Ir para conteúdo

O FTB foi atualizado e otimizado.

Antes, para visualizar todas as nossas salas, era preciso descer a barra de rolagem por muito tempo. Isto dificultava a nossa vida, principalmente a dos novos usuários, que não encontravam as salas/assuntos de interesse.

Agora as salas foram transformadas em "sub salas" e incluídas em grandes fóruns.

Esperamos que tenham gostado. :amigo:

Kid M

Moderador
  • Total de itens

    10.869
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    47

Histórico de Reputação

  1. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Variando de ambiente...   
    Verão forte em Salvador, águas azuis da temporada, maré grande (em função da lua crescente - quase cheia), terminei retornando ao mar, novamente no Tubara (28 pés com dois Evinrude de 115 hp - adaptado para a pesca esportiva),

    só que desta feita para uma pescaria de jigs em plena Baía de Todos os Santos (BTS). O barco comporta 6 pescadores + o Capitão (Grande Bruno), e com diversos outros Mocorongos, fomos atrás dos Xaréus (grande prêmio esportivo inshore).

    Saída da Marina (avenida do contorno - mais próximo impossível), local excelente para embarque com estacionamento para deixarmos os veículos, onde nos encontramos com as tralhas específicas para esse tipo de pescaria (material bastante diferente do que usamos em rios, não apenas no aspecto de marinização, mas de estruturas das varas e forma de trabalho das iscas). Barco pré-abastecido de combustível e gelo, foi o tempo de embarcarmos com os sandubas para "aguentar" o dia de pesca, além das "latinhas" (além da água potável) e sair às 06 h com o dia já completamente claro e o sol tentando se livrar das nuvens matinais que se dispersaram ao longo da do dia !

    Logo na saída, com menos de 10' de navegação, os primeiros pontos já eram testados (sem sucesso), até para apurar as condições de pesca. As condições da maré são fundamentais nesse tipo de pescaria, pois a depender do movimento das correntezas (enchente ou vazante) a possibilidade de aparecerem os peixes é maior (peixes sempre aparecem no sonar, mas a questão é saber se estão ou não comendo...)
    Outro aspecto de fundamental importância é ter conhecimento dos pontos de pesca, ou seja, locais onde existem condições (naturais ou artificiais) de haver o que se chama por aqui de "cardumes de iscas", ou sejam, pedras, galhadas afundadas, ou qualquer tipo de local que permitam as presas se refugiarem dos seus predadores ! Procurar isso pelo sonar é complicado se os pontos não estiverem registrados no GPS ! O Capitão Bruno tem o fundo da Baía de Todos os Santos mapeados na cabeça, de tantas saídas e pescarias realizadas na região. Com a flexibilidade de deslocamento da Tubara, eram 4 ou sim "descidas" e procurar outro ponto, além de constantemente realinhar o barco no local certo (sonar) por conta da maré.  

    Finalmente os peixes começaram a comer, e fui aquinhoado com esse belo "peixe galo", bastante comum na região, em tamanhos menores que este capturado (carne alva e deliciosa). Terminei pegando mais alguns destes ao longo do dia, que acabou se revelando aquém do que esperávamos (faz parte).
       
    Muita "ralação" nesta manhã, com iscas perdidas pelos ataques das sororocas nas linhas (estavam bem ativas), já que com aquela dentição, basta triscar nos líderes de flúor para o prejuízo ser contabilizado. Estávamos usando jigs de 75 e 100 g, dependendo do local, já que as profundidades variavam de 30 à 65 m. A cor preferida nessa temporada (ou época do ano de muita luminosidade) vem sendo as NS amarelas limão com fita holográfica ! Apareceram algumas "solteiras" (peixe saltador que é chamado por aqui de "Dourado da BTS" - péssimo como alimentação), outros galos, mas nada dos Xaréus...
    Deu aquela paradeira, onde não só o peixe parou de comer totalmente, como o sol ficou "quente", com o pouco vento existente ! Hora de buscar um refúgio para esperar o movimento de viração da maré, quando o peixe voltaria a comer... Pescar na BTS oferece algumas boas oportunidades, não apenas de um mergulho nas águas cristalinas pelas areias alvas e finas da ilha de Itaparica, como também a possibilidade de um tira gosto preparado para nosso proveito ! Estão servidos ? Acarajés (frito), abarás (cozido) com molho de camarão seco, vatapá, caruru (quiabo) além de uma pimentinha (para homem - menino não entra...)
     
    Mesmo com certo contragosto, lembramos aos mais insistentes que não era passeio, e sim pescaria, daí a necessidade de voltar à lida, nosso principal propósito do dia. Voltamos a navegar e não demorou para as batidas se mostrarem ativas ! Mas nada de xaréu ! Uma lástima... O Capitão não economizava combustível na busca de locais mais remotos, mas o que víamos bastante eram outros barcos de pesca em constante movimentação, indicando que o problema era comum, ou seja, o peixe não estava comendo ! Mas pescaria é insistência, além de crença, e a busca continuou sendo feita, mas diferentemente do que possa se supor, eram esticadas de até 10' entre tentativas nos locais marcados, ou seja, há muitos pontos de pesca dentro da BTS ! Numa dessas paradas, eis que finalmente conseguimos embarcar uma sororoca (grande até), pois elas estavam "ganhando" (de goleada) no corte das linhas... 

