Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''la zona''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Bate Papo Geral e Assuntos Correlatos.
    • Selecione a sala abaixo:
  • Pesca em Água Doce
    • Assuntos Gerais (água doce)
    • Equipamentos de Pesca (água doce)
    • Relatos de pescaria (água doce)
  • Pescaria em Água Salgada.
    • Assuntos Gerais (água salgada)
    • Equipamentos de Pesca (água salgada)
    • Relatos de pescaria (água salgada)
  • Pesqueiros (pesca-e-pague), Fly Fishing e Caiaque.
    • Selecione o tipo de pescaria abaixo:
  • Náutica
    • Tudo sobre náutica
    • BassBoat Brasil
  • Eletrônicos
    • Selecione a sala
  • Aprenda a usar o fórum. Entenda como ele funciona.
    • Selecione a sala
  • Anúncios Globais e Anunciantes
    • Anunciantes do FTB. Promoções aos nossos amigos pescadores!
  • Club das 22lbs
    • Galeria 22lbs. Só monstro acima de 10Kg.
  • Pacotes de pesca dos nossos usuários
    • Em Andamento
  • Classificados
    • Selecione a sala abaixo:

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Nome + Sobrenome (obrigatório)


Localização

Encontrado 5 registros

  1. Boa noite pescadores. Conheci o fórum há pouco tempo vou tentar fazer aqui o meu primeiro relato de pescaria. Para quem estiver com problemas na visualização do poste por completo no navegador Chome recomendo que usem o Firefox esse funciona normalmente. Vamos lá já fui pescar nas águas argentinas algumas vezes, entre elas os destinos de Paso de La Pátria, Goya, Empedrado e essa ultima a qual vou relatar a tão famosa La Zona, localizada na hidrelétrica de salto Chico, entre as cidades de concórdia na argentina e salto no Uruguai. A La Zona é uma reserva demarcada do paredão da hidrelétrica, a ate 1km abaixo no rio Uruguai, que nasce na junção dos rios Canoas e Pelotas, nas divisas de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. Percorre aproximadamente 1800 km, fazendo as dividas entre Argentina e Brasil e a Argentina com o Uruguai, onde então deságua no Paranazão formando o rio da Prata. Saímos de Porto Alegre por volta da 14:00 horas com o ônibus da Douradobus, atendimento show, motoristas nota 10 bebidas a vontade all inclusive. Por volta das 21:00 horas fizemos uma parada em Rosário do Sul – RS para a janta, todos alimentados seguimos viajem. Eu estava em uma vaga de encaixe, mesmo sem conhecer ninguém do grupo inicialmente deu para fazer boas amizades já no trajeto. Chegamos à pousada La Zona Lodge, por volta das 6:00 da manha fomos recebido pelo Lucas, que prontamente nos recepcionou e encaminhou para os nossos quartos, esses por sinal muitos bons bem arrumados um verdadeiro brinco, em comparado as pousadas de pesca das terras dos hermanos. Arrumamos a tralha, ansiosos por aquele café da manha reforçado, que para nossa infelicidade só era servido as 7:30 triste triste. Chegado então à hora tomamos o café da manhã que em minha opinião, poderia ser melhor e ter mais opções e variações, no entanto foi a mesma coisa durante todos os três dias da estadia. Somente as 8:00 da manhã os carros estavam lá, para então nos levar ate o ponto de embarque no camping da Tortuga Alegre, que fica a 2km do local da pousada. Nosso pacote era para pescar fora de reserva durante o dia inteiro, adentrando na parte da reserva nos horários de 12:00 as 15:00, bom todos sabem que esse horário não é o melhor para os amarelões, mas é horários que os gringos deixam para nos meros mortais e menos abastados heheheh. Vários americanos pescando por lá durante os horários de 8:00 as 12:00 e das 15:00 as 18:00, se você for procurar reservas nessa modalidade, provavelmente vai ter que espera muito tempo, ate surgir vaga principalmente na alta temporada que vai de janeiro ate abril. Chegamos à beira do rio que estava cheio 3 a 4 metros acima do normal, água suja decorrente das chuvas que caíram aqui nas bandas do Rio Grande do Sul, na semana anterior para piorar todas as comportas da represa abertas jorrando muita água. Hora da pescaria, estávamos em dois no barco saímos do canal onde embarcamos, fomos em direção a parte logo a baixo da reserva, primeiro arremesso do dia na artificial senti um tranco. “Eitha (editado) negocio vai ser louco” varinha de 10-20 libras carretilha brisa, depois de uma breve briga um belo Curimba, fisgado pelo lombo não foi nem para a foto o piloteiro apenas jogou na água. Infelizmente essa foi a única ação da manhã em meio a artificiais e morenitas triste triste, mas de olho no relógio a espera das 12:00 horas, quando iria mudar de barco para poder entrar na La Zona. O piloteiro já me recomendou a trocar o equipamento para um kit mais parrudo, disse que a ação lá dentro deveria ser bruta, prontamente montei minha carretilha Titan BG com uma vara de 20-50 libras. Chegada a hora voltamos para o local de embarque, o pessoal da pousada já estava aguardando com os almoços dos pescadores, que iriam entrar na reserva no intervalo do das 12 :00 as 15:00. Uns 10 minutos depois chega o Alejandro (piloteiro) com a turma que estava pescando lá dentro pela