Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''pirarucu''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Bate Papo Geral e Assuntos Correlatos.
    • Selecione a sala abaixo:
  • Pesca em Água Doce
    • Assuntos Gerais (água doce)
    • Equipamentos de Pesca (água doce)
    • Relatos de pescaria (água doce)
  • Pescaria em Água Salgada.
    • Assuntos Gerais (água salgada)
    • Equipamentos de Pesca (água salgada)
    • Relatos de pescaria (água salgada)
  • Pesqueiros (pesca-e-pague), Fly Fishing e Caiaque.
    • Selecione o tipo de pescaria abaixo:
  • Náutica
    • Tudo sobre náutica
    • BassBoat Brasil
  • Eletrônicos
    • Selecione a sala
  • Aprenda a usar o fórum. Entenda como ele funciona.
    • Selecione a sala
  • Anúncios Globais e Anunciantes
    • Anunciantes do FTB. Promoções aos nossos amigos pescadores!
  • Club das 22lbs
    • Galeria 22lbs. Só monstro acima de 10Kg.
  • Pacotes de pesca dos nossos usuários
    • Em Andamento
  • Classificados
    • Selecione a sala abaixo:
  • Grupos Organizados
    • Traga a sua turma de pesca pra cá. É fácil e rápido.

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Nome + Sobrenome (obrigatório)


Localização

Encontrado 8 registros

  1. Uma pescaria para ficar eternizada em nossas memórias. Muito peixe, muita diversidade e muita diversão. DEVIDO A PROBLEMAS COM MEU COMPUTADOR, DESTA VEZ TIVE QUE OPTAR POR UM RELATO SEM COTAR DIA-A-DIA DE PESCA COMO JÁ É TRADICIONAL DA MINHA PARTE, JÁ PEÇO DESCULPAS POR ISSO. Chegamos em Manaus no dia 19 de Outubro de 2019 e ficamos hospedados no novíssimo Hotel Noblie Suites, muito próximo ao aeroporto, já incluído no pacote da Vilanova Amazon. Desta vez não ficamos no Quality como de costume da operação, pois estava lotado devido a um evento do Comitê Olímpico Internacional. Mas fomos muito bem atendidos pelo Noblie. No outro dia bem cedo o translado já nos buscou e fomos direto para o aeroporto embarcar em dois hidroaviões. Turma de alta categoria, muito extrovertida e ótima de estar junto. Na foto: Branco, Tucunaleo, Edinho, Branco, Tássio, Piuí, Ricardo, Gabriel, Marlon, Gildasio, Eder,Talma, Mozart, Bruno, Dalcio e Pedrojr. Marlon, Gabriel (filho de Marlon), Gildasio e Piuí (Fábricio) Chegamos no Sucunduri e vimos que o Rio esta um pouco abaixo da caixa, nível muito promissor. No ano anterior fizemos uma grande pescaria no mês de setembro com rio mais cheio, então esta seria a chance de pescar em outras condições. Angler I - nossa casa por uma semana Partida do Hidroavião Foram seis fantásticos dias de pesca, pegamos muito peixe, muito peixe mesmo. Desta vez não vou fazer um relato contando dia por dia como já informei , mas as fotos vão falar por si só. Porém tem alguns pontos altos da pescaria que posso destacar aqui: - No meu bote em um único dia pegamos 30 pirarucus (pequenos) no Lago de difícil acesso, além de bons pinimas, aruanas e até cachara no jig. Esse dia foi extraordinário. - Muitos tucunarés grandes nas praias, e claro os maiores sempre escapam, mas eles estavam lá só não quiseram sair para foto. - Uma única dupla tirou o final do dia para pescar peixe de couro e o Grabriel (jovem de apenas 12 anos) acertou uma Piraíba para alegria de seu pai que testemunhou tudo. - A quantidade de jacarés foi impressionante. - Tucunarés perdemos as contas. Fica aqui o registro de algumas fotos (é muito foto e nem todos do grupo mandaram ainda). DUPLA: EDER E MOZART(mais conhecido como moranguinho) DUPLA: BRUNO E TALMA (Bruno acertou muitos peixes grandes, destaque para uma linda Aruanã com seus 92cm) DUPLA: DALCIO E RICARDO DUPLA: MARLON E GABRIEL (destaque para Piraíba do Gabriel, menino pesca muito) IMPRESSIONANTE COMO O RIO SUCUNDURI/CAMAIU É MUITO BOM PARA PEIXE DE COURO, MAS POUCOS PARAM PARA FAZER ESTA PESCARIA, ESTA PIRAÍBA FOI CAPTURADA COM POUCOS MINUTOS E ANO PASSADO COM POUQUÍSSIMO TEMPO ACERTEMOS 3 PIRARARAS. SEM CONTAR QUE JÁ VI SAIR CACHARA MUITO GRANDE POR LÁ. DUPLA: PEDROJR E EDINHO MAIS ALGUMAS FOTOS DE DEMAIS PESCADORES DO GRUPO, COMO EU DISSE ALGUMAS FOTOS AINDA NÃO RECEBI. TEM MUITA FOTO DE JACARÉ, MAS ESTA CAPTURADA PELO EDINHO MERECE DESTAQUE (poderia postar aqui mais de 20 fotos só de jacarés kkkk) Peço desculpas mais uma vez por não ser um relato como eu tenho costume de publicar turma, meu pc esta muito ruim. AGRADECIMENTOS: Em primeiro lugar a Deus, que o Senhor da minha vida e me sustenta a cada amanhecer. Não podeira deixar de agradecer a cada um do grupo que esteve junto durante esta semana que ficará marcada em minha vida para sempre. Agradeço também a toda tripulação do Angler I e aos excelentes guias da Vilanova Amazon, em especial a meu amigo @Victor Vilanova que não mede esforços em nos atender. Fica aqui uma menção especial a Presa Viva na pessoa do meu amigo @Francis Pinto que se desdobrou para confeccionar nossas camisas seguindo a risca o que eu tinha em mente e ficou espetacular. Faço também uma menção honrosa ao Carlos da Impacto Jigs, com apenas um jig embarcamos muitos pirarucus e tucunarés e jig esta perfeito. Para mim o melhor jig do mercado disparado, não ganho nada por mencionar, apenas pratico o princípio da honra e o que é bom merece ser lembrado. 2020 - tem mais e já estou organizando um novo grupo, quem tiver interesse será muito bem vindo. Para vídeos de soltura e mais fotos podem acompanhar no meu instagram: @ederfishing Obrigado a todos. Momento de agradecer a Deus por nossa Amazônia - SIM ELA É NOSSA Camisa Presa Viva - Top demais Turma sensacional, faltaram alguns para fotos, mas todos tem meu carinho e agradecimento.