    Passamos a tarde nesse esquema de movimentação, sempre embarcando um peixinho, mas nada dos procurados xaréus ! Apesar de pescaria ter disso, era evidente que havia algum fator do nosso desconhecimento atuando para gerar essa situação. O cálculo de peixes embarcados (feito pelo Capt Bruno) era de uns 30 kg no total (normalmente chega na faixa dos 100 kg), mas sem qualquer Xaréu (que sempre adiciona um peso na "fieira"). A insistência terminou gerando recompensa, pois terminou entrando um xaréu (xarelete) o que sempre gerou uma tirada de linha e uma briga maior ! Olha a foto dele aí antes de voltar para a água !
     
    Ainda passamos umas duas horas pescando (galo, solteiras e até mesmo um bonito apareceu - briga bem), até capitularmos diante dos fatos ! O Xaréu não quis aparecer para alegrar nosso dia, que apesar de tudo foi muito divertido com risadas, conversas, provocações, e tudo que um grupo de amigos proporciona ! Cada vez mais próxima a versão dos "Sea Mocorongos" !
    De volta a Marina, foi o tempo de desembarcar, tomar um banho (vestiário excelente a disposição dos pescadores), beber a última e deixar acertada a próxima saída (também de maré grande) no dia 14.01 (domingo - concessão especial do Capt Bruno aos Sea Mocorongos). Tomamos conhecimento que os demais barcos de pesca retornaram frustrados, alguns inclusive sem qualquer captura realizada ! Dia difícil para todo mundo ! Nós contabilizamos uns 40 kg, no final das contas... (a maioria liberada). Às 18:15 h estava em casa (pode ser melhor que isso ?)
  2. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Eder campos em UM DESABAFO   
    Amigo Dair,
    Relendo o que foi postado pelo Fabrício, começo a "suspeitar" que o nosso (pescadores esportivos) problema, não está na atividade, e sim naquilo que nos cerca e que nos trás incômodos de "viver a vida" ! Dificilmente ouvirá de um pescador que está chateado com a pescaria - é um paradoxo ! Mas esse mesmo indivíduo, se olhar em seu entorno, descobrirá tantos motivos para perturba-lo, que a "pesca" termina pagando a conta ! Melhor dizendo, como é possível acreditar que um pescador esteja "sem saco" para pescar ? Ele está "sem saco" sim, para encarar todas essas bandalheiras que envolvem a sua vida direta e indiretamente ! E convenhamos, não tem quem não perca seu humor e propósitos quando vê tanto de ações erradas e indevidas ocorrendo em todos os setores de nossas vidas !
    Claro - e ninguém precisa afirmar mais isso - que o problema da ausência de educação de nosso povo é uma vertente fundamental para o equacionamento desses problemas, inclusive os de pesca esportiva, mas o que vem sendo feito efetivamente para mudar esse cenário horripilante de desmando e desapego das lideranças em priorizar a causa e não os efeitos delas ? Segurança, saúde e preservação ambiental são (e serão sempre) consequência natural a ser tratada com as pessoas tendo um mínimo de conhecimento (cultura educacional). 
    Na minha forma de ver essa situação da pesca esportiva, e já não é a primeira vez que menciono isso, é estabelecer um marco onde a comercialização do peixe silvestre seja proibida, a exemplo do que acontece com a caça (claro que a caça continua existindo, mas em muito menor escala). Peixe para a alimentação tem que ter origem em criação doméstica, que já está mais que comprovada sua viabilidade comercial. Falta sim, a aplicação dessas decisões (se assim for desejado) pelas autoridades constituídas... mas e os pescadores profissionais, como irão sobreviver com um medida como essa ? Vão buscar alternativas, inclusive com a criação dos peixes comercialmente. Esse processo de assistencialismo que cada vez mais parece se irraizar na nossa população (principalmente as menos assistidas), precisa mudar. Não quero entrar nisso, que é uma semântica pior do que o "ovo ou a galinha".
    Assim como o Fabrício, também estou cansado de ver tanto descaso ao passar dos anos. Os esforços são pontuais e quase que "individuais", quando muito através de pequenas associações ! Não que elas estejam erradas em tentar mudar esse cenário, mas precisam pensar melhor na forma de agir, senão ficarão "esgarçados" de tanto esforço para o resultado aquém do desejado. É como se estivéssemos acelerando um motor de popa, com suas hélices na flor d'água !
    Mas a vida continua e minha admiração aos que se dedicam a tentar minorar essa situação.
        