manhã, turma desceu do barco nos já pulamos dentro, vamos vamos coloca mais morenitas aqui para não faltar, ansiedade a mil heheh. Go go enfim devidamente embarcados, seguimos para a reserva, todos os que entram na La Zona, são obrigados a passar no posto da fiscalização da reserva, lá mesmo na hidrelétrica para informar seu nome e numero do documento, para só depois seguir com a pescaria. Finalizados os tramites burocráticos, iscas nos anzóis e borá jogar na água que isca no barco não pega peixe uhuuuu.. Aqui entra o trabalho fantástico do Alejandro, pense em um cara gente fina piloteiro nota 1000, tiro o chapéu para o trabalho dele simplesmente perfeito, arremessava, fazia as fotos e vídeo tirava os peixes, iscava as morenita, deixava o barco certinho de acordo com a posição dos pescadores, já foi perguntando quem de nos tinha o melhor celular para as fotos, que podia deixar com ele. Arremessava praticamente dentro da boca dos amarelões e logo gritava “peixe, peixe puxa que nem hombre”, só nos preocupávamos em trazer o peixe até perto do barco e fazer a pose para a foto heheheh. Uma fisgada atrás da outra, nunca tive uma pescaria com tantas ações a não ser de lambari, em riacho, em meio a fartura de dourados variando de 3 a 14kg, saio um “hermoso” pintado de 29kg “uhuuuu animal”. Como tudo que bom dura pouco nossas 3 horas lá dentro passaram que foi um piscar de olhos, triste triste, mas valeu cada minuto foi ação do inicio ao fim. Acabado a festa dentro da La Zona, voltamos a pescar fora da reserva na qual ali só saíram poucos bem poucos douraditos todos pequenos. Aventuramo-nos no lado Uruguai do rio, triste triste, infelizmente os hermanos uruguaio ao contrario dos hermanos argentinos não tem as mesmas leis e consciência em ralação ao peixe. Lá a pesca é predatória não se tem nenhum tipo de regra ou cota, a margem do rio no lado uruguaio é minado de redes, espinheis e todo tido de artifícios ilegais para a pesca, triste triste, retornamos ao lado argentino para continuar a pescaria. Seguimos pescando com poucas ações de dourados pequeno pelo resto da tarde, e para nossa infelicidade assim perpetuou todo o segundo dia também. Já no terceiro e ultimo dia de pesca não saio nada pela manha inteira, “triste triste”, mas para me livrar do tédio eu ainda tinha mais um período para pescar dentro da La Zona, das 12:00 as 15:00 então sem delongas, chegada a hora trocamos de barco dessa vez o piloteiro era o Elbio, “triste triste”, lá vamos nos começamos a pesca cada um que se virasse com sua vara e posição no barco, que rodava ao sabor da correnteza no estilo “deixa a vida me levar, vida leva eu”, eu e os 2 parceiros tínhamos que passar de um lado para o outro para não embolar linhas varas, etc etc em meio ao caos e dança das cadeiras para não cruzar as linhas umas na outras, entravam alguns dourados enquanto nosso piloteiro estava ocupado mexendo no celular. ate teve ações de vários dourados mais nada comparado com a produtividade do primeiro dia ou do outro barco que estava pescando ao nosso lado com a outra turma com o Alejandro de piloteiro. Concluindo quem quiser ter uma boa experiência na La Zona, faça de tudo para ir com o Alejandro. Isso mostra a importância de um piloteiro bom para uma boa pescaria, se em uma área de 500 metros já faz essa diferença absurda na piscosidade, imagine em um rio de quilômetros e quilômetros com água a perder de vista. Voltaria a La Zona? Com certeza, mas na época certa e com o Alejandro como piloteiro. Foi isso pessoal, espero que gostem qualquer informação adicional podem ficar a vontade em perguntar. att: Leysle Carneiro (Ley)
  2. É pessoal, parece que os dias de pesca "lambendo" os paredões de concreto da Represa de Salto Grande e fisgando os amarelões estão com seus dias contados. http://www.elheraldo.com.ar/noticias/139926_pesca-y-devolucion-en-zona-de-la-represa.html
  3. Acessando a sala de “Convites de Pescaria” do Fórum havia uma chamada de “uma vaga para pescar em La Zona na última semana da baixa temporada”. Pensei um pouco sobre o assunto (quase meia hora) para decidir que queria ir e mais alguns dias para negociar a vaga, e fechei um pacote entre os dias 16 e 22 de dezembro de 2015. A oportunidade era dupla: pescar em La Zona e acompanhar um grupo de pescadores de muita qualidade e experiência. A região. O Rio Uruguai na região da reserva da represa de Salto (entre as cidades de Concórdia na Argentina e Salto no Uruguai) é famoso por ser o local de vários recordes mundiais da pesca de dourado. A reserva está compreendida entre a parede da represa até uma distância de 500 metros rio abaixo e os dourados ali se acumulam, seja para subirem o rio pelas escadarias de migração, seja pela abundância de oxigênio e comida. As regras de pesca no local são bastante restritivas, como forma de garantir a sobrevivência da espécie. Dentro da reserva é permitida a pesca apenas com iscas artificiais e garateias com a “ferpa” amassada ou limada. Também não se deve utilizar o "boga grip" para manusear os peixes e apenas dois barcos argentinos e dois