  2. OPERAÇÃO JUMA ATENÇÃO AMANTES DO TUCUNARÉ!!! MAIS UMA NOVA OPÇÃO DE DESTINO PARA O TIME PIMENTA FISHING E QUEM DESEJA FAZER PARTE DELE. DESSA VEZ FOCANDO NO LINDÍSSIMO TUCUNARÉ AÇU , PREPARAMOS UMA OPERAÇÃO ESPECIAL PARA VOCÊS NO RIO JUMA EM MANAUS-AM, COM ÓTIMO CUSTO! LAGOS: MAÇARICO, TRACAJÁ, BOTO, SANTO ANTÔNIO E OUTROS... PESCARIA COM ISCAS ARTIFICIAIS. *AR CONDICIONADO *CHUVEIRO QUENTE *WI-FI LIVRE *ESTADIA COMPLETA COM SEGURANÇA E CONFORTO EM MEIO A AMAZÔNIA *BARCOS DE 6 METROS PLATAFORMA BAIT E MUITOS OUTROS... COM OPÇÃO DE PESCA DE PEIXE DE COURO NO RIO MADEIRA! ABAIXO ALGUNS EXEMPLARES: MAIORES INFORMAÇÕES: CONTA WHATSAPP E LIGAÇÕES: (66)9 9983-8896 OU (66)9 9646-5937 EMAIL: CONTATO@PIMENTAFISHING.COM.BR
  3. Olá amigos pescadores. Mais uma vez estivemos no melhor lugar do mundo. A nossa incrível, inigualável e inestimável Amazônia. Se existe um lugar pra chamar de paraíso, é ali. Já é um privilégio ir conhecê-la e desfrutar das suas mais diversas virtudes e, quando ela resolve nos mandar algumas surpresas meus amigos....nos apaixonamos ainda mais. São tantas histórias por lá. Algumas já contei em outros relatos e, nesse vou tentar repassar um pouco da emoção sentida com as gratas surpresas(outras nem tantas kk) que ela nos proporcionou. Aqueles que já foram pra lá sabem do que eu estou falando. Pra aqueles que não foram, espero sempre conseguir lhes influenciar a ir. Dessa vez, a Parceirada Boa foi pra 2 destinos inéditos pra maioria de nós. Rio Juma e Rio Sucunduri foram eles. A Parceirada Boa: Rafa(frente), Eu, Rafão(a dir.), Nersão(a esq.), Japa(centro), Guile(a dir.), Baita(a esq.) e Betin(último). Eu o Baita, Nersão e Rafa, Rafão e Guile(ordem das duplas) somos parceiros de longa data. Somente o Japa e o Betin nunca tinham pescado com a turma toda unida, só com um ou outro. Mas com um ano de grupo do whatts nos tornamos amigos e depois da pescaria, grande amigos. Eles formaram dupla e aconteceu um caso com eles que prova ainda mais como o pesque e solte funciona. Mais abaixo vou relatar essa proeza kkk. Primeira parada, Rio Juma: O Juma mais parece um lago que um rio. Cheio de árvores dentro do rio que formam um paraíso pro pescador. Todo arremesso no pé dos grandes troncos ficamos esperando a porrada. Só conheciam o Juma o Rafão, o Guile e o Japa e por conta de uma mudança de voo pra um dia antes, fomos só eu o Baita e o Betin pra pousada, o restante da turma chegaria no outro dia a noite. Vlw Tam, continue assim. Chegamos em Manaus, pegamos a van e partimos pro Porto do Ceasa. Lá uma lancha rápida nos esperava pra atravessarmos o rio para o Careiro da Várzea. Nesse caminho se atravessa o encontro das águas. Chegamos ao Careiro, já de tardezinha, e pegamos uma Kombi que nos levaria as margens do Lago do Maçarico, no rio Juma 01:30 depois. Chegando no Maçarico, pegamos mais uma lancha rápida e partimos pra pousada. 04 hrs de lancha que demoraram a passar porque a ansiedade estava a mil. O tempo estava fechado, sem aquele tradicional solzinho de 40 graus na sombra e a medida que a noite ia chegando o tempo ia fechando. De madrugada fechou de vez. Uma chuva daquelas caiu e continuou caindo até o meio dia. A pousada: Ficamos na Pousada do Paulinho, a última pousada do alto Alto Juma. Pousada nova, tem ar e banheiro privativo em cada bangalô, bons barcos e guias e um ano só de funcionamento(antes só haviam 2 bangalôs e barracas) e a logística é bem complicada por ser muito longe(mais perto do peixe em compensação) e por isso tem algumas falhas ainda. Mais o Paulinho é um cara 10, (sua risada é mil ) , muito humilde e esperto. Acatou as sugestões da turma e pra temporada que vem estará bem melhor. Com certeza voltaremos. O Rio Juma é uma ótima excelente opção de roteiro pra aqueles que vão pra aquela região pra pescar uma semana e tem um pouco mais de tempo. Dá pra fazer uma pescaria de "aquecimento" por lá de 3, 4 dias antes, como nós fizemos, e depois partir pra "titular" ou vice versa. Alguns parças da turma pescam por lá há algum tempo e já pegaram vários tucunarés de 8, 9kgs, alguns de 9,5kgs e há relatos recentes de peixes com mais de 10kgs. Vista do quarto: A pescaria: Mesmo debaixo de muita chuva saímos bem cedo pra pescar. Os peixes estavam atacando tudo, muito ativos. No terceiro arremesso do dia acerto o maior peixe da turma no Juma. 15lbs: Logo depois acerto um de 13lbs, mas não deu pra tirar foto por conta chuva forte que caia. Os parças também pegando: Fim do primeiro dia de pesca e, mesmo com a chuvarada terminamos animados. A noite a outra parte da parceirada chegou e foi uma farra só. Dois anos sem ver. Haja papo pra colocar em dia. No outro dia cedo, o tempo ainda estava fechado mais sem chuva. Saímos pra pescar e subimos uma hora o rio. Haviam 14 argentinos na pousada e eles também subiram, o que dificultou bastante a pescaria na parte da manhã porque, lá em cima o Juma fica bem estreito e se pesca no rio e nas pequenas ressacas. Ao meio-dia em ponto, bem na hora do almoço, caiu outro dilúvio. Que chuva . Não teve nem jeito de fazer o assado e descemos pra pousada. Alguns ficaram lá em cima e pegaram alguns. A chuva deu uma trégua a tarde e saímos pra pescar mais já vimos que a água tinha esfriado e que não ia ser fácil a pescaria dali pra frente. Terceiro dia de pesca e nada de peixe. Nem parecia o rio que eu tinha visto 2 dias atrás . Esse dia foi um dos piores pra mim numa pescaria amazônica. O que me salvou do dedão foi um Jacundá. Dia inteiro e só peguei um azarão Jacundá: Pelo menos foi o maior que já peguei até hoje kk. Pescaria no último dia foi muito difícil. O sol abriu, mais