  3. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Bernardo Cassaro em Amarelo 50up!   
    Parabéns pelo feito !
    Que 2018 seja ainda melhor ! 
  4. Upvote
    Kid M recebeu reputação de FabianoTucunare em UM DESABAFO   
    Pessoal,
    Antes de mais nada, é importante manter no FTB uma heterogenia de opiniões e pontos de vista ! Isso gera possibilidades...
    Não é para "adular ou criticar", mas quando se trata de levar as coisas mais a sério, a classe de pescadores é bastante desunida...
    Claro que tem aqueles que fazem disso um "propósito de vida", até mesmo uma crença de que é possível fazer a diferença...
    Os grandes nomes desse cenário, ícones da pesca esportiva em algumas oportunidades, até que tentam compatibilizar suas agendas comerciais com visões pessoais, mas nem sempre tem boa aceitação no meio em que andam... o nível de exposição e desgaste é enorme.
    Por outro lado, sem deixar de fazer o contraponto, posso exemplificar outros (não menos ícones) que se dedicam a buscar efetivas melhorias nesse cenário (JCKruel é um deles), mas quase sempre esbarram em "forças maiores" que refreiam os objetivos maiores, e essas ações vão sendo "melhoradas" a cada "revisão legal"...
    Por fim, nosso país é inconclusivo no que pretende ser entre seu discurso e sua prática. Potencialmente geramos "invejas" a outros, mas em termos práticos, continuamos no mesmo procedimento tacanho e miúdo, que beneficia poucos em detrimento de tantos... mas isso é a cara do Brasil ! Mudanças são necessárias, é claro, mas elas irão começar por onde ? Educação, Saúde, Segurança, ou por práticas mais consistentes e reais dentro da nossa realidade brasileira ! 
    Uma das poucas vantagens de se ficar mais velho (se é que possa ser vantagem) é poder ter uma visão mais ampla do conjunto de "cagadas" que são feitas nesse local que nascemos, ou moramos ! Indignações estão sempre presentes, expectativas e esperanças se renovam a cada ano, mas o que acontece de fato a cada eleição ? Mesmos nomes ou "novos nomes" com as mesmas práticas...
    Sou solidário ao Dair e a tantos outros que gostariam de ver um cenário mais coerente com o futuro da pesca esportiva, mas "esse não é um país sério"  (dito há décadas pelo presidente francês Charles De Gaulle - com plena razão...) 
  5. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Francisco Jr em [Tucunaré Açu] Novo recorde mundial capturado ontem (21/11/17)???   
    Existe a surpresa pelo porte desse troféu, independentemente de ser (ou não) homologado !
    Tenham certeza de que quem o pegou já teve a adrenalina que supera qualquer homologação de recorde ! 
    Parabéns aos envolvidos, não importando onde tenha ocorrido  
  6. Like
    Kid M recebeu reputação de Pepe Melega em [Tucunaré Açu] Novo recorde mundial capturado ontem (21/11/17)???   
    Existe a surpresa pelo porte desse troféu, independentemente de ser (ou não) homologado !
    Tenham certeza de que quem o pegou já teve a adrenalina que supera qualquer homologação de recorde ! 
    Parabéns aos envolvidos, não importando onde tenha ocorrido  
  7. Upvote
    Kid M recebeu reputação de FabianoTucunare em [Tucunaré Açu] Novo recorde mundial capturado ontem (21/11/17)???   
    Existe a surpresa pelo porte desse troféu, independentemente de ser (ou não) homologado !
    Tenham certeza de que quem o pegou já teve a adrenalina que supera qualquer homologação de recorde ! 
    Parabéns aos envolvidos, não importando onde tenha ocorrido  
  8. Like
    Kid M recebeu reputação de Edson C. Martins (CAPITÃO) em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  9. Upvote
    Kid M recebeu reputação de CRISTIAN BÚRIGO em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  10. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Felipe Sousa.´. em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  11. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Jorge Augusto Atalla em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  12. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Cristiano Rochinha em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  13. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Renato Barreto em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  14. Upvote
    Kid M recebeu reputação de FabianoTucunare em Angatu, Viagem frustada e decepcionante   
    Caro Jorge,
    Antes de vocês, nosso Grupo também passou por uma situação semelhante...
    Na verdade deixamos de subir o Uneiuxi por conta de idas anteriores dos Angatus nesse rio...
    Enquanto que o Angatu Mirim com o Carlos Dini (voamos juntos para SIRN) foi para o Uneiuxi (eles eram seis), os Mocorongos + amigos do João Biguá (éramos 16) no Angatu Açu fomos direcionados para o Jurubaxi-Téa. Meio complicado entender como há essa situação de dois barcos do mesmo operador com tratamentos diferenciados num mesmo momento...
