer empresa se obriga a investir (a fundo perdido) o resultado de um ano de operações em obras e ações estruturais das aldeias, além de pagar caro por cargos e funções não dominadas pelos índios, como guias, fiscais, monitores, etc., mas o assunto não se esgota nisso. A empresa também deve arcar com todos os custos relacionados a estudos de capacidade de suporte, capacitações, fiscalização ambiental, planos de manejo pesqueiro e missões de monitoramento e ao final pagar elevadas compensações ambientais a título de remuneração de contratos. Some-se a isso os custos operacionais de qualquer empresa, tais como combustíveis, alimentos, bebidas, manutenção, mão-de-obra especializada, encargos, tributos e logística, entre outros. Veja que a logística se compreende voos charter, a um custo que varia de US$ 1.200 a US$ 1.500/hora, dependendo do tipo de aeronave (convencional ou hidroavião). O percurso de ida e volta entre Manaus e SIRN requer em torno de 4 horas de voo, levando a um total entre US$ 4.800 e US$ 6.000 por viagem, e em função do preço do pacote, é bastante comum que as aeronaves voem com capacidade ociosa, o que aumenta o problema. Esses fatores respondem pelos altos preços dos pacotes cobrados pelo empresariado quanto o assunto encerra terras indígenas. Outro ponto importante é o da exclusividade. Não é a empresa que defende essa condição, trata-se de imposição de entidades indígenas. Cito como exemplo o Rio Marié, que tem mais de 500 quilômetros de extensão e é explorada por uma única empresa. Pessoalmente, vejo como correto o zoneamento de um rio, permitindo que duas ou mais empresas nele atuem, em zonas de pesca delimitadas geograficamente e instruídas por estudos, técnicas e meios de preservação dos estoques de interesse da pesca esportiva e da própria cadeia alimentar envolvida. Isso permitiria o rateio dos investimentos forçados (obrigatórios), a redução dos preços de venda dos pacotes e o acesso a empregos por um coletivo bem maior, sem afetar dramaticamente a questão que você corretamente cita, como os impactos sobre a economia dos municípios no universo compreendido pela atividade turística (comércio, hospedagem, transportes, restaurantes, serviços, etc). Ao meu sentir, esse seria o cenário ideal, contudo, a inépcia governamental e o desconhecimento sobre o setor por parte de entidades indígenas e suas instituições parceiras, em geral organizações não-governamentais, acabam por formar decisões e posições bastante equivocadas, prejudicando empresas, pescadores e a socioeconomia dos municípios. É recomendável que as empresas que tradicionalmente desenvolvem atividades do turismo de pesca em SIRN busquem atualizar-se sobre a nova legislação incidente sobre a pesca em terras indígenas (IN/03/FUNAI/2015) e o que mais couber, sob pena de serem substituídas por outros interessados num futuro bem mais próximo do que se imagina. De outro lado, vejo que o setor deveria se unir contra esses adversários, estabelecendo armistício até que esforços comuns planejados e executados fossem satisfatoriamente alcançados, ainda porque tramita no Congresso um projeto de lei elaborado por quem nada entende do assunto, com o objetivo de auferir votos, e não definir soluções adequadamente balizadas. Com esses comentários, finalizo esse breve manifesto, não sem antes registrar a satisfação por sua qualificada postagem, que deve ser por todos reconhecida em função de sua pertinência e domínio sobre o tema. Abraço do Gilobertinho
  8. Cristiano, Há algum tempo perguntei se o rio é bom de pesca, e era o que eu queria saber, para evitar gastar tempo e dinheiro na dúvida. Veja por favor os comentários que acabei de postar e esclarece muitas intervenções que me eram desconhecidas. Adianto porém, em nome do respeito que lhe devo, que me era desconhecido o potencial pesqueiro do Jurubaxi, onde pretendo pescar nesta temporada 2017/2018, agora que já levantei muitas informações positivas sobre os recursos pesqueiros do rio. Creio que se entendi bem as perguntas, a resposta a segunda consta da primeira. Se tiver dúvida, esclareço na primeiríssima oportunidade. Gilbertinho