a água tava um gelo. Até pra tomar banho tava difícil. Peixe então, nem sinal. Mais fotos dos dias que passamos lá no Juma: Molecada indo pra escola: E assim foi nossa pescaria no Rio Juma. O tempo atrapalhou muito, mais pescaria é assim mesmo. Não depende só de nós. Voltando pra Manaus na lancha rápida do Paulinho, de camisa vermelha: Segunda parada, Rio Sucunduri: Chegando em Manaus, partimos para o Hotel Tropical(já incluso no pacote da pescaria) onde dormimos pra no outro dia pegar o hidroavião com destino ao Sucunduri.Operação mais do que 100% do agora grande amigo Victor Villanova, do Villanova Amazon. Cara nota mil. Em relação a logística, horários, quartos, barcos, guias, motores, comida, organização, limpeza, tripulação, gerência(Rodrigo e Dona Zí), sua atenção durante todo o ano de espera, tirando sempre nossas dúvidas mais rápido possível e com clareza, tudo perfeito. Só nos resta agradecer. O Rio Suncunduri é habitado pelo cichla pinima, o tucunaré pinima. Peixe coloração fantástica. Nadadeiras superiores azuis transparentes e inferiores laranjas escuro e amarelas. Três faixas laterias pretas e falhas, barriga na cor branca e vermelha. Também tem pinimas com as pintas tradicionais dos pacas. Peixe lindo e muito forte. No começo, antes de nos acostumar, a gente fisgava um e achava que era de 4, 5kgs e quando via era de 2 kgs . No Sucunduri o que manda é a quantidade. Vários foram os dias em que pegávamos no barco 70 peixes/dia e também, hora ou outra entrava um de 4, 5 kgs e saíram alguns maiores de 5kgs considerados os troféus. A pescaria: Saímos do Tropical lá pelas 09 da manhá e partimos pro Eduardinho. Lá nos aguardava o Victor. Nos conhecemos lá e ele nos deu todas as informações sobre a pescaria. Tava saindo peixe, mais ele estava manhoso. O tempo pra variar estava fechado e chuviscando e eu que morro de medo avião, já tava tremendo só de ver aquelas nuvens. Mais fazer o que? Gosto de pescar, então tem que encarar. O Hidroavião: Apesar do meu medo de avião, o voo foi muito tranquilo e o piloto ainda se deu ao luxo de fazer algumas manobras radicais pra tentar me enfartar. Mais sobrevivi viu, piloto f.... Rio Sucunduri: A pista de pouso: Chegamos ao Angler 2, nossa casa durante a semana. Barco top. Cabem 08 pescadores nos 04 quartos com muito conforto. Cada quarto tem um beliche, banheiro e ar-condicionado e a roupa de cama é trocada todo dia. Um luxo em meio a floresta. O Barco: A vista do quarto: Um almoço com um tambaqui e uma cerveja gelada já nos aguardavam: Almoçamos, arrumamos as traias e a tarde já saímos pra esticar as linhas: Os primeiros pinimas: Primeiro peixe que peguei no Sucunduri. Esse bicho me persegue: Nessa primeira tarde de pescaria, apesar do tempo meio chuvoso, já notamos que o rio estava muito seco e secando e o peixe muito manhoso, como nos disse o Victor em Manaus. Podia ser por causa do rio muito seco e também por conta de certa pressão de pesca, porque já era meio de temporada e havia o outro barco Angler, com 16 pescadores do nosso lado, devido a difícil navegação e um problema, que foi resolvido, do nosso gerador de energia e com isso usamos a energia deles por uns dias. Coisas que acontecem em qualquer lugar. No rio os maiores tucunarés corriam das iscas e só os pequenos atacavam, e de forma bem lenta. Então a estratégia para o próximo dia era diminuir o passo das iscas pra ver se os grandes entravam. A estratégia deu certo e começaram a sair peixes melhores. Iscas pequenas como Bonnie 95 trabalhando bem lentamente, Red Pepper no stick lento também, igual pescaria de robalo deram bons resultados. As infalíveis T20 e Rover, todas osso, também mataram a pau em alguns dias de sol mais forte. Jig nas praias do rio e nas partes mais fundas das ressacas e lagos era até sacanagem. Até as hélices arrancaram alguns peixes da água. Mas mesmo com as adversidades, nesse primeiro dia o Baita joga numa saída de ressaca, no meio de uma galhada a T20 e um bonito peixe pega e sai rasgando pra pauleira. Como ele ainda não gosta de usar leader, 1x0 pro peixe. Isca e peixe foram embora. E toda a noite a gente se reunia com o gerente Rodrigo pra traçar a estratégia do dia seguinte. Pescamos no Sucunduri, pra cima e pra baixo, nas ressacas, nos afluentes, mais foram nos lagos que saíram os maiores peixes e as grandes surpresas dessa pescaria. O Pinimas: 09lbs: 09lbs: 10lbs: 10lbs: 10lbs: 09lbs: 11lbs, peixe comprido: E com esse peixe abaixo, começam as histórias da pescaria. No segundo dia, a noite o Japa chega e joga uma T20 no colo do Baita. Ele sem entender nada pergunta o que era aquilo. Japa riu e disse que achou na boca de um tucunaré que havia pego a tarde. "Como? Duvido! É sacanagem???" Baita falava até o Japa mostrar o vídeo. Acreditem se quiserem. Japa pegou o peixe, pela boca com uma isca de meia água com a isca do Baita na boca. Depois ainda dizem que o pesque e solte não funciona. O peixe sacudiu a hora que ele colocou o boga, a isca escapou e enroscou na barriga. As fotos da proeza: Japa é pescador de Robalo, fera no stick: 10lbs: 11lbs: 12lbs, peixe gordo: Baita com ele: Esse peixe foi pego num lago. Logo na entrada tinha uma praia que dividia o lago em dois. Quando entramos demos de cara com a praia e batemos um jig e saíram uns pequenos. Saímos da praia e o Baita vê uma bicuda grande correndo de um peixe no meio do lago e aponta "Joga lá". Espero chegar mais perto e lanço em cima. No primeiro trabalho ele suga a isca. Até achei que era pequeno no início porque não correu, mais peixe que costuma sugar a isca é grande. Fui trazendo com cuidado e a hora que ele viu o barco ele