Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Gustavo Martins

Membro
  • Total de itens

    810
  • Registro em

  • Última visita

1 Seguidor

Sobre Gustavo Martins

  • Rank
    Pescador

Profile Fields

  • Sexo
    Masculino
  • Nome + Sobrenome (obrigatório)
    Gustavo Martins

Informações de Perfil

  • Localização
    Goiânia - GO
  • Interesse
    Desconhecido

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Mestre Eloi, Você viu isso: http://tackletour.com/reviewicast2013po ... tline.html A Power Pro te ouviu!!! Abs., Gustavo
  2. O melhor e comfortável esquema de pesca que eu já fui. A pousada é impecável, camas box com colchões de mole, ar split nos quartos, comida de primeira (tem um chef lá!!! É verdade!), tudo limpo e bastante organizado! O barco é um espetáculo! Navegar a 110 km/h vale por si só o passeio! Pescamos em 3, sendo dois pescadores iniciantes no tucunaré, e não tivemos qualquer problema. Tem espaço de sobra! Agora o guia é um capítulo à parte! Pra começar, o cara é de Uberlândia, o que o torna um ser humano especial, diferenciado :gorfei: Brincadeiras à parte, o cara é nota 1000! Gentileza e presteza em pessoa, conhece a Serra da Mesa como ninguém e trabalha demais para você pegar o peixe! Pegamos poucos peixes, todos no fundo, com jigs. Ventou bastante e a temperatura da água caiu 7ºC de um dia para outro, mas isso é um pequeno detalhe diante de uma maravilha de pescaria dessas! Valeu, maninho! Foi bom demais de conhecer e pescar contigo! Com certeza vamos repetir.
  3. Aí, Rafa!!! As fotos eu já tinha visto, mas o relato ficou show!!! Parabéns por ele e pela pescaria!
  4. Galera, Alguém já experimentou lixar um pouco a região da linha fluorcarbono que fica em contato direto com a multi, de modo a aumentar o atrito e evitar que escorregue quando tracionada? Adianta dar um pingo de cola Super Bonder em cima do nó??? Abraços, Gustavo
  5. Se eu estivesse podendo comprar uma vara e uma carretilha, certamente encomendaria uma de cada, extamente iguais!!! Sabem por que? A vara está simplesmente fantástica! Além disso, foi montada pelo Mestre, que sabe tudo da arte! E a carretilha, se conheço bem, foi bem recomendada pelo parceiro e sócio Celso, que sabe tudo e mais um pouco de carretilha. Conjunto perfeito para a Amazônia! Abraço, meu Mestre!!!
  6. Eu já comprei da Cabella's, Bass Pro e Tacklewarehouse e sempre chegou, às vezes com, às vezes sem imposto... Tem um tópico que eu detalhei a taxação que um equipamento de pesca recebe... Só não tô achando! Basicamente, somando todos os impostos, que incidem em cascata, dá quase 85% do valor do bem adquirido (inclusive as despesas de manuseio - handling - e frete). É uma paulada! Veja por outro lado: um carretel de 300 jardas de linha Power Pro 65 lbs lá custa USD 35 (coloca mais 20% de frete e sai por USD 42,50, ou R$ 68, com o dólar a R$ 1,60). Acrescente os 85% e teremos R$ 125,80. Isso é o que a linha vai te custar se você for taxado. Quanto ela custa aqui??? R$ 180,00. Compensa, né? Essa é a conta que eu faço. Coloco o imposto todo no produto e comparo com o preço aqui. Se compensar, eu compro fora, se não, compro aqui mesmo. Veja o caso de uma carretilha, por exemplo. Uma Quantum Smoke 150 custa USD 264,00 (com frete estimado incluso), ou R$ 422,50. Com todos os impostos, sairia a R$ 781,63. Aqui ela custa R$ 750. Não compensa.
  7. Antonio, Xixi, eu coloco a vara debaixo do subaco e faço em pé mesmo! O nº dois eu faço à noite, ao chegar na base. O resto do tempo sobra memso e para pescar!!! Abraço!
  8. Fernando, Como o Newton colocou bem aí em cima, arremessar no meio do lago não tem nada de tiro no escuro. É dalí que vão sair seus maiores peixes, principalmente se você for pescar na região de SIRN e nos horários mais quentes do dia. Ajuda muito se você, com o óculos polarizado, conseguir identificar locais mais rasos nos centros dos lagos. Seu piloteiro vai te ajudar muito nessa tarefa, pois ele, teoricamente, conhece os lagos e sabe onde estão os baixios. Lembre-se que o tucunaré é um predador e busca locais onde possa se "camuflar" e ficar à espreita de suas presas. Eu arremesso nas beiradas mais pela manhã e fim de tarde ou quando existe uma estrutura muuuuuuito interessante lá, como um