  9. Mariano, Não era do meu conhecimento o que foi dito a meu respeito, num tópico que eu mesmo postei. Isso se deveu ao deslocamento do tópico para outra área do Fórum, por iniciativa dos administradores, logo após um membro haver postado a primeira resposta. Me queixei inclusive por conta disso, mas agora, depois de ler o que foi postado por alguns membros, informo o seguinte: 1) Não me cabe nenhuma retratação, por inúmeras razões. Primeiro, porque quando há tempo comentei que a pesca em SIRN se encontraria suspensa a partir desta temporada, postaram que eu estaria provocando "ruídos", o que leva a entender claramente que ninguém acreditava que isso poderia ocorrer, o que, em tese, me situava como mentiroso; Segundo, porque esse alerta derivou do fato de saber que o MPF publicara recomendação expressa nesse sentido, e minha intenção era exclusivamente a de evitar que pessoas adquirissem pacotes de pesca para a região (não apenas o Jurubaxi) e ao final tivessem sua expectativa frustrada; Terceiro, porque uma das empresas para as quais presto consultoria ambiental, motivada por Ofício procedido da CR/FUNAI/AM, me acionou para cuidar de aspectos técnicos e jurídicos pertinentes ao tema, visto que essa empresa, Liga de Eco-Pousadas da Amazônia, opera em três Terras Indígenas distintas: Tenharim-Marmelos, Igapó-Açu e Matupiri, e já houvera operado no Jurubaxi, em períodos anteriores ao da liberação geral que ocorreu em meados de 2007/8, quando diversas empresas foram autorizadas a pescar pela Prefeitura de SIRN; Quarto, porque procede apenas em parte a informação de que presto consultoria para a Liga de Eco-Pousadas. O faço do mesmo modo para outras operadoras de pesca da região, e por tal razão sempre detive informações atualizadas sobre a pesca, reunindo informações procedentes de estudos, tendências de mercado, destinos potenciais de pesca, ações e decisões governamentais, aspectos jurídicos atinentes à pesca e assim por diante; Quinto, porque não procede (portanto é mentirosa) a fala de que na temporada passada eu teria me aproximado dos povos do Jurubaxi para negociar o ingresso da Liga no rio. Isso de fato ocorreu em dezembro passado, e pela vez inédita, após dois adventos: a) publicação da IN/03/FUNAI e b) a edição da recomendação do MPF pela suspensão da pesca em SIRN, até que se consumasse a regularização prevista na referida IN. A bem da verdade, foi a única oportunidade em que estive na região de SIRN, a pedido do cliente; Sexto, porque a partir dessa mudança do cenário jurídico, abriu-se uma janela de oportunidades que a Liga, amparada no fato de haver celebrado acordos de pesca no Jurubaxi no passado, decidiu-se por buscar os caminhos da regularização exigidos pela lei, o que consumiu praticamente 7 meses de intenso trabalho, boa parte realizado por mim. Creio que as operadoras de SIRN tinham até melhores chances para alcançar esse objetivo, contudo ignoro se fizeram algo a respeito; Sétimo, porque quando busquei informações a respeito da piscosidade do Jurubaxi, é porque cogito pescar lá nesta temporada e não faço ideia se vale a pena, e repare bem que quando fiz a indagação no Fórum sobre a piscosidade do rio, não mencionei empresa ou pacote, apenas disse que mantinha relações de amizade com os povos locais e que me seriam disponibilizados os meios para tanto, o que é absoluta verdade. Além do que, comunitários da aldeia Acuariquara me solicitaram apoio técnico em georreferencimento, o que me predispus a atender na primeira oportunidade. Mas caso assim