virou o bicho. Tomou bastante linha, depois se entregou e foi pra foto. Demos a volta no lago e fomos pro outro. Ao atravessar a praia notamos umas pegadas. Mais perto vimos que era de onça. Ou a gente não notou as pegadas quando batemos os jig, ou a bicha atravessou a praia enquanto a gente pescava. Na hora de voltar pelo cano, tinha que passar o barco por cima de um tronco caído. Foi tenso. Só neguinho com os zóio estalado . Ficou conhecido agora como o Lago da Onça. Agora começa outro capítulo da nossa pescaria, o dos gigantes. No primeiro dia o Baita, sabendo da fama do Sucunduri de ter os maiores Aruanãs do Brasil, fala pro guia Mimo que quer pescar aruanã e ele fala de um lago que tem uns monstros e que íamos pra lá no outro dia. Como combinado, partimos no outro dia pra esse lago. Da boca já avistamos vários aruanãs no meio do lago. Vamos indo devagar batendo as iscas e dou uma olhada pra trás e vejo um aruanã bem perto. Arremesso e trabalho na manhã e o bicho entra. Baita ficou puto. Ele é apaixonado com esse peixe sei lá porque. O homi ficou brabo d++++ kkkk. Seguimos batendo mais só saiu esse. Logo depois começou um vento forte e atrapalhou muito a pescaria. Dois dias depois voltamos pro mesmo lago e fomos bater eles de novo. A água estava perfeita. Paradinha, sem vento algum e logo já começamos a avistar eles novamente. Só que já estavam muito espertos. Não atacavam as iscas, só seguiam. Fomos batendo tucunaré pela margem e sempre olhando pra trás. Quase no final do lago enxergo um monstro de aruanã, bem perto do barco. Não ia fazer isso de novo e disse pro Baita "Vira pra trás devagar e joga porque tem um gigante nadando de boa ali". Baita joga um pouco na frente e vem trabalhando. Ele começa a seguir a isca e a uns 4m do barco,ao contrário dos outros, vem a porrada. Pqp, que porrada. Jogou até água no barco e saiu fritando a carretilha pro meio do lago. Baita foi trabalhando o peixe com calma e depois de uns 20min de briga o monstro se entrega. Que alegria . 12lbs e quaaaase(bem pertinho) 88cm de comprimento: Eu com ele: Um monstro de peixe. Coisa mais linda. As pernas tremiam tudo! kkk Peixe fotografado, pesado, medido e borá pra água. 20min o recuperando na margem até ele se firmar sair como uma flecha. Top! Vlw peixão. Tomamos uma pra comemorar e fomos pra luta de novo. Baita avista outro aruanã, jogamos em cima e pega na isca dele. 80cm e 9lbs. O homem tava d+. Matou a vontade. Mais outros: Aruanã chaveiro também saiu: Agora vem outra história impressionante. No penúltimo dia entramos num lago e logo na boca Baita acerta um bom tucunaré. Logo depois, numa galhada também acerto um bom peixe, tento segurar ele pra não ir pra pau e abre a garatéia. Já pensamos, "Aqui nós vamos pegar o troféu que falta!". Fomos batendo e pegando vários tucunarés pequenos. Tinha muito peixe nesse lago e a hora do monstrão entrar parecia que ia só amadurecendo. O lago tinha uma profundidade de uns 4m no meio e eu comecei a bater jig. Só esperando a pancada. Numa galhada, Baita joga a zara, a isca entra no drop e vem a pancada. Um tucunaré gigante. Com certeza o mair da pescaria. Bate mais não entra. Ele corre pra uma galhada logo atrás. Baita joga, o peixe dá aquela pancada bruta de novo, leva pro pau, enrosca a isca, sente o ferro e escapa. Putz. "Era o peixe da pescaria. Era o peixe da pescaria" Vários minutos em silêncio e depois vida que segue. Continuei batendo o jig no fundo. Triste mais um pouco animado em saber que ali tinha peixe grande mesmo e a qualquer minuto ele podia sair. Perto do ponto do peixão, sinto um tranco que fez o jig parar no fundo. Parecia que tinha enroscado em um tronco. Dou uma leve puxada pra ver se saia e a carretilha começa a fritar . Mimo fala "Olha ela ai. Você acertou ele. Vai com calma, vai com calma. Você acertou ele". Mais tava muito forte e não parava de tomar linha. Disse "Vai acabar a linha. Liga o motor". Mimo não liga o motor mais começa a remar rápido pra cima do bicho e ele só tomando linha e eu desesperado porque já tava na cama de nylon . De repente, por um milagre de Deus, ele vira e corre pro lado do barco. Vou recuperando a linha e o fôlego e digo "Isso não é tucunaré nunca. É peixe de couro ou um jacaré atrevido". Uns 20min de briga sem nem sinal do bicho, até que ele sobe. Era um pirarucu. "Um pirarucu. Pqp, pqp" disse o Baita . Nunca, nem em meu melhor sonho eu ia imaginaria que pegaria um pirarucu no jig e ainda mais da forma inesperada que foi. Ajoelhei no piso do barco porque as pernas tremiam tudo e eu não conseguia nem ficar em pé . Fomos cansando o gigante até, depois de quase uma hora lutando, conseguirmos atolar ele numa praia. Aí foi só alegria . Tinha charutado o jig e se não tivesse leader, adeus peixe. 1.62m e uns 50kgs: O jig matador, agora aposentado: Várias fotos tiradas, muita farra, peixe bem recuperado e solto. Dá-lhe cerveja pra comemorar . No início do lago, tinha uma praia e ainda pegamos vários tucunas no jig. Ehhhh laguinho top! . Outras fotos da Parceirada: A noite o bixo pegava no truco. Só ladrão: Obs: Nersão continua o "caga 3" no truco. E teve um parceiro que fez a proeza de perder com o zap e o sete copa. Mais não vou falar quem é. Vou dar só uma dica: tem o olho puxado . Nem antes do café da manhã e na hora do almoço os fominha davam sossego pros peixes: Pacú e Piabas: Piranha Preta e Caparari: Piau na artificial e Jacundá chaveiro: Esse brigou bastante, mais como o Baita sabe manejar bem um toco, saiu pra foto: Sem comentários: Não poderia deixar de falar dos caras que foram pra Amazônia pra dormir. Era rio, rede e cama. Só. Rafão: Rafão