Ir para conteúdo

Andrey W

Membro
  • Total de itens

    616
  • Registro em

  • Última visita

Sobre Andrey W

  • Rank
    Pescador
  • Data de Nascimento 06-05-1961

Profile Fields

  • Sexo
    Masculino
  • Nome + Sobrenome (obrigatório)
    andrey william brandão

Informações de Perfil

  • Localização
    Goiânia - GO
  • Interesse
    materiais de pesca, técnicas, macetes

Últimos Visitantes

1.290 visualizações
  1. Aí Vicente, segue o link do produto que te falei: https://www.decathlon.com.br/conjunto-de-pesca-com-mosca-go-fishing-fly-caperlan/p Como o Gabriel falou, claro que o ideal é pegar um conjunto top de linha, mas no meu caso (no meu) não tenho como investir mais de 1.000 pila em algo que não sei se usarei por muito tempo. Então, prefiro arriscar num kit mais básico e mais barato (essa que te falei, ta por R$ 299,90). Sei sim das limitações, mas acho que vai dar pra ter um boa noção do que seja o mundo da pesca com fly. Comecei assim também nos molinetes (super paoli, o primeiro) e nas carretilhas (uma tramontina que pesava uns 3 kg, rs). Peguei primeiro as "pebas" pra depois migrar para melhores. Abraço.
  2. Também estou interessado na modalidade. Andei pesquisando e encontrei, com valores interessantes, uma opção do kit na Decathlon (vara, carretilha com linha e algumas iscas de mosca). Acho que para quem tá querendo iniciar na modalidade, entendo ser um equipamento interessante e bem coringa. Como não sei se vou pegar gosto pelo fly, acho que vou encarar...
  3. Bruno, se você optar por usar somente uma bateria no barco, seria bom você pensar na possibilidade de instalação de um "retificador de corrente" no motor de popa para ter a possibilidade de poder carregar a sua bateria. Principalmente se você navega maiores distâncias com o motor de popa. Já tive um instalado num motor suzuki e funcionou muito bem.
  4. Acho que não, porque já vi montagem da sonda em motor elétrico feito com uma baita de uma braçadeira, e metálica. Eu colocaria duas braçadeiras plásticas, tipo enforca gato. Acho que o risco de interferência é muito menor, inclusive por serem bem finas. Só por curiosidade: você instalou a sonda na popa do barco, próximo ao motor?
  5. Uma solução seria colar a sonda dentro do viveiro do seu barco (no fundo, direto no casco). Nunca fiz isso, mas quem fez diz perder a função (ou faz uma leitura errada) da temperatura da água. Mas continua com as outras funções básicas (detecção de estruturas, peixes, etc. e da profundidade). Outra seria fazer uma gambiarra mesmo (e eu adoro uma gambiarra, hehehe), por exemplo, fixar ela com enforca gato numa outra base (mais ou menos como é feito na fixação dele no motor elétrico) e dar um jeito de fixa-la no suporte inox original (que aparece na foto).... 😵😵🥴
  6. O meu estava com essa problema e a regulagem do anodo de compensação da rabeta do motor (um Mercury 15) resolveu o problema. Após várias tentativas, mas ficou totalmente alinhado.
  7. Ai Guto, que o novo motor te traga muita sorte e ótimas pescarias. O bicho parece andar muito...
  8. Guto, parece que o tensor e a bucha estão presentes, so ta faltando mesmo o parafuso borboleta de arrocho. Como a cabeça é plástica, deve ter perdido ou estragado.
  9. Isso mesmo Guilherme. É exatamente esse ai que tá quebrado que dá o aperto do eixo. Se conseguisse retira-lo, é fácil achar um que se adaptaria ai, é uma rosca comum, bem fácil de achar. Ou como disse, trocar o cavalete todo. Se o que aparece na foto for o que restou do parafuso, outra solução seria soldar uma travessa na ponta, fazendo trabalhar como a borboleta do parafuso.
  10. Tenho um 44 lbs, mas acho que usam o mesmo sistema. No meu tem dois parafusos tipo borboleta, um que ajusta a altura que você quer deixar o motor em relação ao nível da água, e outro, no cavalete, que regula o aperto do giro. Só fechar um pouco esse do cavalete que já dá uma boa travada nele.
  11. Show de pescaria Magronez, e por ser de caiaque é outro nível... bom também foi o grito que você soltou quando embarcou o bichão... devia tá com o coração na boca... parabéns...
  12. Já vi alguns instalados dentro do viveiro de peixes, dai provavelmente não se perde a leitura da temperatura (que pra mim é a segunda função mais importante do sonar. A primeira é a profundidade). Já vi relatos da possibilidade da queima do transducer, quando instalado fora da água. Mas, se tiver a possibilidade de colocar fora da embarcação, sem dúvida é o ideal. Tive um que usava em duas embarcações diferente, então adaptei um suporte de alumínio que funcionava tanto em um quanto em outro barco. O risco de você se arrepender de colar com araldite internamente é grande, com a possibilidade de você "perder" o transducer caso queira retira-lo no futuro.
  13. Bem, pra caiaqueiro, 5 a 7 km não é muita coisa (pra lago ou rios com pouca corredeira), mas não conheço o rio que você pesca. Pra consumir menos bateria, eu usaria um motor elétrico com menos libras (34 ou 44 no máximo, falando do Phanton), porque acho um exagero carregar uma bateria estacionaria ou outra qualquer na faixa de 30 kg. Mesmo você sendo magro, somando tudo, além de outras coisas que você deve levar (caixa com gelo, água, cerveja, lanche, traia, etc.), o caiaque vai ficar pesado e entulhado também. O que atrapalha demais na pescaria de caiaque, onde você tem pouca mobilidade sobre ele (porque ele vira mesmo, acredite). Já usei bateria grande (a freedon 115 A) em barco de alumínio e achava difícil ficar transportando. Então, opte por uma menor (estacionária) de preferencia, mesmo que um dia ou outro você fique sem carga, mas como falou, caso esteja pescando rio acima, voltar no remo será um prazer, não um problema. Uso uma de nobreak no meu, somente para o sonar, porque não gosto nem do barulho do motor elétrico. Como a minha é pequena, adaptei ela numa caixa plástica e ela ficar dentro do bagageiro do meu caiaque (um flash da milha náutica). Assim, se virar, não perco ela. No seu caso, nem amarrando será possível, porque ela vai funcionar como poita. Vai dar um trabalho danado pra você traze-la de volta... 😝
  14. Conheço bem o lugar que o Fabricio citou ai em cima, perto do Outlet (5 km depois deste pra quem vem de Brasilia, e 6 km depois de Alexânia pra quem vem de Goiânia). A entrada é bem do lado do Posto Medalhão mesmo, junto à lombada eletrônica da BR, com a estrada de terra nem sempre em bom estado. O Grande problema que vejo é que não conheço nesse trecho, nenhum lugar público ou mesmo que deixem você entrar através de alguma taxa. As margens do lago por ali está praticamente toda tomada por condomínios privados, ficando difícil o acesso, a não ser sendo proprietário ou convidado. 😕
  15. Bem, acho que isso é recorrente em carros da fiat. Tenho um siena e com ele puxando uma carretinha, a luz de avaria de iluminação do painel acendia sempre que eu fazia a conexão. Não notava outra mudança, tipo redução de luminosidade ou queima de lâmpadas. Só a luz do painel mesmo. Como dito acima pelo Leonardo, bom dar uma verificada no chicote e ver se não está acontecendo algum curto. Nunca usei as lampadas de led e talvez, pelo baixo consumo delas seja um boa opção.
×
×
  • Criar Novo...