Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Guilherme Lima

Tucunaré amazônico - o que aprendi na primeira vez

Posts Recomendados

Em outubro do ano passado viajei pela primeira vez pra Amazônia, atrás dos bocudos. Essa viagem foi para a região do rio Sucunduri, atrás dos pinimas, pela Vilanova Amazon.

 

O Eder, líder do nosso grupo e representante da Vilanova, já fez um relato da pescaria aqui: 

 

Aproveito pra deixar meus agradecimentos públicos ao Eder, pelo cuidado enorme e clareza com todos aspectos da viagem, tanto antes, durante e depois. E também pelas várias risadas!

 

Mas o motivo desse post é um pouco diferente do que um relato. Esse ano voltarei com o Eder e mais uma turma pra Amazônia. E agora com os preparativos, me coloquei a pensar sobre o que aprendi na minha primeira vez, e é isso que gostaria de relatar. Como pesquisador, sempre comento com meus orientandos que o ato de explicar algo pra outras pessoas faz com que nós aprendamos mais. Então esse post é muito disso, uma reflexão para que eu possa carregar meus próprios aprendizados, e que espero possam ser de valia aos marinheiros de primeira viagem.

 

A Amazônia é diferente. Acho que nunca tinha visto um céu tão estrelado, acordei todo dia mais cedo do que a turma só pra poder apreciar um pouco. Ver também os raios de tempestade caindo é um pouco assustador. Praias cheias de jacaré, atravessar córregos cheios de cardumes de peixe, pescar em praias com milhares de peixes forrageiros nadando, tudo é muito encantador. E pensar que estamos destruindo tudo isso... Então já começo com a dica zero, talvez a mais importante:

 

0. Contemple a Amazônia tanto quanto puder...

 

Sobre iscas de superfície: o que eu percebi já com alguns dias de pesca por lá é que variedade de iscas era secundário, e o mais importante era ter uma isca que eu gostasse muito de trabalhar, e conseguisse trabalhar de formas variadas. Como pesco muito menos do que gostaria, não fiquei testando trabalhos de iscas antes de viajar, então os testes foram nos primeiros momentos de pescaria mesmo. E depois de testar várias, encontrei um modelo que fiquei pescando a maior parte da semana. Mas porque gostei mais de um modelo? três aspectos principais: era um stick/zara que arremessava mais fácil, aguentava garatéias grandes, e por último e mais importante eu conseguia trocar de trabalho entre zara e stick com maior facilidade. Este último aspecto no passado eu não levava tanto em conta mas é muito importante. Por vezes o peixe perseguia, mas não atacava com tudo, mas era exatamente no momento que eu dava o puxão pra paradinha de stick que o peixe pegava. E ademais, quanto menos vc troca de isca, mais tempo sua isca está na água, então vc tb tem mais chance de pegar peixe. Então a primeira dica é:

 

1. Ao invés de muitas iscas diferentes, encontre a que vc mais gosta e confia e leve várias cores dela

 

Sobre iscas de meia-água/fundo: muito pessoal, mas percebi que o que dava maior flexibilidade eram jigs. Em vários momentos pescávamos em poços, e jigs ajudavam muito na hora de deixar descer a isca. E mesmo se precisar, dá pra trabalhar jig quase que como sub-superfície. E por jig aqui, vale tanto soft quanto de pena. Eu usei muito mais jig de pena, até porque ele aguenta muito mais mordidas de piranha. Não encontrávamos piranha em todos lugares, mas quando encontrávamos elas acabavam com vários jigs em pouco tempo. Em 6 dias de pesca, pescando a maior parte do tempo com superfície, foram 10 jigs depenados. Então a dica é

 

2. Leve muitos (realmente MUITOS!) jigs!

 

Sobre arremessos: minhas pescarias de tucunarés até o momento foram sempre de azuis em represas. Isto quer dizer arremessos no meio de pauleiras, onde por vezes precisão é fundamental mas distância nem tanto. Pra minha surpresa, na Amazônia o que eu mais precisava era o contrário: distância. Pode ser uma percepção somente dessa minha viagem específica, pois pegamos o rio bem seco, mas raramente o tucunaré atacava próximo do barco. Salvo quando pescávamos em poços, todos os ataques eram bem distantes. Então já no primeiro dia, observando como meu parceiro estava tendo muito mais ataques, percebi que tinha que caprichar na distância, arremessar no ponto bem antes do barco se aproximar. Claro, aqui também valia precisão, de arremessar bem ao lado de tronco caído, ou nas entradinhas pequenas da margem, mas todos esses arremessos eram "por cima da cabeça", não precisava de flipcast etc, e como vc arremessa com o tronco caído em "paralelo" com a linha, é mais fácil colocar a isca no lugar certo. Então aqui fica a terceira dica:

 

3. Pratique distância em arremesso, ela é sua aliada!

 

O bicho é brabo mesmo! Estávamos pescando na famosa Ressaca do Camarão. Arremesso uma zara num toco caído, dou 2 ou 3 toques, e "tcháa" num ataque fenomenal. Meu parceiro falou inclusive que eu dei um pulo de susto no ataque. O tucuna foi pra um pau, pra outro, e mais um. Com muito trabalho ele sai do enrosco, mas quando vou trazendo ele, vem junto um tronco: ele deu a volta no pau, mas não tinha desenroscado, tinha quebrado o pedaço de pau. Como o pau estava enrolado na linha, não dava mais pra recolher, e o guia teve que desenrolar. Mas ai era inevitável, a linha afrouxou um pouquinho pra soltar o pau e o peixe foi embora. Quando recolhi, percebemos o que tinha acontecido: o snap estava aberto! Tem essa, e tem várias outras histórias na turma, desde barateias abertas, linhas estouradas, e até isca quebrada no meio! Mas no meu caso, ao final do dia e olhando em perspectiva, percebi que na verdade tinha sido uma falha minha. Ao contrário do que estava fazendo até então, eu não tinha trocado o snap de um dia pro outro, e sentia que tinha um pouquinho mais de facilidade pra abri-lo, como se ele tivesse uma leve "amaciada". Creio que se eu tivesse deixado a preguiça de lado e trocado o snap por um novo, isso não tinha acontecido. Então cheque sempre todo seu conjunto, e vai outra dica:

 

4. Ao menor sinal de que linha/snap/garatéia pode estar comprometido, então trate como se já tivesse estourado

 

Entenda as pessoas à sua volta. Essa é meio óbvia, mas vale ressaltar. Dentro vários lugares que eu pesquei, ali na Amazônia me deu a impressão de ser onde o guia é o menos preparado, no sentido de instrução/experiência fora de pesca. Isto na prática, pra mim, quer dizer que pode ser mais difícil se aproximar um pouco mais do guia, porque a diferença cultural é muito grande, e todo conhecimento dele é puramente empírico, nem ele sabe o que sabe e porque sabe. Nos primeiros dias, isso se refletiu em que o guia não dava nenhum pitaco em cor/tipo de isca, onde arremessar, o que mudar no trabalho. Ai eu percebi que eu tinha que fazer um esforço maior pra me aproximar dele: falar besteira, zuar eles mesmo, mas tb tentar conhecer um pouco melhor. Depois de uns 2 dias de pesca, ele estava muito mais solto, falava muito mais no barco. Isto quer dizer que eu também podia tentar fazer algo diferente quando eu sentia, colocar uma isca que ele não botasse muita fé, sem que ele ficasse "ofendido". E também quer dizer que, por iniciativa dele próprio, a pesca tb era mais produtiva. Por exemplo, sempre éramos os últimos a chegar ao acampamento no final do dia pq o guia insistia pra gente tentar um pouco mais. Então a obviedade

 

5. Trate seu guia como se fossem amigos de longa data

 

E claro, o mais importante: se divirta! eu nunca tinha ido pra Amazônia, mas sempre foi meu sonho de criança (não sou muito sentimental, então provavelmente é a única coisa que realmente posso chamar de sonho). Fui com uma turma onde não conhecia ninguém. Mas foram muitas risadas, muito peixe na linha, aprendizado de pesca, muito "danone" bem gelado até nas primeiras horas do dia, enfim, inesquecível. E se prepare porque vai virar vício: já tenho um retorno marcado pra novembro desse ano (e que a crise sanitária esteja realmente caminhando pra um controle!), e espero ainda ter muitas outras...

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grande Guilherme, PARABÉNS !

 

Conseguiu sintetizar e reproduzir os principais conselhos aos que vão pescar na Amazônia.
Particularmente endosso (com louvor) todas suas apreciações, independente dos comentários que farei...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, Guilherme Lima disse:

espero possam ser de valia aos marinheiros de primeira viagem

Muitos dos "novatos" (e outros nem tanto assim) deverão lhe agradecer pelas suas considerações.

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

A Amazônia é diferente. Contemple a Amazônia tanto quanto puder...

Isso é indiscutível ! NADA se compara à serenidade encontrada na Amazônia, local de infinita beleza e pujança da natureza.