tirava até selfie dormindo: E Betin. Não podia escorar que dormia: Nersão Crocodilo Dante, todo santo dia ele tinha que pegar no couro: Atenção: Se alguém comeu um tucunaré com gostinho de Campari lá no Alto Juma depois de nós, é culpa do Nersão: E é muito amor pelos tucunas: Outras fotos: O ponto onde os Aruanãs gostavam de ficar: Ohhhhh peixinho bonito: Hora dura é essa. No último dia a tarde não se pesca, então resolvemos fazer um campeonato de pesca com os guias pra eles descansarem um pouco da dura rotina. O Guile acabou levando o campeonato com o maior peixe, 40cm(monstro kkk). E como eu peguei os maiores tucunarés, ganhei os troféus que o Rafão levou. Vlw mano!!! Nossa sempre bela Amazônia: Com a turma do barco: Em nome da Parceirada queria agradecer imensamente a Dona Zí e a sua ajudante, ao Rafa que nos servia e aturava toda a noite (na hora da despedida você chorou que vi safado kkk), aos guias Mimo, Daniel, Nei e Manoel, sem vocês não há pescaria. Ao gerente da operação Rodrigo e ao grande amigo Victor Villanova pela excelente organização de tudo. Vocês são maravilhosos meus amigos. Grande abraço e que Deus continue os abençoando . Agradeço a Deus pela oportunidade e saúde de poder todo ano pescar no lugar que mais gosto no mundo. A minha esposa Cris pela tolerância a esse meu vício. Aos meus amigos, só tenho que agradecer por suas companhias. A gente fica 1, 2 anos sem se ver e não é fácil segurar a ansiedade e a saudade. Eu acho que devido as tantas dificuldades climáticas e pressão de pesca encontradas, fizemos uma boa pescaria. Nos divertimos bastante e só de estar naquele paraíso já é recompensador. Grande abraço pra vocês meus irmãos e até a próxima Parceirada Boa. Material utilizado: Varas de 17, 20 e 25lbs. Carretilhas de perfil baixo com linhas multi 50lbs e leader 50lbs(alguns kkk) Iscas: Jigs Extreme Jigs, T20 osso, Bonnie 95 e 128, Rover128 e Joker113 osso, Red Pepper, Hélices Ccm 11cm e Rip Roller 14cm. Grande abraço e sempre boas pescarias a todos!
  4. Relato da pescaria no Tocantins, Formoso do Araguaia, lago piranhas e calumbi. Este ano voltamos ao Tocantins em busca dos tucunarés e coadjuvantes, Aruanã, Apaiari, Traíras e alguns outos peixes que atacaram iscas artificiais como o pirarucu. 1900km de viagem e chegamos a Formoso do Araguaia para encontrar nosso guia Aílton, logo fomos para um rancho no lago piranhas, aonde ficamos por quatro dias. Nossa turma: Eu Mauro, Marcelo, Tiago, Juninho e Nivaldo(cachorro). Turma muito animada e disposta a pescar e soltar a maioria dos pescados. O lago piranhas é pequeno e rico em diversidade, tucunarés pitangas(popocas), tucunaré azul(apareceu pouco), aruanãs, apaiari, pirarucu, pirarara, cachara entre outros. Todos os dias tivemos muita ação em iscas de superfície, estando os tucunas, aruanãs, apaiari e traíras na mesma estrutura disputando as iscas com muita voracidade. A turma da meia-água pegou de tudo, até pirarara e cachara, além do pirarucu ( só vendo pra acreditar). Este lago esta sendo preservado e parece ser um dos melhores locais para se pescar o pirarucu, isca natural jogado no rebojo do peixe é fatal. Saímos do lago piranha e fomos para Formoso aonde pescamos dois dias e meio no lago calumbi em busca dos azulões. A maioria dos tucunas estavam na época de vestimenta paca, atacando bem as iscas pequenas e médias, mais um pouco manhosos preferindo trabalho de isca mais stick, muitos ataques errando as iscas e os grandes fazendo a festa levando as iscas para as estruturas de algas e galhadas e limpando a boca nos deixando a ver navios(kkkk), todos tiveram seus troféus perdidos. O único azulão de respeito saiu para o Marcelo no último período da pescaria. Tivemos momentos de muita produtividade alternando com horários em que o peixe não comia, insistimos muito e todos pegaram bons peixes. Vamos as fotos e vídeos, infelizmente os vídeos do lago calumbi foram perdidos por problemas técnicos(é de chorar) Viagem cansativa feita em 23 horas de carro sem dormir, deu tudo certo, até escapar de atropelar um tamanduá enorme. Tá chegando Muitos dublês, tucunas e convidados Muitas traíras acabando com as iscas. Os aruanãs estavam muito ativos, viam de dentro das estruturas de mato e atacavam com tudo voando literalmente nas iscas Os apaiaris davam em penca, peixe nervoso que parecia um monstro no ataque, mais era só fachada. Assado a moda capixaba, sensacional. Os pirarucus estavam atacando as artificiais, Marcelo tirou este e eu perdi um no embarque. Dublê de diversidade, peixes juntos na mesma estrutura, nunca tinha visto assim. Garoto local aprendendo o pesque e solte. Este bitelo atacou minha hélice, foi sensacional a porrada. No lago piranhas saíram poucos azuis. Azulão paca do lago calumbi. Almoço no meio do lago, nada de perder tempo na pescaria Nossa turma mais o guia Ailton MLK Pesca, irmãos Maleque Tiago com seu stick matador Quando o peixe recusava entrar na superfície jig nele. Marcelo e seu azulão voltando pra vida Aos 49 do segundo tempo com vento zunindo, eis que entre e sai o azulão. Juninho se apaixonou pelo pesque e solte. Difícil tirara o cigarro da boca do cachorro, pegou muito! Tiago homenageando a família Barco B arrasou com vários triplês Taí o pirarucu pego com uma isca pequena de meia-água pelo guia Aílton com ajuda do Cachorro, este peixe foi solto rapidamente. Cachorro e Juninho tiveram a sorte de fisgar pirararas na artificial com material leve, todos peixes soltos. Pescaria realizada por MLK Pesca, abração pescadores. Somente consumimos peixes médios e muita traíra e nenhum tucuna azul. E como sempre, peixe não anda de carro.
