Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Tino

Expedição xingu 2012

Posts Recomendados

Pessoal, por motivos de correria atrás de dinheiro andei meio afastado, mas nunca perdi de vista a turma boa aqui do biguá, celeiro GIGANTESCO de conhecimento e boas amizades. Tenho sempre noticias do Fabrício Biguá, via Carlinhos pé de Loro, amigão aqui de Brasília, que comprou um barquinho invocado equipado com um motor maior do mundo que custa mais do que um carrão de luxo... e de pescador virou apostador de corrida na serra da mesa,..kkk (vivo pegando no pé dele).

Sou apaixonado por pescaria, mas gosto do negocio meio brutão, estilo expedição sem muito conforto. E entre as muitas que fiz em 2012 uma em especial no rio Xingu ficou marcada para sempre. Passei por lá 21 dias e rodei mais de 350 KM de rios.

O planejamento foi cauteloso e bem feito, mas sem entrar em detalhes vou resumir:

Peguei um avião em Brasília e fui até Belém, de lá peguei um menor (trip) até Altamira, aluguei um barco no porto de Altamira (voadeira de 12 M com motor de 90) contratei um velho amigo índio, piloteiro experiente e subi com meu pai e um amigo até a barra do rio Iriri, (8 horas rio acima) onde montamos acampamento em uma ilha e de lá fazíamos incursões no Xingu acima, abaixo e no Iriri...

Ficamos uma semana pegando e soltando muito peixe, dormindo em redes (calor) tomando banho de rio e curtindo a natureza. Depois voltamos para Altamira, meu pai retornou eu encontrei mais três amigo que chegavam de MG, compramos mais 700 litros de gasolina, rancho, bebidas, alugamos uma segunda canoa (de um cacique amigo) e descemos até a volta grande, bem por baixo da construção de Belo Monte. Ali entramos em um grande afluente chamado Bacajá e depois de um dia navegando fomos bater dentro da reserva indígena Chikrin onde sou amigo do cacique Tucun. Pagando um pequeno pedágio e abastecendo a aldeia com alguns suprimentos renovamos a nossa amizade e por lá passamos mais 14 dias. Peguei MUITO, mas MUITO peixe.

Fotografei pouco, pois tive problemas com a conservação das baterias da minha Nikon, levei 4, mas por causa da alta temperatura e da grande umidade da selva elas não duravam vinte minutos.... Como não existia luz elétrica, não tive como recarregá-las... Perdi fotos incríveis como a de um cachara enorme, varias piraras pequenas, o bando de ariranhas e uma vara de porcos queixadas que atravessavam o rio bacajá na volta. Fica a dica, quem tiver máquina que use baterias e não pilhas leve uma embalagem hermeticamente lacrada...o problema não eram as baterias pois as tenho ate hoje e aqui em Formosa-GO elas duram de 6 a 8 horas com a câmera ligada direto.

Mas apesar das poucas fotos aproveitei muito a pescaria.

No final gastei 3.997 reais (incluso passagens aéreas compras com grande antecedência) em 21 dias de aventuras e muita adrenalina, gastei bem menos que uma pescaria de 7 dias em um barco hotel no rio negro. As pescarias tipo expedições são super cansativas, dão trabalho e tem que ter físico e disposição para a jornada. Mas elas são incrivelmente prazerosas, fazemos nosso tempo, nossa programação, nossas escolhas. E a aventura em si no coração da selva amazônica é tão boa quanto à pescaria, sem falar nas coisas que acontecem que a gente não pode nem mencionar que fica parecendo mentira de pescador, como uma onça que pegou uma capivara no meio da madrugada dentro da pequena ilha que estávamos acampados. Eu acordei na rede com a gritaria da pobre capivara e quebradeira de bicho esperneando e rolando barranco abaixo, e isso quase dentro da nossa cozinha. Ai o nosso piloteiro caiu na besteira de ir lá iluminar a cara do bicho, ô urrado monstro !!!

No outro dia peguei um veado mateiro pelo chifre no meio do rio quando nadava fugindo de uns 15 cachorros que os índios tinham soltado no mato durante uma caçada. E na ultima noite um jacaré gigante comeu três enormes trairões que o nosso piloteiro tinha deixado “quarando” abertos e salgados em uma pedreira grande na beira do rio, e planejava levar para a esposa e filhos em Altamira. Teve também uma guerra minha com um bando de ariranhas escandalosas que cercaram o barco no meio de um pedral, e a estória dos indiozinhos nas minúsculas canoas de madeira descendo uma corredeira inacreditável... e das onças esturrando a menos de 30 metros do igarapé onde estávamos a pé no meio da selva pescando trairões..iixi...e aventura de mais.

