Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
MarceloSiqueira

BARRAGENS NO CONTINENTE AFETAM A PESCA MARINHA E AMPLIAM ASS

Posts Recomendados

BARRAGENS NO CONTINENTE AFETAM A PESCA MARINHA E AMPLIAM ASSOREAMENTO NO LITORAL

Projeto é um dos estudos de instituto ligado ao CNPq coordenado pelo cientista Luiz Drude de Lacerda, contemplado no Prêmio Fundação Bunge, na categoria Vida e Obra

O represamento de grandes volumes de água em barragens no interior do País está afetando a produtividade da pesca e ampliando o assoreamento da costa no litoral de parte do sudeste e no nordeste. A conclusão é fruto de estudo desenvolvido pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Transferência de Materiais Continente-Oceano (INCT-TMCOcean), ligado ao CNPq, que também integra a Rede Clima do Ministério da Ciência e Tecnologia. O levantamento realizado nos últimos seis anos é coordenado pelo cientista Luiz Drude de Lacerda, contemplado com o Prêmio Fundação Bunge, na categoria Vida e Obra, no tema Oceanografia.

A pesquisa mostra que a retenção da água de rios no continente impede a transferência natural de sedimentos e substâncias para o mar. Este material deveria, ao mesmo tempo, repor o alimento das espécies marinhas e substituir parte do terreno que é “engolido” pela ação do mar. O cientista Luiz Drude de Lacerda explica que os prejuízos provocados pelo fluxo controlado da água em direção ao litoral acontecem, “independente da distância que a barragem estiver da costa. O efeito da Usina Hidrelétrica do Xingó, em Alagoas, que está a 270 quilômetros, ou da Barragem de Itaiçaba, no Ceará, a 34 km da costa, é o mesmo”, afirma.

O trabalho, de acordo com Drude, tem a intenção de demonstrar as ligações entre os ecossistemas, que geralmente não são tão óbvias. “Nossa pretensão é que este impacto seja considerado nos Relatórios de Impacto Ambiental, nos projetos de barragens, o que não acontece hoje”. Ele não descarta, no entanto, o efeito das mudanças climáticas, por exemplo, no assoreamento da costa litorânea que, na sua opinião, potencializam os problemas da erosão, alteração química e falta de alimentos às espécies, prejudicando a atividade pesqueira.

Investimento a médio e longo prazo

Drude destaca ainda que este estudo dos impactos ambientais resultantes das ações antrópicas, provocadas pelo homem, é um dos resultados de um novo raciocínio na pesquisa científica no Brasil, que envolve o investimento de médio e longo prazos tanto em universidades públicas e privadas, como no caso dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. O INCT-TMCOcean (www.inct-tmcocean.com.br) é uma dessas ações de longo prazo, um projeto que nasceu a partir do Programa Instituto do Milênio, em 2002, também iniciativa do CNPq com o objetivo envolver acadêmicos e outros setores da sociedade em redes de pesquisa científica voltados para temas relevantes para o País.

Sobre Luiz Drude de Lacerda

O carioca Luiz Drude de Lacerda, de 55 anos, possui graduação em Biologia (1977), mestrado (1980) e doutorado (1983) em Ciências Biológicas, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Sua carreira está baseada na área de Ecologia, com ênfase em Biogeoquímica e Contaminação Ambiental. Drude e coordenou o Instituto do Milênio “Transferência de Materiais na Interface Continente-Oceano”, de 2005 a 2008. Atuou também como membro do Comitê Assessor CA-EL do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq e dos Comitês de Assessoramento das Áreas de Geociências e Multidisciplinar da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Atualmente é professor é coordenador acadêmico e vice-diretor do Instituto de Ciências do Mar, da Universidade Federal do Ceará – UFC e membro do Conselho Científico da Sociedade Internacional para Ecossistemas de Manguezais. O pesquisador ainda coordena o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Transferência de Materiais Continente-Oceano e é membro do Comitê Diretor do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Publicou 190 artigos científicos de reconhecimento internacional, 70 capítulos de livro e 18 livros. Foi citado cerca de 2.000 vezes, orientou 31 mestres e 15 doutores. É pesquisador nível 1A do CNPq e membro da Academia Brasileira de Ciências.

Sobre o Prêmio Fundação Bunge

O Prêmio Fundação Bunge foi criado em 1955 e é concedido anualmente a personalidades que se destacam em diversos ramos das Ciências, Letras e Artes. A escolha dos ramos de atividades que serão premiados é feita pelo Conselho da Fundação Bunge, formado por profissionais renomados. Em 2011 as áreas foram Oceanografia e Defesa Sanitária Animal e Vegetal.

Os profissionais contemplados são indicados por instituições acadêmicas, entidades de pesquisa e organizações culturais. Há duas premiações em cada uma das áreas: a categoria “Vida e Obra” para obras já consolidadas de profissionais de renome, e a categoria “Juventude”, que reconhece o trabalho de jovens (de até 35 anos) que representam um novo paradigma. As Comissões Técnicas analisam os projetos e os quatro finalistas são definidos pelo Grande Júri.

Informações para a Imprensa:

CDN Comunicação Corporativa

Paulo Ricardo Ritta / Marisol Morão

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grande Marcelo,

Obrigado pela matéria! Ela é mais do que interessante...Ela é muito preocupante.

Então não são só os danos (a duras penas conhecidos) provados nas ACPs propostas pelo MP e pela sociedade (AMAr e APEGO).

E há quem diga que é a fonte de energia mais limpa e mais barata (kkkkk).

Além de ser uma das mais caras do planeta, para mim está longe de ser limpa. Se pelo menos houvesse uma mitigação/compensação a altura dos danos causados ainda dava para conversar.

Agora, depois destes trabalhos que nos apresentaste, que deverão ser avaliados pelos estudos de impactos ambientais, a conta vai ficar bem mais "salgada" (sem trocadilhos-rs).

abs

kruel

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

×