  5. Amigos, venho contar oque ocorreu comigo essa semana (dia 15 de julho 2016) em uma pescaria no tão afamado rio Araguaia, na região de Luiz Alves. Estavamos eu, Pedro (meu primo), meu pai e o Jeff (grande amigo nosso) nessa aventura de 5 dias. Estavamos inaugurando o barco do meu pai, o nome era EU MERECO 2 kkkkk. Após arrumar as tralhas colocamo-as no carro e caimos na estrada, da minha casa em Brasília até Luiz Alves fica +ou- 6h de viagem. Com esse barco foram 12h, pois ele é muito pesado e tinhamos que ter cuidado com a carreta. Chegamos bem, mas com a notícia que o rio tinha abaixado muito e a pescaria estava difícil por causa dos botos. Mas mesmo assim mantemos o otimismo, encontramos com o Mateus (piloteiro) e fomos para o rio. É importante deixar claro também que eu e meu primo ficamos no barco do piloteiro e meu pai e o Jeff no barco principal, então não sei direito das corridas que eles tiveram. O primeiro dia foi destinado a subir o araguaia cerca de 3h para sair de perto da multidão, mês de julho é extremamente cheio. Após navegar esse tempo pescamos um pouco, conseguimos capturar uma apapá, três palmitos e um pequeno barbado, mas realmente o boto não dava tréguas, ele estava pegando até em Lambari. Por nossa sorte comida boa era oque não faltava, colocamos uma carne para assar e ficavamos contando e ouvindo histórias de pescarias, as mais impressionantes são as do piloteiro Mateus, esse homem apesar de novo ja viu muita coisa kkkk. O segundo dia foi destinado completamente para a pescaria, mas estava muito fraco, então tentamos variar a modalidade e tentar a pesca de peixes grandes, mas o boto não deixava nossas iscas... Apenas 1 pirarara bateu na minha vara, mas infelizmente não consegui embarca-la. No terceiro dia fomos atrás dos peixes de couro tão desejados, mas novamente os botos não nos deixava em paz (eu sei que isso está ficando repetitivo, mas tenho que falar oque aconteceu kkk). Apenas no final do dia tivemos uma batida de peixe grande na vara do Pedro, parecia ser uma piraíba, mas meu primo não conseguiu ferra-la bem e deixou-a escapar. No quarto dia estávamos ficando meio frustrados, então o piloteiro Mateus salvou a pescaria. Ele perguntou se a gente gostaria de tentar com iscas artificiais em uma ressaca que estava perto de um lago, onde ele havia visto umas batidas anormais, mesmo sabendo que ressacas não são locais tão propícios para uma boa pescaria aceitamos. Então amigos, como diz o ditado "quem não arrisca não petisca", fomos nessa ressaca, saimos do barco e ficamos em uma parte rasa do rio. Imediatamente quando arremessamos nossas zaras na água (isca indicada pelo Mateus) uma bela aruanã de cerca de 2,5 kg ataca a minha isca, devo dizer que fiquei muito feliz pois nunca antes havia pegado uma aruanã. Logo depois de solta meu primo e eu engatamos outras, e outras, e outras... Era um ENORME cardume de aruanãs, tendo algumas boas de 3 e 4 kgs. Mas o melhor ainda estava nos esperando, Pedro pegou um lambari e arremessou, tentando ver se as aruanãs maiores eram pegas com isca viva, assim que a isca caiu na água, uma onda se formou jogando cerca de 3 aruanãs para os lados. Confesso que no início era um boto atacando uma aruanã, mas logo em seguida veio o salto de um belo exemplar de pirarucu, era inacreditável, todos paramos a pescaria para tentar ajudar o Pedro, que estava usando um equipamento de 20lbs. Após 15 longos minutos nós conseguimos traze-lo para o raso, era um belo exemplar de uns 25 ou 30 kgs que após de fotografado foi solto. Ficamos extremamente felizes e voltamos para a pescaria de aruanãs, onde capturamos muitos exemplares. Cerca de 120 aruanãs foram pegas e devolvidas ao rio. O quinto dia foi reservado para voltar a Luiz Alves e colocar o barco no lote onde ele iria ficar. Nada muito interessante. Cada vez mais eu me surpreendo com a caixa de surpresas que é o nosso esporte, numa hora tudo está dando errado, na outra vc acha um cardume gigante. Essa é uma das razões de eu amar a pesca, nela nada é previsível. Obs: se alguém quiser entrar em contato com o Mateus o cel dele é (62)999861899.