    De todo modo, a palavra de ordem eram as "autorizações" emitidas por uma representante de um órgão ecológico (talvez até alguma secretaria municipal), que já chegava com os papéis prontos e assinados com a designação de quem iria para onde... Mesmo que seja uma situação discutível, supomos que poderia ser algo interessante que se iniciava na região. Ledo engano, pois soubemos (depois, é claro) que fomos os únicos a subir o Jurubaxi-Téa, sendo que os demais seguiram para o Uneiuxi ou ficaram pescando no próprio rio Negro. Essa conversa que nos foi apresentada pelo Jairo, da existência dessa "rotação" de pescadores nos rios e mais a supressão de R$ 50,00 por dia por pescador para acessar um afluente, termina se assemelhando a "conversa para boi dormir"... Já enfrentamos o prefeito Beleza em Barcelos, que canalizou essa cobrança municipal ilegal até a mesma ser judicialmente suspensa e acredito que em SIRN vá se repetir todo esse procedimento. Bem verdade que em SIRN já existem outros interesses, acho até que legítimos, desde que dentro do que for aplicado como critério ou regras para todos. O poder do dólar é sempre forte, ainda mais com esse câmbio... Barcos lotados de turistas americanos praticamente sustentam a cidade de SIRN, onde - aparentemente - as pessoas na sua grande maioria se dedica a ações públicas de manutenção do que restou na cidade (achei muito abandonada). não fosse pelo belo ancoradouro que ainda não conhecia, diria até que a cidade regrediu... O aeroporto vestiu uma "roupinha de domingo", mas permanece com os mesmos problemas de antes, e sem operar por instrumentos (até quando ?).
    Assim como vocês, também nós usamos o Angatu praticamente desde a sua fundação, ou melhor, no tempo em que o Marlon era empregado do Andrea e Pilolô não passava de um piloteiro. Fomos pescar a primeira vez com o Andrea e o Genésio (nosso velho conhecido e parceiro em algumas pescarias) quando a estrutura do Angatu ainda engatinhava. A todo ano que frequentávamos o barco (e a operação), seguia posteriormente para o Andrea e a Fernanda, um "relatório de feedback" com os prós e contras encontrados a cada ano. Esse era um processo compartilhado por todos os integrantes do Grupo, cujo tom de apreciação (e notas) era dado pela média alcançada nos inúmeros itens avaliados (que permanecem ativos até então - com algumas adaptações, mas a essência sendo a mesma). Ainda não consegui receber o material de alguns dos integrantes da turma desse ano, daí não ter concluído para encaminhamento ao Andrea / Fernanda esse feedback. Demora, mas sai...
    Antecipo-lhe alguns pontos que você bem aborda, e que precisam mesmo ser revistos e avaliados, pois nada pior para a Operação Angatu, que seus clientes "cativos" tenham se tornado "críticos" e não propagadores das virtudes até então presentes nessas incursões pelo rio negro. Tivemos problemas com alguns dos piloteiros (e olha que foram selecionados os melhores dentre os Angatus Açu e o tradicional, já que apenas o Açu saiu naquela "nossa" semana). Um dos mais "complicados" foi uma manobra inadequada fazer com que um dos pescadores fosse atirado dentro do rio, e terminasse perdendo seus óculos de pesca novinhos (Oakley) por completa "barbeirada" de quem estava no motor. Motores elétricos sem funcionarem direito e descarregados no horário do almoço foram diversos, cadeiras de botes quebradas (mais de uma), ausência de material básico para qualquer piloteiro (alicate de bico, pega peixe - nem falo de boga grip, etc...) e por aí vai... Seguramente não é a mesma operação de antes... Admito até que se tivesse havido peixe, a coisa não afloraria assim com essa intensidade, mas com o investimento realizado para aproveitar o pacote & acesso (não menos de R$ 10 milhas) e o resultado obtido, e sem a transparência desejada (isso sim é o que incomoda, pois a comparação sempre é inevitável, seja para o melhor ou para o pior), não poderia ser diferente de "decepcionante" (para manter a linha).
    Longe de querer colocar "panos quentes", entendo que essas coisas precisam ser conhecidas e avaliadas pelos donos da operação. O Angatu vem se estruturando a cada ano, implementando modelos de gestão (muitos deles inadequados), investindo em equipamento e o mais importante, se consolidando como um dos ícones dessa atividade, para colocar em risco tudo isso por não dar a devida transparência aos fatos como eles são, preferencialmente antes de serem descobertos... Me entristece muito mesmo ver algo tão prazeroso e único, que é desfrutar dessa bela região amazônica da bacia do rio negro se deteriorar com a rapidez com que afasta os mais antigos, substituindo-os por novos grupos esperançosos de encontrar algo prometido que já não mais existe... O foco do que se busca nessas pescarias é que gera o equilíbrio entre ter pouco peixe, mas ter muita alegria e felicidade na integração dos pescadores... Costumo dizer que "peixe é apenas uma consequência", mas para isso ser verdade, é preciso que tudo mais seja excelente, e já não está mais assim, muito pelo contrário, afastando cada vez mais os que verdadeiramente se dispõem a ir, usufruir e voltar pensando num próximo retorno ! Eu voltei convicto de que dificilmente retornarei... 
  15. Upvote
    Kid M recebeu reputação de ArthurCaillard em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Prezados amigos, 
    De forma indesejada, estou trazendo ao FTB uma polêmica real, ainda que baseada num processo de desabafo de minha parte.
    Longe de qualquer propósito de lançar "bravatas" ou "ficar de mau com a vida" ! Quem me conhece sabe da minha índole...