Seguem ai algumas foto da expedição Xingu de agosto de 2011. (legendas a baixo das fotos)

Imagem Postada

inicio da jornada

Imagem Postada

A barra do Iriri

Imagem Postada

vista da ilha onde ficamos

Imagem Postada

Amanhecendo

Imagem Postada

acampamento da ilha

Imagem Postada

Imagem Postada

primeiros tucuninhas

Imagem Postada

cachoeira das cachorras Iriri..escapei 3 graudas ai, não dei conta de tirar nehuma...iscas com garateias pequenas ou falta de sorte, lá elas amam iscas cor metálica, perdi duas iscas, não tinha empate, não tinha colher... pescador despreparado.

Imagem Postada

o lindo rio Iriri

Imagem Postada

Eu e o meu pai...pena não ter ficado até o final pai.

https://lh4.googleusercontent.com/-eRY4MHBgYoA/UDOuaJzoz2I/AAAAAAAABOw/o1briUv6s9A/s640/DSCN0682.JPG

Quem colocou isso ai?

https://lh4.googleusercontent.com/-30h0whUbpuM/UDOppTO_uFI/AAAAAAAABMc/mThnlPC7rw4/s720/DSCN0601.JPG

fim de um baita dia de pescaria

https://lh5.googleusercontent.com/-iwFLu3il84E/UDOp7Dcp_gI/AAAAAAAABM0/kKd03-Eb_fY/s640/DSCN0614.JPG

40 minutos de briga, e muita linha recolhida depois...peguei exatamente onde o iriri cai no Xingu, isca: metade de um abicuda

https://lh3.googleusercontent.com/-govz1dHT6-I/UDOt5DvPlbI/AAAAAAAABOg/H38UafpQ6PE/s576/DSCN0687.JPG

saiu uma, depois de muita briga.

https://lh4.googleusercontent.com/-CUvNuYmDJ14/UDO7w7MJZzI/AAAAAAAABVI/KxzMpcJoW9E/s512/IMG_2201.JPG

bateu bonito na isca

https://lh6.googleusercontent.com/-YmYy7nXBPMo/UDOut4Qv4wI/AAAAAAAABPA/RfkpIVlYGDI/s640/DSCN0699.JPG

pequeno mas agressivo na hélice

https://lh4.googleusercontent.com/-nY0pl-0ULNY/UDOvIbufO-I/AAAAAAAABPU/6DEY36qSEQE/s640/DSCN0714.JPG

acampamento ultima noite lá encima

https://lh3.googleusercontent.com/-Ue76aura0TQ/UDOohCdnZuI/AAAAAAAABLk/xD8wZbj6JQY/s720/DSCN0555.JPG

ribeirinho pescando com piaba

https://lh4.googleusercontent.com/-YztKSDehCwU/UDO7pc3_7vI/AAAAAAAABU4/-zK2PpJiWko/s640/IMG_2196.JPG

bicuda

https://lh5.googleusercontent.com/-VUE-kK7XZVs/UDOv9fJkehI/AAAAAAAABPw/3SbkBYOQt24/s640/DSCN0758.JPG

ribeirinhos

https://lh5.googleusercontent.com/-CnrA3w-e99A/UDOwRyWKkhI/AAAAAAAABP4/f-PlQBsDsLY/s640/DSCN0765.JPG

entrada do Bacajá

https://lh3.googleusercontent.com/-qz7zP3aoF6w/UDOw9hnVIFI/AAAAAAAABQM/sJw8YV5g754/s640/DSCN0784.JPG

tinha lugar que n dava p pescar de meia água..só entrava isso

https://lh6.googleusercontent.com/-jYuLBJ5oWeA/UDOxfkc0ElI/AAAAAAAABQk/lDqt0XJgGF4/s512/DSCN0799.JPG

janta..

https://lh5.googleusercontent.com/-TkJ1sFQjozo/UDOx7LtxrsI/AAAAAAAABQw/GhJpPC9ZuDU/s640/DSCN0806.JPG

dormindo na casa de ribeirinhos..ô povo bom, e nem conheciam a gente!

