Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Kid M

Moderador
  • Total de itens

    10.885
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    49

Kid M venceu a última vez em Outubro 3

Kid M had the most liked content!

Sobre Kid M

  • Rank
    Super Pescador
  • Data de Nascimento 14-06-1952

Profile Fields

  • Sexo
    Masculino
  • Nome + Sobrenome (obrigatório)
    Agenor Pedreira de Freitas
  • Sobre mim
    Qualquer pescaria esportiva

Informações de Perfil

  • Localização
    Salvador - BA
  • Interesse
    Pesca, Futebol, Gastronomia

Últimos Visitantes

4.042 visualizações
  1. Amigos, Estamos numa fase de transformações nesse nosso país ! Nem todas são direcionadas para o que consideramos "melhor"... Possivelmente teremos a abertura dos diversos mercados (dentre eles o das empresas aéreas) e com isso novos voos. Certamente que a malha aérea do Norte será melhor aquinhoada, pois gente para usar não falta. A falta de regulamentação "protetora" poderá acelerar o processo de implementação de novas empresas aéreas mais competitivas. Desde que me entendo como "aprendiz de pescador", esses problemas de locomoção aérea para Barcelos e SIRN sempre foram problemáticos... O estresse sempre esteve presente, embora sempre se arranjasse "um jeito" (não o previsto) para chegarmos aos pontos de pesca... Complicado isso e nem mesmo com o fretamento de aviões tínhamos a certeza de que iria funcionar a contento... Desejo que equacionem essas situações que vão se tornar presentes ainda nesta temporada... Boa sorte 🌝
  2. Caro Angelo, Muito bom ver sua participação aqui no FTB, e mais ainda com temas e linguagem que permitem a inserção de outros pescadores... O esquema de vida das pessoas sempre passa por estágios, prioridades e necessidades. A vida é feita disso por mais que não venhamos aceitá-la da forma como se apresenta. Alguns de nós conseguem energias e motivação para desafiar o tempo e suas realidades. Gosto do que faço, mas tem horas que o "saco enche"... meu remédio é "desaparecer" um pouco... Lendo o que tem postado, me obriguei a postar esse reconhecimento à sua percepção dos fatos da vida. Parabéns pelo "olfato" ! Felicidades sempre.
  3. Leonardo e amigos, Muito já foi dito sobre os barco hotéis mencionados assim como seus operadores, alguns dos quais conhecidos de muitos de nossos usuários (onde me incluo). Neste momento em que cresce a busca de "vagas" por conta da "alta temporada" de pesca na região do rio Negro e adjacentes, é tão importante como conhecer com quem estará indo o rumo que será tomado. Claro que a área de pesca em torno desses locais (SIRN e Barcelos) é bastante grande para se encontrar "um canto" onde se ache o troféu procurado (seja ele de dois dígitos, seja de cardumes famintos), porém não nos esqueçamos que junto com a temporada de "rio baixo", há também a questão da pressão de pesca semanal nos lugares ditos "tradicionais" de serem fustigados pelos operadores / piloteiros. A conta pode ser bastante simples de ser imaginada, já que a quantidade de barco hotéis é crescente, bem como o das pousadas que também colocam duplas de pescadores diariamente dentro das águas escuras da região - "ouso-me calcular mais de 500 botes no circuito com 1.000 pescadores a cada dia na alta estação". Com as restrições crescentes (pelas comunidades ditas indígenas) em alguns afluentes, os destinos se tornam cada vez mais disputados! Ir a essa região da Amazônia continua sendo uma maravilha, mesmo que com uma "produtividade pesqueira" decrescente e um "quase engarrafamento" de pescadores nas cidades e nos lagos batidos. O alerta (ou sugestão) que faço é de buscar com o seu operador escolhido (ou indicado) as alternativas para que venha encontrar aquilo que espera ter na sua pescaria. Ter consciência disso previamente sempre é recomendado para que o verdadeiro desfrute desse esforço financeiro que é ir até lá, seja diluído em outras coisas tão boas (ou quase tão boas) quanto encontrar o peixe desejado. Não pense que apenas o "controle do repiquete" (se é que isso seja possível) é a "porta do sucesso", pois é realidade é diferente. Operadores que estejam nesse papel há tempos sempre terão possibilidade de buscar algo diferenciado, desde que saibam ser esta a SUA opção! Melhor dizendo, se estiver disposto a navegar mais e pescar menos, os locais poderão ser mais promissores e isso terá que ser previamente acordado, pois envolve uma logística diferente. Lembrar SEMPRE que quando em Grupo a "transparência das ações" precisa ser uma constante para minimizar os efeitos da adrenalina e/ou frustrações dos integrantes, principalmente quando atrelados a um mesmo destino (barco hotéis). Conversar sempre com quem está sendo contratado (previamente) é de fundamental importância, assim como transmitir a todos do grupo o que deve ser esperado.
  4. Marcos, Também na linha do "palpite", entendo que tanto o tucunaré quanto as traíras são predadores por essência. Se não existir abundância de alternativas alimentares (lambaris, tilápias, etc...) para funcionarem como presas, a tendência será o "canibalismo" e/ou o ataque aos alevinos nascidos. É muito difícil que represas onde existam traíras não possuam também lambaris (parece que os ciclos dessas duas espécies estão interligados). Para melhor garantia, a implementação de tilápias poderá ajudar nesse equilíbrio presa x predador - sabendo do risco do elevado teor de reprodução da tilápia