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

Ao invés de muitas iscas diferentes, encontre a que vc mais gosta e confia e leve várias cores dela

Diria um pouco diferente, passando a maior ênfase para iscas repetidas (inclusive nas cores), pois é naquilo que está funcionando que a pesca deve ser feita. Insistir na sua crença é fundamental, não importando marca e sim a forma de ser trabalhada...  ::fish2

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

2. Leve muitos (realmente MUITOS!) jigs!

Na operação do Sucunduri os jigs são parte do processo e pegam bastante, da mesma forma como são trucidados pelas piranhas (esqueçam de isca soft). Adotei a estratégia de iscas de sub-superfície e tive um bom diferencial na produtividade das capturas... ::fishing

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

3. Pratique distância em arremesso, ela é sua aliada!

Isso é um conselho fundamental. Aqueles que treinarem previamente os arremessos e se familiarizarem com os pinchos, terão uma vantagem enorme nos quase sempre "poucos dias de pesca"... :wild:

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

linha/snap/garatéia pode estar comprometido, então trate como se já tivesse estourado

Isso serve também para os "chamados veteranos" que, por preguiça, acabem deixando para depois até perderem o troféu da pescaria... ::ops

 

3 horas atrás, Guilherme Lima disse:

5. Trate seu guia como se fossem amigos de longa data

Grande dica ! Não se deixe levar pela aparência simples e arredia desses ribeirinhos. Grande parte do que fazem com competência lhes foi ensinado pelos anos de vivência e não por qualquer tipo de conhecimento ministrado. Tratar essas pessoas de forma generosa (e não é com "grana" apenas) é uma diretriz próxima ao sucesso desejado.

 

Por fim, algo que precisa estar sempre presente nos grupos de pesca. ALEGRIA ! Diria até que é motivo de celebração de algo tão fantástico como passar um período pescando na Amazônia. Desfrute sempre seus amigos, os locais por onde andar, os sinais da "mãe natureza", e principalmente, o desejo que se manifestará (de imediato) em querer retornar outras vezes. Isso é a Amazônia;

 

1155328398_Amaznia.jpg.b99415e2f572cd29dbc495e73cd26be6.jpg

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

em todas pescarias que vou sempre deixo alguns amigos novos, tanto que troco mensagens de zap com os guias ate hoje

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Show de bola, Guilherme...Parabéns pela abordagem.

 

Infelizmente uma boa parte dos que se aventuram por lá é para pegar o próprio recorde. Claro q respeitamos quem faz isso, e lá é local de bater mesmo, o próprio recorde. Ocorre que é uma região muito sensível e com grande probabilidade de errar a condição ideal de pesca. Como resultado, muitos se irritam, irritam os amigos de pesca, reclamam de tudo, colocam a culpa até na cerveja muito gelada, e depois saem falando mal pelos cotovelos.

 

Parabéns mais uma vez pela abordagem e pescaria é isso, é observação, contemplação, é isolamento, é reflexão, e tb, estar com a isca na água para o caso de um peixe grande querer abocanha-la...rsrs

 

Abs...😉

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bacana o texto.

Como não tenho grupo formado vou sempre sozinho e me encaixo em algum grupo, e em alguns fiz boas amizades. Este ano vai ser a primeira vez que vou com o mesmo grupo.

Não fui ainda tantas vezes como gostaria de ir a amazonia, mas ja fui algumas vezes e por sorte somente a primeira foi espetacular, em todas as outras peguei sempre condiões ruins de rio, poucos peixes... mas o que curto mesmo e a viagem e boas risadas, é bom demais passar uma semana desconectado do mundo!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Guilherme Lima fico muito agradecido com suas palavras. Ter este reconhecimento é saber que estamos no caminho certo e  ser consciente de que estar a frente do sonho das pessoas é uma grande responsabilidade.

Buscar melhorar sempre para a cada dia oferecer o melhor de mim. 
 

Essa oportunidade de estarmos juntos na sua primeira vez na Amazônia foi uma experiência incrível e sou muito grato por confiar em mim para uma segunda grande aventura. Agora em moldes diferentes e que acredito que será igualmente incrível. Com fé em Deus traremos aqui mais um super relato. 
 

Seu post é super enriquecedor na ajuda dos amigos pescadores. Parabéns por sua riqueza de detalhes. 
 

Tamos juntos sempre!0DBC4D34-5480-4E63-9CBD-F54245937115.jpeg.dc0ec50fe1c45f6c595aafa92da38ebf.jpeg2E6D5A40-1E9F-47CC-ABAC-F76C5697ADB4.thumb.jpeg.d22785a251eb337a93b387010a80f031.jpeg8B0D98DF-1AFB-4C56-86CC-C3A45CD40326.jpeg.b5274a8d6a776b3f325eb3dd93b71263.jpeg1DF15FD3-DB1E-40E9-AFB4-8A3CFD6BB0B1.thumb.jpeg.1391d525a5d17172da5e76cdecdfed21.jpeg1DF15FD3-DB1E-40E9-AFB4-8A3CFD6BB0B1.thumb.jpeg.1391d525a5d17172da5e76cdecdfed21.jpegF17CF968-DEC5-4E45-B245-C9DE87C2D80E.jpeg.e6a5ecba58bf29d14c48102ebc2d23f0.jpeg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 19/08/2021 em 09:40, Quito disse:

Muito bacana o texto.