    Agradeço às diversas formas de elogio que vi postadas a minha pessoa, seja pela dedicação ao FTB, seja pela forma equilibrada de me comportar como Moderador, ou mesmo pela generosidade de alguns mais próximos, que chegaram a visualizar pontos "fora da curva", como se íconos fôssemos (isso são para os rotulados e profissionais da pesca esportiva).
    Meu amigo Fabrício chegou a "esfolar" alguns dos temas abordados na sua longa descrição (raríssimo feito), distribuindo conceitos e porradas a torto e a direito.
    Não quero, nem vou, colocar mais combustível nesse tema, por mais que o mesmo deva e precise ser tratado por aqueles que se julgam dentro desse processo !
    Pescar para mim, e para muitos de nós, tem que ser visto como a magia & fantasia do encantamento !
    Claro que precisam ter regras, critérios, leis, taxas e o escambau... (sem problemas)
    Mas precisa mesmo é de ter a crença do pescador que todas essas ações em que ele esteja participando (ou co-participando) sejam transparentes !
    Há de se ter mais "diversão" em busca dos Açus amazônicos do que num "pesque & pague", mas neste último (P&P) não há frustração por conta de regras e critérios.
    Pegou, pagou ! Claro que não se trata do mesmo programa, muito menos da adrenalina de navegar pelos rios amazônicos, mas há uma certeza de que a regra do jogo é clara... 
    Enganam-se aqueles que pensam não ter havido diversão e aproveitamento nesses dias de pescaria no Jurubaxi ! Claro que houve, e muita para até não encanar com o fato de levar comida do barco para não ficar sem comer no barranco... sim, isso mesmo, pois nem os fogosos e constantes borboletas estavam ativos... Nem por isso deixamos de pescar, brincar e transformar em limonada aquele azedume de limão verde que enfrentamos !
    Desabafos acontecem, e peço aqueles que se importaram com o que expus, que me permitam ter o benefício da dúvida pelo que escrevi... passado uns dias, repetiria tudo - mesmo assim... 
    Apenas por uma questão de forma de ser, irei responder a todos aqueles que se importaram em enriquecer esse tópico que postei, independente do ponto de vista abordado.
    E vamos em frente, pois a vida (com ou sem Açus) continua... 
  16. Like
    Kid M recebeu reputação de Fred Pisces em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Que nada meu amigo ! Entendi na boa o sentido que pretendia dizer o que escreveu ! Em se tratando de pescaria, tem os ônus e os bônus ! Só não pode ter é pouca transferência e/ou sacanagem, pois aí o projeto de um ano é totalmente desperdiçado ! Mas como sempre disse que peixe é detalhe... vamo que vamo ! 
  17. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Ibrahim em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Vicente, ele está operando a partir do Rio Negro Lodge, próximo à Barcelos ! Equipamento poderoso com Bass Boats e muita mobilidade... 
    Acho que é um pouco por aí ! Temos criatividade quando desejamos, mas não temos nem ética nem bom senso para tratar do tema de forma duradoura... 
    Vamos deixar passar um tempo para buscar nessa sua frase um "alento" para o futuro ! Gostaria muito de um dia, ter meus netos desfrutando da Amazônia...
    "ícones" ? Menos meu amigo... Bons relatos são sempre precedidos de muita alegria e fascínio, independente do sucesso alcançado ! Quem sabe não role algum... 
    Tenho a impressão que isso é algo que ainda vai dar muito "pano pra manga"... aguardemos... 
    Grande Rodrigo,
    Muita generosidade de sua parte fazer esses comentários !
    A despeito do que vemos acontecer, tento - dentro do possível - deixar minha contribuição... Está cedo para retornar ! 
    Mas foi muito legal aquele "bate bola" na viagem de ido no Caravan ! Conversa que nem essa, faz com que a viagem passe bem mais depressa... mas a volta (no início) foi punk 
    Viapiana, meu amigo, agradeço-lhe pelos votos de saúde ! Pescaria sempre haverá, mesmo que sob forma de escrita e virtual ! Sucesso para você também ! 
    Amigo Fabrício,
    Não vou dar continuidade nos pontos abordados, muitos dos quais estão - como de hábito - acertivos e bem formulados !
    Respondo-lhe apenas, como uma forma geral de complementação do que postei, que gente na "melhor idade"  tem formas diferentes de vivenciamento !
    Quero vê-lo sempre nas fronteiras das batalhas, brandindo seus pontos de vista e rebatendo os "espertos" com ação e presença, não necessariamente física ! 
    Se alguém merece ser reconhecido por enfrentar uma briga inglória, posso testemunhar pelos tempos que nos conhecemos, que você é o cara ! Bola pra frente...
    Resumiu tudo para que algo que possa ser visto como um "fracasso" se torne em algo inesquecível ! Não importa onde, ou o que, sempre vale a pena...
    Pode ser uma solução se essa fosse a questão ! Éramos 16, e não tivemos problemas maiores dentre os integrantes... Grupo foi (e será sempre) o melhor dessas aventuras ! 
    Estou nesse time também Renato ! Peixe sempre foi uma consequência, que quando acontece, anima mais, mas nada além disso...
    Grande Neco, mesmo meio sumido de postagens, vejo que permanece atento como de hábito ! Obrigado pela participação ! 
  18. Upvote
    Kid M recebeu reputação de FabianoTucunare em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Apenas para concluir as respostas...
