Ir para conteúdo

Cristiano Rochinha

Membro
  • Total de itens

    1.277
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    30

Histórico de Reputação

  1. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Guto Pinto em NO QUINTAL DE CASA   
    Galera,blz aí???!!!
     
    Passando aqui só pra deixar um relatinho bem breve sobre 3 dias de pescaria no meu "quintal de casa" os rios Grande e Pardo,na cidade de Colombia-SP.
    Esses 3 dias foram em pescarias separadas (agosto,outubro e novembro consequentemente).
     
    Começando no auge da seca,mês de agosto,resolvi convidar meu amigo Piapara pra conhecermos um trecho do rio Pardo a 90km de Colombia,na cidade de Jaborandi-SP...Tínhamos notícias de bons dourados aparecendo por aquelas bandas.
    Escolhemos ir até a pousada do Jaú,pousada bem simples as margens do rio,que vem fazendo um trabalho bacana de incentivo a pesca esportiva na região.
    Levamos boa quantidade de tuviras,mas já sabendo que os peixes estavam se alimentando mais de iscas brancas (piaus).
     
    O local...

     
    Corredeiras do Pardo...

     
    Rio extremamento baixo..

     
    A primeira dificuldade encontrada foi achar iscas...Como já disse anteriormente,levamos somente tuviras e precisávamos pegar uns piaus...E pensa numa dificuldade pra achar esse piau...Pescamos a manhã toda atrás deles,mas pegamos somente pacus-cd...Outros barcos que estavam na mesma missão também tiveram a mesma dificuldade.
     
    Partimos então com as tuviras e pacuzinhos mesmo....
    Sem a isca ideal (piau) ficou difícil...Tivemos apenas 2 ações na isca do parceiro,mas que não se concretizaram em fisgada.Mas mesmo assim,um pescador ao nosso lado com 2 piaus conseguiu 2 bons dourados.Fiz questão de registrar, (tirando foto com peixe dos outros ) mais para mostrar mesmo aos amigos o potencial de mais um trecho de rio de nosso interior paulista.
    Infelizmente,esses 2 peixes não voltaram pro rio,porém mais uma vez quero lembrar do trabalho que o proprietário da pousada do Jaú vem fazendo para incentivar a pesca esportiva,proibindo o abate do dourado em sua pousada.
     

     
    Bem,se não pegamos o dourado do rio,vimos o grande dourado dos céus,e assim nos despedimos do Pardão....

     
    Em outubro,recebi a visita de um amigo pra fazermos uma pescaria de 1 dia e meio....
     
    Primeiro,escolhi ir atrás dos tucunas acima da hidrelétrica de Porto Colombia,represa com grande potencial pra pesca dos azulões.
    Pegamos um dia nublado,com ameaça de chuvas...Peixe ativo bem pela manhã,atacando bem plugs de 7 a 9cm brancos com cabeça vermelha (Inna e Raptor)e os fatais jigs...Nosso ponto escolhido foi o rio Uberaba,afluente do Grande que deságua bem próximo ao clube náutico de onde saímos.
     
    Ah,claro,começamos sempre bem né...

     
    Primeiro peixe do dia,um azul de padrão mediano pra região,mas já um bonito peixe.

     
    Na sequência,uma pequena boa surpresa...Uma tilápia atacando a meia água...

     
    Ainda pela manhã,pegamos mais alguns tricks e 2 bons peixes... 
    Um azul...

     
    E um "azurelo" dos grandes,que brigou muito,pego na King Shad 70 MS...

     
    Após as 10:30h as ações pararam por completo...Logo comemos um lanche a beira da represa e voltamos pra dar mais uns pinchos,porém tivemos que parar mais cedo pois tínhamos umas coisas pra fazer na cidade...
     
    No dia seguinte fomos atrás dos barbados na rodada,porém como eu já esperava,havia muitos,muitos barcos mesmo rodando no mesmo ponto, por ser final de semana com feriado prolongado (12 de outubro), e claro,isso atrapalhou bastante...Pescamos só meio período com apenas 2 barbados pequenos e um mandi (nem tirei fotos).
    Dica:Outubro é o melhor mês pra pesca de peixes de couro no rio Grande,principalmente barbados...Saem boa quantidade deles e em ótimo tamanho (esse ano vi peixes de até 12kg),porém por ser o último mês de pesca aberta antes da piracema,evite ir aos finais de semana.Se possível pesque de segunda a quinta e não vá em feriados...
     
    E por fim,semana passada,dias 21 e 22 de novembro,recebi a visita de outros 2 amigos pra repetirmos a empreitada: Tucunas na represa e barbados no rio...
     
    Na represa,dessa vez pegamos um solão de rachar,e peixe mais ativo justamente nesse horário de Sol mais quente,ao meio do dia...Dessa vez,não estavam querendo meia água.Alguns subiram na superfície,mas apenas rebojando na isca (Zig Zarinha principalmente)...Aí entrava em ação mais uma vez os "fatais jigs de pelo".....
    Conseguimos alguns tricks e 4 bons peixes...Todos no rio Grande,sempre procurando locais com algas no fundo...
     

     
    O maior do dia

     
    A tradicional parada pro almoço a beira da represa...E sempre dar mais aquela apreciada na paisagem...

     
    Final de dia,mais uma vez um belo pôr do Sol pra nos presentear....

     
    No dia seguinte,atrás dos barbados mais uma vez só pegamos pequenos,e um pintadinho no final da tarde...Nem registrei em fotos...
     
    É isso aí amigos...Relatinho só pra descontrair mesmo,e claro,sempre lembrar que os rios do interior de SP ainda podem nos proporcionar muitas alegrias.
    Até breve e um grande abraço a todos.
     
     
     
     
     
     
     
  2. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Fabrício Biguá em Pousada Genipapo   
    Esse ano graças a proteção ao dourado no estado,saiu bastante deles por lá...Porém pescaria de dourado naquela região do Miranda depende muito da condição da água...Tem que pegar o rio baixo e com água limpa...Lá quando chove o rio enche e turva muito rapidamente,o que dificulta muito a pesca do dourado....E também depende bastante do guia...Tem bastante dourado lá sim,porém não são todos os guias que tem as manhas de pescá-los.Mas  isso se resolve avisando antes na pousada.No mais,com água baixa e limpa pode se pegar bons piauçus e piraputangas e alguns pacus (poucos) e com rio cheio e água turva pega-se jurupocas,alguns jaus e jurupensens e muito,mas muito armau...
  3. Upvote
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Rogério Araujo Pinheiro em DÚVIDAS SOBRE GOPRO   
    Opa Rogério,obrigado pela dica. Na verdade nem sei como está...Vou verificar.
    Abraço!
  4. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Rogério Araujo Pinheiro em DÚVIDAS SOBRE GOPRO   
    Ola amigo, beleza?
     
    Não sei se já esta nesse modo, mais nas configurações de vídeo tem o ícone do Protune... lá tem as configurações de áudio e dentro dele duas configurações diferentes.
     
    -Wind e Estereo
     
    Tente selecionar o wind (redução de barulho do vento) e veja se melhora um pouco.
     
    Hoje eu não uso mais gopro, migrei para o DJI Osmo Action... porem tive varias delas... estou bem familiarizado.
     