  6. Amigos, venho contar oque ocorreu comigo essa semana (dia 15 de julho 2016) em uma pescaria no tão afamado rio Araguaia, na região de Luiz Alves. Estavamos eu, Pedro (meu primo), meu pai e o Jeff (grande amigo nosso) nessa aventura de 5 dias. Estavamos inaugurando o barco do meu pai, o nome era EU MERECO 2 kkkkk. Após arrumar as tralhas colocamo-as no carro e caimos na estrada, da minha casa em Brasília até Luiz Alves fica +ou- 6h de viagem. Com esse barco foram 12h, pois ele é muito pesado e tinhamos que ter cuidado com a carreta. Chegamos bem, mas com a notícia que o rio tinha abaixado muito e a pescaria estava difícil por causa dos botos. Mas mesmo assim mantemos o otimismo, encontramos com o Mateus (piloteiro) e fomos para o rio. É importante deixar claro também que eu e meu primo ficamos no barco do piloteiro e meu pai e o Jeff no barco principal, então não sei direito das corridas que eles tiveram. O primeiro dia foi destinado a subir o araguaia cerca de 3h para sair de perto da multidão, mês de julho é extremamente cheio. Após navegar esse tempo pescamos um pouco, conseguimos capturar uma apapá, três palmitos e um pequeno barbado, mas realmente o boto não dava tréguas, ele estava pegando até em Lambari. Por nossa sorte comida boa era oque não faltava, colocamos uma carne para assar e ficavamos contando e ouvindo histórias de pescarias, as mais impressionantes são as do piloteiro Mateus, esse homem apesar de novo ja viu muita coisa kkkk. O segundo dia foi destinado completamente para a pescaria, mas estava muito fraco, então tentamos variar a modalidade e tentar a pesca de peixes grandes, mas o boto não deixava nossas iscas... Apenas 1 pirarara bateu na minha vara, mas infelizmente não consegui embarca-la. No terceiro dia fomos atrás dos peixes de couro tão desejados, mas novamente os botos não nos deixava em paz (eu sei que isso está ficando repetitivo, mas tenho que falar oque aconteceu kkk). Apenas no final do dia tivemos uma batida de peixe grande na vara do Pedro, parecia ser uma piraíba, mas meu primo não conseguiu ferra-la bem e deixou-a escapar. No quarto dia estávamos ficando meio frustrados, então o piloteiro Mateus salvou a pescaria. Ele perguntou se a gente gostaria de tentar com iscas artificiais em uma ressaca que estava perto de um lago, onde ele havia visto umas batidas anormais, mesmo sabendo que ressacas não são locais tão propícios para uma boa pescaria aceitamos. Então amigos, como diz o ditado "quem não arrisca não petisca", fomos nessa ressaca, saimos do barco e ficamos em uma parte rasa do rio. Imediatamente quando arremessamos nossas zaras na água (isca indicada pelo Mateus) uma bela aruanã de cerca de 2,5 kg ataca a minha isca, devo dizer que fiquei muito feliz pois nunca antes havia pegado uma aruanã. Logo depois de solta meu primo e eu engatamos outras, e outras, e outras... Era um ENORME cardume de aruanãs, tendo algumas boas de 3 e 4 kgs. Mas o melhor ainda estava nos esperando, Pedro pegou um lambari e arremessou, tentando ver se as aruanãs maiores eram pegas com isca viva, assim que a isca caiu na água, uma onda se formou jogando cerca de 3 aruanãs para os lados. Confesso que no início era um boto atacando uma aruanã, mas logo em seguida veio o salto de um belo exemplar de pirarucu, era inacreditável, todos paramos a pescaria para tentar ajudar o Pedro, que estava usando um equipamento de 20lbs. Após 15 longos minutos nós conseguimos traze-lo para o raso, era um belo exemplar de uns 25 ou 30 kgs que após de fotografado foi solto. Ficamos extremamente felizes e voltamos para a pescaria de aruanãs, onde capturamos muitos exemplares. Cerca de 120 aruanãs foram pegas e devolvidas ao rio. O quinto dia foi reservado para voltar a Luiz Alves e colocar o barco no lote onde ele iria ficar. Nada muito interessante. Cada vez mais eu me surpreendo com a caixa de surpresas que é o nosso esporte, numa hora tudo está dando errado, na outra vc acha um cardume gigante. Essa é uma das razões de eu amar a pesca, nela nada é previsível. Obs: se alguém quiser entrar em contato com o Mateus o cel dele é (62)999861899.
  7. Bom dia amigos pescadores, venho informar de um "novo piloteiro" da região do araguaia, mais precisamente Luiz Alves. O nome do cidadão é Mateus, o celular é (62)999861899, ele tem cerca de 26 anos (não sei ao certo) e nasceu nas margens do araguaia, onde passou toda a sua infância. Ele é super gente boa, carismático, até um pouco tímido, mas com o tempo ele vai se soltando.Ele tem uma voadeira de 6, com motor de 40hps, e a voadeira tem plataforma. Apesar de não ser o tópico certo tenho q contar oq aconteceu nessa pescaria onde o Mateus conseguiu salvar a nossa pescaria. Fomos eu, meu primo (Pedro Carvalho), meu pai, e nosso companheiro Jeff (cidadão simplismente hilário). Este ano o Araguaia secou mtt rápido, além disso os botos impossibilitavam a pesca de peixes grandes de couro (eles estavam atacando até os lambaris em nossos anzóis). Resumindo, tudo apontava para uma pescaria de mediana para ruim. Ficamos lá cerca de 4 dias. Primeiro dia, nós subimos o rio cerca de 3h, até Bandeirantes e pescamos cerca de 6h, e capturamos apenas 3 palmitos e cerca de 2 apapás. Segundo dia, fomos atrás dos peixes de couro e os botos não davam trégua, "apenas" bateu uma pirarara e uma piraíba, mas infelizmente conseguiram escapar. Terceiro dia, já estávamos ficando meio frustrados, foi onde o Mateus deu a opcão de irmos pescar de baits para capturar as apapás, cachorras, bicudas e até corvinas. conseguimos até alguns peixes pequenos, mas nada realmente digno de uma pescaria como essas. Foi quando o Mateus viu uma ressaca formada pela seca do rio e ela estava perto de uma lagoa. E disse ali deve ter peixes, fomos até lá e ele recomendou iscas do tipo zara pelo fato de o local ser raso. Foi colocar a isca, jogar e ver centenas de aruanãs loucas atrás dela, era literalmente uma coisa de louco, teve vezes que eu arremessava a isca e sem nem trabalhar esses peixes atacavam, nunca vi nada parecido. Pegamos cerca de 100 aruanãs e algumas de bom porte ( 2,5 até 3,5 kg). Foi quando meu primo tentou uma vez com isca natual, ele colocou um lambari em um anzol diretamente amarrado na linha, ele jogou a isca e cerca de 5 segundos depois vimos uma onde na água, no início pensei que ele tinha fisgado uma aruanã e um boto atacou-a, mas na realidade era um pirarucu de cerca de (35 até 30kg), ele estava com um equipamento de pescaria de tucunarés (imaginem a briga), o Mateus teve que ir segundo o bicho com a lancha senão a linha do meu primo teria acabado rápidamente, fiquei realmente surpreso de não ter pegado em nenhum barranco ou raseira. Após a briga retornamos ao local onde o capturamos para as fotos. Quarto dia, nós não pescamos muito, apenas arrumamos as tralhas e fomos embora da pescaria. Gracas ao Mateus essa pescaria em geral foi muito boa. Depois da pescaria sentamos para jantar em um restaurante local, foi onde perguntei para o Mateus como que ele sabia que naquele local tinha tantos peixes e peixes de lagos, que não costumam ir para os rios (tendo em vista que uma ressaca é apenas um remanso em um rio, tipo um mini lago), ai ele me respondeu que era porque aquela ressaca ficava bem perto do lago, deixando as aruanãs irem para lá, e ele viu que a água estava muito movimentada para uma ressaca normal (sinal de um grande cardume). Ai eu perguntei sobre o pirarucu, ele disse que mesmo sabendo disso tudo, aquele captura teve uma pitada de sorte kkkk. (Minha camera acabou caindo na água, então não tiramos muitas fotos)