    Fred, nada me foi prometido de uma pescaria amazônica que não soubesse antecipadamente. Não tenho queixas de repiquetes, peixes sem comer, e coisas do tipo ! Amazônia é sempre uma surpresa, se não em pescados, em alegrias e compartilhamento de emoções ! Possivelmente não consegui me expressar adequadamente. Sorry 
    Pois é Márcio, possivelmente você deve ter acertado o cerne da questão ! Tudo está tão chato e negativo que não tive a capacidade de filtrar essas condições na pescaria...
    Grande Fabiano, obrigado pela generosidade de suas palavras, e quando nos encontrarmos (quem sabe numa barranca) espero não decepcionar essa sua expectativa.
    Assim como você, espero que as coisas melhorem, mesmo já tendo a felicidade de ter presentes comigo em pescarias, meu filho e genros !
    Tomara possa fazer o mesmo com os netos (3 até o momento...). Privilégio de levá-los para conhecer a Amazônia e até embarcar uns tucunas será bom demais !
  19. Like
    Kid M recebeu reputação de Rafael Cunha em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Prezados amigos, 
    De forma indesejada, estou trazendo ao FTB uma polêmica real, ainda que baseada num processo de desabafo de minha parte.
    Longe de qualquer propósito de lançar "bravatas" ou "ficar de mau com a vida" ! Quem me conhece sabe da minha índole...
    Agradeço às diversas formas de elogio que vi postadas a minha pessoa, seja pela dedicação ao FTB, seja pela forma equilibrada de me comportar como Moderador, ou mesmo pela generosidade de alguns mais próximos, que chegaram a visualizar pontos "fora da curva", como se íconos fôssemos (isso são para os rotulados e profissionais da pesca esportiva).
    Meu amigo Fabrício chegou a "esfolar" alguns dos temas abordados na sua longa descrição (raríssimo feito), distribuindo conceitos e porradas a torto e a direito.
    Não quero, nem vou, colocar mais combustível nesse tema, por mais que o mesmo deva e precise ser tratado por aqueles que se julgam dentro desse processo !
    Pescar para mim, e para muitos de nós, tem que ser visto como a magia & fantasia do encantamento !
    Claro que precisam ter regras, critérios, leis, taxas e o escambau... (sem problemas)
    Mas precisa mesmo é de ter a crença do pescador que todas essas ações em que ele esteja participando (ou co-participando) sejam transparentes !
    Há de se ter mais "diversão" em busca dos Açus amazônicos do que num "pesque & pague", mas neste último (P&P) não há frustração por conta de regras e critérios.
    Pegou, pagou ! Claro que não se trata do mesmo programa, muito menos da adrenalina de navegar pelos rios amazônicos, mas há uma certeza de que a regra do jogo é clara... 
    Enganam-se aqueles que pensam não ter havido diversão e aproveitamento nesses dias de pescaria no Jurubaxi ! Claro que houve, e muita para até não encanar com o fato de levar comida do barco para não ficar sem comer no barranco... sim, isso mesmo, pois nem os fogosos e constantes borboletas estavam ativos... Nem por isso deixamos de pescar, brincar e transformar em limonada aquele azedume de limão verde que enfrentamos !
    Desabafos acontecem, e peço aqueles que se importaram com o que expus, que me permitam ter o benefício da dúvida pelo que escrevi... passado uns dias, repetiria tudo - mesmo assim... 
    Apenas por uma questão de forma de ser, irei responder a todos aqueles que se importaram em enriquecer esse tópico que postei, independente do ponto de vista abordado.
    E vamos em frente, pois a vida (com ou sem Açus) continua... 
  20. Like
    Kid M recebeu reputação de Lucca Brasi em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Esquema de manejo em SIRN ainda precisa melhorar, e muito... 
    Não bastassem as condições climáticas adversas (ainda em repiquete), o direcionamento dos locais de pesca segue um critério desconhecido (pelo menos sem maior transparência) e ilusório para alguns dos operadores na região ! 
    Cada vez me convenço que estamos desperdiçando a oportunidade de construir algo positivo em termos de pesca esportiva regional ! 
    Não estou postando esse tópico nos Relatos de Pesca, pois não é meu propósito descrever dias de muito esforço para pouquíssimo retorno !
    Estou sim, intrigado como o fluxo comercial dessa atividade apelidada de Pescaria Esportiva está desviando os princípios básicos desejados por qualquer pescador, ou seja, desfrutar de um período de tempo em que aquela grana gasta (crescente a cada ano) renda-lhe algumas alegrias !
    Taxa de pesca na base de R$ 50,00 dia por pescador é o cartão de chegada da Prefeitura de SIRN...  Serviços de comunicação (cel) deficientes para as necessidades dos que por lá vão... (VIVO fora do ar, Oi abandonada e Claro a meia boca) Infra-estrutura de turismo (por conta da taxa cobrada) simplesmente não existem (ou não foram percebidas). Não se escolhe onde pescar, e sim recebe-se um destino, independente das condições de pesca... (problema é de quem pesca) ! Navegação por locais onde há proibição de pesca ao longo do rio, ou seja, alto custo de deslocamento e tempo perdido... Começo a colocar em prática meu propósito de efetiva aposentadoria ! Temo já ter me despedido da Amazônia...

