Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Carlos Dini

Tucunas Brasil Fishing Team
  • Total de itens

    2.331
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    15

Histórico de Reputação

  1. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Eduardo Sone em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  2. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Ricardo Nagatomo em PESCARIA FANTÁSTICA – THAIMAÇU / AGOSTO DE 2019   
    saudades desse lugar, Parabéns pela pescaria
     
  3. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  4. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Rodrigo de Souza Gonçalves em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  5. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Guilherme Liotti em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  6. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Fabrício Biguá em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  7. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Eder Nascimento em Carlos Dini- Pescaria De Açus Rio Mutuca out 19/Abrir c Internet Explorer. Com fotos   
    Amigos, agora no mês de outubro voltei ao afamado Rio Mutuca, que fica no município de Autazes. 
    Apos quase morrer em um afogamento há 5 dias, nada melhor que voltar para a agua.
    Gosto muito deste local, pois é relativamente próximo a Manaus e tem gde quantidade te tucunarés açus.
     
    Trabalhei até quinta feira a noite e as 20horas já estava no aeroporto tomando uma para embalar o sono.

     
     

     
    2 da matina, já estava em Manaus. Como é bom voltar

     
    No aeroporto já me esperava o gde amigo Thiago Leria, dono do Rancho Mutuca.
     
    Para chegar ao Rio Mutuca, é preciso atravessar para o outro lado do Rio Amazonas, então fomos até o porto do SEASA, e de la peguei um barco para fazer a travessia

     
    A travessia passa sobre o encontro das águas, mas pelo horário, não dava para ver.
    Em 10 minutos cruzamos o rio e lá chegamos ao porto do municipio de Careiro do Varzea-AM. Que da acesso a diversos outros pontos de pesca, como Juma, Maçarico, Tupana, Madeirinha, Pantaleão.
    No porto já me esperava o pai do Thiago, o Sr Fernando, fomos batendo um papo, e comemorando a vitoria do Bolsonaro. E em 1 hora já chegávamos na beira do Rio Mutuca.
     
    Chamando o guia para nos levar a pousada

     
    Viagem rápida de rio, uns 5-10 minutos

     
    E imaginar que até a noite anterior estava em Sorocaba-SP trabalhando e ao raiar do dia, já tinha esse visual...

     
    Optamos por descer o rio, tinha esquecido, como tem peixe nesse rio.
    Com 10 minutos já pego esse.

     
    O peixe estava bem manhoso, em todos os dias, foram poucas ações de superfície, praticamente todos foram no jig.


     
     o primeiro 12lbs

     
    Lá existe muitos ribeirinhos, e o transito de barcos é bem intenso, mas acho que os tucunarés já se acostumaram

     
    Há 10 dias, fez alguns dias de muito frio, e diversos tucunares amanheceram boiados mortos, foi a primeira vez que vi isso acontecer, até triste,

     
    Perto da hora do almoço, o 17 lbs. Tava osso numa manha um 12 e outro 17lbs, kkkk


     
    Vídeo da briga cm o peixe:
    https://photos.app.goo.gl/bmwx2grAxi83XWoJ7
     
    Vídeo da soltura
    https://photos.app.goo.gl/Ci5syJi4Rib3msE97
     

     
    Remedinho na hora do almoço


     
    A tarde subimos o igarapé do Jatuarana, novamente muitas ações, mais de 20 peixes, e alguns entre 8-9lbs


     

     

     


     
    Dose do remédio do fim do dia

     
    o anoitecer na mata

     
    Esse caldo de peixe, eu nunca nego

     
    No segundo dia, pela manha, novamente descemos o rio, estava um pouco menos ativo, mas mesmo assim entrou um 10lbs
     
    Comunidade São José




     
     
    10 lbs




     
    A tarde, subimos novamente o Igarapé Jatuarana, até umas três horas, quase que zero ações.
    Mas de repente, aquela cantada de linha
    16lbs

    o que sobrou

     

     
    Sairam, depois mais uns 10 peixes de menor porte




     
    A noite, aquele churrasco

     
    No terceiro dia optamos por ir um pouco mais longe, foi o dia com menos ações, mesmo assim embarcamos, uns 20 tucunas, e um de 11 e outro de 10lbs

     
    10lbs


     
    Essa lei é top


     
    11lbs


     
    Quarto e ultimo, amanheceu top, dando porrada para todo lado, até umas dez da manha, tinha pego uns 20 peixes.

     



     




     
    Esse pirão...

     
    Depois já ficou bem escasso,e ficou assim até o fim do dia, foi o único dia que não saiu nenhum acima de 10lbs, os melhores ficaram, entre 8-9lbs


     

     

     

     
    Essa sardinha frita de tira gosto

     

     
    Como diria meu gde amigo Ramon Paz, duro é a hora de cortar o snap...

     
     
    Os ribeirinhos no porto do Careiro do Varzea-AM


    Como eu gosto da simplicidade deste lugar.

     
    Peguei uma carona em um barco que transportava pescado para Manaus
    https://photos.app.goo.gl/wfcnfYkoa6KDNiGR6
     
    Atravessando novamente de volta para Manaus


     
    O porto do SEASA em Manaus

     
    Do outro lado já me esperava o gde amigo, operador, empresario, faz tudo, Jackson Alencar da Jacktur.

    De lá fomos prestigiar a nova loja do gde amigo Jorge da Sucuri na Vieira Alves, ficou muito legal

     
    Mestre Jack, gde amigo, a saideira

     
    Material utilizado

     
    Varas-Saint Croix SC III 20lbs 5'7"/ Falcon cara 5'6"/ Venator SE 25lbs 5'6"
    Carretilhas Scorpion 201 e 201 HG
    Linha Multi PP 50lbs
    Leader fluor LineSystem 50lbs
    Snap Capella G Amazonas
    Iscas mais utilizada-disparado jig single tail 17g, anzol 6/o
    -depois Jumping Minnow T20 cor osso e Rip Roller 6"
     
    OBS: o pessoal lá usa muito o spinner bait 6/0, com ótimos resultados, ainda vou levar na próxima vez

     
    Fiquei mais uma vez hospedado no Rancho Mutuca, atendimento muito top


     
    Contatos:
    92-991831306
    Instagram @rancho mutuca
    Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id=100011374759491&fref=search&__tn__=%2Cd%2CP-R&eid=ARDuQ3BkfRdy-IvcwOHKvMIwd_kZ33D9VPsxABVtYNHhJhYkyXpkZcl1P1qzflQuPQgiKjzg39BefxqI
     
     
    Eu, sendo eu

     
     
    Abs a todos
     
    Instagram@pescadini:
    Facebook: Pesca Dini
  8. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Alberto Guassu em Carlos Dini- abrindo a temporada amazonica Camaiu Camp junho2019   
    Amigos, agora na ultima semana de junho, iniciei a temporada do Alto Rio Camaiu.
    Ficamos localizados , no Camaiu Camp do gde amigo Victor Villanova.
    Fiz um video relato, com todas as fotos da pescaria.
     
