Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Carlos Vettorazzi

RIO PARAGUAI - FEV 2015

Posts Recomendados

RIO PARAGUAI, MS - FEVEREIRO DE 2015

 

 

Venho me dedicando, há muitos anos, às pescarias com iscas artificiais, em especial à do tucunaré. Assim, acabei deixando um pouco de lado outras modalidades de pesca, mas a vontade de voltar àquele lugar mágico, que é o Pantanal, sempre me acompanhou.

 

Muitos anos haviam se passado desde minha última pescaria no Pantanal. Aliás, uma excelente pescaria, com minha esposa e outros casais de amigos e filhos, no Passo do Lontra, rio Miranda, com muitos dourados, pacus, piaus e pintados.

 

Há pouco mais de um mês recebi um convite dos amigos e colegas de trabalho, Cláudio e Wilson, para passar uma semana no rancho do primeiro, às margens do rio Paraguai, em Porto Esperança. Como estava de licença do trabalho por trinta dias, aceitei de bom grado o convite, ficando muito contente pela oportunidade de rever a região.

 

O que mais atraiu minha atenção, além das excelentes companhias, foi que a proposta era de passarmos uns dias aproveitando a tranquilidade do lugar, fotografando, pescando sem a preocupação da quebra de recordes pessoais e sem aquela “bateção” de iscas, do raiar ao por do sol, até os limites de nossa capacidade física (agora tenho o restante do ano para isso... rsrsrs). Relaxamento mesmo.

 

Além disso, as notícias que chegavam de lá eram de que as condições estavam bastante favoráveis à pesca de pacu na batida, com vara de bambu, modalidade tradicional pantaneira e que eu ainda não havia tido a oportunidade de praticar.

 

Cabe lembrar que, em fevereiro, a pesca no rio Paraguai é aberta apenas para a modalidade pesque-e-solte, o que também nos garantia tranquilidade, com muito poucos barcos no rio, uma vez que muitos dos pescadores que vão para lá, infelizmente, só o fazem quando podem levar sua cota de peixe, portanto, de março a outubro.

 

O rancho é bastante amplo e confortável, bem planejado para o precioso descanso entre as saídas para a pesca.

 

 

RT_zpsibddt04x.jpg

 

 

RK_zps601zmgcd.jpg

 

 

RU_zpsth0jggp2.jpg

 

 

                A região, embora bastante judiada pela pesca predatória, é muito bonita, com inúmeros corixos, ilhas e baías.

 

 

RZ1_zpssctwcgii.jpg

 

 

RA_zpsgpawf8hv.jpg

 

 

Em uma dessas baías a quantidade de piranhas era incrível.

 

Quando trabalhávamos uma isca de superfície, a água “fervia” de piranhas ao seu redor, até que uma delas fosse fisgada. Ao recolhê-la, podíamos ver inúmeras outras seguindo-a até o barco.

 

Certa manhã, o silêncio de nossa pescaria foi quebrado por uma grande e relativamente rápida agitação na superfície da água. Ficamos impressionados com a “fervura”. O piloteiro nos disse que era um cardume de piranhas atacando um peixe maior, possivelmente um pintado.

 

 

RD_zpskmzce2am.jpg

 

 

Também nessa baía pude “voltar aos tempos de menino”, fazendo deliciosas pescarias de peixes miúdos, com varinha de bambu, em meio a jacarés curiosos e esfomeados.

 

 

RZ10_zpsvp0bwqgi.jpg

 

 

Sauás, tambiús e saias-brancas fizeram nossa diversão.

 

 

RF_zpsu4h6nori.jpg

 

 

RG_zps7nudhlee.jpg

 

 

RH_zpspek8spfz.jpg

 

 

Jacarés havia muitos, notadamente nas baías, e nos aproximávamos deles com certa facilidade. Aliás, na maioria das vezes eram eles que se aproximavam de nós, atrás dos peixes fisgados.

 

 

RE_zps6ryayuh8.jpg

 

 

RJ_zpssw2e8lfw.jpg

 

 

RI_zpsecumfmxl.jpg

 

 

RZ20_zpsgtttz8we.jpg

 

 

Além dos jacarés, também vimos algumas capivaras, muitas ariranhas (para minha surpresa) e até um cateto, atravessando a nado uma baía. Como ele vinha da direção de um acurizal famoso pela presença de onças, achamos que, provavelmente, a vara havia sido atacada por uma delas e o porco, para se salvar, tenha se atirado à água e feito a travessia. Sabemos que catetos vivem apenas em bandos, daí nossa suposição ao encontrar o animal isolado.