https://lh4.googleusercontent.com/-mrVS0HhrVaQ/UDOyM-epGkI/AAAAAAAABQ4/tOR5ZTil__k/s640/DSCN0816.JPG

inicio do dia...xingu

https://lh5.googleusercontent.com/-X7Y5ubmpBMY/UDOy9OQRKFI/AAAAAAAABRU/BHBF7KbTYQw/s640/DSCN0845.JPG

dentro da reserva indígena do bacajá

https://lh6.googleusercontent.com/-uTuub-8FYcM/UDO2qOzOLcI/AAAAAAAABSc/OrBA8gJXJXI/s640/DSCN0861.JPG

segundo acampamento, a ilha da onça...eita apuro..kkkk

https://lh4.googleusercontent.com/-zBCAF72p6Yk/UDO3c12tAjI/AAAAAAAABS4/oB44n1_ZHRc/s640/DSCN0871.JPG

pescandocom segurança..

https://lh5.googleusercontent.com/-K6eDrtnl_v4/UUIU9fQh_uI/AAAAAAAABco/TkJ8B_QiWy0/s576/uyiyui.jpg

muqueca com pirão para o acampamento...tava brabo sem carne.

https://lh4.googleusercontent.com/-dBOyx5Ydcbo/UDO3Uow2s2I/AAAAAAAABSw/NzGe72lp_Eo/s640/DSCN0873.JPG

brigador

https://lh6.googleusercontent.com/-K6Z3VRS_Sho/UDO30LV-dBI/AAAAAAAABTA/QkunNIA-WDY/s576/DSCN0884.JPG

trairão bruto..em um fim de tarde só em um iagarapé, pegamos 19..pena eu n ter mais bateria

https://lh4.googleusercontent.com/-ckXE2w1xMt4/UDO6ajUWc0I/AAAAAAAABUM/llu0ZRfIVuE/s640/FSCN0600.JPG

https://lh6.googleusercontent.com/-wZJuo8D7y6k/UDO-71HX0WI/AAAAAAAABWk/ME4cZkdCjq0/s512/IMG_2237.JPG

com os índios.

https://lh4.googleusercontent.com/-q4jXzJpYT5c/UUIXo7wa1cI/AAAAAAAABc8/DynsyVxHpPI/s640/fsf.jpg

viajando..em todos os sentidos!!

https://lh5.googleusercontent.com/-8exhqrzJ_1Q/UUJLGd-RuvI/AAAAAAAABdM/tOu3cMPUHjM/s720/DSCN1601.JPG

uma das poucas sobreviventes, a isca da cachorra no Xingu, pega MUITO mais que qualquer outra.

https://lh6.googleusercontent.com/-1g-ptB9TgvY/UUJLcAlP0RI/AAAAAAAABdU/MhX12QxoY7g/s720/DSCN1606.JPG

dr Spock...arrebentou nos tucunas, com trabalho lento zarando bem era fatal...trairão COMEU duas dessas e foi embora.

https://lh3.googleusercontent.com/-mJkLwTOHwiM/UUJMKGt0wUI/AAAAAAAABdk/dDm5vH8MMzw/s720/DSCN1609.JPG

outra mariner, boa e barata que arrebentou,...né pai?

https://lh4.googleusercontent.com/-fwzddsnuUPk/UUJNQ-cuw5I/AAAAAAAABd0/AN5Od5rfMG8/s640/FSCN0890.jpg

o peixe mais morto de fome do mundo...

https://lh3.googleusercontent.com/-Hf2DP4Hlcmg/UUJOBJVMGLI/AAAAAAAABeQ/tkM9ylt0870/s512/IMG_2199.jpg

https://lh4.googleusercontent.com/-eI0FokmuNW0/UUJOUb603iI/AAAAAAAABeY/oU2ZVwqHrjY/s512/IMG_0800.jpg

barbado entrava toda hora, mas sempre pequeno..era o peixe do fim da tarde no bacajá.

https://lh4.googleusercontent.com/-JWb57J24JA0/UUJN4XhcV7I/AAAAAAAABd8/5ObKtaAsAOw/s640/IMG_0764.jpg

trabalheira e MUITA tralha..são assim as expedições...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cacique Tucun.....a. Bela expedição companheiro, compartilho com você o gosto por esse tipo de pescaria. Show.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tino,

Cara simplesmente fantastico, compartilho da mesma opinião prefiro uma expedição como essa onde se tem um pouco de trabalho menos mordomia e muito peixe do que um pescaria cheia de luxo!!!!!