    Grande Abraço,
  5. Thanks
    Cristiano Rochinha deu reputação a Isac em Carretilhas BFS - China   
    No início não tinha mas agora saíram BFS também... Comprei uma Red Fox normal mas ainda não chegou. Segue link da BFS
    https://pt.aliexpress.com/item/1005001632397882.html?spm=a2g0o.detail.0.0.5711bcf4855EsU&gps-id=pcDetailBottomMoreThisSeller&scm=1007.13339.169870.0&scm_id=1007.13339.169870.0&scm-url=1007.13339.169870.0&pvid=842ddcb1-58f6-4b33-a047-5b883548e28d&_t=gps-id:pcDetailBottomMoreThisSeller,scm-url:1007.13339.169870.0,pvid:842ddcb1-58f6-4b33-a047-5b883548e28d,tpp_buckets:668%230%23131923%230_668%23808%234094%23254_668%23888%233325%2319_668%232846%238114%23791_668%232717%237564%23618_668%231000022185%231000066058%230_668%233468%2315612%23397
  6. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Leonardo Nakata em Rio Juma - 26 a 30/10/2020   
    Lindas fotos!
    Muito legal ver a galera postando relatos amazônicos...Muitos de nós chegamos a pensar que sequer haveria temporada de pesca esse ano,e em meio a todas as dificuldades,as pousadas no mínimo vem conseguindo se manter,sobretudo com a ajuda de grupos como o do amigo @Leonardo Nakata....
    Show de bola!
  7. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Leonardo Nakata em Rio Juma - 26 a 30/10/2020   
    No final de setembro de 2019 nossa turma ficou em uma pousada no Alto Juma. Água ainda muito cheia e pescaria bem dificíl, o que nos deixou com a sensação de querer voltar para a região em condições melhores de pesca.
    Em 2020 optamos por pescar no final de outubro, sendo a semana dos dias 26 a 30 os dias escolhidos.
    A pousada foi a Amazon Tucuna Expedition, que fica no Lago do Maçarico. Vale o destaque quanto a qualidade da operação. Estrutura e atendimentos nota 10!
    A viagem começa no porto da Ceasa em Manaus, e atravessa em lancha rápida até o Porto Careiro da Várzea, passando pelo famoso encontro das águas.
     
    Depois são mais algumas horas de micro ônibus até o Porto do Maçarico e de lá mais alguns minutos de lancha rápida até a pousada.
    Me surpreendi positivamente com toda a estrutura que a pousada oferece, tanto nos quartos bem amplos, salão e refeitório bem climatizados e pela piscina que era o ponto de encontro após o dia de pescaria pra relaxar e tomar aquela gelada!

     
    A pescaria nesse ano também foi bem difícil por conta do nível da água estar bem baixo, água suja e bem quente na superfície. Que fez com que tivéssemos pouquíssimas ações na superfície, sendo a maioria de traíras e aruanãs. Queria ver as grandes explosões nas hélices e zaras, mas não foi dessa vez hehehe
    A estratégia então foi afundar as iscas e as que mais tiveram resultado foram os shads em anzol offset pra não enroscar, jigs e iscas de meia água (destaque pra destroyer da Yara)
    Com isso a pescaria foi boa e o grupo todo teve boas ações de peixe, sendo os maiores com 75, 74 e 72cm. Conseguimos pegar tb um pequeno pirarucu, aruanãs e traíras.
    Segue algumas fotos dos peixes:















     
    Ano que vem estamos planejando conhecer Barcelos. Tomara que dê tudo certo 🙏

  8. Upvote
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Francisco Jr em RIO JURUBAXI- SIRN 24 a 31/10/2020   
    Parabéns....Só peixasso......
    Agora vejam só como esse mundo é pequeno:
    Ano passado estive pescando no rio Araguaia,na Pousada Cristal...E um dos piloteiros do nosso grupo havia falado pro meu amigo que estava pescando com ele,que também trabalhava num barco hotel na Amazônia...Meu amigo não soube dizer bem que barco era...Disse que talvez era um tal de "Kalua"....
    E aí ta o cara....Abraão se não me falha a memória....

  9. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Francisco Jr em RIO JURUBAXI- SIRN 24 a 31/10/2020   
    Tudo em ordem amigos pescadores!?
     
    Venho relatar sobre a nossa pescaria em SIRN no Rio Jurubaxi a Bordo do Barco Hotel Kalua II com a Turma dos Bigodes. A pescaria renderam belos peixes na casa dos 80ups grande parte dos peixes e a turma insistindo nas iscas de Hélice .
     
    A Turma chegando em SIRN e com destino ao Barco para irmos em busca dos brutos.

     

     
    Os Tucunarés Brutos.
     
     
     
     
       
     
      
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     

     

     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     

     
     
     
     
     
     
     

     
     
     

     
     
     

     
     
     

       
     
     
     
      
     
     
     

     
     
     
     
     
     
     

     
    Os peixes de couro e aruanã da dupla.

     

     

    E as belezas que sempre a  Nossa Amazônia nos presenteia.
      
     

     
    Venho agradecer e agradecer a equipe do Kalua pelo ótimo trabalho e aos amigos dos Bigodes.
     
    Abraço se Deus quiser que venha a próxima.
  10. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de GuilhermeLimahHB em Melhores Iscas Sem Rattlin   
    Pra mim são:    Superfície Spitifire e meia água/profundidade são Papa Black e Rapala Shalow Shad Rap.
  11. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a labareda em Barcelos 16 a 27 de outubro 2020   
    Essa foi minha segunda viagem em busca dos grandes tucunarés do Rio Negro. Da primeira vez, em novembro de 2018, acertei na veia de cara! Pescaria inesquecível com grande quantidade e qualidade de peixes. Daquelas que se leva uma vida inteira para acertar. A contagem final dos guias ficou em mais de 110 tucunarés açu acima de 60 cm numa equipe de 4 pescadores sem contar os popocas, borboletas e outras espécies. Dentre eles, provavelmente o maior tucunaré que verei em minha vida: um açu de 89cm e 26lb fisgado pelo amigo Amâncio.

    Ciente de que já tinha feito uma pescaria excepcional da última vez, fui sem grandes expectativas de superar o sucesso de 2018. No entanto, fui mais uma vez abençoado com outra pescaria farta de peixes. Particularmente peguei ainda mais peixes grandes dessa vez. Parece que sou pé quente para encontrar os gigantes. Peguei um 20 up logo na minha segunda pescaria de açus!
    Marcamos a data em fevereiro e seguramos a ansiedade até chegar o grande dia. Reservamos com o Ney 10 dias de pescaria: embarcando no dia 16 e desembarcando dia 27/10. Formamos a mesma equipe planejada em 2018: eu, Amâncio, André e Teodoro. Equipe firme que se manteve mesmo com todo o desenrolar da pandemia que acometeu dois dos nossos que resistiram bravamente e se recuperaram a tempo de embarcar para a nossa aventura.
    Equipe confirmada, ainda recebemos mais um companheiro advindo de uma das muitas outras operações canceladas por conta da pandemia. Sempre existe o lado bom nas dificuldades. Ganhamos a companhia de um grande pescador que durante a semana se tornou também um grande amigo. O Rogério, com toda sua paixão pela pescaria de açus cruzou o país para se juntar a nós em Manaus.
    Na viagem de ida a notícia não era das melhores. Depois de secar forte desde setembro, o Rio Negro e afluentes estavam voltando a subir e a previsão era de mais chuva. Combinamos, então, de subir o máximo possível para buscar locais com bom nível de água.

     
    A estratégia deu certo. Já no primeiro dia à tarde saiu peixe de 70cm. Um paca açu fisgado pelo amigo André que chutou pra longe a fama de pé frio pegando sucessivamente peixes entre 70 e 80cm nos primeiros dias de pesca. No início da pescaria tentamos apelidá-lo de AndrElsa de Arendele (Frozen), mas o apelido não colou. O cara arrebentou!
     
     

     
     
    Alternamos dias bons e dias ruins à medida que avançávamos pelo Rio Negro e diferentes afluentes. De forma geral os peixes não estavam seguindo as iscas para atacar. Normalmente entravam nos primeiros metros de trabalho quando a isca caia bem perto do seu raio de ação. Apesar de o nível da água estar bom, a temperatura estava baixa devido às chuvas recorrentes.
    Observamos que as hélices não estavam tão produtivas e alternamos bastante com T20, zaras e, em último caso, iscas de meia água. Sempre preferência pelas iscas de superfície para ver as explosões que ficam marcadas na memória.
    A fama de pé frio estava quase recaindo para o Teodoro (Japa), já que nos primeiros dias ele não acertou grandes exemplares, mas logo ele tomou um banho de sal grosso e voltou ao seu normal de pegar belos açus acima de 13lb.
     

