Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Flávio Martins

Peixes do Lago Paranoá

Posts Recomendados

Tambaqui e Balck Bass no Lago Paranoá?

A história:

As introduções de peixes no Lago Paranoá se iniciaram já no ano seguinte do seu enchimento, tendo sido lançados no reservatório entre março e dezembro de 1960, no total de 145 tilápias do congo (Tilápia rendalli), 6.500 "black-bass" (Micropteuros salmoides ); 7.000 "bluegill" (Lepomis macrochira ); 5.000 mandi amarelo (bagre não identificado) e 12 reprodutores de piapara (espécie da Família Anostomidae- piaus), peixes estes oriundos da Granja do Ipê.

Em janeiro de 1964 o Departamento de Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) realizou o primeiro levantamento dos peixes do Lago Paranoá, e coletou mais de 1.500 exemplares de tilápia do congo e alguns "bluegill", além de peixes nativos da região como lambaris, charutinhos e cascudos. Devido a esses resultados o lago foi considerado como um ambiente com poucos peixes sem captura para pesca comercial, e com a pesca esportiva incipiente.

Entre as décadas de 60 e 70 foram introduzidas no lago novas espécies, como carpa comum (Cyprinus carpio), tucunaré (Cichla ocellaris) e a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) conforme relatado por DORNELLES & DIAS NETO (1985).

Segundo Bastos (1980), durante a década de 70, introduções voluntárias e/ou clandestinas de peixes ornamentais criados por aquaristas amadores, tais como espadinha e "guppy" se somaram a lista de peixes já ocorrentes no Lago Paranoá.

O início da década de 80 foi marcado pelos peixamentos do lago com duas espécies amazônicas, o tamoatá (Callychthys callychthys) e o tambaqui (Colossoma macropomum), além de uma espécie de camarão de água doce. Dos poucos milhares de alevinos de tambaqui lançados no lago não se teve nenhuma notícia, ao passo que o tamoatá estabeleceu população reprodutiva no resevatório.

Na década de 90 , apenas dois outros novos registros vieram a ampliar a participar da lista de espécies exóticas introduzidas no Lago Paranoá, uma delas é o bagre africano (Clarias sp.), introduzido clandestinamente, enquanto que a outra é a carpa chinesa prateada (Hypophthalmichthys molitrix), na oportunidade em que alguns exemplares escaparam de tanques experimentais proveniente do experimento do programa de biomanipulação da CAESB, que e passaram a habitar o espelho d'água do lago.

Principais peixes nativos adaptados ao Lago Paranoá: Acará preto; Acará amarelo; Bagre; Cascudo; Lambaris; Saguirú; Traíra; Trairão

Principais peixes exóticos do Lago Paranoá: Bluegill; Tambaqui; Tilápia do Nilo; Tilápia do Congo; Bagre Africano; Tucunaré Comum; Tucunaré pima; Carpa comum; Carpa prateada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bacana esse histórico... Sabe se tem algo recente em projeto para futuros peixamentos??

Não falaram aí das Traíras... e tem muita lá.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

×