Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
ThaisonScopel

Ibama apreende barcos de pousada

Posts Recomendados

Nortão: Ibama autua pescadores ilegais e apreende barcos de pousada

Fonte: Só Notícias com assessoria

Com apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Polícia Federal, o Ibama autuou oito pescadores pegos em flagrante em área proibida. Segundo o órgão, eles terão que pagar multa de R$ 1 mil cada um e serão denunciados ao Ministério Público Federal por crime ambiental. Os agentes ambientais federais apreenderam 11 barcos, 11 motores e embargou uma pousada, cuja autuação prevê multa de R$ 450 mil. As apreensões fazem parte da Operação Txokrãn, alusão à fruta da região, berço da etnia Juruna, que busca coibir a caça e a pesca ilegal dentro da terra indígena Kapoto-Jarinã, no extremo norte de Mato Grosso.

Desde 2009, quando recebeu da Funai e das comunidades indígenas as primeiras denúncias de caça e pesca ilegal no local, o Ibama fez missões de reconhecimento na região, a partir de então, a operação passou a fazer parte do Programa Nacional Anual de Proteção Ambiental (PNAPA).

As pousadas situadas ao lado da terra indígena vendem em seus pacotes a possibilidade de o cliente usufruir de todos os benefícios naturais do lugar, o que é ilegal, pois de um lado do rio está a terra indígena e de outro, o Parque Nacional do Xingu, ambos com entrada proibida.

Segundo o superintendente do Ibama em Mato Grosso, Ramiro Martins Costa, é preciso chamar a atenção das autoridades para a necessidade de se melhor regulamentar a exploração comercial do entorno da terra indígena Kapoto-Jarinã. "Vamos gerar um relatório e entregá-lo ao presidente do Ibama, mostrando a importância que essas comunidades tem para a conservação do meio ambiente e a pressão que esse meio vem sofrendo", informou.

Ainda nas palavras de Martins, existe estudo para a criação de uma terra indígena exatamente na região onde estão as pousadas, local em que nasceu o cacique Raoni, lugar histórico das etnias indígenas Juruna e Caiapó. Segundo o representante da Funai na operação, Henrique Klocker de Camargo, os limites devem ser respeitados. A pesca não é uma atividade proibida, mas é necessário que ela seja feita fora das áreas indígenas, pois os índios não fazem pesca esportiva, mas fazem da pesca a sua subsistência.

As operações no rio Xingu, no entorno da terra indígena, acontecerão com regularidade.

http://www.sonoticias.com.br/noticias/7/134273/nortao-ibama-autua-pescadores-ilegais-e-apreende-barcos-de-pousada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se é proibido por lei, então há que se respeitá-la.

Agora, na minha opinião, salvo a propriedade privada, jamais poderia simplesmente o governo dizer: Aqui ninguém entra, ou ainda: Aqui é reserva de índio e branco não entra!

Para mim isso é um absurdo que só acontece aqui no Brasil mesmo...

Ah, mas se não proíbe os caras vão lá e arrebentam tudo, matam tudo, pescam tudo, derrubam tudo!!!!

Este é um argumento muito usado!

Beleza, vamos proibir então o álcool, assim ninguém mais se mata nas estradas dirigindo, o marido não espanca mais a mulher e os filhos em casa sob efeito do álcool, o sus não precisa mais bancar problemas com cirrose, pâncreas, pressão alta, etc. Melhor ainda, vamos proibir o uso dos carros, assim ninguém mais se mata e não mata os outros, seja sob influência do álcool ou não. diabo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

×