       
     
     
    Sorte mesmo tive eu que logo no segundo dia completo de pescaria acertei um animal de 87cm e 21lb. Neste dia, no sorteio, saí para pescar sozinho com o guia Edivan. As ações começaram logo cedo. Saíram alguns exemplares entre 50 e 60 cm. Próximo das 9h, o Edivan indicou uma árvore caída na beira do lago e tocou o elétrico na sua direção. Como estava um pouco distante, resolvi dar uma esticada na linha e joguei minha hallowen próxima a um barranco embaixo do galho de uma árvore. A hélice nem roncou direito e veio a explosão. O peixe saiu debaixo da árvore como um submarino e acertou minha isca com toda força jogando água pra todo lado. Logo firmei a linha e tive dificuldades de confirmar a fisgada, já que o monstro utilizou toda a ação da minha vara de 40lb logo na primeira corrida.  Foi difícil segurar o bicho! A essa altura, já com as pernas tremendo, consegui quebrar o queixo dele e com a valiosa ajuda do Edivan, que puxou o barco pro meio do lago, consegui tirar ele do meio dos garranchos. Daí foi só aliviar o freio da carretilha e desfrutar a batalha com o animal. E como tem força o danado! Depois de algumas idas e vindas, quando fomos passar o passaguá na cara do bicho ele ainda tirou forças para uma nova disparada que quase acabou com minha alegria. Ele destruiu o passaguá deixando somente a isca presa na rede. Uma debatida mais forte e ele abriria a garatéia rumo à liberdade. Para azar do peixe o Edivan foi mais rápido e segurou no rabo enquanto eu peguei o alicate de contenção para, enfim, embarcar o troféu. A partir daí, só alegria. Tocamos pra uma praia próxima para tirar fotos e ainda avistei vários outros peixes correndo enquanto encostávamos, mas a essa altura, nada mais importava. Eu queria registrar o momento e devolver o bicho à liberdade. 87cm e 21lb. Que maravilha de peixe!


     
    E não foi só esse 20up que saiu, não! No dia seguinte, o Catarina disse que gostaria de ir a um local onde ele tinha deixado escapar um gigante numa das pescarias passadas. Como o local era distante de onde estávamos, ele organizou uma expedição com o guia Negão para sair bem cedo e voltar só no fim da tarde. Como ninguém mais se habilitou para encarar a missão ele partiu sozinho mesmo.
    No fim da tarde, voltou com as histórias das aventuras para vencer um trecho de corredeiras e dos muitos troféus fisgados, dentre eles o sonhado gigante de 20up que ele perseguia desde sua primeira pescaria na Amazônia. Daí eu percebi o quanto fui sortudo em fisgar um desses já na minha segunda empreitada.
     

     

     
           
    Quando cheguei ao barco fiquei sabendo da saga. Depois de mais de 2 horas rio acima e diversos obstáculos, a pescaria começou animada com bons peixes, mas nenhum troféu. Por volta de meio dia, quando chegou ao ponto onde havia deixado escapar um gigante, não deu outra: pancada na isca e briga com o bruto. Novamente o peixe venceu a batalha e escapou. O desânimo abateu o pescador que nem quis almoçar, mas o Negão não se deu por vencido e motivou o Catarina a voltar a buscar seu troféu. Poucos minutos depois a perseverança foi recompensada: um troféu de 82cm e 20lb.
    Esse peixe foi o último pesado no boga grip do Catarina. Um ou dois dias depois, num dia muito difícil de achar peixe, eu e Catarina só tivemos um rebojo de peixe bom durante toda a manhã. Já próximo da hora do almoço avistamos a outra equipe com Japa e André e nos aproximamos para descansar um pouco. Enquanto estávamos conversando e tomando umas, bate um cardume ao lado dos nossos barcos. Mais que depressa lancei minha isca na direção dos ataques. Mal bateu na água fisguei dois belos pacas na mesma isca. Os dois próximos de 60cm. Foi aquela farra até a hora de preparar os bichos pra foto. Quando fui deixar um peixe respirar para pegar o outro e posar pra foto, o danado deu um supapo e arrancou o boga da minha mão. Ainda tentei recuperar alcançando o rabo dele, mas com mais uma batida ele se livrou facilmente e foi embora levando o alicate. Prejuízo!
     
     

          Depois disso o Catarina entrou numa sequência de azar: deixou a vara cair num lugar aonde tinha acabado de avistar um jacaré e, no reflexo, mergulhou atrás. Recuperou o equipamento, mas passou um belo aperto quando lembrou que o jacaré poderia estar à espreita. Não vou esquecer a cara de desespero dele quando submergiu. No outro dia, foi demostrar pro Amâncio como eu havia deixado o peixe levar o alicate e encenou tão bem que perdeu outro boga também! Kkkk.
    Apesar da semana chuvosa e da baixa atividade dos peixes, conseguimos superar as dificuldades e obtivemos ótimos resultados na pescaria. Muito açu entre 70 e 80cm, além dos dois troféus acima de 80cm e 20lb. Novamente uma excelente pescaria do ponto de vista de produtividade de peixes e, como sempre, ótimos momentos vividos na companhia de velhos e novos amigos que deixarão belas lembranças e histórias para contar: teve gente perdendo vôo na ida, virando porco espinho, usando ninho de jacaré como banheiro no aperto, novos sinais de zap no truco e por aí vai...
    Obrigado aos companheiros de pesca André, Amâncio, Rogério e Teodoro e, principalmente, à equipe do Ney Pesca liderada pelo Barata e composta por Pulga, Cristo, Cláudia, Neli, Andres, Edivan, Welington (Gordo) e Valciclei (Negão) que, como de costume, nos atendeu com o maior profissionalismo e cuidado para que tudo corresse bem durante a semana com todas as mordomias possíveis (devo ter engordado uns 5kg nesses dias). Obrigado pela paciência e dedicação de todos. Abraço e até a próxima!

     
     
     
     
     
     






































  12. Upvote
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Rogerio_MGA em Amazônia - Rio Alegria - set 2020 iniciando a temporada   
    É aquela velha história: COM PEIXE OU SEM PEIXE,PESCAR É SEMPRE MARAVILHOSO!
    Parabéns pelo belo relato!
  13. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Edson C. Martins em Amazônia - Rio Alegria - set 2020 iniciando a temporada   
    É aquela velha história: COM PEIXE OU SEM PEIXE,PESCAR É SEMPRE MARAVILHOSO!
    Parabéns pelo belo relato!
  14. Upvote
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Rogério Araujo Pinheiro em TRAIRÕES AOS MONTES   
    Pois é Rogério...Claro que não dá pra manter totalmente em sigilo, mas evitando um pouco em espalhar demais já dificulta e atrasa a chegada dos matadores...Grande abraço!
  15. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Vagner em Pescaria Tio Teles pires setembro de 2020 com a Pimenta Fishing   
    Boa tarde pessoal Compãrtilhar com vocês um pouco da nossa pescaria que realizamos no rio teles pires do dia 16 a 20 setembro de 2020 , na pousada Remanso com a Pimenta Fishing         ( https://www.facebook.com/pimentafishing/ )

    Operação bem estruturada, ótima Estadia comida e atendimento Nota 10 pelo Carlos com sua Equipe , pontos de pesca próximos a pousada, recomendo levar material ultra light para pesca no porto da pousada , tem muito pacu, pacu borracha piau 3 pinta piau flamingo ECT, muito peixe mesmo e diversão garantida, muito peixe grande da artificial, Gigantes Bicudas e cachorras Largas e não poderia faltar o tucunaré, meu maior tucunaré La foi de 65 cm, devido a seca a incidência de piranhas era grande, não deixou focar muito nos grandes bagres . nao dava sossego ai partimos para outras espécies que foi sucesso.

    Único ponto negativo foi a fumaça causada pelos incêndios que era de arder os olhos.

    Segues algumas fotos.



















    saiu quase igual a foto a dirfença foi os ponto e um era macho rei do poço rsr

       
     
     
       

       
       
       
     
     
     

     



  16. Thanks
    Cristiano Rochinha deu reputação a Vagner em Pescaria Tio Teles pires setembro de 2020 com a Pimenta Fishing   
    e entre as duas barragens , hoje quem opera e a pimenta fishing, no maps vc vai achar como pousada jerusalem
  17. Like
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Evandro P. F. de Camargo em TRAIRÕES AOS MONTES   
    Fala galera,tudo bem??
     
