Ir para conteúdo

Carlos Vettorazzi

Membro
  • Total de itens

    257
  • Registro em

  • Última visita

Sobre Carlos Vettorazzi


  • User Group: Membro


  • Member ID: 6999


  • Rank: Já consegue zarar


  • Post Count: 257


  • Post Ratio: 0.11


  • Total Rep: 6


  • Member Of The Days Won: 0


  • Joined: 18-10-2012


  • Been With Us For: 2250 Days


  • Last Activity:


  • Atualmente:


  • Age: 60


Clubes

Profile Fields

  • Sexo
    Masculino
  • Nome + Sobrenome (obrigatório)
    Carlos Vettorazzi

Informações de Perfil

  • Localização
    Piracicaba - SP

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Carlos Vettorazzi

    FISH TV - Quem está assistindo no canal "aberto". O q acham?

    Há alguns programas muito bons, como RBT Fishing, Ases da Pesca, Momentos da Pesca e A Pescadora. Como já comentado, tempos atrás era inimaginável um canal dedicado exclusivamente à pesca esportiva. Os produtores e idealizadores estão de parabéns.
  2. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Muita saudade mesmo Rodrigo... Abraço!
  3. Carlos Vettorazzi

    Velho Chico, velhos tempos - Surubins

    Essa primeira foto, me lembro de tê-la visto em uma revista de pesca em minha juventude. Não me lembro o nome da revista, mas o editor era o Oswaldo Venceslau Silva. Incrível o tamanho desses surubins!
  4. Carlos Vettorazzi

    Velho Chico, velhos tempos - Dourados

    Belo resgate Rodrigo. Não imaginava que o dourado do São Francisco chegasse a esse porte. Abs
  5. Carlos Vettorazzi

    Nó 50 Voltas

    Boa dica Luis. Agora é testar...
  6. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Que bom que gostou Marcel. Fico contente. Abraço!
  7. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Valeu Paulo! Abraço!
  8. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Muito obrigado Kid! E olha que já passou muita água por baixo dessa ponte...rsrsrs Abraço!
  9. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Obrigado Anderson!
  10. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    Menos Fabrício...menos...rsrsrs Valeu!
  11. Carlos Vettorazzi