uruguaios podem pescar ao mesmo tempo na reserva. Como a operação uruguaia está em processo de nova licitação, eram apenas dois barcos por dia pescando na reserva. A pescaria. A maior parte da turma chegou em Buenos Aires no dia 15 de dezembro, vindos de diversos pontos do Brasil e no dia 16, após a chegada dos demais, seguimos de Van para o Lodge. Foram cerca de 450 km de estrada ou 6,5 horas de viagem. Logo na chegada ao Lodge vimos que o Rio estava muito alto, chegando a bater no teto das pequenas casas ribeirinhas, e a previsão era de muita chuva no dia 17 e muita água vindo do Sul do Brasil durante toda a semana. Apesar da chuva da manhã do primeiro dia, que nos obrigou a sair com 1,5 hora de atraso, a pescaria foi relativamente produtiva com a utilização de iscas de sub-superfície (Tipo Super Shad Rap nas cores prata, lararanja/preto e vermelho/branco). Foram ainda testadas algumas soft baits e até tuviras, que se mostraram imbatíveis na produtividade perante aquelas condições de rio muito alto e sujo. O rio continuou subindo todos os dias, mas o sol apareceu forte no segundo e terceiro dias de pesca e na tarde do quarto dia a chuva voltou forte e com raios, impossibilitando a continuidade da pesca por razões de segurança. Esta pescaria foi organizada pelo Fábio Neves e o grupo foi dividido em quatro barcos/equipes: A – Ênio, Fabiano Tucunaré e Fernando; B – Gildácio, Adriano e Marlon; C- Nélio, Fabrício Biguá e Fábio Neves e D - Baxim, Tássio e Moacyr. Assim, cada equipe iria pescar alternadamente pela manhã e pela tarde, dentro e fora da reserva, e todos teriam 4 meio períodos na reserva e 4 fora. Nossa expectativa era de muitos Dourados e alguns Pintados na reserva e muitas Piaparas fora. Durante a nossa breve estadia, o Rio Uruguai não parou de subir, como nos famosos e temidos repiquetes amazônicos, chegando a atingir a cota de evacuação para a cidade de Concórdia - "maior inundação dos últimos 50 anos". Segundo os piloteiros a possibilidade de pegarmos piaparas era quase zero e as condições de pesca de dourado estavam muito difíceis. Assim, a maioria das duplas acabou desistindo de pescar fora da reserva e apenas as equipes A e B insistiram na captura de Mandis e Patis, por diversão ou para utilização como isca para dourados. Por sinal, estes peixes mostraram-se excelentes iscas. Os maiores dourados mediram entre 40 e 44 libras, enquanto que os maiores pintados chegaram a 50 libras. Fomos atendidos nesta semana pelos piloteiros Alejandro, Élvio, Juan Pablo e Martin. A forma mais produtiva da pesca foi obtida pelo arremesso rente às duas paredes das escadarias de migração ou dentro dos “buracos” onde as turbinas devolviam a água para o rio. Este tipo de operação exige muita destreza e capacidade dos piloteiros, pois a pesca ocorre em condições de fortes corredeiras e redemoinhos. Utilizamos o tipo de equipamento sugerido pela pousada e que pode parecer relativamente leve à princípio para os peixes mostrados nas fotos, mas resulta em grande esportividade. Como as águas não estavam baixas, foi possível pescar sem a utilização de líder, mas o empate de aço é fundamental para evitar a quebra da linha nos dentes dos dourados (os snaps eram substituídos por argolas com mais de 70 libras). Varas de 6" a 8" entre 20 e 30 libras e muito rápidas (quanto mais duras melhor, para garantir a fisgada dos dourados), carretilhas com boa capacidade de linha (150 metros de multifilamento), em geral as mesmas utilizadas na pesca de tucunarés na Amazônia e linha de multifilamento de 65 a 70 libras. A Hotelaria. A operação da pousada é tocada pelo Luca, Frank, Lili e Marcelo. Todos são competentes e trabalhadores, mas é notável que muitas vezes estão com as mãos atadas para atender alguns dos nossos pedidos. Convém notar que o quesito hotelaria é fraco e ocorre pela falta de concorrência e investimento. O fato de estar sendo construída uma nova pousada na beira do rio influencia, mas não justifica o fato de que faltas graves ainda aconteçam na operação atual, ainda por cima com os preços cobrados dos turistas. - Há uma diferença marcante no sentido do treinamento e serviço prestado pelos dois piloteiros que operam dentro da reserva. Ambos são experientes, bons pescadores e bons pilotos, mas apenas um deles (Alejandro) dá atenção a pontos básicos, como a posição do barco em relação à agua e aos pescadores, evitando que o barco gire e as linhas se cruzem. Principalmente quando temos três pescadores por embarcação. - A comida é boa, de qualidade e bem preparada pelo Chef Marcelo, mas faltam opções de cardápio. - A capacidade ideal da pousada não passa de 10 pessoas, assim no nosso caso, 2 colegas foram dormir em quartos afastados do grupo e com pior qualidade de camas e banheiros. Conclusão. Nosso objetivo é sempre expressar nossa opinião de forma livre e objetiva, não sendo nossa intenção ofender ou prejudicar ninguém. Aproveito para agradecer a todos os membros da nossa equipe, pela amizade, troca de experiência e mais alguns excelentes dias, que ficarão marcados para sempre em nossa memória. A experiência de pesca na represa de Salto é única. Os dourados são um dos peixes esportivos que proporcionam maior emoção ao pescador e, individualmente, muitos bateram seus recordes pessoais de pesca de dourado, mas a operação do La Zona Lodge tem muito que melhorar e espero ainda poder voltar ao local (com águas mais baixas) para testemunhar esta evolução. Finalmente, agradeço ao Fábio pela organização e ao Fabrício pelo apoio do Fórum Turma do Biguá, que nos possibilitou mais uma viagem tranquila e sem percalços, apesar das condições de pesca muito difíceis durante esta semana de inundação no Rio Uruguai. Fico imaginando como seria se estivesse fácil. :gorfei:
  4. Amigos, não gosto de desaprovar o trabalho de ninguém. Acredito q a grande maioria dos negócios, produtos e serviços prestados e vendidos por uma empresa, tem por finalidade ajudar o consumidor. O lucro maior é sempre nosso. Se eles não existissem, ainda estaríamos pescando na beira do barranco no sítio de algum conhecido. Por pior que seja um serviço prestado, todos estão lá para garantirem o seu "ganha pão" e, respeito isso. Em respeito a todos os amigos q estiveram em nossa última pescaria em LaZona, não poderia deixar passar batido algumas observações feitas pelo grupo e manter a LaZona Lodge como um negócio 5 estrelas. Com o aumento do dólar, pescar em LaZona deixou de ser uma opção viável para muitos de nós brasileiros e, quanto mais caro for um pacote de pesca, maior serão as exigências do grupo. Metade do nosso grupo chegou a pagar R$ 1.100,00 por hora para estar pescando dentro da barragem. Sim, é por hora mesmo. suici:: suici:: suici:: Inicialmente gostaria de dizer que LaZona é o melhor roteiro de pesca de dourado do mundo. Não tem como errar. Mesmo com a água a 16m de altura, totalmente cor de chocolate, conseguimos pegar excelentes peixes. O local é fantástico. Saíram dourados de 20Kg, pintados grandes e etc. O relato pode ser visto clicando AQUI Minha desaprovação não está em todos os serviços prestados, até pq, a turma que toma conta da casa foi MUITTÍSSIMO solícita e impecável nos serviços prestados. Mesmo com a pousada meio "capenga", as camas, roupas de cama, toalhas, comida, bebidas e etc, estavam condizentes com o pacote oferecido e contratado, tudo muito bom (melhor inclusive q no ano passado). Mas está havendo uma enorme falta de sintonia entre a equipe que trabalha dentro da casa (gerente, cozinheiro, camareira) com a equipe que trabalha fora da casa (guias). Em face destes guias terem uma autorização especial para pescarem dentro da barragem (autorização quase q exclusiva), é nítido que eles estão "cagando e andando" para manterem o local 5 estrelas. Vamos aos fatos: - o grupo de pescaria só sai da pousada às 8h...Gasta-se uns 10 minutos para se chegar na água, e depois outros 10 minutos para embarcar, arrumar tralha, mostrar passaporte pro fiscal da barragem e começar a pescaria...ou seja, se perde entre 20min e 30 min para efetivamente a pescaria começar. - quando dá 12h EM PONTO, o pau pode rachar, q os 2 guias aceleram o barco de volta pra margem. Só se ouve o "No más, no más..." - o mesmo acontece às 15h (início do período de pesca vespertino)....e às 19h o mesmo acontece no retorno. É nítido que os guias só tem horário pra voltarem da água...mas iniciar a pescaria, o horário não é tão importante. Fato é eles chegam a parar o barco para conversar com outros pescadores durante o caminho, falam no celular o tempo todo (amigos ligando para saberem como está a pesca no local) e etc. A diferença no trabalho entre os próprios guias tb é enorme. Alejandro, o mais novo, é mais extrovertido, fotografa bem e está com o barco sempre em movimento procurando peixes. Élbio, o mais experiente, é pessoa boa, mas transparece estar de saco cheio daquela vida. Na verdade ele não está nem aí para posicionamento do barco, etc. Chegávamos a dar 3 voltas completas no convés do barco passando por baixo da linha do parceiro de pesca para não enrolar as linhas. O barco ficava literalmente RODANDO como um peru tonto rio abaixo....e nós pescadores, q nos virássemos para não deixar as linhas se embolarem (e embolaram várias vezes). O gelo que é colocado pela manhã na geleira dos barcos não é resposto a tarde, ou seja, a tarde todas as bebidas estão quentes. Fato é q eles são exclusivos lá dentro e nós sofremos por essa falta de concorrência. Pesco com eles há 4 anos...e eles não melhoraram EM NADA. Aliás, só pioraram. Eles sempre reclamam de tudo (do País, de salário, da equipe que trabalha na casa e etc). E não estou dizendo que eles estão errados, o problema é q eles não sabem q pagamos mais de R$ 10.000,00 para estarmos pescando lá dentro. Parece q eles não tem noção do quanto é difícil e caro estar lá. Um guia que pesca por anos a fio, em um trecho de menos de 1km quadrado, deveria saber até onde os peixes dormem. Na verdade eles precisam ir para a Amazônia para aprenderem lá o q é ser guia (13h por dia, 07 dias por semana, sem direito a horário de almoço). A nossa pescaria... Chegamos na pousada debaixo