    Vou começar pedindo desculpas a vocês pois dessa vez não vou dizer o nome do rio que essa pescaria foi realizada.Na verdade,inicialmente pensei em sequer relatar,porém a vontade de compartilhar imagens de belos peixes e paisagens acabou falando mais alto...O motivo do sigilo é o fato que fui pescar num rio muito pouco conhecido,na verdade,seu potencial para a pesca esportiva só é conhecido por pescadores que moram na região,e em respeito também a esses,não estarei divulgando (por enquanto ) seu nome e localização exata.
    É um rio diferente de tudo o que eu já tinha visto.Pertencente a bacia amazônica,porém reinado quase que absolutamente pelo Hoplias Macrophtalmus,o famoso trairão amazônico.Isso mesmo,É A MAIOR INCIDÊNCIA DE TRAIRÃO POR METRO CÚBICO QUE EU JÁ VI.....Um rio onde ele reina soberano,é o topo da cadeia alimentar.Mas e as outras espécies amazônicas???A explicação mais aceitável é uma cachoeira rio abaixo,quase perto da foz do rio,que provavelmente impossibilita a subida de outras espécies....Abaixo,existem todas as espécies nativas da bacia,acima,os trairões reinam absoluto,dividindo espaço aparentemente apenas com tucunarés (chicla mirianae),matrinxãs,piaus,pacus,saicangas,piaus e pequenos bagres.
    Rio da mata ciliar totalmente preservada...Quantidade muito grande de animais como antas,capivaras,pacas,jacarés,queixadas,quatis,ariranhas, diversas espécies de aves e por 2 dias seguidos ouvimos a onça esturrando bem próximo de nós.Lugar maravilhoso.
    Mas digo que parece ser o rio com maior incidência de trairão da Amazônia,pois tivemos uma média de um tucunaré fisgado pra cada 6 trairões....
    Eles estão por todo canto...Em rasuras com águas mais rápidas e troncos caídos,além de barrancos fundos com fundo de pedra ou areia....Pescamos (2 pescadores) durante 3 dias e meio e seguramente embarcamos próximo de 70 trairões ,de 600g até 10kg (maioria entre 2 a 3kg)e o maior detalhe que vai chamar a atenção : 100% NA ARTIFICIAL ,50% DE FUNDO E 50% NA SUPERFÍCIE,COM DIREITO A EXPLOSÕES E TRAIRÕES DE 5KG PULANDO 1M FORA DA ÁGUA PRA ABOCANHAR AS ISCAS....Cenas realmente cinematográficas,daquelas que podem passar por mentira de pescador pois não temos como comprovar através de imagens,afinal meu estoque de baterias (e jeito de usar rs) a câmera de ação é bem limitado....Mas quem sabe um dia consigo uma vaga de estágio na FISH TV rsrsrsrs.....
    Bem galera,vou deixar aqui apenas umas imagens de alguns peixes capturados...Realmente não trata-se nem de um relato,apenas um compartilhamento de imagens com os amigos do Fórum de uma pescaria que vai ficar marcada na minha memória.
    Obs:
    Todos os peixes foram capturados com varas até 17lb,linha mult de 30 a 40lb,leader de fluor 0,50mm e empate de aço de cerca de 10cm pra aguentar os dentes dos bichos...
    As iscas que mais deram resultado foram:
    Profundidade, crankbaits BIG O e GORDUCHA MS....
    Superfície: Sticknina 90, DR Spook e DR Spook Jr da KV e a Thundera da Albatroz,cópia perfeita da Trairão da Imakatsu,porém que se mostrou mais resistente pois não furou com os dentes dos trairões,diferente das tradicionais iscas japonesas...
    Todas iscas com trabalho bem lento.No caso as iscas de superfície tentando fazer o máximo de barulho saindo o menos do lugar possível....
     

     
    Como podem ver,trata-se de um verdadeiro paraíso para a pesca esportiva de trairões...Por ser um lugar único,temos que ter o cuidado redobrado com a preservação desse local....Deus queira que ele continue assim por muitos anos...
    Estamos planejando para breve uma operação de pesca bem rústica e o mais simples possível no local,já que não há estrutura de pesca na região.
    Se o projeto se concretizar,poderemos em breve desfrutar muito desse grande ponto de pesca esportiva.
     
    Um grande abraço a todos e fiquem com Deus.
     
  18. Thanks
    Cristiano Rochinha recebeu reputação de Tammer Mendes em Lago de Furnas o abrigo de Grandes Azuis   
    Como você mesmo disse,é a Mãe Natureza resistindo á ação devastadora do homem.
    Parabéns pelos exemplares!
  19. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Tammer Mendes em Lago de Furnas o abrigo de Grandes Azuis   
    Boa noite pessoal. Neste fim de semana realizamos uma pescaria no nosso Lago de furnas, famoso por águas limpas e paisagens de tirar o fôlego! Mais também local que abriga grandes exemplares do Tucunaré Azul! Peixe voraz e de inigualável beleza! Mesmo resistindo ao maior predador  o Homem... ele ainda resiste e faz das águas de Furnas sua morada!!! Pescaria fantástica em alta performance com o Guia de Pesca Leandro Silva! Cara nota mil! Que faz de tudo para o cliente ficar satisfeito na pescaria. Grande conhecedor da região e mesmo com muito vento o dia todo, levou a gente em busca do troféu!!! Focamos 100% do tempo em fisgar os grandes azuis, pescamos o dia todo com Helices, e zaras grandes.... Embarcamos 3 peixes acima de 50 cm... um de 50, um de 53 e uma nave de 60cm o famoso 60UP. Ficamos hospedados na Pousada Jatoba em Carmo do Rio Claro, muito bem cuidada e organizada, parabéns aos proprietarios Mari e Sr. Vilson. Foi tudo Showww... obrigado aos companheiros de sempre! Thiago e Caio... bora marcar a próxima!!! Valeuuu
     
    Iscas mais usadas
    Tormentinha 80, TT90, Jet 90, Zig Zara, Bonnie 107, Jig e Shads do Braguinha!!
     
    Segue contatos do pessoal:
     
    Guia de pesca Leandro Silva 
    011999030188
    http://www.leandrosilvapesca.com.br/
     
    Pousada Jatoba 
    035999855338
    http://pousadajatoba.com.br/
     
     
     






























    VID-20200920-WA0044.mp4 VID-20200919-WA0045.mp4
  20. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Alexandre Dick em PINIMAS À BORDO DO ANGATU AÇU!!!!   
    Boa tarde a todos os amigos de fórum.
    (AO FINAL DO TEXTO, FOTOS DE PEIXES DE TODA A TURMA)
     
     
    Já tem alguns anos que não relato pescarias aqui, e depois de uma semana bacana de viagem resolvi retornar ao fórum para contar aos amigos como foi mais uma excelente empreitada no Estado do Amazonas, desta vez em busca dos tucunarés Pinima dos afluentes do Madeira.
     
    Apesar de eu trabalhar com pesca, tenho um grupo de amigos que viaja todos os anos junto, desde o ano de 2009 quando começamos conhecer novos lugares e viajamos para a Argentina em busca dos dourados e pintados. Desde então, nunca falhamos um ano sem viajar para pescar e rever amigos que praticamente se tornaram irmãos. Sempre acabam trocando alguns membros da equipe, mas os 10 principais sempre continuam juntos.
     
    Em 2015 este grupo acabou inaugurando o BARCO ANGATU AÇU, na ocasião pescando em Santa Isabel do Rio Negro, onde pudemos fazer uma excelente pescaria de estreia, fisgando os gigantes do Rio Negro, nos fazendo voltar várias vezes para a operação, até mesmo mais de uma vez na mesma temporada. Sempre fomos muito bem atendidos e fizemos pescarias memoráveis a bordo dele, e vivenciamos todo aquele rolo na região de SIRN. 
     
     

    ANGATU AÇU NAVEGANDO EM NOVAS ÁGUAS!
     
     
    Ano passado, depois de muita briga lá pra cima, acabamos pescando em Barcelos, subindo o Negro até pouco acima do Atauí e fizemos uma boa pescaria, apesar de condições adversas. Guias como o Adriano, Fera, Valdir e entre outras figurinhas carimbadas fazem com que a pescaria fique muito mais fácil, já que conhecem tudo como a palma da mão deles. Ano passado também houve uma troca na gerência operacional mais ao final da temporada, quando o Jairo acabou saindo e entrando o Rodrygo Procópio, mudando bastante coisa.
     