Não me leve a mal mais fiquei com inveja agora!!!!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Valeu galera,... e podem achar que estou cantando de galo, mas falo com toda sinceridade do mundo, fotografado ai não tem 40% dos peixes que eu peguei, sem falar nos peixes, (principalmente de couro) que o resto da cumpanherada pegou e que sumiu cada um com sua maquina fotográfica para MG... O Xingu e um rio mágico, limpo águas cristalinas e peixes esportivos. Conheço a região inteira pois é meu quarto ano por lá, sempre com expedições desse molde. E vou deixar uma dica valiosa aqui, fiquem de olho no lago de Belo monte...do primeiro ao terceiro ano (depois de pronto) vai ser o maior pesqueiro de tucunaré do BRASIL!!

Anotem isso ai!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PQP Tino Arrebentou hein companheiro....

Meu parabens pela bela expediçao, imagino o qto nao curtiu nessa viagem...

Abraçao,

Edsinho.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Expedição show de bola Tino palmas:: palmas:: palmas::

Meus parabéns pela aventura e pelas fotos ::tudo:: essa região que tu foi tem muito peixe ::fish2 e ainda fazer a pescaria no sistema bruto danca:: danca::

Abraço!! joia:::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

GdeTino imagino que emoção, pescar nessa MECA dos peixes Rio Xingú a gente pesca varias especies é uma grande diversidade, esse Xinguzão foi palco da realização de um grande sonho rsrsrrss emociona quando lembro ai vejo essas fotos o coração aperta rsrsrsrsrsrs PARABÉNS belas imagens, simplesmente SHOWWWWWWW DE PESCARIA..

Gde Abraço..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sobre a tralha usada, apesar de ter varas Rapala (platinium e gold) Enzo, okuma e carretilhas Shimano curado, Daiwa tip R..eu não levei nada muito sofisticado... Sou um quebra vara de primeira e sabendo da trabalheira e da dinâmica dessas expedições que exigem grande movimentação itinerante de tralhas no barco, optei por tralha mais barata. Particularmente adoro os equipamentos da Mariner Sport, e a meu ver eles quando bem escolhidos, dão bem conta do recado...sem falar que são o melhor custo beneficio que se pode ter no brasil.

Levei 3 varas leves (gosto de sentir a força do peixe) mas voltei sem nenhuma, kkkkkk...deveria ter levado a minha Rapala gold de 20 lbs, e mais uma de 25 libras, trairão é um peixe de uma explosão enorme, me surpreendeu.

Segue relação e alguns detalhes que merecem ser mencionados:

Vara mariner sport Contender 5.5 pés 17 lbs + a então NOVA GTS de 8.3, também da mariner, com linha Power Pro de 40 lbs, não uso líder acho um saco aquele nó...e nunca vi real necessidade daquilo, perdoem-me os mais técnicos mas não perdi um só peixe por atrito de linha em pedra, e olha que o Xingu é só pedra. Perdi por dente de bicuda, cachorra e trairão, por não usar um empate fino de aço, não tinha...mas agora tenho. Esse foi o conjunto que mais usei, aliás, essa vara foi à única que aguentou inteira até o final, mas um dia, já na volta e finzinho de pescaria no meio de uma tarde, eu com um tucunaré grande fisgado, fui sair do meio para a ponta do barco onde a linha raspava e o piloteiro para desviar de uma pedra no meio do rio deu uma violenta guinada de lado, eu com pé na borda para me desviar de um enorme galão de combustível escorreguei. Barco comprido de mais é um problema, cai de lado, fui para a água e tive que largar a vara para nadar, era um remanso forte.... sai bem e sem dificuldades em uma pedra do outro lado enquanto a canoa manobrava para me buscar, mas acabei perdendo vara, carretilha com peixe engatado, isca, linha Tudo.

Mariner Sport Green Bass 5.6 pés 17 lbs + Quantun Smoke + Power pro verde 40 lb, essa trairão torou ela no meio lá no rio Bacajá e me largou só com o cabo na mão... mas tirei ele, e olha que nem era dos grandões.