de uma pesada chuva. No dia seguinte, logo pela manhã, os guias q pescam dentro da barragem não queriam pescar (por conta de raios), e não estavam errados. A segurança dos clientes é sempre o mais importante. E no último dia de pescaria choveu no período vespertino e mais uma vez 06 amigos do grupo não pescaram. No final das contas eles pagaram o pacote para pescarem por apenas 10h dentro da barragem...rsrs. "Azar militar"???? Sim, ninguém pode prevê o q irá acontecer com o clima...mas fato é q pra eles isso pouco importa. Como eu disse, quando dá o horário de encerrarem a pescaria, eles não ficam sequer um minuto a mais com as linhas na água. Oras, se a turma já foi prejudicada por conta da chuva, custava eles estenderem a pescaria durante o horário do almoço, uma vez q este horário pertence a pousada?!?! No entanto, quando acabou a nossa pescaria, os 02 guias vieram atrás de nós como abutres atrás da "caixinha". Se na Amazônia isso já é um saco, saiba q em LaZona isso é 10 vezes mais forçado. Mesmo sem pescarmos na tarde do último dia, quando foi 19h os dois já estavam nos interrompendo para pagamos a gorjeta. Inicialmente pediram 10% do valor do pacote (uma verdadeira piada), mas acabou que cada um de nós ainda pagou $100 dólares. Poderíamos ter feito estas críticas lá mesmo?!?! Sim, mas dono da Pousada não esteve conosco nenhuma vez. Na verdade chegamos a cruzar com ele na margem do rio mas ele sequer deu bom dia pra turma. Os pacotes dobraram de valor de 2012 pra cá, e o dólar tb dobrou de valor. Ou seja, hoje pagamos 4x mais q pagamos em 2012. Se o pessoal de LaZona Lodge não entender isso, vai vender pacotes apenas para gringos....e, como estão com tudo lotado até 2017, pouco vai importar...rsrs Como disse no começo do tópico, minha intenção aqui foi repassar essas informações pra vcs em respeito aos pescadores que lá estavam. E outra, agora, de 12h às 15h, a Dourado Bus (empresa brasileira de turismo de pesca) está operando dentro da barragem (com os mesmos guias de LaZona). Todo mundo desconversa, mas os 2 ou 3 pescadores pagam menos de $300 dólares para pescarem dentro da barragem por 3h. Ou seja, no dia em q vc quiser conhecer LaZona, orce primeiro com a Dourado Bus. Vc irá pagar uns $400 dólares para pescar 4 dias lá dentro, por um período de 3h por dia...Vale muito mais a pena. Aproveito para agradecer aos funcionários que trabalham dentro da casa. Frank e sua esposa, e Marcelo, nosso cozinheiro. Vcs mandaram muito bem. ::tudo:: Agora, voltar pra LaZona Lodge, quem sabe um dia?!?!.
  5. La Zona – para “El Rey” Por Rodrigo Delage De manhã, bem cedinho, o café era preparado e tomado às pressas para não perder a “hora boa”, barra do dia chegando... no céu, um alaranjado que lembrava o vermelho da barbatana do rei. O Velho Chico foi o quintal da minha infância e um molinetinho “Paoli Malcon” o mais precioso brinquedo que tive. Menino, me divertia com os douradinhos lá da Barra... mas nunca topei, naqueles velhos tempos, com um peixe grande nas minhas brincadeiras... O tempo foi passando e o surubim foi sumindo, pouco a pouco, do rio São Francisco. O dourado, todavia, resistiu... embora tenha sofrido os efeitos de uma forte pressão de pesca e de uma avassaladora pesca predatória, que diminuíam cada vez mais o seu tamanho, de maneira a tornar, nos dias de hoje, um exemplar de 5Kg um valioso troféu. A presença constante dos dourados sempre direcionou nossas pescarias nesse rio sertanejo à tentativa de capturá-los... os reis... fazendo com que seus segredos e artimanhas fossem sendo por nós aos poucos desvendados... O dourado sempre correspondeu, nos brindando com a sua beleza, nobreza e valentia. Predador por excelência, matador que desafia a todos e não se esquiva do seu instinto mesmo diante de redes, espinheis, tarrafas e toda sorte de armadilhas. Ao contrário de outros predadores que dependem de condições climáticas favoráveis para darem vazão ao instinto de caçador, o dourado, quando não está comendo, está matando. Quem é habituado à pesca desse predador já pode perceber situações em que o dourado não resiste em matar a isca, abandonando-a em seguida sem dela se alimentar. O que faz apenas em honra ao seu instinto de caçador e soberano das águas em que habita. Por isso tudo, ao rei sempre fizemos nossa reverência. Garimpeiros que somos do ouro que nada em nossos rios, e também passou a habitar as veias e artérias que o levaram ao nosso coração. Tudo isso nos conduziu a marcar, então, o grande desafio. Duelar com os maiores dourados do mundo. Mesmo que para isso, tivéssemos que sair de nosso país rumo à Argentina, para reconhecer o sucesso e a seriedade de uma política de preservação que poderia também estar sendo feita em nossas águas. Sugestivo o nome, cuja simples pronúncia já mexe com a imaginação dos aficionados pela pesca desse peixe... La Zona. Perímetro de 400 metros a jusante da hidroelétrica de Salto Grande, que represa as águas do Rio Uruguai, formando ali a área de caça dos maiores dourados do mundo. Playground dos sonhos de todo pescador e território