deseje, posso muito bem agora me alojar na estrutura da Liga, sem custo algum. Oitavo, porque o contrato com a FOIRN e as comunidades foi celebrado nesta quarta-feira, dia 12, e minha indagação sobre a piscosidade do rio ocorreu há 30 dias ou mais e, dependendo das respostas, iria pescar por lá independentemente de a Liga alcançar seu intento; Nono, porque fiz vários comentários a respeito da pesca em SIRN e outras regiões da Amazônia, alguns membros até se queixaram de minhas intervenções em outros temas aqui postados por outros membros. Menos mal que abstiveram-se de críticas em relação à qualidade do que postei. A esses, digo que há 40 anos me dedico a questões ambientais envolvendo a Amazônia Legal, o que me leva a um grau diferenciado do saber, é por tal razão que empresas de diferentes ramos procuram meus serviços. Porém, quem ler qualquer comentário que postei verá que empresa alguma foi citada - contratante ou não, tampouco assumi a condição de representante de alguma delas, nem me envolvi com a comercialização que qualquer produto ou serviço por elas oferecido, e isso significa ética e honestidade de princípios. Décimo, porque nunca formei juízo de valor sobre quem quer que seja, baseado em conversas de beira de rio ou boatos. Essa conduta é própria de gente despreparada ou imatura. Não me cabe depreciar a imagem que alguém com base em pressupostos, falácias, suposições ou conclusões equivocados. Só o que sei e acredito é que sempre, invariavelmente, a verdade prevalece sobre tudo. É só uma questão de espera. Aproveito para convidá-lo e os demais membros interessados a atentarem bem à minha resposta inicial neste tópico. Depois reflitam se minhas posições merecem críticas negativas ou se, de algum modo, guardam relações com o aqui exposto. Finalmente, deixo claro que até aqui me honra participar deste Fórum, mesmo que em uma ou outra ocasião me depare com situações e comentários improcedentes. Diverências são sempre bem aceitas. De outro lado, contrariando minhas expectativas, tenho de reconhecer que o deslocamento do tópico por iniciativa da administração do Fórum não trouxe prejuízo a que muitos o lessem e realizassem as intervenções que julgaram devidas - para o bem e para o mal. Vejo-me instado a pedir desculpas ao Fabrício, que me noticiou do deslocamento do tópico. Afinal, a razão lhe assistiu, dileto Capita. Permaneço à disposição para quantos outros esclarecimentos se fizerem necessários. Gilbertinho
  10. Caro Beto, Tudo indica que sim. A River Plate deve de fato operar no Jurubaxi, com exclusividade, a partir na nova temporada que se avizinha (setembro/2017-março/2018). Sabemos que até a temporada passada diversas operadoras exploravam livremente os rios de SIRN, contudo, com a edição da IN/03/FUNAI, que regulamentou a atividade de pesca esportiva em terras indígenas, o MPF publicou decisão pelo impedimento da venda de pacotes de pesca por toda e qualquer empresa em SIRN, citando nominalmente algumas delas. A partir desse marco, a pesca esportiva em SIRN está totalmente suspensa, até que todo um processo de regularização seja consumado. Antes de prosseguir, preciso fazer uma correção à sua fala: primeiro, praticamente 100% das terras de SIRN são indígenas, em menor ou maior estágio de regularização. Segundo, para fins da já referida IN/03/FUNAI, para uma T.I. (Terra Indígena) ser assim considerada, basta que tenha sido publicado o respectivo estudo antropológico com a respectiva demarcação, isto é, não se exige, para a incidência da IN, que qualquer das áreas ocupadas por populações indígenas tenham sido fisicamente demarcadas e cumpridos todos os ritos vinculados à sua regularização. Nesse contexto, informo que o Jurubaxi integra a TI Jurubaxi-Téa (são três os principais rios abrangidos pela TI, e dois já fazem parte de sua denominação). Daí, uma