Marniner Sport Viuva Negra 5.6 de 16 lbs + carreta viúva negra + Power pro verde 40 lbs Primeiro quebrei a ponteira da vara ao dar uma guaxada na cara de uma ariranha que quase leva minha mão, meu peixe e meu boga grip, depois uma cachorra enorme acabou de levar o resto...perdi peixes bons porque a libragem da vara era baixa, e ficou a lição que a tralha não deve ser leve de mais a fim de dar mais emoção, a tralha deve ser sim EQUILIBRADA!!!

Acho que a Mariner Sport devia me dar uns brindes por tanta propaganda...kkk

Iscas: pesquei MUITO de superfície, a Hedoon super spock com garateias reforçadas foi de longe a isca que mais deu resultado nos tucunarés, levei três voltei só com uma inutilizada, trincada por dente e entrando água. Fora as duas KV spock que bicuda cortou a linha e levou. O tucunaré do Xingu ataca bem de mais as zaras trabalhada de vagar. Usei João pepino, zig zara, Magic stik Nakamura, sem resultado igual, peguei bons peixes com a Z90 e com a firestik da Intergrin. Da Deconto a bicuda pega bem de mais...mas nem de perto barra a baby torpedo da Hedoon com aquela hélicezinha nervosa, pena as garateias serem pequenas e escapar muito...o ataque na hélice é diferenciado, mais forte, com mais raiva...bonito de ver, sai de lá 100% certo disso.

Meia água as Xrap da rapala não agüentaram a pauleira, mesmo com garateias mais fortes os dentes duros dos peixes maiores estragavam de mais e quebravam a lapela frontal... de modo que nada pegou mais que as Big game cor de metal, rústicas, barata e forte. Com sol a pino elas eram matadeiras, recolhimento rápido intercalado com toques enérgicos,...era uma bocada encima da outra, bicudas então, nos remansos eram de mais.

Eu tive um lance MUITO interessante em um fim de tarde, pescando de cima de uma pedra estava escapando de mais com as Rapalas de garateias reforçadas mais ainda pequenas para as bocas duras das bicudas e cachorras. Ai mudei a isca, coloquei uma “Bomber Long A” que tinha ido bem de mais nos tucunarés um dia antes, verdinha, meia água com 3 garateias reforçadas, por isso raramente escapava peixe... Com varinha de 17 lbs. Mandei, vim trabalhando e um peixe mordeu longe. Tinha foca descomunal, e levava linha de sair fumaça no carretel. A vara estralava, de cara vi que não ia conseguir tirar, mas a varinha Green bass suportou bem, não quebrou nem arrancou passador. A briga continuava, o peixe era muito forte, imaginei ser um cachara, sei láaa... em nenhum momento dei conta de frear o carretel com o polegar, esquentava na hora. E linha tava indo...apertei o freio, e a toada não diminuiu...já no final da linha tudo amoleceu, imaginei que alinha tinha quebrado, mas ao recolher senti o peso da isca. O equipamento todo foi ao limite, mas a isca apesar de “mastigada” parecia legal e com as 3 garateias. Fiquei curioso de mais para saber que peixe tinha sido. Arremessei e continuei pescando, daí uns 10 segundo saltou láaaaa no meio do rio, uns cem metros abaixo, a maior cachorra que eu já vi na vida, os cumpanheros gritaram...não era peixe de menos de 1 metro, e não estou falando besteira. Em seguida saltou de novo mais uns 150 metros abaixo, como ia alto, que espetáculo. Fiquei sem entender, quando peguei a isca e fui olhar direito, duas pontas (uma da ultima e uma da primeira garateia) tinham quebrado e as pontas estavam encravadas na boca do peixe, por isso ela ainda saltava lá longe. Nunca mais vou esquecer isso.

Tá ai a foto da isca que tenho guardada de recordação do interessante episodio.