    Esse ano surgiu um novo desafio para a nossa turma, e decidimos embarcar para o novo destino do Angatu, o Rio Madeira, casa dos gigantes pinimas e aruanãs! Para muitas operações e pescadores (inclusive eu), o destino é velho conhecido, mas para o Angatu seria algo novo e que a gente topou encarar, já que o Rodrygo trabalhou por muitos anos na região e montaria uma operação redondinha lá para fazer uma boa pescaria.
     
    E assim começou todo aquele ritual: um ano de preparação e conversas para saber como seria essa pescaria. Dúvidas e mais dúvidas sempre acabam surgindo, mas que conseguimos ir sanando juntos e definindo aos poucos, para chegar na data com o mínimo de itens a serem esquecidos.
     
    A temporada no Rio Madeira começa sempre antes que no Rio Negro, pois as cabeceiras dos afluentes começam secar bem antes. Já fiz pescaria no Rio Marmelos por exemplo, de arrebentar no mês de junho.
     
    Desta vez embarcamos para Manaus no dia 31 de agosto, para dia 01 de setembro entrarmos no barco e navegar em busca dos melhores pontos de pescaria. Noite de chegada sempre rola uma cachaçaria do Dedé, compra de itens de última hora na Sucuri e na manhã seguinte cedinho o translado entre Hotel e Aeroporto.
     
    Bagagem despachada, aeronave fretada na pista e lá fomos nós para a cidade de Nova Olinda do Norte. Vôo extremamente tranquilo de pouco mais de 30 minutos, apesar de um pouco agitado na chegada com muita chuva e com a pista de cascalho bastante encharcada! Com emoção é sempre melhor, então nada que atrapalhasse o ânimo da turma.
     
     

    SELEÇÃO COMPLETA
     
     
     
    Depois de desembarcados, um translado terrestre rápido entre a pista e a foz do Rio Canumã, onde o Angatu Açu nos aguardava. Pouco mais de 9 horas da manhã já rumávamos navegando pelo Canumã com destino a boca do Rio Acari com o Sucunduri. Durante este dia todo acabamos navegando para no dia seguinte iniciar a pescaria já em um bom ponto de pescaria.
     
    Enquanto navegávamos, ajeitávamos as tralhas, colocávamos as novidades em dia e bebíamos uma Heineken geladinha, aproveitando o freezer do deck superior, que tava topado até a tampa. Até o final do dia o estoque diminuiu bastante!
     

     

    MOMENTOS DE DESCONTRAÇÃO
     
          
     
      
     
     
    A equipe do Angatu Açu nos surpreendeu muito de forma positiva, extremamente prestativos e com um atendimento de primeira. A culinária que ficou a encargo da Dona Dina (esposa do Adriano), estava top demais: comida simples e extremamente saborosa.
     
     
        
    DONA DINA, COZINHEIRA DE MÃO CHEIA.
     
      
     
     
     
     
    COMIDA SIMPLES E EXTREMAMENTE SABOROSA!
     
     
    Na manhã seguinte, o primeiro dia de pescaria. Acordei meio assustado, já que o amigo Luis Fernando não estava passando bem e queria um avião pra voltar a cidade. Foi aquela correria doida, telefone satélite e quando conseguimos resolver a bronca, um remedinho milagroso lá que um amigo nosso havia levado, aliviou as dores que ele tinha. Menos mal, pois apesar dele ter perdido esse primeiro dia de pesca, nos dias seguintes conseguiu aproveitar conosco.
     
     
      
     
      
    GALERA PARTINDO PARA A PESCARIA
     
    Em razão dessa correria, acabei pescando somente no final da manhã e no período da tarde. Na boca do Acari e Sucunduri, ainda havia muita água, por isso decidimos subir. O rio escolhido acabou sendo o Sucunduri, berço dos Aruanãs enormes e belos Tucunarés Pinima.
     
    Neste primeiro dia de pescaria eu e meu parceiro Maguila conseguimos encontrar alguns belos peixes encardumados, exemplares na faixa dos 50 cms, o que utilizando material leve torna a pescaria muito bacana.
     
    No final dessa tarde aconteceu um fato bastante inusitado. Meu parceiro arrancou da caixa uma isca Sashimi (articulada) e disse que havia ganhado da filha de presente do dia dos pais, que precisava pegar um peixe pra tirar uma foto. Sacaneei ele, dizendo que haviam empurrado a isca que tava no estoque 5 anos na coitada, já que não coloco muita fé neste tipo de engodo.
     
    Não precisou mais do que 5 arremessos para ele engatar um verdadeiro monstro de pinima, que saiu fritando linha e quase levando pro meio do Igapó. Consegui filmar alguns segundos da briga antes que o bichão se soltasse, para nossa infelicidade. Quem teve que engolir a brincadeira foi eu, afinal seria um dos maiores peixes da nossa pescaria. Neste primeiro dia contabilizamos 43 tucunarés embarcados, além de outras espécies.
     
     
     
    IMG_9403.MP4
    PRA NÃO DIZER QUE FOI HISTÓRIA DE PESCADOR.
     
    No fim da tarde, nosso barco aguardava todas as voadeiras na boca do Rio Capinarana, e depois de embarcados, continuamos navegando até a região do Curralinho para pescarmos no dia seguinte.
     
     
       
     

    ANGATU AÇU E ANGATU COMO APOIO!
     
     
     
    Na manhã seguinte, já na região de lagos conhecida como Curralinho, entramos em um deles que era enorme, daqueles que você pode passar o dia todo explorando se quiser. A água ainda um pouco alta deixava os maiores tímidos, porém com ação de menores o tempo todo. O maior peixe deste lago nessa manhã foi de 66 cms.
    Mais próximo ao meio dia, varamos um lago central que parecia ser a casa dos gigantes, na caixa, ideal... porém nada dos grandes darem as caras. Em uma movimentação em meio ao lago, lancei a Curisco 110 e mais uma vez uma surpresa, uma bela de uma cachara encharutou a isca! Coisas de pescaria.
     
      
     

     
     
    No final da tarde encontramos um ponto dentro de um dos lagos do Curralinho, com pauleira mais rasa, em torno de 1.5 mt e profundidade, boca de lago, propícia para os grandes.
    O Maguila na zara logo levantou um bitelo, que deu um porradão de jogar a isca longe. Fomos cobrir o arremesso com jig, e lá se foi mais um peixe grande, estourando a linha do companheiro. Faço eu outro arremesso próximo, e lá se foi mais um jig na boca do tucuna, que faaaaase!!!! Provavelmente um casal de bitelos que conseguiu deixar nós dois a ver navios. Erguemos ainda no mesmo ponto um belo cardume de peixes entre 50 e 55 cms, que com material leve fazem a alegria.
     
    A grande vantagem dessa região é isso, mesmo na adversidade, dificilmente ficamos sem ação de peixes. Sempre saem peixes para animar a pescaria, mesmo que menores. Em meio deles, sempre vem o porradão dos gigantes. Para mim, essa é a pescaria, com ação todo o dia, com chances reais dos troféus.
     
    A partir deste dia conseguimos notar alguns novos padrões dentro da realidade do rio que encontrávamos. Ainda um pouco fora da caixa, peixes manhosos e com bastante característica de que se estivessem chocando. O rio baixava mais de um palmo de pé direito todo dia, e mesmo assim ainda estavam refugando isca.
     
    Saíram alguns bons troféus, mais peixões perdidos e também linhas estouradas. Peixes entre 65 e 70 cms, que para os pinimas já são considerados grandes exemplares. Na verdade, se fizermos um parâmetro com Barcelos, até mesmo para lá já são excelentes exemplares, dignos de foto.
     

     

     

     

     

     

     

     

     

    ALGUNS EXEMPLARES.
     

    O MAIOR DO DIA.
     
     
    A noite, subimos ainda mais para no dia seguinte pescar até na região da boca do Camaiú e Castanho, localizado já bem acima. Amanhecemos já para pescar mais acima e dividimos as voadeiras, umas subindo o Camaiú e outras indo mais acima no próprio Sucunduri.
     