das questões fica respondida: O Rio Jurubaxi integra uma Terra Indígena, e a pesca esportiva só pode ser desenvolvida nele por empresa que tenha atendido os requisitos legais especialmente exigidos pela IN/03/2015/FUNAI. Adiante, esclareço que River Plate é o nome fantasia da empresa LIGA DE ECO-POUSADAS DA AMAZÔNIA, uma das mais antigas operadoras brasileiras de pesca em nossa Amazônia. Em termos de pesca em terras Indígenas, ela opera há um bom tempo nos rios Marmelos, Igapó-Açú e Matupiri, abarcando três diferentes áreas. Ela não pesca em regime de compartilhamento de áreas com outras empresas do ramo, em razão do excesso de estresse de repetidas capturas de espécimes do Tucunaré, o que ocorre nesses casos. Diferentemente, a LIGA adota planos de manejo par todas as áreas em que opera, o que permite um descanso maior aos peixes já capturados e reentroduzidos. De outro lado, não creio que o fato de uma única operadora explorar a pesca num dado local seja negativo, se considerarmos que não basta alguém (brasileiro ou não) ter vontade de pescar na Amazônia. É essencial que a expectativa de capturas seja atendida em plenitude. Afinal, as despesas são relativamente altas, e é preciso que um bom produto seja entregue ao cliente, sob pena de ele repercutir o que há de pior junto ao mercado, cujos efeitos dispensam comentários. Vai pesar mais no bolso uma pescaria em SIRN? Sim, vai pesar. Ocorre que estamos numa transição até tardia diante dos cenários tradicionais envolvendo a exploração da pesca por empresas ditas "especializadas". É que, ao longo dos anos, prevaleceu um binômio pescador-operador. O primeiro pagava o pacote e o operador o conduzia a bons destinos, sem ter de pagar nada por isso, permitindo-se uma maior lucratividade, porém sem sustentabilidade social, quando o correto é que se formasse um trinômio obrigatório, envolvendo o componente social, os ribeirinhos residentes nos chamados destinos turísticos. Esses, de forma gradual, aperceberam-se que suas áreas de uso tradicional vinham rendendo altos lucros para empresários, desconsiderando as necessidades de desenvolvimento local. A partir disso, o ingresso de barcos ou a instalação de lodges vem obrigando o empresariado a destinar parte de seus lucros em remuneração de contratos celebrados com comunidades ribeirinhas, e para manter a maior receita financeira possível, eleva os preços dos pacotes que oferecem. No caso das Terras Indígenas, o impacto é ainda maior, já que se exigem remunerações contratuais bem mais altas (100% maior), além de investimentos infraestruturais, estudos ambientais e fiscalizações permanentes e capacitações comunitárias, tudo a fundo perdido. Esses fatores determinam a definição de um preço maior para destinos situados em terras indígenas, porém os resultados da pesca justificam em razão do alto grau de preservação dos estoques pesqueiros. Finalizando essa nossa conversa, acrescento que as várias operadoras de pesca de SIRN, atualmente proibidas de operar e vender pacotes, parecem padecer, em alguma medida, de uma qualificada gestão administrativa. Veja que a IN/03/FUNAI foi publicada em junho de 2015, o MPF recomendou a proibição em novembro de 2016, a FOIRN (Federação dos Povos Indígenas do Rio Negro) publicou matéria a respeito. Todas tiveram tempo suficiente para buscar sua regularização, porém optaram por reclamar que um "gringo" estaria tentando tomar o lugar delas no Jurubaxi ao invés de "fazerem a lição de casa". Note que sequer sabiam ou procuraram saber se a empresa seria nacional ou estrangeira. Interessante é que nenhuma delas também se preocupou com o desenvolvimento social e econômico dos povos indígenas dessas terras ao longo de anos, apesar de explorarem "seus quintais" à vontade, sem custo algum. Toda consequência é decorrente de fatos, e o caso é