     
    Material utilizado:
    Varas 5'7" 17 a 20lbs
    Carretilhas Scorpion 201
    Linhas Power pro 4 fios 50lbs
    Leader-Fluor Line System 50lbs
    Snap Cappela G Amazonas
    Iscas mais utlizadas T20 e jigs
     
    Abs
     
    Boa semana a todos
     
     
  9. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Edson C. Martins (CAPITÃO) em Carlos Dini- Pesca de trairas-isca soft setembro-2019   
    Amigos, estou pescando atualmente a trairas no sistema Texas Rig com iscas soft.
    Fiz dois videos-relatos com as minhas ultimas pescaria de agosto e setembro:
     
    Pescaria feitas na Represa Billings em São Paulo
     
     
     
    Pescaria feita em lago na Região de Sorocaba -SP
     
     
     
    Material utilizado
     
    Varas: Enzo 20lbs 5'6" / Saint Croix SC III 20lbs 5'7" by Waka
    Carretilhas Shimano Scorpion 71XG, Shimano Core 51MG, Venator SE
    Linha Power Pro 4 fios 30lbs
    Leader Line System 40lbs
    Anzol offset 3 e 5/0
    chumbos 7-12g
    Iscas soft tipo criatura da Camalesma e da Monster
     
    Abs
     
    Dini
  10. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Valtolino em Carlos Dini-Rio Roosevelt e Aripuana-julho2015   
    Amigos, agora na ultima semana de julho, eu, os amigos Enio, Jose Bento e Andre, partimos para conhecer os rios Roosevelt e Aripuana, seria uma forma de iniciar a temporada amazonica 2 meses antes. Foram meses de conversas e planejamento. 
    Aqui estão somente as fotos da minha maquina fotografica
    Nosso destino inicial foi chegar a maravilhosa cidade de Manaus, para pernoite e no dia seguinte voarmos em voo regional até a cidade de Apui-AM, as aguas do Negro na imagem aerea ainda extremamente altas, mas a Ponta Negra já começa aparecer sua praia. Conforme, rumávamos ao sul o nivel das aguas já era mais baixo, pois a vazante nestes rios começa bem antes.
    Voo no Bandeirantes


    Aeroporto em Apui-AM

    Rodamos então por volta de 100km pela famosa Transamazonica, até chegarmos as margens do rio Aripuana na altura da sua balsa. As imagens são impressionantes, já de cara nos deparamos com um rio lindo e praticamente na caixa, somado a isto o pessoal da pousada nos esperava com as geladeiras abastecidas com aquelas geladas para tirar o pó da viagem...Tome cerveja. 


    Subimos por agua em direção a pousada, que fica na confluência dos Rios Roosevelt e Aripuana. A pousada Amazon Roosevelt dispensa comentarios, seu proprietario o Sr Eduardo não mediu esforços na construção do local, o atendimento é nota mil, um verdadeiro resort no meio da selva. Quartos confortaveis, ar condicionado, uma cozinha sensacional, lavanderia, internet wifi,  muita cerveja e sem perder o contato com a natureza, uma grande passarela rodeada por arvores gigantescas. Nos finais de tarde, enquanto o garçom servia um aperitivo e bebidas, ficávamos apreciando a beleza da mata e a noite o som dos da natureza embala o sono. Sempre gosto de deixar claro, que não ganho nada para fazer estes comentarios, faço porque gostei muito, se fosse contrario tambem diria a verdade da mesma forma.






     
    Após o almoço, fizemos uma pequena pescaria de reconhecimento, subimos o Rio Aripuana e pescamos em seus pedrais, pequenos tucunares e matrinchas deram as caras. a isc mais produtiva foi a valente firestick.
    A pescaria é feita praticamente toda no rio, nas corredeiras e remansos dos pedrais e praias, pois existem poucos lagos.


     
    Segundo dia, descemos o rio Aripuana em direção as corredeiras do Periquitos, imagina um lugar lindo, aguas rasas e rapidas, pedrais, algas verdes e vermelhas davam um colorido a agua, cardumes de matrinchas passavam pelo barco e até alguns cacharas saiam correndo qdo nos aproximavamos. A característica do local é a diversidade, tucunares, matrinchas, jatuaranas, bicudas, cachorras. Pequenos plugs até 10cm foram os mais eficientes. A cena do dia foi usando uma helice do Charles da CCM, em um remanso do pedral, um grande tucunare estoura na isca como fosse um açu, pena que errou mas a imagem fica marcada na cabeça. As bicudas tambem davam um show a parte, na força e nos ataques aos plugs de helices, mas erram demais. Almoço de matrincha assada, um espetaculo, mas o melhor é deitar naquela agua corrente e ficar virando umas geladas, dá até preguiça de voltar pescar... E olha que parar de pescar é duro, mas a agua chama para o banho.


    Minha Primeira Jatuarana









     
    Terceiro dia rumamos a um dos lagos do Rio Guariba(Afluente do Rio Aripuana), esse lago é gigantesco, mas tem sua boca fechada, a pousada, mantem dois barcos já colocados previamente neles. Caminhada pela mata e começamos a pescaria. o peixe estava meio velhaco, com pouca ação de superficie, mas nas twich bait( no meu caso em especificio a brava na MS), apareceram em gde quantidade, principalmente os  popocas e alguns tucunares amarelos. O maior de 4 kgs. Show a parte pelos aruanas, que nessa especie do Madeira tem seu maior porte, peguei um de 78 cm e 9lbs(recorde atula da IGFA de 84cm).







     
    9lbs 78cm




    Por do sol no Rio Guariba

    Quarto dia subimos o Rio Roosevelt em direção a cachoeira do Semauma, só a viagem já vale o passeio, as corredeiras e a cachoeira são fantasticos. Pegamos cachorras, pirarara, tucunas. Neste dia a quantidade de tucunares foi pequena. 
     
    Capela do Semauma, vale uma visita.

    Obvio que banho nas corredeiras é imperdivel.

    Na volta pescamos com tuvira e minhocuçu, nunca vi tanta ação de barbado, na minha vida, é um atras do outro, em sua maioria entre 0,5 a 2kgs, mas com uma vara leve, davam muita briga.









     
     
    Quinto dia resolvemos voltar as corredeiras dos Periquitos, novamente muita ação de tucunas, bicudas, matrinchas e jatuaranas. 


    Barco boiadeiro





    Ultimo dia fomos conhecer o outro lago do Rio Guariba, este de boca franca, da mesma forma que no primeiro eles recusavam as de superficie, mas na meia agua era covardia. Qdo cheguei no 50, parei de contar, foi melhor que no primeiro lago, o maior tb na casa dos 4kgs. No lago inclusive saiu um pequeno caparari. VImos por 3x os pirarucus atacarem cardumes de jaraquis, cena indescritivel. No fim do dia paramos nos barbados e a mesma abundancia de açoes.
    Vale um comentario, a outra dupla, voltou a cachoeira do Semauma e arrebentaram nas cachorras, com exemplares de até 22lbs.


    9lbs


    Pequeno caparari



     
    Por do sol na floresta, indescritivel...

    Mas como tudo que é bom dura pouco e fizemos o caminho inverso.


     
    Fica nosso agradecimentos ao Sr Eduardo e sua esposa, proprietarios da pousada Amazon Roosevelt, e toda sua equipe que não mediu esforços para tornar nossa viagem um sucesso. e todo merito aos guias Rosa e Grima, exímios conhecedores daquelas aguas.
     
    Material utilizado:

    Baitcasting
    -Varas Enzo I 17lbs, Enzo II 20lbs todas 5'6"
    -Carretilhas: Aldebaran MG7, Nova Lubina
    -Linha Multi PP 40lbs
    -Leadre 0,47mm
    -Iscas mais utilizadas helice do CCM, firestick, zigzarinha, bora 10, Inna, Brava.
     
    Couro medio
    -Vara Falcon 30lbs
    -carretilha curado 201 E7
    -Linha multi PPP 50lbs
    -anzol 7/0
     
    Couro pesado
    -Vara shimano 100lbs
    -Carretilha Caluta 700
    -Linha Momo Laiglon 0,9m
    -anzol 10/0
     
    Agradeço tambem a Deus pela vida maravilhosa e pela familia linda que sempre me espera qdo retorno.
     
    Abs a todos
     
    Dini
     
    As aguas do Negro vem secando, em 45 dias estamos lá para tirar os bocudos da agua...
  11. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Fabrício Biguá em Carlos Dini-Pescaria bate e volta de tucunarés azuis em Palmas-março-19   
    Amigos, resolvi este fim de semana fazer um esquema bate e volta, sempre tive vontade de pescar no lago de Palmas. Bom dessa pescaria que a maioria das gdes cidades tem voos diários para Palmas e podemos fazer uma pescaria rápida.
    Aliviando a tensão do trabalho

    A represa de Lageado é muito gde e compreende os município de Lageado, Palmas, Porto Nacional. Em suas águas tem como estrela o tucunaré azul, mas tb habitam tucunarés amarelos, corvinas e outras especies.