grande tronco caído. Ahhh... e ao arremessar nas beiradas, lembre-se sempre de apertar a sua frição. As estruturas que o peixe usa para escapar estão mais perto e você não pode deixar o bicho correr solto. Todas essas estratégias são compartilhadas, com variações, pela nossa "turma". O Rafael, por exemplo, gosta muito de jumping minnow e meia-água. O Rubens, pai do Newton, por ser mais veterano, não pesca o tempo todo com hélice, usa bastante as iscas sub, Trairão e outras mais fáceis e leves. O Newton praticamente não usa iscas sub. Mesmo assim, dividimos informações sobre as capturas, iscas, trabalhos, cores, velocidade de recolhimento, por exemplo, sempre que possível. Às vezes só dá para fazer isso no fim do dia, mas às vezes encontramos durante o dia de pesca para trocar informações (já pensamos em comprar rádios amadores só pra ficar trocando idéias ao longo do dia!). Assim a pescaria de todo mundo fica legal e todos pegam os seus monstros, o que é fundamental para querermos voltar sempre e juntos! É isso! Dá uma olhada no conjunto de posts fixos do Fabrício, que são um verdadeiro manual para a pesca dos açús! Abraço!
  9. Gustavo, Tem funcionado muito bem (daqui a pouco eu posto os links dos meus relatos) , mas de lá para cá eu fiz algumas adaptações... Essa é uma estratégia eficaz para pescarias com objetivo "misto", ou seja, quantidade e tamanho. Como eu tenho pescado ultimamente só em função dos grandes, mudei um pouco a coisa... Não uso isca de meia-água mais, só em um caso: quando o meu parceiro de canoa está pescando com ela e os peixes só estão entrando nela. Não tenho sorte e nem paciência com iscas de meia-água. Para a pesca dos brutos, a estratégia hoje seria a que segue: 1) Abro o dia entre 7:00 e 7:30. Nunca peguei um grandão antes das 8:30, mas como estamos lá pra pescar, não consigo ficar esperando esse horário para começar... Uso, normalmente, subs, poppers e zaras, com uma vara na reserva com um jig. Isso vai até, no máximo, às 9:00. 2) Daí em diante, é só hélice. Esquece essa história de Jaraqui da Borboleta, ou Dicovery Boat da KV, pois o que funciona mesmo é Rip Roller, Tucunarex e Caribe Lures. Alterno tamanhos, cores e entre as três, até achar o que está funcionando melhor. Na minha última pescaria, foi Rip Roller 6,5. Na penúltima, Tucunarex Turbo (duas hélices). Trabalho também as iscas menores e mais leves (Rip Roller 5,5, Caribe 6 ou Tucunarex) para descansar o braço. Ocasionalmente, trabalho um popper ou Dr. Spock KV, com o mesmo objetivo. Sempre tenho três varas à mão: uma com hélice, uma com zara, popper ou sub e a treceira com jig ou (raramente) meia-água. 3) Não almoço. Ponto final. O pico do sol e do calor é o melhor horário para bons ataques. Eu já fiz estatística sobre isso e não deixo de pescar para almoçar por nada. Vou comendo ao longo do dia, frutas, sanduíches, barra de cereais, tomo muita água, alguns refrigerantes e pouca cerveja. Não deixo de pescar entre 13:00 e 14:30, sempre com a mesma estratégia. 4) Do início da tarde até às 17:00, mantenho a mesma tática. 5) Quando o sol começa a cair, volto ao trabalho do início da manhã. Lembro sempre uma coisa que me disseram uma vez: tucunaré não é robalo! E acrescento outra: água preta não é água do mar! Ou seja: não adianta ficar, nos afluentes do Rio Negro, ficar fazendo "chamadinha", "popadinha", "paradinha". Como diria o meu ídolo Muricy Ramalho, o negócio é trabalho! Independente da isca que for utilizada, trabalho com intensidade, num ritmo acelerado (não frenético, como alguns) e não desisto. Às vezes arremessamos (eu e meus companheiros) 50, 60 vezes num mesmo ponto (sabidamente "fértil", claro) antes de desistir. Quero beber 20 latinhas de cerveja no dia? Não é para lá que eu vou! ::nada:: Quero almoçar bem, sem pressa? Vou na casa da minha avó, que cozinha 10 vezes melhor que qualquer um! ::tudo:: Quero descansar? Fico em casa! ::tudo:: Abração! Espero ter ajudado! Ahh..... seguem os links dos meus relatos: http://www.turmadobigua.com.br/forum/vi ... =4&t=15303 http://www.turmadobigua.com.br/forum/vi ... lit=relato http://www.turmadobigua.com.br/forum/vi ... f=4&t=5763
  10. Galera, Esse blank é o melhor que eu já vi para pesca com iscas de superfície, principalmente hélices. Ninguém sabe o que é, de fato, uma vara rápida até botar a mão numa dessas!!! Abraço, Jansen!!! Parabéns!