exatamente esse. Em suma, entendo que a liberação dos rios de SIRN dependerá do cumprimento das exigências da IN/03/FUNAI por toda e qualquer empresa interessada. O processo é burocratizado e pautado em peças técnicas, econômicas e contratuais extensas, o que recomenda começar o quanto antes. Apenas empresas pré-qualificadas terão o direito de exploração exclusiva dos rios situados em T.I. A LIGA percorreu esse caminho desde dezembro/2016, e somente agora é possível adiantar que ela passará a ser a operadora exclusiva do Jurubaxi nesta próxima temporada. Se puder ajudar em algo mais, basta pedir. Abraço do Gilbertinho
  11. Pintura interna do barco

    Pedrão; Você tem mais de uma opção: 1) Siga a dica do Astra: pinte da cor que bem entender e use tapetes próprios para barcos para revestir o barco, inclusive os bordos internos. A cor cinza é a ideal, e além disso os tapetes (ou revestimentos) reduzirão bastante os clássicos ruídos do alumínio; 2) Você pode também adotar como solução a pintura (emborrachada) do barco, utilizando tinta solúvel em água para pintura de chassi automotivo, que geralmente vem em 3 cores: vermelho-vinho, preta e cinza, são todas foscas, o que reduz ou elimina reflexos. Para ficar ainda melhor, essa tinta deve ser aplicada com pistola de emborrachamento (sem diluição), ou pistola de pintura bico 15, também sem diluição. Ambas permitirão a formação de uma camada espessa de tinta, reduzindo o ruído. Boa sorte.
  12. Limpeza de tanque! Ajuda!

    Tudo bem, Astra, pelo andar da carruagem, o problema está resolvido. Ontem até esqueci de lembrá-lo de usar luvas de borracha ou de procedimentos médicos para se proteger do limpador de alumínio que, como disse, tem soda cáustica como base. Usar roupas velhas também é bom, além de evitar contato do produto com a pele. Você diz que o material residual que restou no tanque é graxoso. O tal limpador tem ótimo desempenho na diluição de resíduos graxos. Se um dia se ver de frente com o mesmo tipo de problema, mande bala. Abraço.
  13. LEI 13466/17 - ALTERA ESTATUTO IDOSO

    SHOJI, Mais uma importante contribuição que você presta ao FTB. Alteração de lei boa de ler, difícil de utilizar. Pena que, como era sua expectativa, a isenção do IR para os veteranos não foi lembrada, e se o foi, a força do Leão fez com que caísse no vácuo do esquecimento. Grato pela informação. Gilbertinho
  14. Limpeza de tanque! Ajuda!

    Brother; às vezes me vejo diante de situações semelhantes. Em geral, obtenho bons resultados utilizando um líquido para limpeza de alumínio, vendido em supermercados. Dependendo do caso, uso puro, deixando a peça em contato com o produto durante algum tempo, basicamente o suficiente para que ele amoleça ou dissolva qualquer meleca ressecada. Como a base é soda cáustica, o tanque não será prejudicado. Observe se há peças metálicas no bocal e, havendo, evite que o produto entre em contato com elas. A cor deste líquido é avermelhada, e vem num frasco plástico de 1 (um) litro ou pouco mais. Boa sorte. Gilbertinho
  15. Apresentação - Daniela

    Garota, obrigado pela gentileza de suas palavras, e manifesto o pesar pela perda de seu pai; O que você não sabe, quando se refere ao fato de meus filhos ainda serem novos, é que a caçula das filhas tem 35 anos, ao passo que a mais velha tem 45, quase o dobro de sua idade. É caso perdido, sem volta, para meu desconsolo. Que bom que a mamãe é sua companheira de pesca, até imagino a dupla dando trabalho para os escamosos e deixando de queixo caído um monte de caras barbados. Não sei a que alagado vocês costuma ir, não domino o conhecimento sobre locais de pesca no Paraná. De qualquer forma, boa sorte sempre, e nunca esqueça dos cuidados que deve tomar com animais peçonhentos, que podem acabar com nossa alegria. Renovo saudações. Gilbertinho da Amazônia
×