    Pouco mais de 20 minutos de navegação e parecia que estávamos em outro local: praias de areia, rio seco e secando, cheio de estruturas e lagos top, com a água na caixa! O dia realmente prometia.
    Entramos no primeiro lago e logo de cara o Paulinho no outro barco engatou um aruanã enorme, com 85 cms e 12 lbs. Vou ficar devendo a foto, mas foi fato verídico! Hahahaha... o recorde mundial da espécie é do amigo Carlos Dini, e tem 86 cms para vocês terem uma ideia.
     
    Entramos e foi logo batendo peixe bom pra todo lado, parecia que seria uma pescaria de peixes maiores. Tudo estava perfeito, cardumes enormes de tucunarés de 40 cms batendo por todo lado.
    Apesar disso, os grandes davam aquele sinal de peixe choco: seguiam as iscas de superfície, passavam por baixo delas como mísseis e simplesmente desapareciam!
     
    Em uma encosta de uns 200 metros tivemos ação de uns 4 pinimas enormes, um deles acertando em cheio o trabalho da T20! Ao lado do barco só senti o trabalho da isca sendo interrompido pela porrada e o tranco seco na linha. Acho que fiz a besteira de travar o carretel com o dedo e lá se foi o líder 0.62 estourado, junto com a Jumpin Minnow de cor osso... logo depois achamos ela boiando uns 50 metros mais ao lado.
     
    PARADA MEIO DIA PARA O ALMOÇO!
     

     
     
     
     
     
     
    A tarde descendo já de volta para o Angatu Açu, decidimos dar um foco nas praias e encontramos muito peixe. Para todo lado que se arremessava era pancada! Sem contar as aruanãs enormes que ficam por ali passeando e dão susto na gente a todo instante. No fim da tarde ainda deu tempo de fisgarmos alguns bons peixes dignos de foto e deixarmos um lago para visitarmos no dia seguinte. Notamos também que os peixes estavam batendo melhor em iscas menores, tanto que terminei o dia utilizando a T10, jigs de pena e brava 90.
    Ao retornar ao barco, novamente notícias de peixes manhosos, porém com alguns peixes grandes e também bastante ação no Rio. A estratégia para o dia seguinte estava montada!
     
    O DIA DO PEIXE GRANDE! 
     
     
    Eu no dia seguinte fui pescar com o parceiro Umberto, e decidimos mais cedo nos dedicarmos a explorar as pontas de praia. Logo os primeiros tucunarés e aruanãs resolveram dar as caras, tal qual no fim de tarde anterior. A partir do momento que o sol deu uma esquentada, resolvemos explorar o lago que havíamos deixado pra pescar neste dia.
     
    Sabe aquele local que você entra e pensa: “Aqui tem peixe grande!”? Então, certamente este era um destes. E fomos batendo cada ponto minuciosamente de maneira cadenciada, de forma a explorar bem. A cada pouco víamos movimento de peixe bom, porém refugando.
     
     
      
     
     
     

     
    Decidimos então tentar pescar na parte mais funda do lago, utilizando Jig. Se deixávamos afundar muito as piranhas acabavam com a isca, já se o trabalho fosse mais rápido, como o de meia-água com pequenas paradas, começou surtir efeito!
     
     
    Foram várias ações de peixe bom, e logo de cara consegui fisgar um bom exemplar na casa dos 60 cms. As capturas foram seguindo, todas de porte médio nos garantindo a diversão.
     
     
    Mais ao final do Lago um monstro ataca o jig do Umberto, que já começa a bagunça. Peixe enorme, nadando de lado na água limpa permitiu que víssemos toda a sua imponência. Sem mais nem menos, o peixe solta da isca e vai embora, uma pena! Era mais um grande troféu.
     

     
     
    Retornando para bater nos pontos anteriores, lanço o jig do meio do lago para um drop que eu havia visto quando estávamos “indo”. Voltando sinto o tranco seco na isca, e a briga começa. Como estava em local sem estrutura aparente, solto a fricção e deixo o peixão brigar, curtindo cada momento, afinal de contas, é por aquele momento que a gente aguarda o ano todo!
     
    Metro a metro vou vencendo meu opononente, até que o guia Gigante consiga embarcar o outro gigante no passaguá! As fotos da viagem estavam garantidas!! Alegria total, e antes que eu conseguisse medir e pesar o peixe (entro na água para fotografar), fiz a proeza de deixar o mesmo escapar. Enfim, ao menos foi forte e saudável para a vida, para crescer e deixar outros pescadores sentirem a mesma alegria.
     
    O MEU PEIXE!!!
     
     

     
     

     
    Ainda deu tempo do Umberto perder mais dois grandes troféus neste mesmo lago, um por linha estourada e outro por apenas soltar, sem explicações. Definitivamente, esta semana não estava sendo de sorte para nós! Muito peixe grande perdido.
     
    A tarde, saindo do lago, decidi utilizar a isca Sara Sara 100 do Nakamura, já que os peixes estavam em locais razos de praia, e se assustando com certa facilidade com iscas maiores. A escolha foi acertada, e a pancadaria começou! Os tucunarés vinham com vontade!
     
    Já descendo para o barco, resolvemos entrar em um lago onde o Umberto havia fisgado um peixe de 70 cms no segundo dia e haviam levado outra cassetada monstra. Perguntei ao guia e a ele onde era o ponto do peixão e lá fomos nós. Algo me dizia que aquele canto reservava alguma surpresa pra gente, pois onde tem um, pode ter mais.
     
     
    Chegando no fundo do lago, lá estava uma ilha de capim, há uns 50 metros do barranco, local ideal para o peixe ficar passando, indo de um lugar para outro para emboscar a sua presa.
    Perguntei ao Umberto onde havia pegou o outro peixe e ele relatou ter sido exatamente “no arremesso que ele havia feito” e estava recolhendo.
     
    Lancei a Sara Sara 100 na mesma direção que ele e vim conversando, relatando que aquele era o tipo de pesqueiro que eu gostava, basicamente com as mesmas palavras que estou relatando aos amigos. Falei inclusive que era lugar de peixe grande, e que poderia ter mais.
     
     
    Mandei a isca novamente no mesmo lugar, e vim trabalhando de forma cadenciada, quando pouco antes de chegar no barco surge um submarino amarelo do fundo e literalmente engole toda a isca! Conseguimos ver todo o peixe atacando.
     
    O animal já entra pesando bastante na vara de 20 lbs, e logo vem na minha cabeça a isca pequena, então para que as garatéias não se abram, solto logo a fricção de forma a trabalhar mais suave.
     
    Para minha sorte o peixe vem brigar no limpo e não se mete para dentro da estrutura, senão certamente eu não teria como contê-lo.
     
    Já próximo ao barco, depois das tomadas de linha, a gente consegue ver o tamanho do animal, que mais parecia um açuzão do que um pinima. Certamente peixe na casa dos 75 a  80 cms. O Umberto começa a filmar, o guia pega o passaguá na mão, e em uma investida leve do peixe, sem que eu travasse e nem nada, o líder 0.62 mm novamente se rompe!!! F%#$% DA P%$%*!!!!
     
    O sentimento de frustração foi grande com esse peixe, pois certamente era o maior Pinima que eu já teria capturado. Mais uma vez ele venceu!  Paciência.
     
    Seguimos de volta para o barco, e começamos a descida de volta para a boca do Sucunduri e consequentemente descida.
     
    O último dia de pesca ainda nos reservava alguns sustos, mas nada como os do dia anterior. Para confirmar a fase da má sorte com os grandes, já no finalzinho da pescaria o Maguila vinha trabalhando a Chug Bug, quando um belo peixe resolve empreender ataque, pra matar mesmo!
     
    Na segunda porrada, na hora da bocada, o parceiro erra o pé da plataforma e tropeça, tirando a isca da boca do bicho! Hahahahahahaha...
     
    Assim nossa pescaria se encerra, com mais de 1600 tucunarés contabilizados em 5 dias, além das diversas aruanãs, traíras, jacundás, entre outros peixes que apareceram.
     