  11. Fala Léo!!! Posso garantir que é viciante mesmo!! Tenho vários clientes por todo Brasil que abandonaram as varas "de série", mesmo sendo elas "top de linha" e hoje só usam varas "projetadas" para seu perfil... Abração!!! É nóis!!! Meu Mestre tá mostrando as ferramentas, hein!!! Cada uma mais linda que a outra!!!
  12. Carocinho, excelente debate!!! Vamos aos pontos: Legal o que você disso sobre pirararas em pontos de água parada. Pra mim elas só ficavam nas calhas dos rios. Valeu pelo ensinamento! Quanto a sempre recolher tensionado, isso é natural. O próprio peso da isca ou a força da água vão fazer o trabalho. O chato é ficar "testando" o carretel com o dedão (aperta-se o carretel com o dedão para ver se a linha não está fofa). No mais, é só alegria! Troca de linhas: sempre troco (na maioria das vezes) ou verifico toda a linha para ver se não há pontos de desgaste ou ruptura. Sendo assim, para mim na muda nada. Eu tiro e ponho a linha na carreta de qualquer jeito mesmo. Transparência: como eu disse, nos rios mais limpos os peixes são diferentes, mas não sei se para uma pirarara isso faz diferença... Elas enxergam muito mal. Só tem uma coisa: algumas linhas de fluorcarbono ou mesmo monofilamento tem densidade muiito próxima à da água. Sendo assim, elas possuem comportamento "neutro" quando submersas. Acho que isso também pode fazer a diferença. Valeu pelo debate, garoto!!!
  13. Carocinho, Muito legais e completas suas colocações. Acho que você colocou seu ponto de vista de maneira bem clara e didática. Parabéns! Sou usuário fanático das multifilamento e acho que elas seu uso pode ser ampliado inclusive para a pesca de espera. Sendo assim, não concordo com alguns pontos. Vamos lá: Encavalamento: nunca aconteceu comigo. Obviamente, não se pode usar multi muito fina (até mesmo pela resistência). É fundamental ao preenxer o carretel aplicar bastante pressão, um pouco (só um pouco) mais que se faz quando se coloca linha mono. Fragilidade no atrito com paus: também não concordo. Em casos específicos, onde existem aquelas "cracas" nos galhos submersos, podemos ter esse tipo de problema. Só tem uma coisa: essas "cracas" não se formam em locais de água corrente. Só o lodo se acumula alí. A multi pode é cortar o pau e encavalar dentro dele, ser rompida por ele, eu não acredito. Fragilidade no atrito com pedras: concordo, mas somente em casos específicos. Para cortar uma linha multi, a pedra precisa ter ponta proeminente ou ser lascada. Alguns dos nossos rios, como alguns afluentes do Xingu e do Madeira possuem essa característica. A maioria não. A maioria dos afluentes do Rio Negro ou o Araguaia, por exemlpo, tem leito de areia e possuem poucas pedras, todas em locais conhecidos pela maioria dos guias. Além disso, essas pedras são arredondadas e na minha opinião não apresentam risco para linhas multi. Opacidade e visibilidade: acredito que essa é uma questão supervalorizada. Nossa visão é muito melhor que a de qualquer peixe. Tente fazer o seguinte experimento: coloque uma máscara de mergulho e vá o mais fundo que você conseguir em um rio de águas pretas ou barrentas. Você não vê nada. Não enxerga 30 cm adiante. Acho que usar leader ou linhas "transparentes" em pescarias em rios de águas claras, como Iriri, Cristalino, etc. aumenta a produtividade na captura de algumas espécies mais exigentes, como as matrinchãs ou piaus. Para pesca parada de fundo, na minha opinião, não muda nada. Espero ter contribuído para o debate e quero deixar claro que respeito as opiniões de experiências de todos. Abraços.
  14. Cláudio, Como o Newton é meu Mestre, concordo 100% com ele! Normalmente o tucunaré se ferra sozinho, já que a porrada dele é muito forte. Outra coisa: os tucunões normalmente são fisgados pela parte de fora da boca, acredite. Quando você ferra, faz é tirar a o anzol da boca do peixe! Conclusão: depois da porrada, basta firmar. Ah.. e uma última dica: mantenha a frição ajustada de acordo com o local que está pescado. Muita sujeira (paus, galhadas, raízes, mato), frição apertada, pouca sujeira, deixa o bicho correr solto!!! Abraço! p.s.: ai que vontade de pescar!!!
×
×
  • Criar Novo...