 

 

RC_zpssdnory4w.jpg

 

 

RB_zpsrkijpe6s.jpg

 

 

Também avistamos inúmeras aves, nas margens do rio e baías e nas árvores ao redor do rancho, principalmente no pé de jenipapo (foto seguinte).

 

 

RZ_zpslhvqq5de.jpg

 

 

RL_zpsjiunnow1.jpg

 

 

RX_zpsjntadupy.jpg

 

 

RZ2_zpsfdcxueuv.jpg

 

 

RZ25_zpsz9s9aqo3.jpg

 

 

RZ4_zpstqoqqg9y.jpg

 

 

RZ5_zpshku29x6i.jpg

 

 

Durante os dias em que lá estivemos o calor beirava o insuportável. Assim, preferíamos voltar ao rancho, no meio do dia, para tomar um banho, comer algo e descansar, deixando o retorno ao rio para as horas “menos quentes” dos finais de tarde.

 

Mas, em algumas ocasiões, quando estávamos mais distantes do rancho, comíamos algo em alguma sombra nas margens do rio, o que também era muito agradável, principalmente se houvesse vento para refrescar e espantar os mosquitos e mutucas.

 

 

RZ13_zpsj979z7ro.jpg

 

 

Bom, mas e a pesca?

 

Sei que os companheiros gostam de relatos com muitas fotos de peixes, mas optei por colocar apenas umas poucas imagens das espécies fisgadas, para que o relato não ficasse repetitivo e monótono, pois o tamanho dos exemplares variou muito pouco.

 

Como mencionei no início, o forte dessa pescaria foi a batida de pacus, com vara de bambu e isca de tucum, que é o fruto de uma pequena palmeira (próximas fotos).

 

 

RZ19_zpsfhrea2qz.jpg

 

 

RZ18_zpsqz5pwtfm.jpg

 

 

A foto seguinte mostra bem os sinais dos pacus boiando, à tardezinha.

 

 

RZ24_zpsasdlsaue.jpg

 

 

Descíamos o rio com o barco atravessado, controlado pelo remo na popa, fazendo arremessos próximo à margem, batendo a isca na água uma ou duas vezes, para atrair a atenção do peixe, e deixando-a afundar na batida seguinte, dando um tempo para o ataque.

 

Não ocorrendo a ação esperada, repetia-se o movimento, sempre procurando imitar o fenômeno da queda natural dos frutos no leito do rio.

 

O pacu pega a isca com vigor, fazendo a vara vergar bastante e a linha “cantar”, proporcionando uma briga emocionante, mesmo se tratando de exemplares relativamente pequenos.

 

 

RZ15a_zps7ivnu8be.jpg

 

 

RZ15b_zpsszncdd86.jpg

 

 

RZ15_zps82d8cug2.jpg

 

 

Também fizemos a pesca do piauçu, apoitados em locais previamente cevados.

 

 

RZ27_zpssqmth5hk.jpg

 

 

A briga com um bom exemplar de piauçu é algo emocionante. Quem já vivenciou isso sabe bem de que estou falando.

 

A princípio ele vem relativamente manso, mas quando dá com a claridade na superfície...aguenta coração, porque ele briga muito e é muito forte!

 

 

RZ21_zpssuguxkmr.jpg

 

 

RZ22_zpszw3vzpte.jpg

 

 

RZ23_zpsbbinwta3.jpg

 

 

Peixes de couro, dessa vez não pescamos.

 

Dourado saiu apenas um e o felizardo fui eu. Mesmo de pequeno porte, é sempre uma felicidade ver os saltos do amarelão, com a artificial cravada em suas mandíbulas.

 

 

RZ11_zps0mkdvdyg.jpg

 

 

Para “matar” a vontade de pescar com as artificiais havia as piranhas.

 

Nas baías eram muitas, mas muitas mesmo, porém, de uma maneira geral, de porte médio. As maiores eram encontradas no leito do rio e proporcionavam brigas muito boas. O que dava dó era o estrago que faziam nas iscas.

 

 

RZ17_zps1rcqn2it.jpg

 

 

E, finalizando o relato, nada melhor que imagens de um dos espetáculos mais majestosos do Pantanal: seu pôr do sol.