onde esses predadores literalmente trucidam tudo que possa sugerir algum tipo de presa. Isca que me rendeu meu maior peixe da viagem, presenteada pelos amigos Arthur e Victor, da Pesca Pinheiros... Tudo certo. Íamos eu e meu irmão, Piti. Já há mais de 06 meses, a viagem estava marcada para o início de agosto. Mas como tem sido uma rotina quando se trata de pescaria, fomos assombrados novamente pelo fantasma do descontrole climático. As águas que devastaram o sul do Brasil em junho e julho (não me saia da cabeça a incrível imagem de uma vaca pendurada morta em cima de um poste pela força das águas do Rio Uruguai) haviam chegado a Salto Grande. Todas as viagens marcadas para o mês de julho foram canceladas e 10 dias antes da nossa pescaria não sabíamos se iríamos ou não. A informação era de que a usina operava com 11 vertedouros abertos... Até que veio a notícia de que as comportas tinham sido fechadas e havia condições de pesca. Uma semana antes de nossa data iria um grupo e a informação que nos chegou, após o retorno dos pescadores, era a de que a pesca foi bastante difícil. Normal para quem desde pequeno está acostumado a ouvir diversas “teses” para a falta de peixe... o imaginário do povo encontra explicação para tudo, quando a pesca é de peixe de couro, eles estão com o “bucho virado”, no tucunaré, é a maldita “água nova”, ou então a “choca dos filhotes”, além de, no geral, falarem da “lua fraca”, “água fria”, “água quente demais”, ou que a “água precisava estar mais suja” quando a água está limpa ou “água está limpa demais” quando não está suja. Até ouvir que as traíras não mordiam porque estavam na “muda de dente” eu já escutei! Mas depois de tanta água, havia um receio justificado... e, segundo informações dos operadores, talvez os cardumes, que desceram com o turbilhão anormal liberado pela usina, demorassem um pouco para subir de novo e se concentrar em “La Zona”. Contudo, a data estava confirmada. Vamos pescar! Lembrei-me de excelentes pescarias que fiz também nessas condições instáveis e atípicas. Algo me dizia que dessa vez acertaríamos... Tralha exigida ao extremo... ou melhor, além do extremo... Chegamos já de madrugada em Buenos Aires e fomos direto para o Hotel, afinal, no dia seguinte uma van nos pegaria e com mais 5 horas de viagem alcançaríamos nosso destino. Com a chegada da van, ficamos conhecendo a dupla que também pescaria no mesmo período conosco na pousada, também dois irmãos, Victor e Arthur Macedo, pescadores de mão cheia e proprietários da Loja Pesca Pinheiros. Empatia imediata. Antes mesmo de sairmos da cidade, já parecíamos velhos amigos, parceiros de muitas pescarias a compartilhar velhos “causos” e histórias. Viagem tranquila pelos estradões argentinos... apenas uma parada para abastecimento, aproveitando para uma rodada de cerveja em uma tarde de clima ameno com céu azul, sem uma nuvem sequer. No início da noite chegamos à pousada. Lugar muito bonito, com um serviço impecável e pessoas agradabilíssimas e preocupadas em nos atender da melhor forma... A expectativa da chegada em um local de pesca que ainda não conhecemos não tem explicação. A agitação de todos na montagem das tralhas e muita, muita ansiedade. Quando a gente vê não sabe se bebe, come, conversa, monta “tráia”, dá nó, faz líder, pega mais uma cerveja... e o sono que não vem de jeito nenhum. Com a chegada da madrugada a temperatura despenca... despertei com a leve claridade que começava a entrar no quarto. Afastei a cortina da janela e vi a barra do dia, o mesmo amarelo ouro da barbatana do rei a clarear o belo gramado da pousada, branco, recoberto totalmente de límpidos cristais de sereno. Amanhecer na linda sede da pousada... Na primeira manhã, iríamos pescar dentro da reserva, a ansiedade palpitava. Ao chegarmos ao porto, tudo estava envolto em grossa neblina, que dificultava identificarmos o que eram margens, águas e árvores... entramos no barco e começamos a navegar por um braço de rio que dá acesso ao caudal, sem entender bem por onde íamos. A neblina estava tão espessa que chegamos a pegar uma ponta de praia... e, ao olhar para o motor, quando este foi acelerado para desencalhar a lancha, pude ver ainda uma bela piapara, que descansava naquela rasura, saltar em fuga desesperada da hélice da embarcação. As paredes, pilares e pedras da usina apenas se delineavam em meio à neblina. O sol era uma roda esbranquiçada cuja luz e calor não eram suficientes para transpassar a espessa névoa... A impressão que tive era que estava dentro de um sonho, em uma espécie de área de transição entre o mundo real e uma terra desconhecida... que se descortinaria mais tarde na ponta de nossas linhas. Depois de um amanhecer completamente coberto, a neblina descortinou um céu azul O barco foi posicionado e começamos a arremessar as grandes iscas de fundo, em trabalho lento e contínuo, a espera do ataque do predador. A medida que o sol rompia a névoa, um lindo céu azul se descortinava. Começamos a ver inúmeros dourados que subiam à superfície expondo seus lombos alaranjados em dança recoberta de sutileza, que