  5. Ricardo, Já que foi por lá e ficou no Angler, sabe que tudo isso é um fato normal... Estive no Camaiú Camp (por engano) e também fiquei com vontade... mas é um outro tipo de pescaria ! Sucesso Fernando, Mais do que a própria pescaria, o lugar foi top demais ! Acredito que os Mocorongos vão retornar por lá em 2020...
  6. Herbet, Sem dúvidas esse é o lugar de plena diversão ! Obrigado pelo elogio ! Recomendo conhecer por lá ! Xandego, Deve ter ficado com as orelhas quentes ! Falamos muito sobre você, mas vc não anda mais conosco, só pensa em recordes... (e índios)
  7. Danilo, Esquema do Victor é mesmo sensacional ! Tinha certeza de que o "grupo seguinte" se daria bastante bem ! Legal Marcos, O relato "elaborado" seria um em que a proposta já teria um "roteiro prévio" na cabeça... Este foi feito com as lembranças e fotos dos integrantes, com uma pitadinha de prosa... Calma Wagner ! Menos...menos...
  8. Tenho uma Fenwick Legacy (para molinete) de 6' que é um verdadeiro xodó ! Quem tem não troca nem vende... Estou surpreso com essa oferta ! Não vai demorar para ela se mudar de endereço...
  9. Pessoal, Vou pedir licença ao pessoal do Pesca Amadora (www.pescamadora.com.br) e transcrever um texto e imagens sobre o assunto no sentido de facilitar (ou não) o entendimento das espécies existentes... Segundo o Wellerson Santana, em material publicado em 28.04.17, "Existem 15 espécies diferentes no Brasil. O nome tucunaré tem origem indígena, porém incerta, especula-se que seu significado seja “olho para trás” ou “olho para a água”, devido à presença de uma mancha em forma de olho (ocelo) na cauda, típica da espécie. O tucunaré pertencem à família Cichlidae, considerada a mais rica em espécies de peixes de água doce do mundo e uma das maiores famílias de vertebrados, com pelo menos 1.300 espécies registradas e estimativas de aproximadamente 1.900 existentes. O nome do gênero, Cichla, tem origem na palavra kichla, que os gregos antigos usavam para denominar diversos peixes. Em 1801, quando Cichla foi descrito, muitas espécies de várias partes do mundo (incluindo o tucunaré), foram incluídas neste gênero. Com o passar dos anos e aumento dos estudos, muitas mudanças taxonômicas ocorreram, e hoje apenas os tucunarés são chamados de Cichla. O Tucunaré é uma espécie carnívora, alimentando-se principalmente de peixes e camarões. No Brasil, encontramos 15 espécies diferentes distribuídas no Amazonas e nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. Ele habita principalmente açudes e represas no sudeste e os rios da bacia Amazônica. Sua reprodução na natureza ocorre no período chuvoso, mas em ambientes como reservatórios e lagoas artificiais, onde há pouca variação no nível da água, a espécie pode se reproduzir várias vezes ao ano. Este peixe não realiza piracema, mas na época reprodutiva os adultos formam pares, constroem ninhos em ambientes lênticos como fundo de lagos, remansos de rios e embaixo de troncos submersos, onde cuidam de sua prole. Possui escamas pequenas, com corpo alongado e um pouco comprimido. Sua coloração varia de acordo com a espécie e a região, com manchas pretas distribuídas regularmente pelo corpo. Todos os Tucunarés apresentam uma mancha redonda (ocelo) no pedúnculo caudal. É bastante rápido, agressivo, forte e até estúpido. Também é muito sedentário (não realizando migrações). Tem hábitos diurnos. A espécie açú pode chegar a pescar 15 kg e medir mais de 1 m de comprimento total. Por serem peixes muito apreciados na pesca esportiva, as espécies de tucunarés vêm sendo, ao longo das últimas décadas, introduzidas em ambientes onde não ocorriam naturalmente. Esta introdução ocorre quando os peixes chegam às lagoas e rios após o rompimento de tanques de piscicultura, ou pela soltura direta por parte de alguma pessoa. Introdução da Espécie A introdução de espécies exóticas (não-nativas daquele local específico) traz sérios problemas para a conservação ambiental, e é hoje junto com a construção de barragens e hidrelétricas, um dos maiores responsáveis pelo declínio e extinção de espécies nativas. O tucunaré-amarelo, foi introduzido em diversas localidades onde não estava presente naturalmente. Hoje, há registros da espécie em áreas dos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e até no Paraguai. A Maioria Foi Descrita Apenas em 2006 Das quinze espécies de tucunarés reconhecidas atualmente, nove foram descritas pela ciência apenas em 2006, após um amplo estudo realizado por um pesquisador sueco e outro brasileiro. Várias dessas novas espécies vinham sendo confundida com outras que já eram conhecidas, como Cichla ocellaris e Cichla monoculus.
  10. Olha aí Caio ! A impressão que tinha se verifica na prática já testada ! Acho que se justifica sim !
  11. Pois então Caio, Me parece que esse tipo de dúvida você vai tirar com alguém que seja customizador de varas ! Aqui no FTB temos diversos que também são usuários ! Escolha um deles e encaminhe uma MP com sua dúvida ! Tenho certeza de que qualquer um deles terá conhecimento para lhe responder sobre o tema ! Boa sorte
×
×
  • Criar Novo...