    Trabalhei até o fim da tarde da sexta feira e a noite já embarcava em Campinas-SP, com destino a Palmas-TO. A 1 da manha já estava na cidade, onde o guia Vitor já me esperava, rodamos 70km e já estávamos na cidade de Porto Nacional de onde seria nossa base.

    Dormida rápida, e as 6 da matina já tomávamos cafe da manha, o guia já nos esperava, e de lá em alguns minutos já navegávamos no lago. A água ainda esta bem turva devido as fortes chuvas. Pegamos diversos peixes, com ação na superfície e nos jigs. Após o almoço, fomos a um pedral submerso, muita ação de peixe no jig pindocando o fundo, ai erramos, saímos para ver outros pontos e largamos o filé, depois das 14 horas foi bem fraco. Mas dia top, alguns peixes bons, o maior 7lbs.



    calor bravo


    a bela represa 

    parceira do almoço


     
    a represa



     
     
     
    A noite fomos a um churrasquinho, muito dez, recomendo.


    Domingo saímos de outra rampa um pouco mais distante. Infelizmente neste ponto a água estava muito barrenta e poucas ações ate as 10 horas da manha. Então o guia conhecia um lago que ligava a represa, mas que por ser um canal estreito tinha aguá limpa, lá rumamos, acertada decisão, peixe bem ativo na superfície. 
    Agua turva



     
     
     
    Pausa para almoçarmos, flutuante recomendadíssimo. Cerveja gelada e muito colírio para os olhos...rsrsrs



    A igreja centenária e histórica de Porto Nacional

    A tarde batemos a região de água barrenta, ai foi bem fraco. pelo menos tinha muita cerveja...


    Gdes amigos, só vcs para me aguentarem

    Fim de tarde no centro do Brasil


    Na segunda-feira o Andrezinho tinha q voltar trabalhar, como meu voo era só as 17 horas, sai pescar sozinho até meio dia. Fomos direto ao pedral do primeiro dia, parecia lambari, embarcamos mais de 40 peixes até meio dia, com 7 peixes acima 50cm e pesos entre 7 e 8 libras, nem mudamos o ponto.
    O tempo amanheceu meio tímido












    Hora de ir embora
    Nada como um bom PF de estrada


     
    Material utilizado:

    Varas- Saint Croix 17 e 20lbs SCIII 5'7" by Waka Custom Rods
    Carretilhas Core51MG, Aldebaram 101MG7, Scorpion 51HG
    Linha-Power Pro 4 fios 40lbs
    Leader-Fluorcarbono 40lbs LineSystem
    Snap-Capela G
    Iscas mais utilizadas- Zigzarinha, Firestick, e jigs(4/0 14g)
     
    Contato do Guia Vitor no Tocantis:
    63-92031159
     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
  12. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Carlos Dini-Pescaria bate e volta de tucunarés azuis em Palmas-março-19   
    Amigos, resolvi este fim de semana fazer um esquema bate e volta, sempre tive vontade de pescar no lago de Palmas. Bom dessa pescaria que a maioria das gdes cidades tem voos diários para Palmas e podemos fazer uma pescaria rápida.
    Aliviando a tensão do trabalho

    A represa de Lageado é muito gde e compreende os município de Lageado, Palmas, Porto Nacional. Em suas águas tem como estrela o tucunaré azul, mas tb habitam tucunarés amarelos, corvinas e outras especies.


    Trabalhei até o fim da tarde da sexta feira e a noite já embarcava em Campinas-SP, com destino a Palmas-TO. A 1 da manha já estava na cidade, onde o guia Vitor já me esperava, rodamos 70km e já estávamos na cidade de Porto Nacional de onde seria nossa base.

    Dormida rápida, e as 6 da matina já tomávamos cafe da manha, o guia já nos esperava, e de lá em alguns minutos já navegávamos no lago. A água ainda esta bem turva devido as fortes chuvas. Pegamos diversos peixes, com ação na superfície e nos jigs. Após o almoço, fomos a um pedral submerso, muita ação de peixe no jig pindocando o fundo, ai erramos, saímos para ver outros pontos e largamos o filé, depois das 14 horas foi bem fraco. Mas dia top, alguns peixes bons, o maior 7lbs.



    calor bravo


    a bela represa 

    parceira do almoço


     
    a represa



     
     
     
    A noite fomos a um churrasquinho, muito dez, recomendo.


    Domingo saímos de outra rampa um pouco mais distante. Infelizmente neste ponto a água estava muito barrenta e poucas ações ate as 10 horas da manha. Então o guia conhecia um lago que ligava a represa, mas que por ser um canal estreito tinha aguá limpa, lá rumamos, acertada decisão, peixe bem ativo na superfície. 
    Agua turva



     
     
     
    Pausa para almoçarmos, flutuante recomendadíssimo. Cerveja gelada e muito colírio para os olhos...rsrsrs



    A igreja centenária e histórica de Porto Nacional

    A tarde batemos a região de água barrenta, ai foi bem fraco. pelo menos tinha muita cerveja...


    Gdes amigos, só vcs para me aguentarem

    Fim de tarde no centro do Brasil


    Na segunda-feira o Andrezinho tinha q voltar trabalhar, como meu voo era só as 17 horas, sai pescar sozinho até meio dia. Fomos direto ao pedral do primeiro dia, parecia lambari, embarcamos mais de 40 peixes até meio dia, com 7 peixes acima 50cm e pesos entre 7 e 8 libras, nem mudamos o ponto.
    O tempo amanheceu meio tímido












    Hora de ir embora
    Nada como um bom PF de estrada


     
    Material utilizado:

    Varas- Saint Croix 17 e 20lbs SCIII 5'7" by Waka Custom Rods
    Carretilhas Core51MG, Aldebaram 101MG7, Scorpion 51HG
    Linha-Power Pro 4 fios 40lbs
    Leader-Fluorcarbono 40lbs LineSystem
    Snap-Capela G
    Iscas mais utilizadas- Zigzarinha, Firestick, e jigs(4/0 14g)
     
    Contato do Guia Vitor no Tocantis:
    63-92031159
     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
  13. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Alexandre Gomes de Almeida em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  14. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Carlos Diego Train em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  15. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Batista em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  16. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Tassio Ferreira em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  17. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Guto Pinto em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  18. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Francisco Colla em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  19. Like
    Carlos Dini recebeu reputação de Anderson Caldana em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  20. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Carlos Dini- Viagem épica atras dos famosos Xaréus GTs na Índia   
    Amigos, agora no fim de fevereiro fui atras de um dos peixes mais emblemáticos da pesca esportiva o Xaréu GT (Giant Trevally). Tudo começou há um ano atras, assistindo videos pelo youtube e vendo os pescadores utilizando varas enormes de baitcasting e com gdes poppers pegando aqueles monstros. Comecei a procurar pela internet e acabai achando uma operação na Índia feita por um Belga, o Capt Guy, iniciamos a troca de emails e em alguns dias estávamos de passagem compradas para que em 12 meses encontrássemos o famosos GTs.
    O GT é o maior representante de sua família, podendo chegar aos 80kgs, frequentam principalmente regiões de recifes nos mares quentes dos oceano Indico e oceano Pacifico Oriental. Come qualquer coisa que caiba na sua boca, até gaivotas que ficarem de bobeira. 
    Nossa opção foi ir aos confins da Índia, no mar de Andaman, na ilha de Havelock, uma ilha entre a Índia e a Tailândia. Em suas águas abundam os GTs, mas também uma infinidade de outros peixes como Groupers, BlueTrevally, atuns Yellowfin, Wahoo, Barracudas, Dogtouth tuna, Olho de boi, tubarões, peixes de bico, e mais uma quantidade incontável e especies.
    A ilha fica entre a India e a costa da Tailandia


     
    Só para juntar o material de pesca foi uma saga, são poucas informações, mas alguns amigos que já haviam ido me ajudaram, basicamente é igual pescar o tucunaré, só que usando uma vara e um molinete para pirarara, e poppers de 20-30cm e 100-200g...rsrsrs

    Dia da Viagem, no aeroporto de Guarulhos, fui ao encontro dos outros dois doidos que aceitaram entrar nesta o mestre Olimpico e o Claudio(famoso Crazy Dantas)