    Nada a ver com a pescaria deste ano, seja em termos de pessoas (grupo excelente sob a Coordenação de João Biguá), de atendimento (o pessoal do Angatu Açu foi show de bola), e da própria embarcação, que conhecia apenas da época em que estava sendo construída ! SHOW !
     
    Da esquerda para a direita : Capacete, Mandubé, Tracajá, Mandi, Sardinha, Traíra, Pacuzinho, Animal, João, Kid, Haroldo, Rômulo, Francisco e Tiago Furlan  

    Fileira superior : Mandi, Sardinha, Animal, Tracajá, Traíra, Capacete, Kid, Haroldo, João e Tiago
    Abaixados : Mandubé, Francisco, Pacuzinho, Bicuda, Mitú e Rômulo 
    Desejo aos que por lá forem, que superem as adversidades encontradas e tragam bons relatos dessa incrível Amazônia... 
     
  21. Like
    Kid M recebeu reputação de Fred Pisces em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Prezados amigos, 
    De forma indesejada, estou trazendo ao FTB uma polêmica real, ainda que baseada num processo de desabafo de minha parte.
    Longe de qualquer propósito de lançar "bravatas" ou "ficar de mau com a vida" ! Quem me conhece sabe da minha índole...
    Agradeço às diversas formas de elogio que vi postadas a minha pessoa, seja pela dedicação ao FTB, seja pela forma equilibrada de me comportar como Moderador, ou mesmo pela generosidade de alguns mais próximos, que chegaram a visualizar pontos "fora da curva", como se íconos fôssemos (isso são para os rotulados e profissionais da pesca esportiva).
    Meu amigo Fabrício chegou a "esfolar" alguns dos temas abordados na sua longa descrição (raríssimo feito), distribuindo conceitos e porradas a torto e a direito.
    Não quero, nem vou, colocar mais combustível nesse tema, por mais que o mesmo deva e precise ser tratado por aqueles que se julgam dentro desse processo !
    Pescar para mim, e para muitos de nós, tem que ser visto como a magia & fantasia do encantamento !
    Claro que precisam ter regras, critérios, leis, taxas e o escambau... (sem problemas)
    Mas precisa mesmo é de ter a crença do pescador que todas essas ações em que ele esteja participando (ou co-participando) sejam transparentes !
    Há de se ter mais "diversão" em busca dos Açus amazônicos do que num "pesque & pague", mas neste último (P&P) não há frustração por conta de regras e critérios.
    Pegou, pagou ! Claro que não se trata do mesmo programa, muito menos da adrenalina de navegar pelos rios amazônicos, mas há uma certeza de que a regra do jogo é clara... 
    Enganam-se aqueles que pensam não ter havido diversão e aproveitamento nesses dias de pescaria no Jurubaxi ! Claro que houve, e muita para até não encanar com o fato de levar comida do barco para não ficar sem comer no barranco... sim, isso mesmo, pois nem os fogosos e constantes borboletas estavam ativos... Nem por isso deixamos de pescar, brincar e transformar em limonada aquele azedume de limão verde que enfrentamos !
    Desabafos acontecem, e peço aqueles que se importaram com o que expus, que me permitam ter o benefício da dúvida pelo que escrevi... passado uns dias, repetiria tudo - mesmo assim... 
    Apenas por uma questão de forma de ser, irei responder a todos aqueles que se importaram em enriquecer esse tópico que postei, independente do ponto de vista abordado.
    E vamos em frente, pois a vida (com ou sem Açus) continua... 
  22. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Renato Barreto em Amazônia - Pescaria frustrada (de novo)   
    Esquema de manejo em SIRN ainda precisa melhorar, e muito... 
    Não bastassem as condições climáticas adversas (ainda em repiquete), o direcionamento dos locais de pesca segue um critério desconhecido (pelo menos sem maior transparência) e ilusório para alguns dos operadores na região ! 
    Cada vez me convenço que estamos desperdiçando a oportunidade de construir algo positivo em termos de pesca esportiva regional ! 
    Não estou postando esse tópico nos Relatos de Pesca, pois não é meu propósito descrever dias de muito esforço para pouquíssimo retorno !
    Estou sim, intrigado como o fluxo comercial dessa atividade apelidada de Pescaria Esportiva está desviando os princípios básicos desejados por qualquer pescador, ou seja, desfrutar de um período de tempo em que aquela grana gasta (crescente a cada ano) renda-lhe algumas alegrias !
    Taxa de pesca na base de R$ 50,00 dia por pescador é o cartão de chegada da Prefeitura de SIRN...  Serviços de comunicação (cel) deficientes para as necessidades dos que por lá vão... (VIVO fora do ar, Oi abandonada e Claro a meia boca) Infra-estrutura de turismo (por conta da taxa cobrada) simplesmente não existem (ou não foram percebidas). Não se escolhe onde pescar, e sim recebe-se um destino, independente das condições de pesca... (problema é de quem pesca) ! Navegação por locais onde há proibição de pesca ao longo do rio, ou seja, alto custo de deslocamento e tempo perdido... Começo a colocar em prática meu propósito de efetiva aposentadoria ! Temo já ter me despedido da Amazônia...

    Nada a ver com a pescaria deste ano, seja em termos de pessoas (grupo excelente sob a Coordenação de João Biguá), de atendimento (o pessoal do Angatu Açu foi show de bola), e da própria embarcação, que conhecia apenas da época em que estava sendo construída ! SHOW !
     
    Da esquerda para a direita : Capacete, Mandubé, Tracajá, Mandi, Sardinha, Traíra, Pacuzinho, Animal, João, Kid, Haroldo, Rômulo, Francisco e Tiago Furlan  

    Fileira superior : Mandi, Sardinha, Animal, Tracajá, Traíra, Capacete, Kid, Haroldo, João e Tiago
    Abaixados : Mandubé, Francisco, Pacuzinho, Bicuda, Mitú e Rômulo 
    Desejo aos que por lá forem, que superem as adversidades encontradas e tragam bons relatos dessa incrível Amazônia... 
     