  8. Bom dia pescadores, venho relatar aqui mais uma pescaria da Equipe Molha Minhoca. Fomos eu, Renato e nossas esposas e filhas até o Point da Pesca em Alexânia. A intenção inicial não era a pescaria visto que estávamos com as esposas, mais como somos pescadores natos, é inevitável. rsrsrsr. E mesmo com o "Inverno" Goiano, os peixes sairão para as fotos. Também postei um vídeo da pescaria completa. Aqueles que quiserem assistir, por favor, curtam e se inscrevam no canal para ajudar na divulgação. Segue o link: https://www.youtube.com/watch?v=PO1RmYW8Nig ******************************************************************************************************************** Arremessei uma salsicha flutuando no meio do lago. Depois de uma ataque eu fisgo, e se inicia uma briga confusa. Um peixe forte, porém dava uns trancos ao longo da corrida, suspeitávamos ser um pequeno tamba, até que uma bonita pincachara se revela e aparece para as fotos: Após isso, o Renato não fica pra trás e engata uma sequencia de belos peixes de couro. Todos no mesmo sistema, porém, como isca agora usamos a mortadela. Primeiro essa pincachara: Essa um pouco maior: E agora um peixe incomum nos pesqueiros aqui de Goiás, ele foi substituído pela pincachara pela melhor adaptação: Um belo e legítimo Surubim Pintado. Rendeu uma ótima briga. Peixe muito forte! Depois de um tempo notamos que os peixes não estavam mais atacando na superfície. Como não estavam atacando no fundo tbm, com tuvira viva e salsicha. Vendo isso optei por uma montagem diferente! Armei uma bóia com chicote de +- 60cm. Arremessei e deixei. Passou uns 5min o Renato me grita: "Afundou, afundou". Eu corro e fisgo, uma briga de força descomunal se inicia, logo o peixe está do outro lado do lago. E para evitar que cruze outras linhas eu vou atrás dele. Já suspeitava pela briga, e logo se confirma, era "ELA" : A segunda pirarara da minha vida, capturada em um jeito não tão comum. Mais fotos dela: E assim foi a pescaria da tarde de sábado! Aproveitamos para jantar com a família e curtir uma sinuca! Heheee: **************************************************************************************************************** Amanheceu o domingo, dia que pescamos até as 16hrs! Fui para o lago logo cedo, e reservei o lado que mais gostamos de pescar. Após o café da manhã iniciamos a pescaria: O primeiro peixe do dia foi esse tamba intruso capturado pelo Renato, que pegou a isca armada no fundo: Após um intervalo de 10 minutos, um bote na mortadela flutuando do Renato, eu estava mais próximo e fisgo pra ele. Depois ele inicia a briga com mais uma pincachara! Coloração linda desse peixe: E agora apareceu um peixe inédito para a Equipe, um belo pirarucu abocanha a salsicha flutuando. o Renato rapidamente fisga, e se inicia um briga pesada. Depois de um tempo ele se rende: Renato com o trofeu de aproximadamente 50kg: E agora na minha opinião o que foi o momento mais emocionante da pescaria! Eu deixei uma mortadela flutuando um pouco mais pro canto do lago, e recolher a outra vara que estava armada pro fundo. Do nada vejo minha linha esticando. Dei a fisgada, e começou a briga. No meio da briga, o peixe tava pesado, mais tomou linha. O Renato me perguntou o que era. Eu dizia: "´É outra pincachara!". Do nada uma tomada de linha violenta e um peso faz eu gritar de susto: " Ai dis*****... não é Pincachara não!". Momento esse que tem um pedaço registrado no vídeo! Depois de uma longa briga, uma bela pirarara se rende à foto. Nunca imaginei capturando esse peixe na superfície. Aproveitei que minha esposa e minha filha estavam por perto pra realizar um dos meus desejos como pescador: Tirar uma foto com minha família e um peixe especial: Depois dessa Pira, fomos almoçar! Voltando do almoço, mais nenhum bote na superfície. Então eu raciocinei, ontem eu peguei uma pirarara na meia agua. Porque não tentar de novo!? Foi tiro e queda. O Renato é testemunha, rsrs, foi eu arremessar, por a vara no suporte, e virar as costas, o Renato me grita: "Afundou, afundou" rsrs. Depois da fisgada, mais uma corrida descomunal, depois de dar a volta no lago inteiro, essa Pira resolveu ir pra debaixo do aerador. Travei um cabo de guerra de no minimo 10 minutos só pra ela não entrar debaixo do aerador, a parte final da briga esta registrado no vídeo. Uma linda Pirarara se rendeu para foto, de coloração bem escura, e enorme! Exemplar que facilmente passa os 30kg, meu novo recorde. E outro detalhe, essa Pira estava cega de um olho. Segue as fotos: Essa mereceu até um beijinho! rsrsrs. Depois foi solta. O Renato que nunca havia pego uma Pirarara na vida, tratou de fazer o mesmo esquema. E foi arremessar e correr pro abraço. Só que depois de fisgada ela correu pro lado oposto, pegando varias linhas. O Renato ficou tenso com medo de perder a Pira, e tome linhaaaa! KKK Depois de um tempo, mais bela "danada do rabo vermelho" como gosto de dizer. Olha a alegria do pescador: Eh manin, agora tu sabe o que esse peixe briga. E o tanto que ele vicia! Rsrsrs. Depois dessa euforia, sabe aquela sensação de que vc vai arremessar e vai pegar o peixe com certeza? Pois é, eu estava com essa sensação. E não falhou!! alegre:: A ultima pirarara da pescaria, por volta das 15:00hrs: E assim encerrou nossa pescaria! Paramos pouco antes das 16hrs. Foram no total 5 pirararas, 4 pincacharas, 1 pintado e 1 tambacu. Quero agradecer primeiramente a Deus, pelo privilegio da vida e de usufruir tudo de bom que ele me dá. Depois a minha esposa, por me apoiar em minhas decisões, inclusive quando vou pescar! rsrsrs. E ao meu parceiro Renato, por sempre estar presente nas pescarias. Tamo junto mano! Isso é tudo pessoal. Não esqueçam de acessar o canal do Youtube, se inscrever no canal, e curtir o vídeo para ajudar na divulgação. Abraços, Ruan.
×
×
  • Criar Novo...