    Pensa num lugar longe, foram 48 horas para ir e mais 48 para voltar. Primeiro trecho foi até Paris, 10 horas de voo, pegar um pouco do inverno.
    Durante o voo, para embalar o sono

    Neste dia um fato interessante, lá depois de umas garrafas de vinho, começou me dar uma baita duma zonzeira, pensei "vou vomitar", culpa da empadinha..rsrsrs, fui no banheiro lavei o rosto, e pensei "o melhor seria deitar no chão, q logo passa", olhei para o chão do banheiro, não tive duvida, deitei lá e coloquei os pés em cima do assento sanitário, fechei os olhos e falei "daqui 15  minutos levanto". Caraca, acordei 2 horas depois, dormindo lá no chão, voltei e contei a historia e foi só risada. Bêbado é uma merda...
    Chegando ao inverno de Paris

    Conexão muito rápida, em 1 hora já estávamos de novo no avião.
    De lá embarcamos para a cidade de Chennay na costa sul da India oriental, mais 10 horas de voo...
    Primeiro contato com a culinária da Índia

    Chegando em Chennay, o contraste com o mundo ocidental é impressionante


    Salgadinho, mais tipico na Índia, a Samossa, feita de batata e recheada com pedaços de batata

    A índia é um pais extremamente militarizado, devido suas fronteiras, para entrar no aeroporto só com bilhete de embarque e vc na hora já é fiscalizado um guarda do exercito de fuzil na mão.
    Em Chennay, esperamos mais algumas horas para pegar uma conexão domestica, para a Ilha de Port Blair, que fica entre a India e a Tailandia, mais 2 horas de voo.

    Chegando em Port Blair, ai começa a sentir o choque cultural, legal que é igualzinho na TV, as pessoas vestidas de trajes típicos, vacas andando no meio da rua, transito caótico. Port Blair, como quase tudo na região foi colonia britânica, hoje é um polo turístico de europeus e indianos de castas mais altas, pois tem praias paradisíacas. Ficamos pouco nesta ilha, pois tínhamos que rapidamente ir ao porto pegar um balsa que nos levaria a uma ilha um pouco mais afastada, a ilha de Havelock.
    Transito em Port Blair


    São mais 2 horas de navegação, a ilha de Havelock, é uma ilha famosa, por quilômetros de praias e recifes desertos, muito procurada por que gosta de mergulho. Na Índia tudo é uma bagunça, lá esquece fila, entra quem vai passando na frente, mas com o Claudio falou "o caos se resolve sozinho", as malas são tiradas da balsa e vão sendo colocadas no meio de uma multidão, não sei como mas no final da tudo certo.
    A balsa


    a Ilha de Havelock

    Só a imagem do porto já paradisíaca

    a simples e bagunçada Havelock


    Nosso transfer

    https://photos.google.com/album/AF1QipO5yRYv9bDpfjks4B0lGxFMjLGSK-EiDAGnxDhV/photo/AF1QipPhGk98RDEOcNF9XIyJKvk_z3nOoSZjlE5NxrrS
    Nosso hotel RhadaChrishnaResort

    Para tornar a chegada mais agradavel

    A janta era algo a parte, achamos um restaturante muito bom, lagosta a 15 dolares

    Duro é acostumar com o sistema americano de pescaria, Full day -8 horas de pesca, e é 8 horas mesmo, não adianta chorar, começa as 8 da manha e termina pontualmente as 16 horas.
    No primeiro dia fomos em direção ao norte do arquipélago, já nos primeiros arremessos embarcamos os primeiros GTs, peixe muito forte, mas briga limpo. Perdemos muito peixe, pois cada arremesso são em torno de 100mts e ele bate normalmente nessa distancia, sua boca é muito dura, e nessa hora tem que sentar o sarrafo, perdemos muito peixes em toda pescaria, por falta de experiencia. Engana-se quem acha que é muita ação, como o guia falava "cast, cast, cast", tem que jogar muito e acreditar para conseguir um "bite".
    primeiro cafe da manha, ansiedade a mil


    A briga é bruta




    o stick, praticamente uma firestick


    cada noite um prato novo-Jack frito

    No segundo dia fomos em direção ao sul até uma outra gde ilha de nome Neil Island(conhecida por diversos resorts), foi nosso dia mais fraco, poucas ações de superficie e no jig o Claudio tirou uma bela Barracuda.
    Comercio local

    Nossa "crew", o guia Rawi(onico que fala ingles", o deckhand Waklo e o capitão Tiger , estes dois só falam Hindi e um dialeto local das ilhas, mas algumas palavara em ingles "cats to the reef- cast both sides- there, GT- thank you- last cast "





    o porto

    Rua principal


    passear de TukTuk


    jantar


    No terceiro dia fizemos, o que eles chamam de "Long Range Trip", saímos as 4 da manha navegamos por 3 horas até uma ilha afastada, de nome Barren Island, onde se encontra o único vulcão ativo da Índia. É simplesmente surreal, você arremessando na ilha e ele jogando cinzas, elas ficavam caindo no barco igual chuva. Lá é o paraíso dos atuns, é um atras do outro, com peso médio de 20-30kgs, com uma hora de pescaria tínhamos pego quase 10, com uma vara quebrada e enjoado deles, pedimos ao guia "no more tunas, just GTs" Dia muito fera, muitas ações de Gts, inclusive, no fim da pescaria, fiz um arremesso, bateu um GT pequeno, que se soltou, logo apareceu por baixo um casal de monstros, um deles acompanhou a isca até o barco, parecia um golfinho de tão gde, o guia estimou em mais de 50kgs. Para terminar fomos atras de outro peixe famoso o DogTouth Tuna, uma mistura de atum com Sororoca, peixe que só existe no oceano Indico e que pode chegar próximo dos 100kgs, pegamos alguns mas só de pequeno porte.
    o Vulcão em atividade, não tem palavras


    Blue Trevally


    Briga com os Tunas



     


    Vara quebrada pela força dos atuns




    O dog Touth Tuna

    Nosso almoço no barco

    A religião em todos os cantos

    jantar-camarão

    No quarto dia circundamos toda ilha principal, novamente muitas ações muitos peixes escapados.


    Trout Group






     
    jantar-carangueijo

    com direito a festa de aniversario

    No quinto dia, fomos a alguns recifes semi submersos mais afastados, dia tb de muita ação e até este momento focávamos principalmente nos gde poppers, ai que o Claudio começa jogar um stick de 21cm e trabalhar com pequenas paradas, fez muita diferença, muitas ações na linha dele.
    a divisão de castas na India é muito interessante, elas não se misturam


    Cafe da manha tipico da India, uma especie de pastel sem recheio, um cuscuz e curry

    Nosso barco






    Os pontos de pesca eram sempre assim de tirar o folego


    jantar-lula

    No sexto dia fomos tb novamente a recifes afastados da ilha, só que desta vez usamos muito mais sticks do que popper, logo no começo da manha embarco meu troféu, um monstro de 30kgs, briga muito violenta, quase arrasta vc para aguá, Este dia foi o mais ativo, fisguei e perdi mais de 10 GTs, ainda não peguei o tempo da ferrada.

    Coral Group





     
    Parada do almoço



     




    Para fechar com chave de ouro no ultimo spot, o Claudio jogava seu stick e gritava"vai Corinthians", particularmente se fosse no Brasil, perigo era de prender o parceiro, pois girto de presidiario,rsrsrs. Mas entre um grito e outro vem a explosão e mais um big GT embarcado. 

    Duro é a hora de cortar o snap

    Pescaria sem precedentes, Phodis é voltar 48hs novamente.


    a balsa na volta


    o BurgerKing mais triste do mundo

    a ultima na India

    Ultima escala, antes do Brasil, lá extraviaram toda minha bagagem, mas dois dias depois chegou, ufa... só de Stella..