  23. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Marcos Vinicius de Oliveir em Carteira de Pesca definitiva fora do ar   
    Acho essas coisas algo inominável ! 
    Não vou nem falar do "troca troca" de ministérios responsáveis (ou irresponsáveis) !
    Suspender uma sistemática que mesmo inconsequente (aparentemente) era uma fonte de arrecadação para o propósito (seria mesmo ?), e não disponibiliza-lá para aqueles que querem agir certo ao pagar por suas licenças de pesca anuais, é mesmo uma prova de incapacidade ! Tudo bem que mudança é complicado, coisa e tal, mas por que suspender o serviço que vinha sendo executado de forma lenta mas era feito... Mudança de gestor ? Mas estamos falando de sistemas de computador ! Será tão difícil fazer - mesmo que temporariamente - uma "ponte" e manter o antigo até um novo ser instalado ??
    Contrariamente ao que possa parecer, "cheiro confusão" quando as licenças forem solicitadas (se é que serão), pois via de regra quem as pede, dificilmente está atualizado (ou se faz de desatualizado) para aplicação de multa (quase sempre transformada em suborno). Falamos tanto de "lava jato", de políticos corruptos e demais mazelas que acabam a imagem do nosso País, quando algo tão simples como isso, seja "dispensado" por conta de "problemas de gestão"... Se quisermos mudar o que aí está, será preciso muito mais do que colocar o país nos trilhos... (independente de quem "esteja" no comando...). 
  24. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Marcos Vinicius de Oliveir em Nível do Rio Negro-Temporada 2017-18   
    Marcos,
    Não se preocupar não significa "desprezar" ! 
    Assim como todos, também tenho minha "cota de ansiedade & expectativa" em andamento ! 
    Importante - SEMPRE - é estar tirando o máximo de proveito dessa semana de pura alegria !  
    E vamo que vamo... 
        
  25. Upvote
    Kid M recebeu reputação de Ibrahim em Algumas reflexões...   
    No começo da temporada de pesca do 2º semestre, tenho observado que começa a surgir um "decréscimo" de confirmações em pontos considerados "excelentes", notadamente no alto Rio Negro, embora não deixe de acreditar que essa situação também ocorra em outros locais !
    Sem dúvida alguma, a situação do nosso país, com suas incertezas políticas, econômicas e sociais, é parte dessa equação, e sobre isso não há o que comentar, até por ser este um lugar para se buscar "satisfação" e não "decepção". Mas será mesmo que esse seja um dos principais fatores ? Tenho acompanhado pelo FTB diversas desistências de grupos inteiros, em períodos ditos "excelentes", ou mesmo grupos que não conseguem formar um número mínimo para seguirem adiante ! Os preços praticados subiram (é verdade), mas não tanto para gerarem essa situação ! Também é verdade que a oferta cresceu demasiadamente na região amazônica (soube que existirão "apenas" 55 barco hotéis operando a partir de Barcelos nesta temporada, sem contar com o sistema de pousadas e acomodações ribeirinhas - que crescem a cada ano), e com uma pressão dessas atrás de peixe, por maior que sejam as alternativas de pesca nesse até então "paraíso", desencoraja os que pretendem "buscar seus troféus". Estamos numa etapa "pré-Pantanal" (infelizmente), com a diferença de não existirem (pelo menos de meu conhecimento) indústrias de pescado - substituídas pelas terríveis "geleiras" que devastam tudo !
    Há também a sempre presente "ameaça" de novas leis, impostos e taxas municipais nesses pontos de pesca, que dentro de um custo global, tem pouca influência, mas irritam diante do destino "incerto" que se dá à essa arrecadação (nada de transparência ou melhorias visuais). Para "coroar" todo esse processo nas águas do rio Negro, próximo à SIRN, ainda existem as demarcações de terras indígenas, onde as ações são implementadas apoiadas em decisões/definições que poucos tem conhecimento (no que tange aos operadores, quanto mais aos pescadores). Não entro no mérito do conceito "certo x errado", pois a depender do ponto de vista sempre existirão coisas positivas e negativas em qualquer análise ou forma de definição. Cobro sim, uma evidente transparência e informação prévia àqueles que se programam e investem recursos na busca de um período de "puro prazer" e se deparam com uma situação inadequada e totalmente inversa a que havia sido planejada ! Esse é um conceito básico de respeito e cidadania, coisa que - aparentemente - não estamos acostumados a ter...
    Não foram poucas as vezes que li nesse FTB, falhas operacionais em relatos postados, onde algumas descrições de fatos, passaram a sensação de que "com peixe" tudo se torna "legal e perdoável" ! Mas não é para ser assim ! Precisamos ser mais exigentes nas nossas demandas, até para que os operadores, piloteiros, cozinheiros, donos de pousadas, etc... tenham a certeza de "entregarem o que foi vendido". Quantos de nós já tiveram frustrações por conta de botes inadequados, motores quebrados, guias inexperientes, comida ruim (e consequente "disenteria"), apenas para listar fatos mais corriqueiros...
    Há muita oferta, e através dela, é preciso - SEMPRE - saber selecionar o "produto desejado" ! Haverá sempre um "pacote adequado" dentro das medidas desejadas pelo cliente, e consequentemente um preço disso ! Pode ser mais caro ou mais barato, isso é da regra da oferta x procura, MAS precisa conter a realidade do que será encontrado na pescaria. Naturalmente que não vale pagar por "um fusca" e achar que vai ter "um SUV" ! É preciso o chamado "bom senso", medida essencial para quase tudo na vida...
    Concluindo o tema abordado, entendo que vamos ter em breve, uma nova "repaginação" dos nossos pontos de pesca ! Continuo sem acreditar que nesse primeiro momento seja uma mudança positiva, mas ela será inexorável ! Se fossem adotadas ações como as vistas em Goiás, principalmente no Araguaia, essas mudanças de comportamento seriam mais rápidas e adequadas, porém devo lembrá-los (sem qualquer demonstração de apreço) que continuamos num país onde essas "regras & critérios" tem pouca valia e eficiência, não apenas por falta de fiscalização, mas principalmente por falta de consciência dos próprios pescadores...   
×
×
  • Criar Novo...