Imagem Postada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tralha pesada:

Carretilha Pen 321 com muitaaaa linha de mono Max force 0.92 mm + uma vara pesca Brasil de 6 pés e 50 lbs, tirei pirara de 39 quilos com isso, um cachara de uns 25, varias piraras pequenas e perdi uns monstros que nem cheguei a ver o que era. Por falar em monstros, teve um episodio legal...e já que estamos aqui pra contar os causo.. vamos lá:

Chegamos um dia à noite ao acampamento da ilha, havíamos batido tucunaré a tarde inteira no sol do Pará, a gente fica torrado no final do dia. Escurecendo tentamos peixe de couro, só entraram duas pequenas piraras e resolvemos voltar para o acampamento, afinal era inicio de pescaria ainda. Chegamos preparamos janta, tomamos banho na água quente do Xingu e cada um se recolheu a sua barraca, eu não gosto de barraca, principalmente no calor do Pará, durmo bem de mais em rede, as milhares de noites que passei em espera de bicho encima de fruteiras nesses sertões do Brasil me fizeram não só me acostumar com rede, mas também gostar de dormir em nelas. Armei a minha na ponta alta da ilha, junto do nosso piloteiro, voltei ao barco para buscar minha lanterna e vi minha vara pesada com uma isca linda, um pedação de bicuda. Subi com a vara, e arremessei a isca em um canal não muito fundo que tinha entre essa ilha e uma praia, passei a carretilha numa forquilha e deixei destravada. Deitei na rede, bati um papo rápido com o piloteiro e logo, cansados de mais dormimos... Não sei quanto tempo dormi, sei que acordei com um barulho:

- TEC, TEC !!

Tenho sono leve, acostumado com o pisar sutil da paca nas folhas secas. Sentei na rede e fiquei alerta, imaginando se foi sonho, ou não. Ai fez de novo:

- TEC..!

Era a carretilha, um peixe tinha a isca na boca e provava de vagar... Levantei com cuidado sem acender lanterna, sentei na areia do lado da vara e fiquei observando... Ai fez de novo:

- tec, tec, tec....e foi levando...... TECTECTECTECTECTECECCCC.... !!!!

Peguei a vara, levei o dedo na trava firmei bem, destravei e mandei o braço com a força que tinha. Vacilei ao não tirar a vara da forquilha antes de ferrar e por isso paguei caro. Quando esse anzol furou a boca desse peixe lá no fundo, ele deu um arranque tão grande que levou meu braço direito com vara e tudo raspando forte a parte interna do antebraço na forquilha da pequena arvore. Perdi quase uns 10 cm de pele, na hora não doeu, mas depois ardeu de mais e virou um raspão grande com hematoma.

Com muito custo passei a vara pra frente saindo da forquinha, a briga segui feia, hora ele tomando linha hora eu recuperando...o povo todo levantou e veio ver a batalha as 3 horas da manhã. Depois de uns 20 minutos dei conta de trazer ele na beira do barranco. Veio na flor d’água e iluminamos. Era um alindo surubin de uns 30 quilos, barrigona branca indo e vindo. Mas tinhas um problema, o barranco tinha uns 5 metros, não dava para tirar. Tinha que pegar o barco e dar a volta. Só que não deu tempo, o anzol estava no courinho da curva do beiço, quase fora... e bastou uma cabeçada dele para se livrar. Saiu do anzol, mas achava que ainda estava preso, e vacilou ali por alguns segundo virando de barriga para cima na flor d’água só para gente lamentar e babar. Depois saiu nadando lentamente e iluminado de cima por umas 3 lanternas e sumiu nas profundezas do Xinguzão... eita trem bão, pegar no sono depois é que foi difícil. Kkkkk

No meio da pescaria a carretilha deu pane, soltou algo lá dentro, não tinha ferramentas para parafusos pequenos nem tempo, passei para tralha reserva.

Tralha reserva; Molinete Daiwa BG 60, + vara gold de 65 lbs + Max force 0.92mm, peguei cacharas menores e muito barbado...escapei vários peixes maiores, que arrebentaram a linha no rio Bacajá. Molinete para pesca pesada é bem inferior a carretilha, por caber menos linha e não ter um freio tão bom.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que show de pescaria hein Tino ? Já tem um bom tempo que não faço uma pescaria assim, mais sei como e gostosa essa aventura .Parabéns pelas capturas e pelas fotos... ::tudo:: ::tudo:: ::tudo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EEEEiiitaaa pescaria TOP!

Parabéns pelo relato

Cada situação hein mlk!?

Com esse tanto de bixo tem que armar barraca 4 metros do chão

Abraço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se registrar depois. Se você tem uma conta, CLIQUE AQUI para postar com a sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Processando...
Entre para seguir isso  

×
×
  • Criar Novo...