    Para quiser conhecer vou deixar o contato do operador:
    Em termos de custos, gastamos 2000,00 euros cada um, 8mil reais, praticamente o custo de uma ida ao Rio Negro. e de vo comorando antecipado fica na casa dos 5mil reais.
    https://www.facebook.com/Andamangamefishing/
    https://www.andaman-gamefishing.com/?fbclid=IwAR3H7EcOpR94nt3X7LoKgs9J1pNsMkknfvMpCFbXz5FjEGDwDQVW7dHY6hQ
    info@andaman-gamefishing.com
     
     
    Equipamento utilizados:


    Carretilhas Stella 14000 modelos PG(para vertical) e XG(para popping)
    Varas Temple Reef e Carpenter de 2,5mts para linha PE6-8
    linhas PE 6 100lbs Ocea Shimano
    Leader 150lbs de monofilamento p Popping e 80lbs de fluorcarbono para jigging
    Metal jigs de 150 a 250g
    Popper e sticks de 100-200g/de 20-30cm
    Garateias 4/0 de gap largo
    Assist hook 7 a 9/0
     
    Quando voltei não via a hora de comer carne...

     
    Agradeço a Deus por esta vida maravilhosa
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
     
  21. Thanks
    Carlos Dini recebeu reputação de Fábio Tittoto em Carlos Dini-Encerrando a temporada dos açus-o lagos dos 2mil tucunarés   
    Amigos, resolvi terminar a temporada dos açus em um local que a tempos eu não frequentava o Rio Branco. O Rio Branco corta o estado de Roraima, passando por Boa Vista, Caracaraí e sua foz se faz no Rio Negro na região próxima a famosa pedra do Gavião, abaixo dos rios Xeruini e Caures. Como o próprio nome já diz, é um rio de águas mais barrentas, mas tem algumas lagoas e afluentes de água limpa, como Rio Agua Boa, Catrimani, Itapara, Mata-Mata e muitos outros. Infelizmente as leis de preservação de pesca começam justamente deste rio para cima, então ele sofre demais com a pesca predatória. Nele vivem três especies de tucunarés, os açus, os popocas e os borboletas, como todo rio de águas brancas por motivos de pH, eles são rios de quantidade de peixe mas de menor tamanho, dificilmente você vai encontrar um peixe acima de 8kgs, mas em compensação explodem os pexes de 2-5kgs. Também habitam Pirararas, filhotes, Aruanas brancas e pretas, apaiaris, pirarucus, cachorra, jacunda e muitas outras especies, a diversidade é muito legal.
    O rio Branco

    Recebi o convite do amigo Enio, o gaúcho, para conhecer o barco do também amigo Rogério Bacchi. Grupo composto por 6 pessoas, grupo muito da paz. 
    Esquentando os motores em Viracopos


    Chegamos em Manaus-AM, na sexta feira a noite e logo cedo embarcamos no aeroclube.


    Voo de 1:30h e adentrávamos o estado de Roraima, pousando na comunidade de Santa Maria do Boiaçu, as margens do Rio Branco. 
    Pista de pouso em Santa Maria do Boiaçu

    Trafego aéreo

    Vida mansa na vila


    La chegando, já constatamos que o nível da água realmente estava bem baixo, o que até dificultava nossa navegação.

    Subimos o Rio Branco sentido norte e aportamos na frente do Lago do Curiucu. Este lago de águas limpas, mais parece um rio de tão grande, com motor 40hp aberto leva quase 2 horas para ir do inicio ao fim, o que é impossível nesta época pois tem diversos canais estreitos que dificultam a navegação, alem do lago principal são mais de 10 outros lagos que se comunicam. E todo ponto do lago dá peixe. Foi o local com maior fartura de tucunarés que eu já vi na minha vida, fruto da preservação, na boca do lago mora a família do Sr Francisco, que há mais de 50 anos, junto com seu falecido pai, não permitem a pesca predatória neste lago, chegou me contar que alguns políticos famosos, não vou citar nome, souberam da fartura lago e tentaram dar uma "carteirada" nele, e qdo souberam que era só pesque e solte se negaram a assim fazer, mas tb de imediato foram expulsos do lago.
    Boca do lago Curiucu


    Pescamos mais de 10 especies. E em 6 pescadores, com 6 dias de pesca, pegamos próximo de 2000 peixes. Somente eu e o Enio pegamos 700 tucunarés, sendo 70 de porte. Uma coisa legal deste lago é a fartura de pirarucus, eles explodem ao seu lado o dia inteiro, e muitas vezes nos dão a alegria da fisgada, tivemos três na linha, inclusive um deles explodiu na zara do Enio, dá para acreditar??, este e outro acima de 20 kgs acabaram por escapar, acabamos embarcando somente 1 pequeno. As outras duplas embarcaram mais pirarucus, sendo um deles um monstro. 
    Todo lago tinha peixe, mas os melhores pontos estavam nos lagos mais fechados, e praticamente todo dia arrastávamos o barco por 3horas para entrar e 2 horas para sair, mas valia muito.
    Como peixe de agua branca, é menos agressivo, hélices não faziam muito diferença. Estavam pegando bem em jigs, twichbaits e zaras, o parceiro só quase pescou com uma Reallis pencil 110 e pegou muito peixe, mas muito mesmo, tava já com vontade de dar uma marretada nesta maldita isca...rsrsrs. Eu não estava acertando a zara certa até o penúltimo dia, então peguei mais no jig. Mas de tanta explosão, acabei achando a isca, comecei usar uma Sammy 110, ai tb só na superfície.
    Para não ficar enrolando vamos a fotos:
    Destes pegava as dezenas, tinha que sair do cardume para continuar pescando



    Atacou o paquinha e ficou preso

    Surpresas 


    Os amigos Marcio e Zeca na batalha





    Entrando nos lagos

     
    https://www.facebook.com/dini.dini.90260/videos/2279717175650505/
     




    Choveu quase todos os dias, mas sem repiquete



    Ajudando na reciclagem









    Almoço na beirada, não pode faltar



    Sofrendo


     
    Lago magnifico







    A noite para relaxar










    Brincadeira com as matrinchas, o resultado











    Os amigos Jorge e seu filho



     

    natureza exuberante


    Me enganaram, veio vazia...rsrsrs























    duro de pescar na agua branca





     
     
     
     
     
    O barco é muito bom, nome TupanaX, do amigo Rogerio. Quartos duplos com ar condicionado e banheiro, refeitório climatizado, a cozinha excelente, e muita comida. 

    Eu só tenho a agradecer a turma que tão bem me recebeu. Ao amigo Enio pelo convite e ao dono do barco o Rogério pela hospitalidade e atenção. E a toda equipe do barco pelo fantástico atendimento
    OBS-Fica claro que não preciso e não recebo nenhuma gratificação para falar da pousada ou de qualquer pessoa, falo bem porque realmente gostei.
    Contatos do Rogério-19-989145070
     
    Material utilizado:

    A-Varas
    -SC III 5''7"20lbs by Waka Custom
    -SC III 5'7"17lbs by Waka Custom
    -Falcon Cara 5'7" Peacock Edition
    B-Carretilhas
    -Scorpion 1501 HG
    -Scorpion 1501
    C-Linha Multi PP 50lbs
    D-Leader -Line system 50lbs
    F-Snap Capella G Amazonas
    G-Iscas mais utlizadas-  Sammy110, Reallis pencil, Rapala Sub walk, jig 6/0 15g.
    -Fica um detalhe os jigs , não tenho mais usado ele com o double tail, acho q qdo ele esta velhaco, ele prefere uma isca menor,e a produtividade aumenta, desta forma.


