Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Charles

AVENTURA NO RIO GUAPORÉ-RO - SETEMBRO 2014

Posts Recomendados

Vou começar meu relato da Pescaria que fizemos na Região de Cabixi-Ro no Rio Guaporé. Lá de 01 lado é o Brasil -JÁ BEM DEVASTADO E CHEIO DE CASAS ; do outro é Bolivia- PRESERVADO E MUITO FISCALIZADO PELOS POLICIAIS AMBIENTAIS DE LÁ.

Minha turma, conhecida aqui na Cidade de Lagoa da Prata-MG, como TURMA DO CHARLES saiu em Setembro de 2013 do dia 01 ao dia 07 nesta região, que até então, para nós e amigos das redondezas, era desconhecida.

Fomos no Ônibus do Chim, veículo simples, mais confortável e anda bem o danado. Saímos no dia 30/08/2013 rigorosamente às 4:00 da manhã e a turma animada, composta por 15 pescadores, 01 cozinheiro e 01 ajudante e o motorista, que também é ótimo pescador o Chim. Viagem demorada e cansativa, chegamos em Vilhema-Ro e paramos para descansar, isto já no dia 31/08/2013. De manhã chegamos em Cabixi e lá compramos as últimas necessidades e rumamos por 30 km, em estrada de terra, mais de bom estado, até a casa que alugamos.

Casa simples, porém acomodou bem a turma. Barcos na água e lá pelas 14:00 horas do dia 01/09/14 começamos a pescar. Primeiro meio dia difícil, poucas ações, muita piranha cajú muito pequenas, mandis amarelos de palmo e botos que quase levavam os materiais para a água.

Notamos que seria difícil a pesca, pois o rio tem água muito limpa nesta época, vê-se o fundo com 3 metros e ai peixe de couro, que não gostam de luz, desaparecem. Outro detalhe; o sol é de 40° direto.

Nossa sorte mudou ao encontrar um barranqueiro de nome Nim, prestador de serviços nas pousadas da região(onde estávamos a mais próxima era a Vale do Cachara), que após uma conversa, se mostrou bem receptivo a nos "ensinar" a pescar lá.

Detalhe, tuviras tem pouca ação no local e os famosos minhocuçús, aqui de Minas, também se mostraram pouco atraentes. O que vimos é que, precisávamos perder um pouco de tempo e pescar a isca, coisa que a maioria não gosta, mais até que é prazeroso.

Começamos pegando pequenos lambaris(estes são praga no rio), pega-se em questão de 30 minutos, 01 centena deles. E dai se pega a isca para os peixes de couro que são as traíras(média de 500 gramas até 2 quilos), também se pega quantas se quer nos camalotes e capins que ficam nos remansos do rio.

O Nim nos mostrou que, durante o dia a pesca era o Tucunaré(iscando 1 ou 2 lambaris), anzol 6/0 ou 7/0 com boias ou iscas de meia água trabalhadas rápido/alternando hora com trabalhos mais lentos(pegavam na batida), estavam manhosos e não são grandes(média de 01 a 2 quilos), as Corvinas(embora não pegamos nenhuma), são com a mesma isca, só que com chumbo oliva bem pequeno e nas areias ou cascalhos abaixo dos bicos das ilhas, que diga-se de passagem são várias e muito preservadas; as Cachorras são nos pedrais de água mais agitada e parando perto delas, aqui não se usa chumbo e se solta na correnteza devagar e vai dando linha(papagaio), se não bate até uns 50 mts recolhe e começa de novo(pegamos 05 de porte muito bom, média de 8 a 12 quilos a maior).

Faltavam as Cacharas e Capararis e descobrimos que ai a pesca é somente produtiva á noite, durante o dia até pegamos 03(davam medida, isca de mandís inteiros e com os ferrões), mais à noite, devido a claridade do dia desaparecer, é que fica bom. Saíamos às 16:30 e subíamos cerca de 01:10 horas ou 01:30 horas, até chegarmos na Baía da Libertat(fica do lado boliviano) e dali íamos nos camalotes das várias baías e pegávamos as traíras. As menores iscamos inteiras e as menores em pedaços( Aqui não se usa chumbo, o peso da isca é que afunda e como corre muito pouco o rio, parece uma lagoa, é que a isca entra debaixo do camalote). Começávamos a pescar por volta das 18:30 horas, ai se para o barco sobre a vegetação e se arremessa no meio do rio e vem se trabalhando lento até que a isca entre nos capins e camalotes(seja curva, reta ou praia - se tiver camalote é só jogar que tem alguma ação). Pegamos ao todo 23 Cacharas e 03 Capararis de bom porte e dezenas de pequeno porte.

Os Tambaquis, Pacús e Pirapitingas bem como os Apapás, são encontrados na época do rio cheio (de março até fim de Maio), depois somente se for na sorte. As Piraras e Piraíbas(filhote) também são nesta época.

Os materiais - Vara de 12 a 17 libras para traíras (pegam na artificial, na boia e na vara de bambú) e piaus(ótima isca, mais difícil de pegar) - anzol de 1/0 até 7/0 ; Varas de 17 a 25 libras para tucunarés e outros peixes de escamas - anzol de 5/0 até 7/0; Varas de 25 até 40 libras para as cacharas e capararis e a noite uma vara mais pesada, pois pode entrar algo maior - vara de 45 até 60 libras - anzol - 2 conjuntos 8/0 até 10/0

Iscas de Meia água ou sub-superfície com hélices dão ótimos resultados indiferente da cor e até, no máximo 9 cm.

Bem amigos, espero ter contribuído e se precisarem de dicas de lugares e materiais, me chamem - Conheço o São Francisco - em Minas e na Bahia - Rios de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Qualquer coisa estou ai e espero que tenham gostado. Charley Alves.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se registrar depois. Se você tem uma conta, CLIQUE AQUI para postar com a sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Processando...
Entre para seguir isso  

×
×
  • Criar Novo...