Como não tenho grupo formado vou sempre sozinho e me encaixo em algum grupo, e em alguns fiz boas amizades. Este ano vai ser a primeira vez que vou com o mesmo grupo.

Não fui ainda tantas vezes como gostaria de ir a amazonia, mas ja fui algumas vezes e por sorte somente a primeira foi espetacular, em todas as outras peguei sempre condiões ruins de rio, poucos peixes... mas o que curto mesmo e a viagem e boas risadas, é bom demais passar uma semana desconectado do mundo!

Bem isso mesmo Quito, além da pesca ficam também muitas risadas. É até engraçado, não conhecia ng do grupo, mas depois de alguns dias juntos parece q já tínhamos pescado juntos fazia tempo....

 

E claro, teve tb muito peixe bom, como o @Eder Nascimento gentilmente postou aqui as fotos

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 19/08/2021 em 21:42, Eder Nascimento disse:

@Guilherme Lima fico muito agradecido com suas palavras. Ter este reconhecimento é saber que estamos no caminho certo e  ser consciente de que estar a frente do sonho das pessoas é uma grande responsabilidade.

Buscar melhorar sempre para a cada dia oferecer o melhor de mim. 
 

Essa oportunidade de estarmos juntos na sua primeira vez na Amazônia foi uma experiência incrível e sou muito grato por confiar em mim para uma segunda grande aventura. Agora em moldes diferentes e que acredito que será igualmente incrível. Com fé em Deus traremos aqui mais um super relato. 
 

Seu post é super enriquecedor na ajuda dos amigos pescadores. Parabéns por sua riqueza de detalhes. 
 

Tamos juntos sempre!0DBC4D34-5480-4E63-9CBD-F54245937115.jpeg.dc0ec50fe1c45f6c595aafa92da38ebf.jpeg2E6D5A40-1E9F-47CC-ABAC-F76C5697ADB4.thumb.jpeg.d22785a251eb337a93b387010a80f031.jpeg8B0D98DF-1AFB-4C56-86CC-C3A45CD40326.jpeg.b5274a8d6a776b3f325eb3dd93b71263.jpeg1DF15FD3-DB1E-40E9-AFB4-8A3CFD6BB0B1.thumb.jpeg.1391d525a5d17172da5e76cdecdfed21.jpeg1DF15FD3-DB1E-40E9-AFB4-8A3CFD6BB0B1.thumb.jpeg.1391d525a5d17172da5e76cdecdfed21.jpegF17CF968-DEC5-4E45-B245-C9DE87C2D80E.jpeg.e6a5ecba58bf29d14c48102ebc2d23f0.jpeg

 

 

Vc é show, Eder, e ainda ajudou a colocar a gente na cara do gol! só lapa! E que venha a próxima em novembro nas "águas inexploradas".... o mais engraçado é que pensei que a primeira vez é que gerava mais ansiedade, mas que nada, agora to muito mais ansioso!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 19/08/2021 em 10:31, Anderson Caldana disse:

Show de bola, Irei pela primeira vez agora em Outubro, Muito obrigado por esse relato.

@Anderson Caldana, nasci e cresci no estado de SP, e muito por isso cresci e aprendi a pescar em pesqueiro. A julgar pela sua foto, com vc foi o mesmo? sou muito novato nisso de Amazônia, mas qqr info que precisar só dizer...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
10 horas atrás, Guilherme Lima disse:

 

 

Vc é show, Eder, e ainda ajudou a colocar a gente na cara do gol! só lapa! E que venha a próxima em novembro nas "águas inexploradas".... o mais engraçado é que pensei que a primeira vez é que gerava mais ansiedade, mas que nada, agora to muito mais ansioso!

Esse frio na barriga, esta ansiedade só tem quem tem amor pela pesca. Sempre nas vésperas de uma pescaria ( e olha que a véspera pode ser um ano kkkk) ficamos dias sonhando e sempre analisando as iscas, a expectativa é muito grande. Uma certeza nós temos, iremos nos divertir muito.

Abraço Guilherme.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se registrar depois. Se você tem uma conta, CLIQUE AQUI para postar com a sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Processando...
Entre para seguir isso  

×
×
  • Criar Novo...