nos lembrou o movimento de subida dos golfinhos à tona para tomar respiração... Apesar da cena onírica que presenciávamos, nada de ataques em nossas iscas... o que nos causou apreensão, bem como ao guia Alejandro, que tentava insistentemente encontrar alguma isca, cor ou trabalho diferente para que pudéssemos despertar o ataque dos peixes. Em uma x-rap 30 pés, na cor “parrot”, tive meu primeiro ataque, sem, todavia, conseguir ferrar o peixe. Como é pesada a pegada desses monstros... a analogia que criei para representar esses ataques é a de alguém que arremessa uma isca artificial em um gramado e a vem recolhendo, sentindo as pontadas de quando a isca ameaça se prender na grama, que se equivalem às esbarradas que as grandes iscas de barbela dão nas pedras do fundo do leito, até que, de repente, um elefante surge do nada e coloca a pata sobre a isca. É mais ou menos essa a sensação... o que me levou a ter bastante dificuldade, como aficionado pela pesca do tucunaré açu, para “calibrar” a ferrada dos dourados na modalidade baitcasting com grandes iscas de fundo. Imaginem o que é trabalhar uma isca de 18 centímetros, 60 gramas de peso, nadando a 10 metros de profundidade até ser, literalmente, sequestrada nas profundezas por monstros de 30, 40, 50 e até 60 libras! O nosso primeiro peixe sairia apenas no final da manhã. Em um arremesso bem próximo à parede de um dos vertedouros, meu irmão ferra um dourado que salta desesperado logo em seguida. Por estarmos dentro de um turbilhão de águas, a lancha foi acelerada para fora da confusão para que pudéssemos trabalhar melhor o peixe. Pouco depois, tirávamos as fotos com um belo peixe de 20 libras, grande para nós, mas que o guia insistia em dizer que era pequeno... com o passar dos dias fomos perceber que dourado grande ou pequeno realmente é uma questão de referência. Meu irmão Piti, com o primeiro peixe... bonito para nós, pequeno para o guia Alejandro... E assim terminou nossa primeira manhã de pesca... Alejandro se mostrava preocupado com a escassez de peixes... algumas ações perdidas e apenas um peixe embarcado. Resquício ainda da cheia extraordinária, o rio estava cinco metros e meio acima do nível previsto para a época e as águas ainda estavam bastante turvas, isso para não falar da temperatura muito baixa. Nossos amigos Arthur e Victor durante o período da tarde também enfrentaram as mesmas dificuldades, tendo uma produtividade bem abaixo da que era prevista e esperada para aquele lugar fantástico. Se a pesca dentro da área de reserva estava ruim, fora dela não se pegava nada... a pescaria fora da reserva era regada de muita cerveja, acompanhada da boa prosa com o guia Natcho, gente fina! No dia seguinte, mesmo roteiro... Victor e Arthur pegaram alguns peixes pela manhã, mas tudo bem aquém do que é o “normal” para lá. De tarde, saímos para pescar com um tempo nublado, muito frio e uma chuva fina que às vezes caia intermitente... Piti pegou um dourado em torno de seus 4 quilos e eu peguei um peixe de uns 3 quilos. Tudo corria muito abaixo das expectativas. Para piorar, em um acidente com uma vara quebrada, a linha multi chicoteia tensionada sobre minha mão levando embora metade de minha unha do dedo anelar direito. Parar de pescar, nunca! Ainda mais naquele lugar... um pequeno curativo improvisado resolve. Já no final da tarde em um arremesso curto, próximo à parede lateral de um dos vertedouros, sinto uma esbarrada na isca, continuo recolhendo e o peixe segura forte, já bem perto do barco. Começo a labuta das ferradas, metade da vara emborcada para dentro da água, o peixe tomando linha e eu chasqueando, uma, duas, três, quatro vezes e nada de conseguir fazer o bicho descolar do fundo. Até que ele resolve subir e pula com o corpo todo para fora d´água a menos de dois ou três metros do barco. Vendo o tamanho daquele monstro, não consegui conter a emoção e gritei. A briga foi toda perto do barco e quando nos preparávamos para tentar embarcá-lo, o peixe ainda tira força para um último salto, pertinho da gente, quando pude ver nitidamente a isca ser sacada de sua boca... inacreditável... durante essa noite não dormi direito e a imagem do último salto que esse gigante deu perto do barco me vinha à mente toda vez que eu fechava os olhos. Alejandro chegou a dizer que poderia ser o peixe do ano da pousada, impressionado também com o porte daquele bicho. O jeito era esperar a noite passar... Na manhã seguinte, ao chegarmos à beira do porto, custamos a entender o que tinha acontecido. Todos, inclusive os guias e o pessoal da pousada, ficaram impressionados com a cena. Como por milagre, o rio baixara mais de 6 metros durante a noite! As margens daquele braço de rio onde se localizava o porto estavam todas descobertas, expondo uma lama escura que dificultava inclusive chegarmos ao barco e alcançarmos o leito do principal. A água anteriormente estava acima da tela de metal da passarela... Já na entrada da reserva a visão era impressionante. Completamente diferente do que vimos nos dias anteriores. Apenas para registrar, até então, não