 

 

RZ7_zps20wzdyfc.jpg

 

 

RZ8_zpsar9ghizw.jpg

 

 

RZ6_zpssluxikfn.jpg

 

 

RZ12_zpsjtouzjap.jpg

 

 

Foi uma excelente pescaria, sem sombra de dúvida.

 

E que venha a próxima, se Deus quiser!

 

 

Carlos Vettorazzi

Piracicaba, fevereiro de 2015

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns Carlos pelo belo relato e pela pescaria perfeita. ::tudo::  ::tudo::  ::tudo:: Bateu uma vontade aqui.... danca::

 

O Pantanal é realmente um dos lugares mais lindos do mundo. Pena que alguns só pensem em destruí-lo. Naonao::

 

Abç.

 

Boas pescarias!!! ::fisherman

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito Lindo o lugar... Parabéns pelas fotos...

 

Como o nosso Amigo Luiz falou, pena que acabaram com os peixes do nosso Pantanal...

 

Abração

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Carlos, sem palavras! Um dos melhores relatos que eu já li, meus parabéns  palmas::  palmas::  palmas::  ::tudo::  ::tudo::  ::tudo:: 
Ainda quero conhecer esse paraíso um dia  ::fisherman

Abração

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns Carlos pelo belo relato e pela pescaria perfeita. ::tudo::  ::tudo::  ::tudo:: Bateu uma vontade aqui.... danca::

 

O Pantanal é realmente um dos lugares mais lindos do mundo. Pena que alguns só pensem em destruí-lo. Naonao::

 

Abç.

 

Boas pescarias!!! ::fisherman

 

Obrigado Luis!

Pode-se dizer mesmo que foi uma pescaria perfeita, pois apresentou todos os ingredientes para isso.

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito Lindo o lugar... Parabéns pelas fotos...

 

Como o nosso Amigo Luiz falou, pena que acabaram com os peixes do nosso Pantanal...

 

Abração

 

Francisco, conheço o Pantanal desde os anos 80.

Muita coisa mudou de lá para cá. Algumas para melhor (por exemplo o fim dos coureiros), outras para pior (por exemplo, a redução notável no estoque pesqueiro, pela sobrepesca, realizada principalmente pelos frigoríficos nos anos 80 e 90), mas a mágica do Pantanal permanece.

Se a região fosse bem conservada, duvido que haveria tantos brasileiros indo pescar na Argentina, não é verdade?

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Carlos, sem palavras! Um dos melhores relatos que eu já li, meus parabéns  palmas::  palmas::  palmas::  ::tudo::  ::tudo::  ::tudo:: 

Ainda quero conhecer esse paraíso um dia  ::fisherman

Abração

 

Obrigado Pedro!

Assim como o Araguaia e a Amazônia, o Pantanal é fantástico.

Planeje-se para conhecê-lo. Tenho certeza que não irá apenas uma vez.

Grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Francisco, conheço o Pantanal desde os anos 80.

Muita coisa mudou de lá para cá. Algumas para melhor (por exemplo o fim dos coureiros), outras para pior (por exemplo, a redução notável no estoque pesqueiro, pela sobrepesca, realizada principalmente pelos frigoríficos nos anos 80 e 90), mas a mágica do Pantanal permanece.

Se a região fosse bem conservada, duvido que haveria tantos brasileiros indo pescar na Argentina, não é verdade?

Abraço!

Com certeza meu Amigo...

 

Mas vamos torcer para que com o tempo e a conscientização das pessoas que com o tempo a qtt de peixes volte aos velhos tempos...

 

Abração Carlos..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pelo relato!!

 

Mto bom de se ler.

 

Uma pescaria desta não tem preço.

 

Senti a tranquilidade ao ler seu relato.

 

Grande abraço!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Show de relato e com belas fotos ,parabéns Carlos !!!!!      ::tudo::  ::tudo::  ::tudo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom o relato Carlos!

Com ênfase para o mundo que existe ao redor dos peixes, hehehe

Grande abraço.

 

Rodrigo, muitas vezes focamos tanto no peixe em sí, que deixamos passar muitas outras coisas que compõem uma pescaria,não é?

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pelo relato!!

 

Mto bom de se ler.

 

Uma pescaria desta não tem preço.

 

Senti a tranquilidade ao ler seu relato.

 

Grande abraço!!

 

Essa foi a tônica dessa pescaria Diogo: tranquilidade!

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se registrar depois. Se você tem uma conta, CLIQUE AQUI para postar com a sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Processando...
Entre para seguir isso  

×
×
  • Criar Novo...