    Fica meu agradecimento especial aos meus parceiros de pesca de tantos anos e também a equipe do Angatu, que não mediu esforços para que fôssemos bem atendidos. Realmente retomaram com tudo e certamente ano que vem estaremos com eles novamente.
     

     

     
      
     
     
      
     
     

     

     
     
      
     

     
     
       
     

     
     

     

     
        
     
     

     
     

     

     
     

     
     
       
     
     

     
     
       
     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     
     

     

     
     
     

     
     
     
     

     
     

     
     

     
     

     
     
     

     
     

     
     

     
     
     

     
     
     

     

     
  21. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Guto Pinto em Carretilha Big Game   
    Arthur hoje a  gama de carretilha BG é enorme, difícil falar qual  é pior ou melhor, devido a febre dos pesqueiros cada dia lança um modelo novo, deve ter uns 20 modelos de BG ou mais .  Primeira coisa que eu avaliaria é quantidade de linha que vc vai usar ( mono ou multi) e escolher de preferência uma com chassi de alumínio  Eu  tenho em casa  3 a que mais gosto é  Contender BG, gosto muito dela, pois tem um chassi pequeno , não é pesadona  , arremessa muito bem , só que ela pega 100m de 0.43mm.   Temos também a Lexa 300, ela é bem sólida, toda em alumínio, pega 100m de 0.48mm, mas é pesadona e é a pior de arremesso delas.  E a Titan BG SW, é maior delas  pega 100m de 0.52mm, arremessa demais, mas é pesadona  também, eu preferiria ela se quer um trem mais bruto,  hoje ela tem o modelo FW2, SW2 e a 400.   
  22. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Fernando_Oliveira em Teles Pires Lodge ago/2020   
    Segue o relato de mais uma pescaria, desta vez um tanto inusitada, pois com esta pandemia não estava fácil. 
     
    O ano ainda era 2019 quando marcamos uma pescaria para Maio de 2020 no Rio Teles Pires na Pousada Teles Pires Lodge. Mal sabíamos que o mundo iria virar de ponta cabeça com uma pandemia digna de filmes de ficção ou de terror.
     
    A Pescaria de Maio/20 foi então remarcada para os dias 17 a 21 de Agosto/20, sendo que esta pequena mudança já transformou nosso projeto em algo completamente diferente, pois o mês de maio é o mês das Matrinxãs, que entre seus fãs tem a Pirarara – o tubarão da água doce. Já em Agosto, com o rio Teles Pires bem mais baixo, iríamos focar nos esportivos Tucunarés amarelos, Cachorras, Jaús de menor porte e toda aquela enorme variedade de peixes que só o Rio Teles Pires tem. Assim, com todos os cuidados, orientações e exigências passados pelo Barreto da Pousada Teles Pires, mantivemos nossa segunda data, inclusive todos fazendo exames RT-PCR para Covid dois dias antes do embarque do nosso pequeno grupo.
    Nossa vontade era muito grande de sentir um pouco de normalidade, nos desconectando das notícias destrutivas e das disputas políticas que dominam os noticiários. Em função da mudança de data, nosso grupo sofreu algumas alterações de véspera, tendo sido formado pelo Genor, Wilson, Paulo, Luiz Cláudio, Zacarias e Fernando; além dos pilotos Mateus (Portuga) e Diego. Quando chegamos na pousada éramos o único grupo no local, sendo que fomos novamente recepcionados pelo Wado e sua equipe com o Delegado & Cia. Sempre nota 10.
    A pescaria foi dividida em Rio Abaixo e Rio Acima.
     
    Rio Abaixo, com foco nos peixes de couro como Jaú, Pirarara e Piraíba presentes nos poços (a cerca de 30 metros de profundidade). Outra opção eram os Jundiás, Cacharas e Barbados nas áreas de rio mais raso e geralmente com fundo mais arenoso. Ficamos quase dois dias inteiros fazendo este tipo de pescaria e foram pegos vários exemplares de pequeno e médio porte, sendo que poucos atingiram pesos maiores do que 30 quilos. Uma opção legal era “jigar” com tuviras numa profundidade de 5 a 6 metros para pescar cachorras largas e corvinas, enquanto aguardávamos a fisgada nas iscas do fundo.
     
    Seguindo rio abaixo por um tempo mais longo chegávamos na cachoeira e a pescaria neste belo local era feita desembarcada. Aqui pegamos alguns jaús na corredeira. Uma pescaria bruta, pois mesmo exemplares de 10 quilos eram um grande desafio, visto a força das águas e a facilidade com que corriam para as suas locas.
     


     
    Rio acima, a opção era entrar nas lagoas, especialmente a do Jabuti, Avião e Bina. Aqui a produtividade era boa, com muitos tucunarés de 2 a 5 quilos, pescados com jigs, iscas de superfície tipo “joão pepino” na cor osso e tuviras. Quando os braços cansavam, também existia a possibilidade de pescaria de jaús e pacús borracha nas proximidades do flutuante da Pousada, onde fazíamos nossa pausa para almoço e descanso. Depois do almoço, fizemos ainda algumas tentativas de peixes de couro nas imediações da usina São Manoel, mas sem grande produtividade.
    Para mim, o ponto de destaque desta pescaria ocorreu no segundo dia. Após o almoço falei para o guia Tchêco, nosso guia, que eu e o Wilson queríamos tentar um Pirarucu, peixe que havíamos avistado pela manhã na Lagoa do Jabuti. Chegando lá, paramos no mesmo ponto da manhã e o bicho continuava lá e se destacava nas águas rasas da lagoa. Nós nunca tínhamos pescado Pirarucu, mas o guia falou para tentarmos arremessar jigs (do mesmo tipo que usamos nos Tucunarés) próximos à mancha escura na água que sabíamos ser o Pirarucu. O peixe atacou o jig lançado pelo Wilson, foi fisgado e pulou tentando se livrar do anzol, neste momento o Wilson falou que o peixe tinha escapado. Teria sido uma decepção...  A impressão que tivemos era que o peixe ao se livrar da isca, virou e bateu forte com a cauda contra a isca, sendo fisgado novamente pela parte de cima da cauda.
    Em resumo, a varinha Mamushi de 20 libras resistiu bravamente e após 40 minutos o Wilson embarcou um lindo troféu com estimados 40 quilos. Peixe lindo e saudável foi reverenciado, fotografado e solto novamente.
     
    Nos dois dias de pescaria rio acima, optamos por fazer o almoço sempre no flutuante, pois a distância até a pousada era grande, demandando cerca de uma hora de viagem.
     

     
    O último dia de pescaria foi incomum. A massa de ar polar que fazia nevar no Sul do Brasil conseguiu chegar ao Sul da Amazônia, trazendo muito vento, baixando a temperatura e fazendo os peixes ficarem sem ação. Na verdade, as temperaturas “despencaram” dos 39 graus em média para 32 graus 😊
     
    Fomos acompanhados nesta viagem pelos guias de pesca Tchêco, Mola e Flávio, que demonstraram muito conhecimento e profissionalismo no dia a dia.
     
    Obrigado aos meus colegas pescadores por estes dias fantásticos, que nos dá energia e esperança de dias melhores!
  23. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Odirlei Borin em Araguaia 15 a 21/08   
    Salve pescadores. Segue um breve relato de uma super pescaria realizada no rio Araguaia. 
    como sempre, a pescaria começa com muito planejamento, é essa não foi diferente, quem me acompanharia nessa empreitada era meu amigo Thiago que reside em Uberlândia. ele fez todas as compras e o planejamento seria eu sair de Itaí Sp na quinta de manhã e ir até Uberlândia onde dormiria e seguiria viagem  com ele na sexta até Luiz Alves. Na quinta de manhã peguei estrada rumo a Uberlândia, poucos minutos na estrada e recebo uma msg do Thiago q a irmã dele tinha testado positivo para Covid, achei que fosse uma garante piada e minutos depois ele me liga dizendo que não poderia viajar pois tiveram contado dias antes, totalmente compreensível a decisão dele, em sequer algum minuto pensei em desistir da viagem, tralha arrumada, barco engatado, agenda fechada, de pronto eu disse, fica tranquilo, eu vou sozinho, e assim segui minha viagem, no meio do caminho entro em contato com um amigo da minha cidade, contei sobre o ocorrido e disse a ele pra pegar um voo para Goiânia na sexta de manhã q eu o pegaria no aeroporto, é assim foi. Toquei sozinho da minha cidade até Goiânia (900km), dormi e na sexta de manhã eu o peguei no aeroporto de Goiânia e seguimos rumo a Luiz Alves. Heheheheh aí sim começou a pescaria.  
    A pescaria.  Dedicamos nossos 7 dias de pesca exclusivamente à pesca de Piraibas, a pescaria foi um sucesso. Capturamos 5 piraibas e 5 pirararas   
    tantas dificuldades para chegar até o majestoso Araguaia e ele não nos decepcionou. 
     