    Agradeço a Deus e minha amada família por esta vida maravilhosa.
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
  22. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Fabrício Biguá em Carlos Dini-Encerrando a temporada dos açus-o lagos dos 2mil tucunarés   
    Amigos, resolvi terminar a temporada dos açus em um local que a tempos eu não frequentava o Rio Branco. O Rio Branco corta o estado de Roraima, passando por Boa Vista, Caracaraí e sua foz se faz no Rio Negro na região próxima a famosa pedra do Gavião, abaixo dos rios Xeruini e Caures. Como o próprio nome já diz, é um rio de águas mais barrentas, mas tem algumas lagoas e afluentes de água limpa, como Rio Agua Boa, Catrimani, Itapara, Mata-Mata e muitos outros. Infelizmente as leis de preservação de pesca começam justamente deste rio para cima, então ele sofre demais com a pesca predatória. Nele vivem três especies de tucunarés, os açus, os popocas e os borboletas, como todo rio de águas brancas por motivos de pH, eles são rios de quantidade de peixe mas de menor tamanho, dificilmente você vai encontrar um peixe acima de 8kgs, mas em compensação explodem os pexes de 2-5kgs. Também habitam Pirararas, filhotes, Aruanas brancas e pretas, apaiaris, pirarucus, cachorra, jacunda e muitas outras especies, a diversidade é muito legal.
    O rio Branco

    Recebi o convite do amigo Enio, o gaúcho, para conhecer o barco do também amigo Rogério Bacchi. Grupo composto por 6 pessoas, grupo muito da paz. 
    Esquentando os motores em Viracopos


    Chegamos em Manaus-AM, na sexta feira a noite e logo cedo embarcamos no aeroclube.


    Voo de 1:30h e adentrávamos o estado de Roraima, pousando na comunidade de Santa Maria do Boiaçu, as margens do Rio Branco. 
    Pista de pouso em Santa Maria do Boiaçu

    Trafego aéreo

    Vida mansa na vila


    La chegando, já constatamos que o nível da água realmente estava bem baixo, o que até dificultava nossa navegação.

    Subimos o Rio Branco sentido norte e aportamos na frente do Lago do Curiucu. Este lago de águas limpas, mais parece um rio de tão grande, com motor 40hp aberto leva quase 2 horas para ir do inicio ao fim, o que é impossível nesta época pois tem diversos canais estreitos que dificultam a navegação, alem do lago principal são mais de 10 outros lagos que se comunicam. E todo ponto do lago dá peixe. Foi o local com maior fartura de tucunarés que eu já vi na minha vida, fruto da preservação, na boca do lago mora a família do Sr Francisco, que há mais de 50 anos, junto com seu falecido pai, não permitem a pesca predatória neste lago, chegou me contar que alguns políticos famosos, não vou citar nome, souberam da fartura lago e tentaram dar uma "carteirada" nele, e qdo souberam que era só pesque e solte se negaram a assim fazer, mas tb de imediato foram expulsos do lago.
    Boca do lago Curiucu


    Pescamos mais de 10 especies. E em 6 pescadores, com 6 dias de pesca, pegamos próximo de 2000 peixes. Somente eu e o Enio pegamos 700 tucunarés, sendo 70 de porte. Uma coisa legal deste lago é a fartura de pirarucus, eles explodem ao seu lado o dia inteiro, e muitas vezes nos dão a alegria da fisgada, tivemos três na linha, inclusive um deles explodiu na zara do Enio, dá para acreditar??, este e outro acima de 20 kgs acabaram por escapar, acabamos embarcando somente 1 pequeno. As outras duplas embarcaram mais pirarucus, sendo um deles um monstro. 
    Todo lago tinha peixe, mas os melhores pontos estavam nos lagos mais fechados, e praticamente todo dia arrastávamos o barco por 3horas para entrar e 2 horas para sair, mas valia muito.
    Como peixe de agua branca, é menos agressivo, hélices não faziam muito diferença. Estavam pegando bem em jigs, twichbaits e zaras, o parceiro só quase pescou com uma Reallis pencil 110 e pegou muito peixe, mas muito mesmo, tava já com vontade de dar uma marretada nesta maldita isca...rsrsrs. Eu não estava acertando a zara certa até o penúltimo dia, então peguei mais no jig. Mas de tanta explosão, acabei achando a isca, comecei usar uma Sammy 110, ai tb só na superfície.
    Para não ficar enrolando vamos a fotos:
    Destes pegava as dezenas, tinha que sair do cardume para continuar pescando



    Atacou o paquinha e ficou preso

    Surpresas 


    Os amigos Marcio e Zeca na batalha





    Entrando nos lagos

     
    https://www.facebook.com/dini.dini.90260/videos/2279717175650505/
     




    Choveu quase todos os dias, mas sem repiquete



    Ajudando na reciclagem









    Almoço na beirada, não pode faltar



    Sofrendo


     
    Lago magnifico







    A noite para relaxar










    Brincadeira com as matrinchas, o resultado











    Os amigos Jorge e seu filho



     

    natureza exuberante


    Me enganaram, veio vazia...rsrsrs























    duro de pescar na agua branca





     
     
     
     
     
    O barco é muito bom, nome TupanaX, do amigo Rogerio. Quartos duplos com ar condicionado e banheiro, refeitório climatizado, a cozinha excelente, e muita comida. 

    Eu só tenho a agradecer a turma que tão bem me recebeu. Ao amigo Enio pelo convite e ao dono do barco o Rogério pela hospitalidade e atenção. E a toda equipe do barco pelo fantástico atendimento
    OBS-Fica claro que não preciso e não recebo nenhuma gratificação para falar da pousada ou de qualquer pessoa, falo bem porque realmente gostei.
    Contatos do Rogério-19-989145070
     
    Material utilizado:

    A-Varas
    -SC III 5''7"20lbs by Waka Custom
    -SC III 5'7"17lbs by Waka Custom
    -Falcon Cara 5'7" Peacock Edition
    B-Carretilhas
    -Scorpion 1501 HG
    -Scorpion 1501
    C-Linha Multi PP 50lbs
    D-Leader -Line system 50lbs
    F-Snap Capella G Amazonas
    G-Iscas mais utlizadas-  Sammy110, Reallis pencil, Rapala Sub walk, jig 6/0 15g.
    -Fica um detalhe os jigs , não tenho mais usado ele com o double tail, acho q qdo ele esta velhaco, ele prefere uma isca menor,e a produtividade aumenta, desta forma.


    Agradeço a Deus e minha amada família por esta vida maravilhosa.
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
  23. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Eder Nascimento em Carlos Dini-Encerrando a temporada dos açus-o lagos dos 2mil tucunarés   
    Amigos, resolvi terminar a temporada dos açus em um local que a tempos eu não frequentava o Rio Branco. O Rio Branco corta o estado de Roraima, passando por Boa Vista, Caracaraí e sua foz se faz no Rio Negro na região próxima a famosa pedra do Gavião, abaixo dos rios Xeruini e Caures. Como o próprio nome já diz, é um rio de águas mais barrentas, mas tem algumas lagoas e afluentes de água limpa, como Rio Agua Boa, Catrimani, Itapara, Mata-Mata e muitos outros. Infelizmente as leis de preservação de pesca começam justamente deste rio para cima, então ele sofre demais com a pesca predatória. Nele vivem três especies de tucunarés, os açus, os popocas e os borboletas, como todo rio de águas brancas por motivos de pH, eles são rios de quantidade de peixe mas de menor tamanho, dificilmente você vai encontrar um peixe acima de 8kgs, mas em compensação explodem os pexes de 2-5kgs. Também habitam Pirararas, filhotes, Aruanas brancas e pretas, apaiaris, pirarucus, cachorra, jacunda e muitas outras especies, a diversidade é muito legal.
    O rio Branco

    Recebi o convite do amigo Enio, o gaúcho, para conhecer o barco do também amigo Rogério Bacchi. Grupo composto por 6 pessoas, grupo muito da paz. 
    Esquentando os motores em Viracopos


    Chegamos em Manaus-AM, na sexta feira a noite e logo cedo embarcamos no aeroclube.


    Voo de 1:30h e adentrávamos o estado de Roraima, pousando na comunidade de Santa Maria do Boiaçu, as margens do Rio Branco. 
    Pista de pouso em Santa Maria do Boiaçu

    Trafego aéreo

    Vida mansa na vila


    La chegando, já constatamos que o nível da água realmente estava bem baixo, o que até dificultava nossa navegação.