    RODANDO NO JAURU

    O texto que hoje apresento a vocês foi escrito há muito tempo, lá no começo dos anos de 1980. É uma crônica em homenagem a um grande pescador e caçador, já falecido, que me ensinou várias coisas na pesca, dentre elas a rodada com varejões de bambu. Seu nome era Eduardo, mas não sei por que motivo era chamado por todos de Léo. Teimoso, sarrista, músico, professor, mas acima de tudo: pescador! A pescaria relatada a seguir foi realizada no rio Jauru, afluente do Coxim, no Mato Grosso do Sul. À época, as pescarias eram fartas em grandes pacus, pintados e jaús. Boas lembranças! RODANDO NO JAURU Carlos A. Vettorazzi O bote descia lentamente o rio Jauru, controlado com maestria pelo remo de Léo Olitta, naquele tempo já com seus setenta e tantos anos. Tal era o silêncio estabelecido no barco, que podíamos ouvir os piados do jaó, lá nas encostas dos morros, bem distantes do rio. - “Eu sou...o jaó”, parecia querer ele dizer. As linhas eram mantidas a prumo, “caçando” o fundo do rio de vez em quando, para se ter noção da profundidade. No anzol, filézinho de curimbatá “azedo” (tirado na véspera e deixado ao relento). Sempre passando com o bote pelos pontos pegadores, coube ao Léo o primeiro peixe. Era um belo pacu e levara uma ferrada “de braço”, com o anzol cravando com perfeição em sua boca dura. Alguns minutos de luta e lá estava ele dentro do bote. Infelizmente, para ele, seria nosso jantar, no rancho. A rodada continuava e o dia já ia se aproximando de seu final. Casais de araras cruzavam o céu a caminho do pouso. Ave fiel. Dizem os entendidos que, uma vez estabelecido, o casal só se separa quando da morte de um deles. Coisa rara hoje em dia tamanha fidelidade... Do cerrado, partiam chamados frequentes de perdizes. A ornamentação das margens ficava por conta das árvores-de-pomba, em plena floração. Tanto eu quanto Antônio Fernando, filho do Léo, ainda não havíamos embarcado nosso peixe, embora ele já tivesse perdido uma fisgada. Provavelmente alguma piraputanga, ou douradinho, tentando roubar a isca. Deslizávamos em direção a uma corredeira, na cabeceira de uma pequena ilha de cascalhos, quando senti o peixe bater. -Peixe! Falei em voz baixa, com o ritmo cardíaco já alterado. O pacu abocanhou a isca com firmeza e tratou de nadar logo para próximo da margem, onde poderia digerir seu “jantar” em águas mais calmas. A linha seguia lenta e decididamente e eu acompanhava o movimento com a ponta da vara, na espera do momento mais adequado para a fisgada. Quando o ângulo formado entre a vara e a linha me pareceu o melhor, apliquei violenta ferrada, desencadeando uma das lutas mais emocionantes que até então tivera com os “parceiros de guelras”. A força de um pacu na água corrente é descomunal e a sensação que se tem é a de estar com um boi bravo na ponta da linha. O fato de rodarmos com varões de bambu, de quatro metros de comprimento, também colaborava para que tivéssemos que usar o “muque” para segurar o peixe. -Não tente embarcar já, aconselhava o Léo. Espere ele cansar mais. E lá ia o peixe. De lá pra cá e de cá pra lá, até pranchar ao lado do bote. Estava entregue...e eu ofegante, parte pela força que fizera, parte pela emoção da vitória. O “norueguês” havia cravado bem no canto da boca do peixe, no “canivete”. Sem chance. -Você fisgou bem, disse o Léo. “De braço” e na hora certa. Mas ferrou meio brando. Se fosse um dourado talvez você não tivesse embarcado. Deus do Céu, se aquela ferrada tinha sido branda, eu só imagino a força que ele devia por no braço para ferrar os seus peixes! O sol já ia baixo no horizonte. Fim de pescaria. A subida do rio, na volta ao rancho, foi alegre, mas o braço ainda estava “sentido” pelo trabalho com o peixe. Piracicaba, novembro de 1983
  12. Carlos Vettorazzi

    VELHOS TEMPOS

    Fábio Parabéns pela iniciativa e pela divulgação da cultura piracicabana, que tem várias contribuições à pesca, como por exemplo a famosa pescaria de rodada. Os "velhos" botes piracicabanos de madeira já foram muito famosos. Eu mesmo cheguei a pescar em alguns deles quando criança, tanto no Piracicaba quanto no Tietê. Muito bom mesmo. Abraço!
  13. Carlos Vettorazzi

    ISCAS personalizaras para pescadores exigentes

    Márcio Muito bom seu trabalho. Parabéns. Abs
  14. Carlos Vettorazzi

    Pescaria Rio Piracicaba - Cidade de Piracicaba

    Felipe Não sei da existência de guias aqui em Piracicaba. O mais próximo de um guia que há por aqui é o Luis Fernando Magossi (Gordo). Ele tem um serviço de passeios de barco pelo rio e é um pescador de mão cheia. Sempre que o Terra da Gente vem fazer alguma matéria aqui no rio, o contato deles é o Gordo. Troque uma ideia com ele. Contato (facebook): PasseioDeBarcoRioPiracicaba Abraço!
  15. Carlos Vettorazzi

    Pescaria Rio Piracicaba - Cidade de Piracicaba

    Allan Com a estiagem do último mês o rio está bastante baixo. Há uma rampa pública na rua do Porto, mas acredito que a navegação esteja difícil. Não tenho pescado no rio, pois ultimamente os dourados estão sumidos. Tenho ouvido comentários de que estão saindo mandis, piavas e pacus. Não é o tipo de pescaria que me atrai, mas, para quem gosta, dá para passar umas boas horas na beira do rio. Caso venha para cá e opte por pescar de barranco, evite locais com muita vegetação, principalmente capim, pois há carrapatos nesses locais (devido ao grande número de capivaras) e eles podem transmitir a febre maculosa, que pode inclusive levar ao óbito. Boas pescarias!
×