    A pescaria foi incrível, Deus nos proporcionou um viagem maravilhosa, voltamos com as baterias recarregadas para enfrentarmos os dias difíceis. 
    Espero q gostem. Abraços a todos 

  24. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Guto Pinto em De Volta ao Suiá Miçu ( agosto 2020)   
    Começo do ano resolvemos voltar as pescarias mais longes frente quase 1 ano sem ir em algum lugar.  
    Procurávamos um lugar mais polivalente, onde se pode mesclar tanto pesca com iscas artificiais como naturais, de muito procurar, cotar preços , resolvemos voltar no Rio Suiá Miçu, um afluente do Xingu no estado do MT.  Local que já tinhamos ido em 2014 e 2015.  
     Fechamos a pescaria e logo após veio a Pandemia.  Até 1 mês antes da pesca estávamos em duvida , porém como é um Rio onde se tem apenas 1 pousada com pouca capacidade de  clientes,  se situa a 200km da cidade mais próxima , não necessita voos ou aeroportos, além de termos noticia do dono da pousada que os guias foram testados e eles estavam com certo grau de isolamento resolvemos partir. 
    Primeira surpresa, nos testes que fizemos antes da pescaria descobrimos que o Branco já tinha pego o bicho e nem sabia ( igg+) 
    1) A Viagem
    Como estávamos evitando contato, fizemos uma boa térmica com comida e bebida,  banheiro era na estrada no acostamento mesmo.  Antes dormíamos em Barra do Garças , onde a gente dava um saidinha , comia um peixe frito e tomava uma, dessa vez resolvemos tocar mais 150km pra frente e dormir num hotel em Nova Xavantina 1300km daqui .

     
     
     
    O primeiro percalço, em Itumbiara -Go uma carreta fecha a gente na pista dupla e pega na lateral da camionete, deu sustinho.

     

    Após 15h e 1300km estávamos em Nova Xavantina MT.  Hotel excelente na beira da estrada , nem chegamos  já pedimos umas cervas e umas porções delivery. 
    Serra do roncador;

     

     
    Segunda parte da  Viagem ,  seriam apenas mais 300km até o município de Querência  e o famoso trecho de 190km de estrada de terra. A estrada estava um tapete, ambas.
     

     
    Lembrar de ensacar as tralhas e vedar a camionete por causa do poeirão

     
    2) A Pousada. 
    Hoje a pousada está com novo dono, o Sr. Márcio que já tem um pousada no Rio Kuluene,  por sinal ela melhorou demais, barcos e motores novos, apartamentos com AR e Frigobar totalmente reformados, os guias mais treinados.  A comida nem se fala, sensacional, o Gil engordou 4kg na viagem , hehehehe. Sistema all inclusive . 


     

     


     

     
    3) A pescaria 
     
    Já chegamos domingo depois do almoço , trouxe da minha cidade a famosa massa amarela . Pra pegar iscas para peixe de couro, a pousada fornece tuvira, porém uma isca branca sempre é bom.  Foi um festival de curimbas enquanto eu e Branco pegávamos eles , o Gil e o Arilson aproveitavam as Bicudas e cachorras no tablado  flutuante.

     



     
     
    Segunda cedo partimos, fizemos por dois dias o esquema que sempre fizemos lá,  pincho pela manhã , almoço no rio e linguiçar a tarde.   Saiu muitos Tucunas, alguns de até 61cm, Trairões ,  Cacharas, Bicudas e Cachorras mostrando que o Rio realmente é polivalente demais

     

     



     

     


     

     

     

     

     

     


     
     

     
     

     

     

     

     

    3) A segunda surpresa
    No almoço no primeiro dia, o Branco foi dar uma volta no mato e viu um cardume grande de tucuna, mas o local além de alto tinha muitas galhadas,  nisso peguei uma linha mais forte minha , isquei uma tuvira e ele conseguiu jogar , pegou o primeiro bruto e segurou nas galhadas, muntamo no barco e fomos, foi um vídeo cassetada com mais de 6 tucunas pegos 

     
    4)Teceiro dia  resolvemos desbravar os  lagos, os famosos 3 lagos. Atrás dos tucunas no pincho, uma aventura daquelas, arrastando barco no meio dos alagados por 1h, mas a recompensa veio, mais de 100 tucunas pegos.  Já na subida um trairão de brinde

     

     
     

     

     

     

     
     

     
     

     

     


     
     
     
     
     
    5)  Quarto dia.  Saciada a pesca de pincho.  Vomos atrás do peixe de couro exclusivamente.  Um erro nosso, como já tinhámos ido 2x lá e por informações que não saia Pirararas grandes, nossas tralhas estavam subdimensionadas .  Perdemos muitos peixes.  Mas no primeiro arremesso o Branco engata um trem grande,  numa Ms Blackmax 20,  linha 0.70 e vara Evolution  60lbs, soltamos o barco e fomos atrás . Isso a 5 minutos da pousada .  Depois do guia ajudar , eu Pilotar, etc, tiramos a bicha, uma pirarara monstra de 1.45m que estimamos entre 55 a 65kg . 


     
     
     
    O Por fim continuamos nos peixes de couro e trairões na tuvira 
     
     
     

     
     
     

     

     
     

     
    5) Último dia , os objetivos da pesca alcançados,  ficamos pescando um pouco de pincho e couro perto da pousada sempre com ação.  Eu e Branco já estávamos a noite carregando a camionete pro dia seguinte, enquanto que Gil e Arilson ficaram até de noite apoitados, e não é que saiu a saidera 
     

     

     

     
     
    Materiais utilizados por Eu e Branco:
     
    -Pincho:  
    Varas Lubina BW 5.6 16lbs e Venator 5.6 17 lbs. Hunter Fish Z 5.6 17 e 25lbs. Carretilhas Liger MG e Liger GTS , Venator Gts e Se 
    Linha Vexter 40lbs 8x ou Ygk 40lbs 8x, Leader Vexter 0.52mm, Snap Glico 60lbs
    Iscas mais produtivas:  Zigzara 110, Ms Snake antiga, Rei do rio 95 ( isca matou a pau) , biruta 110 , Brava 90 e Inna 90.  Pra cachorra Inna 110  cabeça vermelha
    -Trairão , Cachorra e Couro na Tuvira: 
    Vara Pesca Brasil Impacto 30lbs ,  Albatroz Commander 50 lbs , Daiwa Coastal 40lbs Carretilha Contender BG , Titan Sw bg e Daiwa lexa 300
    Linha 0.45mm mono a 0.52  e Anzol 8/0 Encastoado
    -Peixe Couro na isca Branca:
    Vara Evomax 60lb e Evolution 60 lb , carretilha Abu 7000 e Ms Bm 20 
    Linha mono 0.70, encastoado anzol 10/0 
    -Pros curimbas e piaus:  
    Vara Pirangui ,  carretilha ms Titan 12000 pro , multi 0.18
     
    #Agradecimentos guias Paulo Ricardo e Prado, excelentes, atenciosos e sempre dispostos a correr atrás dos peixes
    Ao Márcio e sua Esposa, além dos funcionários. A pousada estava impecável seja limpeza, comida e atendimento 
  25. Upvote
    Cristiano Rochinha deu reputação a Josivelson Moreno em Pescaria em Açude com Surpresa   
    Boa Noite a todos Pescadores!
     
    Vem compartilhar com vocês aquela famosa Pescaria na Varinha de Bambu com isca natural, nesse dia saiu Tilápias brutas e belíssimas Carás no velho açude!
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
×
×
  • Criar Novo...