    Subimos o Rio Branco sentido norte e aportamos na frente do Lago do Curiucu. Este lago de águas limpas, mais parece um rio de tão grande, com motor 40hp aberto leva quase 2 horas para ir do inicio ao fim, o que é impossível nesta época pois tem diversos canais estreitos que dificultam a navegação, alem do lago principal são mais de 10 outros lagos que se comunicam. E todo ponto do lago dá peixe. Foi o local com maior fartura de tucunarés que eu já vi na minha vida, fruto da preservação, na boca do lago mora a família do Sr Francisco, que há mais de 50 anos, junto com seu falecido pai, não permitem a pesca predatória neste lago, chegou me contar que alguns políticos famosos, não vou citar nome, souberam da fartura lago e tentaram dar uma "carteirada" nele, e qdo souberam que era só pesque e solte se negaram a assim fazer, mas tb de imediato foram expulsos do lago.
    Boca do lago Curiucu


    Pescamos mais de 10 especies. E em 6 pescadores, com 6 dias de pesca, pegamos próximo de 2000 peixes. Somente eu e o Enio pegamos 700 tucunarés, sendo 70 de porte. Uma coisa legal deste lago é a fartura de pirarucus, eles explodem ao seu lado o dia inteiro, e muitas vezes nos dão a alegria da fisgada, tivemos três na linha, inclusive um deles explodiu na zara do Enio, dá para acreditar??, este e outro acima de 20 kgs acabaram por escapar, acabamos embarcando somente 1 pequeno. As outras duplas embarcaram mais pirarucus, sendo um deles um monstro. 
    Todo lago tinha peixe, mas os melhores pontos estavam nos lagos mais fechados, e praticamente todo dia arrastávamos o barco por 3horas para entrar e 2 horas para sair, mas valia muito.
    Como peixe de agua branca, é menos agressivo, hélices não faziam muito diferença. Estavam pegando bem em jigs, twichbaits e zaras, o parceiro só quase pescou com uma Reallis pencil 110 e pegou muito peixe, mas muito mesmo, tava já com vontade de dar uma marretada nesta maldita isca...rsrsrs. Eu não estava acertando a zara certa até o penúltimo dia, então peguei mais no jig. Mas de tanta explosão, acabei achando a isca, comecei usar uma Sammy 110, ai tb só na superfície.
    Para não ficar enrolando vamos a fotos:
    Destes pegava as dezenas, tinha que sair do cardume para continuar pescando



    Atacou o paquinha e ficou preso

    Surpresas 


    Os amigos Marcio e Zeca na batalha





    Entrando nos lagos

     
    https://www.facebook.com/dini.dini.90260/videos/2279717175650505/
     




    Choveu quase todos os dias, mas sem repiquete



    Ajudando na reciclagem









    Almoço na beirada, não pode faltar



    Sofrendo


     
    Lago magnifico







    A noite para relaxar










    Brincadeira com as matrinchas, o resultado











    Os amigos Jorge e seu filho



     

    natureza exuberante


    Me enganaram, veio vazia...rsrsrs























    duro de pescar na agua branca





     
     
     
     
     
    O barco é muito bom, nome TupanaX, do amigo Rogerio. Quartos duplos com ar condicionado e banheiro, refeitório climatizado, a cozinha excelente, e muita comida. 

    Eu só tenho a agradecer a turma que tão bem me recebeu. Ao amigo Enio pelo convite e ao dono do barco o Rogério pela hospitalidade e atenção. E a toda equipe do barco pelo fantástico atendimento
    OBS-Fica claro que não preciso e não recebo nenhuma gratificação para falar da pousada ou de qualquer pessoa, falo bem porque realmente gostei.
    Contatos do Rogério-19-989145070
     
    Material utilizado:

    A-Varas
    -SC III 5''7"20lbs by Waka Custom
    -SC III 5'7"17lbs by Waka Custom
    -Falcon Cara 5'7" Peacock Edition
    B-Carretilhas
    -Scorpion 1501 HG
    -Scorpion 1501
    C-Linha Multi PP 50lbs
    D-Leader -Line system 50lbs
    F-Snap Capella G Amazonas
    G-Iscas mais utlizadas-  Sammy110, Reallis pencil, Rapala Sub walk, jig 6/0 15g.
    -Fica um detalhe os jigs , não tenho mais usado ele com o double tail, acho q qdo ele esta velhaco, ele prefere uma isca menor,e a produtividade aumenta, desta forma.


    Agradeço a Deus e minha amada família por esta vida maravilhosa.
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
  24. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Carlos Dini-Encerrando a temporada dos açus-o lagos dos 2mil tucunarés   
    Amigos, resolvi terminar a temporada dos açus em um local que a tempos eu não frequentava o Rio Branco. O Rio Branco corta o estado de Roraima, passando por Boa Vista, Caracaraí e sua foz se faz no Rio Negro na região próxima a famosa pedra do Gavião, abaixo dos rios Xeruini e Caures. Como o próprio nome já diz, é um rio de águas mais barrentas, mas tem algumas lagoas e afluentes de água limpa, como Rio Agua Boa, Catrimani, Itapara, Mata-Mata e muitos outros. Infelizmente as leis de preservação de pesca começam justamente deste rio para cima, então ele sofre demais com a pesca predatória. Nele vivem três especies de tucunarés, os açus, os popocas e os borboletas, como todo rio de águas brancas por motivos de pH, eles são rios de quantidade de peixe mas de menor tamanho, dificilmente você vai encontrar um peixe acima de 8kgs, mas em compensação explodem os pexes de 2-5kgs. Também habitam Pirararas, filhotes, Aruanas brancas e pretas, apaiaris, pirarucus, cachorra, jacunda e muitas outras especies, a diversidade é muito legal.
    O rio Branco

    Recebi o convite do amigo Enio, o gaúcho, para conhecer o barco do também amigo Rogério Bacchi. Grupo composto por 6 pessoas, grupo muito da paz. 
    Esquentando os motores em Viracopos


    Chegamos em Manaus-AM, na sexta feira a noite e logo cedo embarcamos no aeroclube.


    Voo de 1:30h e adentrávamos o estado de Roraima, pousando na comunidade de Santa Maria do Boiaçu, as margens do Rio Branco. 
    Pista de pouso em Santa Maria do Boiaçu

    Trafego aéreo

    Vida mansa na vila


    La chegando, já constatamos que o nível da água realmente estava bem baixo, o que até dificultava nossa navegação.

    Subimos o Rio Branco sentido norte e aportamos na frente do Lago do Curiucu. Este lago de águas limpas, mais parece um rio de tão grande, com motor 40hp aberto leva quase 2 horas para ir do inicio ao fim, o que é impossível nesta época pois tem diversos canais estreitos que dificultam a navegação, alem do lago principal são mais de 10 outros lagos que se comunicam. E todo ponto do lago dá peixe. Foi o local com maior fartura de tucunarés que eu já vi na minha vida, fruto da preservação, na boca do lago mora a família do Sr Francisco, que há mais de 50 anos, junto com seu falecido pai, não permitem a pesca predatória neste lago, chegou me contar que alguns políticos famosos, não vou citar nome, souberam da fartura lago e tentaram dar uma "carteirada" nele, e qdo souberam que era só pesque e solte se negaram a assim fazer, mas tb de imediato foram expulsos do lago.
    Boca do lago Curiucu


    Pescamos mais de 10 especies. E em 6 pescadores, com 6 dias de pesca, pegamos próximo de 2000 peixes. Somente eu e o Enio pegamos 700 tucunarés, sendo 70 de porte. Uma coisa legal deste lago é a fartura de pirarucus, eles explodem ao seu lado o dia inteiro, e muitas vezes nos dão a alegria da fisgada, tivemos três na linha, inclusive um deles explodiu na zara do Enio, dá para acreditar??, este e outro acima de 20 kgs acabaram por escapar, acabamos embarcando somente 1 pequeno. As outras duplas embarcaram mais pirarucus, sendo um deles um monstro. 
    Todo lago tinha peixe, mas os melhores pontos estavam nos lagos mais fechados, e praticamente todo dia arrastávamos o barco por 3horas para entrar e 2 horas para sair, mas valia muito.
    Como peixe de agua branca, é menos agressivo, hélices não faziam muito diferença. Estavam pegando bem em jigs, twichbaits e zaras, o parceiro só quase pescou com uma Reallis pencil 110 e pegou muito peixe, mas muito mesmo, tava já com vontade de dar uma marretada nesta maldita isca...rsrsrs. Eu não estava acertando a zara certa até o penúltimo dia, então peguei mais no jig. Mas de tanta explosão, acabei achando a isca, comecei usar uma Sammy 110, ai tb só na superfície.
    Para não ficar enrolando vamos a fotos:
    Destes pegava as dezenas, tinha que sair do cardume para continuar pescando