havíamos visto nenhuma cabeça de pedra a mostra no leito do rio e agora, para todo lugar que olhávamos, víamos pedras afloradas, grandes, pequenas, juntas ou espalhadas, enfim conhecíamos Salto Grande. Além disso, a água estava mais calma, por conta do menor volume, e mais “fina”. Enquanto registrávamos nossa entrada junto à fiscalização, já pudemos ver os dourados em frenesi alimentar, rabos e barbatanas alaranjadas rebojando por todos os lados, jogando peixes para o alto, bem como enormes cardumes de curimbatás... a água chegava a ficar escura... era muito peixe. Alejandro disse, hoje vocês vão conhecer o que é isso aqui! De início, já trocamos as grandes iscas barbeludas por iscas de meia água, como a super shad rap, e também zaras, hélices e popers. A altura do rio estava semelhante ao período seco, o que nos permitiu utilizar e capturar peixes em todas as variedades de iscas mencionadas acima. Era difícil um arremesso sem ação. Dublês eram uma constante... Tá melhorando... Gigante... Minha vez de abraçar meu monstro... Olhem a largura do corpo desses bichos... Peixes nesse porte eram comuns... Dublês ocorriam a todo o momento, e o melhor, não raro com peixes acima das 40 libras! Impressionante... nem sei quantos dourados pegamos e perdemos. No final da manhã, os braços estavam cansados de tanto tirar peixe, convidamos também o Arthur para encerrar o período conosco para aproveitarmos ao máximo aquelas condições extremamente favoráveis. O tempo foi abrindo até que terminamos a manhã pescando sob um céu absolutamente azul. Fim da manhã com céu azul e monstros na linha... No período da tarde, o Victor e o Arthur voltaram à reserva e os peixes continuavam enlouquecidos, sendo coroado o dia com a captura pelo Victor de um verdadeiro monstro de 58 libras!!! Sensacional!! Victor, com Sua Majestade El Rey... No dia seguinte, apesar do rio mais alto, os peixes continuaram a se alimentar furiosamente. De novo a rotina de muitas ações, dublês, peixes que sequer conseguíamos descolar do fundo e vários monstros embarcados. A imponência, de mais um gigante e da barragem de Salto Grande... No fim da manhã foi a minha vez de ser convidado pelos amigos Arthur e Victor para compartilhar a lancha com eles. Espetacular! Fica aqui o meu agradecimento aos amigos. Em meio a um dos frequentes frenesis alimentares, arremessei uma magnum que foi violentamente atacada. O peixe, de imediato começou a saltar seguidamente, expondo seu enorme tamanho e levando o coração a querer saltar pela boca... tivemos que ir com a lancha em direção ao peixe para que pudéssemos ter condições de trabalhá-lo. Era um exemplar com cumprimento extraordinário para padrões locais... um peixe esguio, estreito e enorme, e acho que por isso, extremamente forte. Para conseguir embarcá-lo usamos uma espécie de maca que eles costumam utilizar por lá... peixe lindo, que ficará eternamente em minha memória! Quem vai encarar essa boca? Meu maior peixe... comprido e esguio para os padrões de lá... brigou demaaais! A tarde, com meu irmão, persistiam as capturas... eram tantas e tão grandes os peixes que, para se ter uma ideia, não mais tirávamos fotos com dourados abaixo de 35 libras... credo! Compreendemos que, realmente, o conceito do que seria um dourado grande depende sobremaneira da referência ou, como disse o Alexandre da Pesca&Prosa BH, que viabilizou nossa ida para lá, existem os dourados e os dourados de La Zona. Sentíamos realizados... enfim se dera o encontro com os gigantes... à medida que a tarde avançava, o céu foi ficando nublado e a temperatura foi caindo... juntamente com as ações dos peixes... no fim da tarde, a paisagem novamente se aproximava do que vimos no primeiro dia, junto com uma chuva fina a neblina começou a envolver aquele cenário, como se novamente chegássemos, agora para fazer o caminho de volta, àquele portal que nos levaria de novo ao mundo real... deixando pra trás a terra encantada dos monstros dourados... Até a próxima, Majestade... Tralha utilizada: Tentei adaptar a tralha que uso na Amazônia, para a pesca dos açus e quase pus a minha pescaria a perder... A tralha amazônica pode até funcionar na pesca dos exemplares menores de dourados, com iscas de superfície em época distinta da que eu fui, mas é inadequada para a pesca de bait com iscas enormes de barbelas longas para trabalhar em grandes profundidades... O conjunto que me salvou, apesar de subdimensionado para lá, foi uma vara com blank Pacific Bay de 30 lbs e 5.7' e uma carretilha Daiwa Millionaire CVX 200, abastecida com linha samurai 70 libras. Tive alguns blanks quebrados como se fossem palitos de fósforos. Para quem for, aconselho que utilizem varas longas (entre 6.5' e 7') e blanks parrudos (em torno de 30 lbs) que sejam resistentes independentemente do peso (não precisam ser leves como se busca na pesca amazônica, tem que ser mais grossos, resistentes para a ferrada). Carretilhas de alta velocidade de recolhimento também foram um problema... causando frequentemente o "encavalamento" da linha... Grande abraço a todos!
×
×
  • Criar Novo...