    Atacou o paquinha e ficou preso

    Surpresas 


    Os amigos Marcio e Zeca na batalha





    Entrando nos lagos

     
    https://www.facebook.com/dini.dini.90260/videos/2279717175650505/
     




    Choveu quase todos os dias, mas sem repiquete



    Ajudando na reciclagem









    Almoço na beirada, não pode faltar



    Sofrendo


     
    Lago magnifico







    A noite para relaxar










    Brincadeira com as matrinchas, o resultado











    Os amigos Jorge e seu filho



     

    natureza exuberante


    Me enganaram, veio vazia...rsrsrs























    duro de pescar na agua branca





     
     
     
     
     
    O barco é muito bom, nome TupanaX, do amigo Rogerio. Quartos duplos com ar condicionado e banheiro, refeitório climatizado, a cozinha excelente, e muita comida. 

    Eu só tenho a agradecer a turma que tão bem me recebeu. Ao amigo Enio pelo convite e ao dono do barco o Rogério pela hospitalidade e atenção. E a toda equipe do barco pelo fantástico atendimento
    OBS-Fica claro que não preciso e não recebo nenhuma gratificação para falar da pousada ou de qualquer pessoa, falo bem porque realmente gostei.
    Contatos do Rogério-19-989145070
     
    Material utilizado:

    A-Varas
    -SC III 5''7"20lbs by Waka Custom
    -SC III 5'7"17lbs by Waka Custom
    -Falcon Cara 5'7" Peacock Edition
    B-Carretilhas
    -Scorpion 1501 HG
    -Scorpion 1501
    C-Linha Multi PP 50lbs
    D-Leader -Line system 50lbs
    F-Snap Capella G Amazonas
    G-Iscas mais utlizadas-  Sammy110, Reallis pencil, Rapala Sub walk, jig 6/0 15g.
    -Fica um detalhe os jigs , não tenho mais usado ele com o double tail, acho q qdo ele esta velhaco, ele prefere uma isca menor,e a produtividade aumenta, desta forma.


    Agradeço a Deus e minha amada família por esta vida maravilhosa.
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Carlos Dini
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
  25. Upvote
    Carlos Dini recebeu reputação de Fabrício Biguá em Carlos Dini-Pescarias dos Monstros da Bahia-dez18   
    Amigos, tenho mudado um pouco o foco e tenho pescado tb nas águas salgadas. Muito legal pela diversidade de peixes que se pega, como tb pela força dos adversários.
    Tudo feito em cima da hora, marquei a viagem com 3 dias de antecedência, bom do avião, que torna as coisas muito próximas, trabalhei até as 7 da noite, fui na apresentação do judo do meu filho e as 3 da manha já estava na pousada.
    Voando do trabalho para o Judo, logo ele larga isso e começa pescar com o pai...rsrsrs

    Do Judo para Viracopos, Para embalar as 2horas de sono no avião


    Chegando em salvador a 1 da matina

    O litoral Norte, principalmente do Rio Grande do Norte-RN até praticamente o Espirito Santo-ES, além de serem maravilhosos, tem uma característica importante, que é uma plataforma continental bem curta, significa que vc sai de da praia e rapidamente já esta na beira do precipício dos oceanos, com profundidades acima dos 1000mts. Como exemplo em São Paulo, navega-se praticamente 8horas para atingir tal profundidade, e no Nordeste com meia hora já esta no abismo dos mares. Os peixes costumam ficar na borda deste "buraco", pois as correntes que vem de 1000, 2000mts, batem nessa parede e afloram trazendo nutrientes a superfície e com isso, a vida explode.

    A pescaria normalmente se faz em dois locais, a principal é a de parede, onde fica bem na divisa entre os 100mts de profundidade e o abismo de 1000mts, ali se encontram os gigantescos olhos de boi, o gde foco da pescaria. A segunda modalidade, eles chamam de "meia-peça", fica em locais rasos (50 a 70mts), rsrrsrsrs, onde existem parcéis de pedra no fundo e ali se encontra uma variedade gigantesca de peixes, pega quase de tudo, e tem alta produtividade.
    A pescaria sai da Praia de Itacimirim-BA, distante 60km de Salvador, que praia top, simplesmente linda e fica ao lado da badalada Praia do Forte(6km), mas com grande tranquilidade.

    Acordar pela manha com este visual, só no Brasil.



    Amizade sempre

    A praia de Itacimirim




    Carregando os equipamentos para a lancha


    dada a largada

    O primeiro dia foi ação o dia inteiro, com detalhe para 3 Olhos de boi, pegos nas paredes, muito gdes, que estouraram linhas 100lbs, igual seda, 3x0 para o peixe. Mas pegamos muitos atuns pequenos, guarajubas, Xareus, pitangola(o irmão menor do olho de boi).
    a pintura do mar

    O irmão pobre do atum , o Bonito

    Novas amizades, este é o significado da pescaria

    Atum amarelo

    Xareu Olho de cavalo

    peixe na linha, haja braço


     
    ver se Iemanja leva a oferenda pra casa, nem ela quer...

    Troféu do dia Xareu Amarelo de 25lbs


    https://www.facebook.com/dini.dini.90260/videos/2251725181783038/
    Pitangola

    terminando o dia

    No fim do dia, fiz merda, bêbado é uma desgraça, estava pescando em pé na proa, e desequilibrei e cai ne proteção de metal do barco, muita dor, resultado 2 costelas trincadas, não conseguia nem respirar, o capitão veio rápido me ajudar, perguntou o que eu queria, falei "me dá uma cerveja". bastante dor a noite toda.
    Dia seguinte mesmo com dor resolvi pescar, nada que alcool não resolva.
    Pescador raiz, pé na terra.Moço, sou do interior


     
    Material no pescador artesanal

    Começar o dia


    Embarcando com meu parça, Silvio

     
    O segundo dia, o mar estava mais agitado, o que deixou os peixes mais ativos, em especial os xaréus amarelos, foram mais de 8 peças acima de 10kgs. Já os olhos de boi, desta vez não quiseram aparecer. 
    Guarajuba





    As brigas são de acabar com o braço


     
    Saldo da pescaria muito peixe, muito mesmo, linhas estouradas, e vontade de voltar logo.
    Para encerrar a pescaria, uma moqueca baiana, feita com peixe fresco e polvo pego no recife em frente a praia...

     
    Equipamentos
    -Varas p jigging para linhas PE 3, 4 e 6-by Waka 
    -Molinetes-Stella 10000PG, Stella 8000HG, Bioomaster 5000PG, Twin Power 6000PG
    -Linhas 8 fios OCEa da Shimano- numeros PE 3 e 5
    -Jigs Meia peça 10-150g/ Parede 200-300g
    -assist hook de 4/0 a 8/0-marca shout

    O guia Peixe-Pescador, é top demais, embarcação super segura, recomendadíssimo.
    Tem todos equipamentos para alugar, se o pescador precisar.
    Contatos:
    https://www.facebook.com/peixe.pescador.3/photos?lst=100008367346061%3A100003223297337%3A1545152266&source_ref=pb_friends_tl
    Instagram: @peixe.pescador
    tel-071-97316665

     
    Ficamos na Pousada do Ilha do Meio, muito legal, preço justo, e quartos confortáveis, ideal para levar a família.
    tel-071-91263096


     
    Agradeço a Deus e minha amada familia por esta vida maravilhosa.
    Abs
    Boa semana e pescaria a todos
     
    Para quem quiser acompanhar minhas pescarias:
    facebook https://www.facebook.com/dini.dini.90260
    Instagram  @pescadini
    #pesca_dini
     
    Carlos Dini
×
×
  • Criar Novo...